Polônia: O Caminho da Gestalt e a Nova Geopolítica

Hoje se toma como dado que a russofobia é da essência da Polônia. Mas nem sempre foi assim. Na verdade, o nascimento da estatalidade polonesa se dá em uma chave antiocidental e essencialmente eslava. O futuro da Polônia depende de um retorno a suas raízes.

É tradicionalmente aceita a divisão da concepção polonesa de sua missão geopolítica em duas direções: a ideia jagueloniana e a ideia piastiana. Cada uma refere-se a duas épocas da história polonesa e duas dinastias: os Piasts, que fundaram o Estado polonês e conduziram uma política externa ativa no Ocidente (Alemanha, República Tcheca e Hungria) e os Jaguelões, que uniram a Polônia com a Lituânia e mudaram o foco da política externa polonesa para o Oriente.

A geopolítica jagueloniana vê a Polônia como a protetora do mundo cristão ocidental da Rússia; a Polônia como a portadora de uma missão para promover a civilização ocidental no Oriente. É uma referência simbólica aos dias da Rzeczpospolita, ao legado geopolítico e ideológico de Pilsudski (nacional-conservadorismo), ao sarmatismo, à nobreza, aos conceitos de “InterMarium”, ao “prometeísmo”, à ULB de Giedroyc-Meroszewski (Ucrânia, Lituânia, Belarus). Esta é a geopolítica contemporânea da Polônia.

Em contraste, a ideia piastiana sempre foi caracterizada por uma ênfase no confronto com o Ocidente germânico. O paradigma piastiano era característico de Roman Dmowski e dos nacional-democratas, os opositores de Piłsudski “à direita”. Os nacionalistas e nacional-democratas (símbolo da “Espada dos Bravos”) e os partidos camponeses (“Partido Camponês Polonês de Piast”) se voltaram logicamente para símbolos que se referiam à antiga era piastiana.

Por um lado, o Piast se tornou um símbolo de autenticidade, de “politeia” (é por isso que no tempo de Rzeczpospolita um candidato ao trono real era chamado de Piast, e não podia ser de origem estrangeira). Por outro lado, a referência à herança Piast tornou-se tanto um símbolo de conexão com a terra quanto uma dimensão camponesa, parcialmente oposta às dimensões “nobre” e “jaguelônica” do nacionalismo polonês, que os camponeses consideravam com desconfiança. Não surpreendentemente, como o primeiro primeiro primeiro ministro da Polônia independente Witos Wincenty, fundador do partido Piast, salientou, em 1918 os camponeses estavam apreensivos com a reconstituição do Estado polonês, temendo o retorno das antigas ordens feudais [1]. Notadamente, no final da Segunda Guerra Mundial, Vincenty tornou-se um dos vice-presidentes do Krajowa Rada Narodowa, o governo pró-soviético da Polônia, que em 1944 empreendeu uma extensa reforma agrária que eliminou os últimos remanescentes da “panchyna” [2] em terras polonesas.

Os comunistas poloneses, entre os quais – como muitos de seus companheiros da Comintern – eram tradicionalmente fortes nacionalistas de esquerda, quando chegaram ao poder começaram a construir o socialismo com uma “face piastiana”, e não apenas polonesa. As referências simbólicas à era piastiana ao invés da era jagueloniana implicaram um apelo ao povo e aos camponeses, uma consolidação étnica (ao invés do federalismo multiétnico da Comunidade Polaco-Lituana), mas também uma política externa antiocidental em bloco com a URSS, justificando até mesmo a mudança das fronteiras da Polônia para o oeste como um retorno à “herança piastiana”.

Segundo o historiador polonês Adam Zamoyski, o regime “se apresentou como uma versão socialista do Reino Piast medieval” [3]. A invocação simbólica do legado de Piast ocorreu em todos os níveis: desde enfatizar em documentos oficiais que o brasão polonês é “a águia de Piast” até cartazes de propaganda mostrando antigos reis eslavos ansiosos pelas conquistas territoriais no Ocidente. A criação da Organização do Pacto de Varsóvia, destinada a combater o Ocidente, onde a Polônia era a segunda potência militar depois da URSS, pode ser vista como o ponto culminante da geopolítica “piastiana” da Polônia no século XX.

O discurso histórico oficial contemporâneo na Polônia tende a ignorar tanto o caráter esquerdista-nacionalista do KRN nos primeiros anos de sua existência e após o retorno de Vladislav Gomulka ao poder em 1956, quanto o apoio maciço à reforma camponesa realizada pelos próprios comunistas.

