O Ecologismo Sistêmico frente ao Ecologismo Instrumental

Na crítica do ecoglobalismo muitas pessoas acreditam que a saída é tratar o meio ambiente como mero amontoado de recursos a serem exploráveis. Na prática, aquilo de que se trata, é de duas visões diferentes do ambientalismo, uma que exclui o homem e a outra que inclui o homem em um sistema complexo de problemas e soluções.

A proteção ambiental é uma das questões mais cruciais e facilmente instrumentalizáveis no mundo contemporâneo. Para compreender a natureza estrutural do problema, deve-se partir de uma compreensão básica dos mecanismos subjacentes da dinâmica do capital, caracterizada pela necessidade intrínseca de crescimento perene e competição entre os agentes econômicos. O sistema de produção capitalista não pode tolerar permanecer sem crescimento por muito tempo (estado estável) e opera de acordo com um sistema de “feedback positivo”, pelo qual em cada ciclo a produção deve aumentar o investimento (input). O estado estável para a sociedade e a economia decretaria o colapso do modelo capitalista.

Este fato tem uma implicação imediata: o modelo capitalista de desenvolvimento é incompatível com a existência ao longo do tempo em um planeta finito com recursos finitos. Esta incompatibilidade, deve-se não somente ao conflito estrutural entre recursos finitos e crescimento infinito, mas também à tendência inerente ao desenvolvimento capitalista de se desenvolver assimetricamente, corroendo seletivamente certos lugares, certos elementos, certos fatores, e assim criando desequilíbrios sempre novos.

O que se deve ter em mente é que nosso modo de vida, moldado pelo sistema de produção capitalista e pela razão liberal, é constitutivamente incompatível com o que é a condição prévia essencial para a saúde orgânica e ambiental, ou seja, o equilíbrio. Crescimento desenfreado (capital), liberação de todos os limites (razão liberal) e a exigência perene de superar o dado (progressismo) são formas de conflito frontal com o equilíbrio orgânico e ambiental.

Pode-se pensar que o liberalismo capitalista e o ambientalismo devem ser inimigos amargos, mas isto não é verdade: é com o meio ambiente, não com o ambientalismo, que reside o conflito. O ambientalismo pode facilmente se tornar um disfarce instrumental para as necessidades do capital. O capitalismo é aquela coisa que pode vender camisetas com Che Guevara e Fidel Castro nelas – feitas pelo trabalho infantil tailandês e com uma margem de lucro de mil por cento – sem bater uma pálpebra e sem perceber nenhum problema de coerência. Pelo contrário, ele apresentará este total desrespeito pela mídia como “liberalidade”.

O mesmo vale para todas as questões ambientais, que, uma vez que entram no moedor de carne liberal-capitalista, são facilmente transformadas em oportunidades de lucro. A única coisa que a abordagem liberal não pode aceitar é a visão global e sistêmica.

Desde que possa focalizar seletivamente toda a atenção da opinião pública em um único problema, em um slogan mágico, em uma solução técnica milagrosa, ela é perfeitamente capaz de transformá-lo – seja ele qual for – em uma oportunidade de lucro. Assim, enquanto mostra que um único problema está sendo remediado, os danos estão sendo feitos em inúmeras outras frentes, que então terão que ser remediados individualmente por sua vez, criando novos danos. E assim, de uma solução brilhante para outra, pode resultar uma degradação sistêmica ilimitada.

Este mecanismo pode ser visto em funcionamento de forma idêntica no caso do meio ambiente como no caso da saúde humana. No caso da saúde, isto significará que os problemas são tratados como pregos salientes individuais sobre os quais se deixa cair o martelo, com pouca ou nenhuma atenção dada ao equilíbrio do organismo que está sendo trabalhado. Uma correta compreensão da saúde pressupõe que se trata de um equilíbrio orgânico que as intervenções externas (terapias) podem ajudar a restaurar: o foco aqui é o equilíbrio do organismo. Em contraste, na concepção liberal-capitalista o foco é o meio ambiente (que é um produto comercial) que é imaginado para alcançar unilateralmente a saúde do organismo.

A mesma abordagem é encontrada com o ambiente, que é tratado estritamente como uma fonte de alarmes ou emergências seletivas, a ser manipulado para favorecer esta ou aquela direção de consumo. O caso do alarme climático atual é um exemplo manifesto desta tendência, não porque o alarme seja necessariamente infundado (poderia ser bem fundamentado e ainda poderíamos adotar um princípio de precaução), mas porque ele é tratado de forma oportunista e instrumental.

