O Que o Encerramento das Atividades da Clínica Tavistock revela sobre os Perigos da “Transição de Gênero”

O Instituto Tavistock se tornou infame por seu envolvimento em inúmeros projetos de engenharia social. Agora, após anos de denúncias e escândalos, a sua clínica pediátrica, responsável por milhares de “transições de gênero” em crianças, finalmente está fechando as portas.

Está tudo acabado: a Clínica de Cuidados Pediátricos Tavistock do Reino Unido fechará no próximo ano. É a maior instalação de transição de gênero do mundo. A decisão das autoridades sanitárias era inevitável. E mesmo assim… foram necessários 17 anos para que as vozes dos denunciantes fossem finalmente ouvidas, apesar da pressão dos ativistas e da covardia dos funcionários do governo que estavam aterrorizados de serem chamados de “transfóbicos”. O escândalo estava ficando grande demais… Portanto, esta é uma grande notícia, apesar dos terríveis danos causados às crianças e jovens vulneráveis por tantos anos. Mas os detalhes da investigação que motivou esta decisão devem alertar os pais e as autoridades em outros países, observa Bernard Lane para a Quillette.

Desde 2009, 20.000 crianças passaram pela clínica. Em 2021/2022, o número de pacientes subiu de 250 há dez anos para mais de 5.000… Durante anos, foram feitas demissões na clínica e enviados relatórios às autoridades. O veredito é claro: a equipe médica da clínica administrou tratamentos experimentais em pacientes jovens, deixando de lado tudo o que a psicoterapia poderia ter feito para entender e tratar seus distúrbios. É a ideologia que tem prevalecido: uma criança nasce “transexual” e é apenas uma questão de ajudá-la apressando a transição física. Todo o trabalho de diagnóstico, para detectar possíveis distúrbios psiquiátricos, traumas, foi deliberadamente abandonado como perda de tempo. Esta abordagem é chamada de “protocolo holandês”, depois de uma clínica pioneira em Amsterdã que já havia começado a administrar drogas bloqueadoras da puberdade nos anos 90. O argumento de “propaganda” permanece o mesmo hoje: a criança é aliviada da tortura psicológica e, ao mesmo tempo, é-lhe permitido reverter o processo antes do próximo passo de administrar hormônios do “gênero” desejado. Isto seria reversível sem danos, de acordo com os promotores deste protocolo.

Agora sabemos que isso não é verdade. Assim que o primeiro passo é dado, as crianças são condenadas a tomar drogas para o resto de suas vidas. O escândalo ético é óbvio: como podemos afirmar que aos 9 anos de idade para as meninas, e pouco mais velhos para os meninos, temos maturidade suficiente para tomar tal decisão? O estudo das experiências na Tavistock revela grandes riscos médicos. As drogas usadas para bloquear a puberdade teriam o efeito colateral de causar um déficit na densidade óssea. Os hormônios sexuais desempenham um papel decisivo no desenvolvimento do esqueleto: por exemplo, os estrogênios femininos permitem que o cálcio seja fixado aos ossos. Um relatório sueco menciona um caso de osteopenia (que normalmente afeta pessoas mais velhas) em um paciente de 15 anos após 4,5 anos de uso de bloqueadores hormonais. O mesmo relatório também menciona um risco de comprometimento neurológico. A puberdade é um período crítico para o desenvolvimento do cérebro para refinar sua capacidade de abstração, raciocínio lógico… Os defensores do protocolo afirmam que os bloqueadores da puberdade têm sido usados há anos. Eles se esquecem de mencionar que foram reservados para problemas raros de puberdade precoce como uma correção a curto prazo, e depois deixados à natureza para assumir o controle. Nenhum princípio de precaução foi seguido. Os denunciantes também enfatizaram sua preocupação após entrevistar vários pacientes jovens. O discurso que ouviram soou como uma lição aprendida de cor, com palavras adultas: os jovens foram influenciados…

É um escândalo ter levado tantos anos para fechar um centro de experimentação em pacientes vulneráveis – já que são menores de idade. Isto demonstra o poder das organizações ultraminoritárias que impõem uma forma de terrorismo intelectual. A covardia dos governos, direita e esquerda, tem permitido uma infiltração ideológica nas esferas mais altas do poder. As escolas públicas também foram apontadas como tendo se tornado verdadeiros “provedores” de pacientes, promovendo a teoria do gênero e incentivando os alunos a “questionar sua identidade sexual” desde as primeiras séries. Foi necessária a coragem e a determinação de antigos funcionários desta clínica para obter a verdade. Eles também tiveram o apoio de figuras públicas como J.K. Rowling, a autor best-seller de Harry Potter. Tavistock é um símbolo e seu fechamento deve permitir que outros países ocidentais abram seus olhos para as aberrações ideológicas que ferem e amputam crianças e as condenem a uma vida sob a influência de tratamentos com efeitos colaterais pesados…

Fonte: La Sélection du Jour

Imagem padrão
Ludovic Lavaucelle

Jornalista e escritor conservador francês.

Artigos: 6

Deixar uma resposta