A repressão e o envolvimento dos órgãos de segurança do Estado soviético, a insatisfação em massa com o patrocínio militar soviético, a natureza alienada da ideologia marxista – tudo isso contribui para a demonização do legado e da experiência da KRN na Polônia contemporânea, e em grande medida foi isso que causou o declínio da KRN como um distinto projeto “nacional-bolchevique”.

Ao mesmo tempo, tanto os aspectos geopolíticos quanto os aspectos sociais e historiográficos da recriação do “reino Piast” em um envelope socialista testemunham de forma convincente que esta forma se opôs à ortodoxia comunista de muitas maneiras e se tornou uma expressão das tendências sociais e políticas internas da Polônia, especialmente aquelas que se opuseram à Polônia “jagueloniana” de Piłsudski. Isto pode explicar a colaboração com os comunistas de Witos Wincenty ou Bolesław Piasecki, líder do movimento nacional conservador-revolucionário Falanga, que se tornou o chefe da associação católica PAX na nova Polônia [4]. Outros líderes do campo nacional-democrata, que apoiaram uma série de transformações na nova Polônia, incluem o escritor Wladyslaw Grabski (filho do primeiro-ministro polonês) e o colaborador de Roman Dmowski, o historiador Stanisław Kozicki.

Um exemplo interessante e trágico é o destino de outra figura de destaque na democracia nacional, Adam Doboszyński. Um opositor categórico do bolchevismo e do marxismo, ele retornou à Polônia em 1947. Não aceitando o regime comunista, ele buscou ligações com a resistência armada, tentando provar que o Ocidente capitalista não viria em auxílio dos nacionalistas poloneses. Doboszyński, embora rejeitando a ideologia comunista, elogiou a mudança das fronteiras na direção ocidental e a nacionalização das empresas e argumentou que as mudanças econômicas e especialmente a reforma agrária dos comunistas “representam um passo em direção a uma ordem cristã, não ao marxismo” [5].

Doboszyński, em seu livro inacabado A Meio do Caminho, observou que “nem a vitória do capitalismo de base estadunidense nem o marxismo totalitário dos soviéticos” na atual Guerra Fria traria a humanidade a uma cura. Pelo contrário, em sua opinião, o rápido desenvolvimento da tecnologia e a queda dos valores religiosos e morais anunciavam um “cenário apocalíptico” do qual, após uma sucessão de guerras e catástrofes, uma nova humanidade surgiria.

Para a Polônia, ele via a salvação em confiar no catolicismo, defendendo uma renovação intelectual (neotomismo) e espiritual da fé e a construção de um novo sistema político, social e econômico baseado em valores cristãos e um amplo autogoverno popular. Doboszyński, porém, deixou como legado não descartar todo o legado dos dias do socialismo, preservar o que corresponde ao espírito anticapitalista cristão e tentar mudar o sistema socialista a partir de dentro.

Em 1949, Adam Doboszyński foi executado em Varsóvia. Após a queda do socialismo, sua vontade não foi realizada. A Polônia tomou o caminho das transformações do mercado e da “terapia de choque” no espírito neoliberal.

A posição e o caminho de vida de Adam Doboszyński, e alguns outros nacional-democratas poloneses do pós-guerra, são semelhantes aos dos eurasianistas e nacional-bolcheviques russos que o precederam por duas décadas. Eles também se opunham claramente à ideologia do marxismo, mas acreditavam que muitas transformações antiburguesas na Rússia soviética poderiam servir à causa do renascimento nacional. Como Doboszyński, muitos eurasianistas e o ideólogo nacional-bolchevique Nikolai Ustryalov visitaram a URSS e apostaram em mudanças internas no sistema ou em seu enfraquecimento por grupos patrióticos de dentro. Como Ustryalov, Doboszynsky pagou com sua vida pelo seu retorno à sua pátria.

Por um lado, a repressão ou marginalização dos partidários do “nacional-bolchevismo” no socialismo real pode servir como argumento para o fracasso de seus projetos e a incapacidade do sistema marxista de renascer fundamentalmente em um espírito nacionalista. Por outro lado, sua própria presença, assim como as características “narodnistas” e heterodoxas do socialismo real, não nos permitem considerar este fenômeno como acidental ou sem importância.

No caso polonês, onde as referências simbólicas dos nacionalistas ao componente popular do oficialismo do PRP e das forças camponesas à figura de Piast combinam organicamente geopolítica continental, antiburguesia, autoctonia, autenticidade, apelo ao horizonte camponês, e a dimensão popular eslava da identidade polonesa, podemos falar não apenas de um símbolo, mas também de uma “Gestalt de Piast”.

