Perspectivas sobre a Guerra Civil Molecular e a Anomia Argentina

Após uma suposta tentativa de assassinato contra Cristina Kirchner, em circunstâncias peculiares, pelas mãos de um “lobo solitário” claramente desequilibrado, é necessário atentar para o deslize das sociedades ocidentais no caso generalizado por causa do aprofundamento da anomia social, especialmente entre os jovens.

O ataque fracassado contra a vice-presidente argentina, a priori, parece ser a ação do que os Estados Unidos chamam de “lobo solitário”, a ação terrorista de um indivíduo isolado, um fenômeno que se espalhou e foi coberto pela mídia em todo o mundo nas últimas décadas e que faz parte do que é conhecido como “guerra molecular”, tema tem sido tratada com atenção pelo coronel Carlos Pissolito a partir de uma perspectiva analítica pertinente como uma evolução da guerra convencional que deriva de um fato sociológico que tem recebido pouca atenção.

A guerra civil molecular tornou-se uma característica das sociedades ocidentais e o enfraquecimento dos Estados; é uma fase de fragmentação social, consequência da decadência cultural, da crise econômica crônica e do niilismo individual. A característica essencial do ator terrorista, os novos partisanos, é o autismo social, que, ao contrário dos antigos partisanos, não tem nenhum objetivo estratégico, nenhuma convicção ideológica, eles são apenas uma mão-de-obra barata manipulada por técnicas psicopolíticas, propaganda midiática, uma cultura de ódio generalizado e ressentimento profundo.

É o exercício da violência pela violência, mas longe de uma ação revolucionária contra a “força” do Estado, a burguesia, ou como uma ação de redenção como George Sorel concebia. Ela não está necessariamente desligada da ideologia, mas das subculturas marginais, dos círculos sectários, da rejeição da sociedade e da própria marginalização, do não reconhecimento de normas. É a expressão da ANOMIA na sociedade.

Hans Magnus Enzensberger em seu Ensaio sobre as Discórdias diz:

“Vamos agora olhar para aqueles envolvidos em nossas próprias guerras moleculares. Temos a tendência de rotulá-los como extremistas de direita ou neonazistas, e por isso pensamos que sabemos em que prestar atenção. Nesses casos, a ideologia é apenas uma mascarada… Esses atos espontâneos externam a raiva contra tudo o que ainda está inteiro, o ódio contra tudo o que ainda funciona; um ódio que forma uma amálgama indissolúvel com o ódio a si mesmo. Os jovens são a guarda avançada da guerra civil. Isto não se deve apenas ao acúmulo normal de energia física e emocional entre os adolescentes, mas também à herança incompreensível com que são confrontados…”.

As sociedades ocidentais caíram em uma situação onde não há futuro e nenhuma esperança, o futuro é sombrio sem possibilidade de melhoria para os jovens que não conseguem encontrar um emprego ou começar uma família, os jovens vivem pior que seus pais e nem a esquerda nem a direita podem garantir-lhes um horizonte, apenas o acesso às drogas e uma cultura descartável onde a própria vida não tem sentido. É aqui que aparece a raiva contra sociedades que não têm nada a oferecer além de miséria e marginalidade com elites políticas totalmente desvinculadas destes problemas.

A dinâmica internacional sob a pressão do tráfico de drogas, do terrorismo, dos fluxos migratórios, dos conflitos culturais, dos crescentes antagonismos sociais e, ao mesmo tempo, a competição por recursos naturais, alimentos e energia assume a dimensão de uma “guerra civil mundial” como Carl Schmitt a definiu, devido ao enfraquecimento dos Estados, à perda de soberania e à perda de poder sobre o controle territorial. Ou então assume as características de uma terceira guerra mundial a conta gotas, “em prestações”, como Francisco a definiu. E devido a seu posicionamento geoestratégico e capacidade de recursos, juntamente com seu caminho sociocultural, a Argentina não parece estar isenta desta guerra e da disputa que está ocorrendo em nível global. Somente através de uma análise objetiva da política global é possível compreender a política local, pois a política nacional está sujeita à política internacional, que é a verdadeiramente importante.

Talvez esta seja a característica de uma época, a da decomposição de um império que expande sua decadência e dissolução social do centro para a periferia onde, como diz o autor Enzensberger no início de seu livro, citando Nietzsche: “Somente os bárbaros podem se defender”.

Fonte: KontraInfo

Imagem padrão
Cristian Taborda

Jornalista e analista político internacional argentino.

Artigos: 6

Deixar uma resposta