A tributação do combustível para os cidadãos que não têm alternativa ao transporte privado para se locomover (como Macron fez na França) não é um “sacrifício comum pelo clima”, mas um ataque classista disfarçado de intenções nobres, porque atinge uma parte, a mais fraca, da população, enquanto se recusa a ver os milhares de outros casos, afetando interesses mais organizados, onde o mesmo problema deveria ser enfrentado (se realmente quer ser enfrentado).

Da mesma forma, declarar que a energia nuclear – na medida em que não contribui para os gases de efeito estufa – é subitamente uma “energia verde” (e pode se beneficiar de inúmeras concessões por ela), é outro exemplo deste unilateralismo ao tratar de questões ambientais. Ele remove da vista todos os problemas ambientais que até agora não foram resolvidos no uso da energia nuclear para enfatizar apenas o aspecto funcional do que a mídia simbólica declara ser a “issue du jour”.

Nesta abordagem, a disposição subjacente é motivada por uma cegueira intencional: não se quer sequer levar a sério, remotamente, a única coisa que deve ser levada a sério, ou seja, a incompatibilidade deste modelo socioeconômico com os equilíbrios ambientais (de fato, naturalmente). Uma vez que esta opção sistêmica é descartada, sempre se concentra apenas nas pseudo-soluções parciais e instrumentais que permitem os negócios sigam como antes.

O liberal assume por definição que para qualquer problema existe em princípio uma solução de mercado, e que encontrá-la é apenas uma questão de incentivos. Esta visão o torna cego a qualquer problema sistêmico, pois o sistema em si não é contestável: não há oxigênio fora da bolha de ar liberal-capitalista (antecipo as objeções habituais dizendo que os sistemas de produção não capitalistas podem, EM PRINCÍPIO, evitar a armadilha do crescimento obrigatório, mas não precisam fazê-lo: o progressismo soviético não era mais amável ao meio ambiente do que o progressismo americano).

A simples verdade sobre a questão ambiental é que ela se harmoniza bem com uma atitude “conservadora” e muito mal com uma atitude “progressista”, mas paradoxalmente esta última conseguiu se apropriar dela, transformando-a em um instrumento de manipulação social e econômica.

A falsa consciência do “progressismo” ambiental contemporâneo é evidente no classismo que o domina. Ao contar a si mesmo a história abstrata de que os problemas ambientais afetam a todos igualmente, ricos e pobres, o liberal-progressismo se apropria das exigências ambientais ao acreditar ser o portador de um bem superior, o que, portanto, também lhe dá o direito de usar meios coercitivos contra os recalcitrantes.

A combinação da preponderância dos interesses comerciais (que impulsionam o “mercado de soluções ambientais”), e a habitual arrogância como detentores do “bem maior” (que caracteriza o progressismo) faz da apropriação liberal-progressista da questão ambiental uma flagrante demonstração de classismo.

Se finge não ver o óbvio, que é que se realmente se quer enfrentar a questão ambiental de frente, a primeira coisa a fazer é enfrentar o problema sistêmico do crescimento forçado e da competição entre posições econômicas assimétricas. A solução deste problema implicaria, de fato, uma mudança que implica um período de sacrifício, uma vez que as expectativas anteriores não podem ser atendidas (de fato, elas não são mais para a maioria das pessoas).

Mas se entrarmos na perspectiva de mudanças nas formas de vida que envolvem sacrifícios, fica claro que esses sacrifícios DEVEM começar do topo da pirâmide social. É impensável que enquanto as capitalizações de uma pequena elite financeira global são as mais altas da história, as pessoas que estão lutando para pagar suas contas estão sendo convidadas a apertar os cintos. E igualmente, é impensável pedir sacrifícios iguais a nações com baixos índices de consumo e bem-estar e nações com altos índices de bem-estar e consumo hiperbólico (os EUA lideram o caminho).

A questão ambiental é uma questão epocal e muito importante, mas somente a mais flagrante má fé pode fingir não ver como ela está necessariamente entrelaçada com a questão das relações de poder econômico.

Não se exige “sacrifício comum” enquanto se pede a um que pague um imposto ecológico por uma Ferrari e outro por gasolina para levar seus filhos à escola. Você não pode apelar para “estar todos no mesmo barco”, desde que o seu seja um iate e o deles um bote salva-vidas.

Até que o ambientalismo seja inequivocamente despojado de seu classismo implícito, ele permanecerá um jogo retórico destinado aos plebeus, para permitir que aqueles que estão no topo possam preservar os diferenciais de poder.

E o ambientalismo no molho liberal-progressista está estruturalmente impedido de dar este passo.

Fonte: IdeeAzione

Imagem padrão
Andrea Zhok

Filósofo italiano.

Artigos: 6

Deixar uma resposta