“Gestalt”, neste caso, é entendido no sentido mais geral deste termo em língua germânica como uma estrutura integral, não derivada de seus componentes constituintes, mas que os precede, ficando por trás deles. Uma Gestalt não é uma unidade artificialmente construída, mas uma totalidade encontrada que se expressa no contexto de várias ideologias, brilhando através das ações, afirmações e pensamento dos indivíduos.

A “Gestalt de Piast” – o rei-sol do arado eslavo, fundador da primeira dinastia histórica dos reis poloneses – é aquela dimensão da identidade polonesa cujo apelo pode desenvolver um entendimento do papel geopolítico e do futuro da Polônia diferente do que lhe é oferecido atualmente.

Isto é extremamente importante para a Rússia nas atuais circunstâncias históricas, quando a Polônia se tornou um dos mais importantes bastiões do atlantismo e da russofobia, quando é através da Polônia que o regime de Kiev, em oposição à Rússia, é largamente alimentado. No entanto, tanto os russos quanto os poloneses terão que eventualmente encontrar uma língua comum e de alguma forma coexistir no espaço eurasiático. A atual ideologia pseudo-conservadora do partido governista Lei e Justiça polonês não sugere tal coexistência, levando Varsóvia, se não ao suicídio geopolítico, a uma grave crise. Uma alternativa pode ser encontrada se formos além dos clichês historiográficos de inimizade permanente e nos voltarmos para as ideias, figuras e símbolos associados à Gestalt de Piast.

Abordar a Gestalt de Piast como uma unidade semântica na qual a geopolítica, ideologia e historiografia são reveladas é um gesto revolucionário porque exige uma recusa em considerar a geopolítica polonesa contemporânea e a tradição nacional-romântica subjacente como um imperativo normativo ou autoevidente. Mas é também um gesto enfaticamente conservador porque significa abordar os aspectos mais antigos e profundos da identidade eslava polonesa.

A unidade eslava e cristã comum, as tradições da democracia e autogoverno do povo eslavo e o apelo ao horizonte camponês também são áreas importantes de pesquisa em análise geosófica e noológica [6]. Elas também podem ser relacionadas especificamente à Gestalt de Piast.

O desenvolvimento e a compreensão da Gestalt de Piast também pode se tornar um componente importante do diálogo e da pesquisa polaco-russa no espírito da Quarta Teoria Política [7]. Do lado russo, este tema requer extrema sensibilidade, compreensão do contexto polonês, empatia e respeito pelo interlocutor, e rejeição dos clichês ideológicos soviéticos e pós-soviéticos.

Em vez de agir como uma ferramenta obediente do Ocidente euroatlântico em sua luta com a Rússia e procurar vingar os erros e derrotas do passado, promovendo, em última instância, valores no Oriente que são incompatíveis com a dimensão cristã-católica ou popular pré-cristã da identidade polonesa, Varsóvia poderia se tornar um baluarte da tradição. O verdadeiro desafio para a política de hoje não vem do Oriente, mas do Ocidente descristianizado. Mas isto também exige uma reformulação do componente sarcástico e nobre da ideia nacional polonesa, que é uma prerrogativa dos próprios poloneses.

Notas

[1] “So how did the peasants become Poles?”
https://whereispoland.com/en/who-was-polish/7
[2] Mikołaj Gliński. Colonialism the Polish way, or the long shadow of panchyna https://culture.pl/ru/article/kolonializm-po-polski-ili-dlinnaya-ten-panshchiny
[3] Kozdra, J. R. (2017). “What sort of communists are you?” The struggle between nationalism and ideology in Poland between 1944 and 1956.
https://ro.ecu.edu.au/theses/1955  
[4] Engelgard. J. Bolesław Piasecki 1939-1956. Wydawnictwo Myśl Polska, Warszawa 2015
[5] Doboszyński А.  W pół drogi cz. III.
https://dzienniknarodowy.pl/adam-Doboszyński-pol-drogi-cz-iii/
[6] Dugin A.G. “Noomachy: Wars of the Mind. Eastern Europe. Slavic Logos: Balkan Navi and Sarmatian Style” – M.: Academic Project, 2018.
[7] Dugin A.G. “The Fourth Political Theory”, M.:2009, Dugin A.G. “The Fourth Way. Introduction to the Fourth Political Theory”. М.: 2014.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Alexander Bovdunov

Doutor em Sociologia pela Universidade de Moscou, liderança do Movimento da Juventude Eurasianista.

Artigos: 6

Deixar uma resposta