Civilização e Nação: A Ordem Multipolar de Aleksandr Dugin

A ascensão da multipolaridade, tal como Dugin a descreve, representa a única solução possível para a ameaça do globalismo. Mas essa ascensão se dá, também, pela superação do modelo oitocentista de Estado-nação em prol da formação de blocos e alianças baseados no pertencimento civilizacional.

O filósofo e geopolítico russo Aleksander Dugin, cuja filha Daria foi morta recentemente em um ataque ainda não esclarecido, está lutando por uma ordem mundial completamente nova. A guerra na Ucrânia é o prelúdio? Em seu último livro, Missão Eurasiática, Aleksander Dugin escreve como uma nova ordem mundial multipolar sem o domínio dos EUA pode se tornar possível. Leia mais aqui.

A obra Fundamentos da Geopolítica de Aleksander Dugin (1997) é considerada leitura padrão nas academias militares russas. Nele, o filósofo e cientista político, que ocupava uma cadeira na sociologia das relações internacionais na Universidade Lomonosov de Moscou, divide a terra geopoliticamente em três grandes regiões: o mundo insular (EUA e Grã-Bretanha), a Eurásia (Europa Central, Rússia e Ásia) e a Rimland (os Estados entre as duas principais regiões mencionadas).

Seu pensamento está baseado no eurasianismo, uma escola de pensamento filosófico-geopolítico desenvolvida nos anos 20 por exilados russos em torno de Nikolai Trubetzkoy e centrada na ideia de uma oposição fundamental entre a potência continental Rússia e as potências marítimas anglo-saxônicas.

OTAN e EUA contra a Rússia: o principal conflito geopolítico, atualmente sendo travado no terreno na Ucrânia.

Segundo Dugin, que atualizou o eurasianismo, houve e há um conflito permanente entre os dois polos em termos geoestratégicos, mas também ideológicos: globalização e universalismo versus ordem mundial multipolar e a preservação das respectivas características culturais.

Adeus ao Estado-Nação?

No centro da crítica de Dugin está a reivindicação da liderança global do liberalismo (e do capitalismo) ocidental, que ele vê – nisso concorda com seu colega contemporâneo Alain de Benoist – como a maior ameaça para os povos ou o “principal inimigo”.

Washington, diz ele, se esforça para afirmar esta pretensão de liderança em todo o mundo, seja por sedução, métodos subversivos como a “revolução colorida” ou força militar explícita. Aqueles que não se submetem de bom grado aos ditames do capital financeiro, à doutrina do livre comércio ou a ideias como a integração da perspectiva de gênero, serão invadidos por insurreições populares e guerras, diz Dugin com uma visão.

Como alternativa à globalização, Dugin delineia sua “ideia etnopluralista eurasiática”, que não se limita ao espaço russo-asiático e se inspira abertamente no conceito de Grande Espaço de Carl Schmitt. Sobre isto ele escreve:

“A ideia eurasiática combina em si mesma todas as abordagens críticas da globalização. O eurasianismo rejeita categoricamente a visão de mundo ocidental, segundo a qual o planeta está dividido em um centro (o mundo anglo-saxão e a Europa) e regiões externas remotas (América do Sul, África, Ásia). Em contraste, a visão eurasiática vê o mundo como um conjunto de habitats políticos, culturais e econômicos totalmente diferentes que se correspondem entre si”.

Dugin considera obsoleta a ordem internacional com os Estados-nação como atores políticos soberanos, o “sistema da Paz de Vestfália”. Na verdade, o poder real há muito tempo reside em estruturas completamente diferentes – supranacionais ou mesmo econômicas.

Como ele também considera que esta ordem não é mais reinstalável, ele defende um sistema de relações internacionais com “civilizações” (ele toma o termo de Samuel Huntington, mas o reinterpreta de acordo com seu ponto de vista) como novos atores.

Muitas vezes referido como um “nacionalista grão-russo”, Dugin se distanciou do nacionalismo anos atrás:

“Eu não sou um nacionalista, mas um tradicionalista”.

E, além disso:

“Há uma necessidade geopolítica de uma federação ou aliança europeia, qualquer que seja sua forma, se o continente quiser desempenhar um papel no futuro”.

Em seus Fundamentos da Geopolítica, ele chega ao ponto de escrever:

“O mundo multipolar não considera a soberania dos Estados-nações existentes como uma vaca sagrada porque esta soberania está baseada em fundamentos puramente jurídicos e não é apoiada por um potencial militar e político suficientemente forte”.

A verdadeira soberania, disse ele, “só pode ser reivindicada por um bloco ou coalizão de Estados” nas circunstâncias dadas.

Com os Outros e Não Contra os Outros

Além da “civilização” ocidental (América do Norte e Europa Ocidental), Dugin identifica seis outras, a saber: ortodoxa ou eurasiática (os Estados da ex-União Soviética assim como partes da Europa Oriental e Meridional), islâmica (África do Norte, Ásia Ocidental e Central assim como partes da região do Pacífico), chinesa (China, Taiwan e os estados da ASEAN), indiana (Índia, Nepal e Maurício), latino-americana (América do Sul e Central) e japonesa (Japão).

Este modelo não inclui a África, que Dugin vê como uma “civilização potencial” que ainda precisa de tempo para se desenvolver plenamente e entrar na cena política mundial.

Para as “civilizações”, os novos “polos do mundo multipolar”, argumenta, devem ser soberanos e ter “de um ponto de vista jurídico formal” um centro de poder jurídico. E ele escreve:

“A área na qual uma civilização exerce seu poder de governo e estabelece as regras do jogo em vigor deve ser diferenciada e levar em devida consideração a composição étnica e confessional de sua população”.

Além dos grupos confessionais, as classes sociais também teriam que estar adequadamente e “legalmente representadas” na respectiva “civilização”. Seu objetivo final é a coexistência e a coabitação e não a oposição de civilizações e também de grupos populacionais dentro de uma civilização.

Fonte: Compact Online

Imagem padrão
Valentina Schacht

Jornalista alemã.

Artigos: 6

Deixar uma resposta