Daria Dugina, a pesquisa sobre Bellingcat pela jornalista filha de Dugin

Pouco antes do assassinato de Daria Dugina, a mesma havia revelado que estava investigando as ligações de um jornalista do portal Bellingcat (portal que se tornou uma das fontes mais confiáveis da mídia ocidental sobre a guerra na Síria, os eventos após o golpe na Ucrânia e a contra-informação russa) com a inteligência ocidental e anunciou que havia coletado diversos materiais que comprovavam esta ligação.

Por Francesca Totolo

A dinâmica e o mistério acerca do ataque que matou Daria Dugina, uma jornalista de trinta anos russa e filha do filósofo russo Aleksandr Dugin, em Moscou, ainda não estão claros e provavelmente nunca estarão. Neste artigo, vamos nos concentrar na pesquisa de Dugina que descobriu as ligações entre Bellingcat, “coletivo internacional independente de pesquisadores, investigadores e jornalistas cidadãos” com sede na Holanda, e organizações financiadas pelos governos ocidentais.

Fonte: ilprimatonazionale, 2022

Antes do ataque, Darya Dugina estava investigando, em particular, as ligações de um jornalista de Bellingcat com a inteligência ocidental e anunciou que havia coletado muito material.

O que é Bellingcat, o coletivo internacional que Daria Dugina estava investigando?

Desde a sua fundação em 2014, Bellingcat tornou-se uma das fontes mais confiáveis da mídia ocidental, incluindo a italiana, sobre a guerra na Síria, os eventos após o golpe na Ucrânia e a contra-informação russa.

Fonte: ilprimatonazionale, 2022

Em 2014, seu fundador Eliot Higgins trabalhava em uma loja de lingerie em Londres e “blogava” de seu estúdio. “Começou como um hobby. Eu não tinha nenhum histórico sobre as coisas que eu estava escrevendo. Foi principalmente porque em 2011 eu estava assistindo o conflito na Líbia e as coisas que estavam sendo compartilhadas nas mídias sociais foram amplamente ignoradas porque não podiam ser verificadas”, disse Higgins em entrevista ao The Guardian.

Fonte: ilprimatonazionale, 2022. Tradução: Nada mal para um vendedor de lingerie “blogando” de sua cama em Londres

Inicialmente, acreditava-se que Bellingcat era financiada através de crowdfunding, mas posteriormente foram descobertos seus verdadeiros financiadores. “Recebemos muito do nosso dinheiro de doadores como a Open Society Foundations (fundada pelo especulador George Soros)”, apontou Eliot Higgins. Os clientes da Bellingcat são “jornalistas, funcionários de ONGs e organizações de direitos humanos, advogados, pessoas em negócios e inteligência.”

Fonte: ilprimatonazionale, 2022

Muito tem sido dito sobre as ligações entre Bellingcat e os serviços de inteligência ocidentais, o que Eliot Higgins também negou. Em um artigo de Política Externa, intitulado “Bellingcat pode dizer o que a inteligência dos EUA não pode”, vários ex-funcionários da CIA elogiam as atividades de Bellingcat. “Não quero ser exagerado, mas adoramos”, disse Marc Polymeropolous, ex-vice-chefe de operações da CIA para a Europa e a Eurásia, que acrescentou: “Sempre que tivemos que falar sobre isso (envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal) com nossos parceiros, em vez de tentar esclarecer as coisas ou se preocupar com problemas de classificação, poderíamos simplesmente nos referir ao seu trabalho”. Daniel Fried, Secretário de Estado Adjunto para os Assuntos Europeus e Eurasiáticos da presidência de George W. Bush, salientou: “A vantagem de ter Bellingcat a fazer isso é que você não deve ter um debate sobre fontes e métodos dentro do seu governo.” Na prática, os serviços de inteligência dos EUA usaram o Bellingcat como um serviço de informação, quando não podiam divulgar as fontes e quando não podiam disseminar informações coletadas no “mercado negro”.

Fonte: ilprimatonazionale, 2022

Basta seguir o dinheiro, ler os orçamentos, para entender os interesses por trás das atividades investigativas da Bellingcat. O coletivo Higgins recebe e recebeu apoio financeiro da União Europeia, das Fundações da Open Society de George Soros, do Sigrid Rausing Trust e da Fundação Oak (fundações de Soros), do Jornalismo Investigativo da Europa (financiado pela Comissão Europeia e pela Fundação Soros), a Zinc Network (financiada pelo Ministério das Relações Exteriores britânico) e o Ned (National Endowment for Democracy), uma fundação americana “independente” fundada em 1983 com o objetivo de “promover a democracia no exterior” que recebe subsídios anuais do Congresso dos Estados Unidos. Em 2018, o presidente Donald Trump propôs cortar o financiamento para Ned. Finalmente, para entender melhor o poder de fogo da Bellingcat, é essencial destacar que, em apenas três anos, suas receitas aumentaram 140%, de 920 mil euros para 2,2 milhões de euros.

Fonte: Il Primato Nazionale

Imagem padrão
Nova Resistência
Artigos: 585

Deixar uma resposta