Primeiras Questões sobre o Homicídio de Daria Dugina

O assassinato de Daria Dugina traz várias questões a nossas mentes. Quem é o culpado? Quem são os cúmplices? Por que ela e seu pai foram alvos?

A filha do filósofo e cientista político russo Alexander Dugin, Daria Dugina Platonova, morreu ontem à noite perto de Moscou, morta por uma explosão no Toyota Land Cruiser no qual ela viajava no caminho de volta do festival musical e literário ‘Tradição’. Ela tinha 30 anos de idade.

A explosão ocorreu perto da vila de Bolshiye Vyazemy, cerca de 20 km a oeste da capital. Segundo testemunhas oculares, a detonação ocorreu enquanto o carro estava em movimento, vindo do lado de baixo do carro, que pegou fogo, saiu da estrada e bateu em um prédio na lateral da estrada.

Os investigadores abriram uma investigação de homicídio e desde ontem à noite e novamente esta manhã a estrada foi fechada durante a investigação para reconstruir a dinâmica exata. No momento, “todas as versões” sobre quem foi o responsável pelo incidente estão sendo consideradas.

Uma versão preliminar é que o verdadeiro alvo era seu pai, Alexander Dugin, o filósofo político ultranacionalista considerado como uma das figuras-chave na formação do pensamento e das ações dos principais legisladores do Kremlin. Por muito tempo um defensor da unificação dos territórios de língua russa e de outros territórios em um vasto novo império liderado por Moscou, ele apoiou fortemente a intervenção da Rússia na Ucrânia. Sua influência real sobre as escolhas do Kremlin tem sido especulada ao longo do tempo, com alguns observadores internacionais do mundo russo afirmando que sua pegada é de fato “significativa” e outros a considerando pequena.

Certamente, Dugin foi e ainda é um alvo fácil para qualquer um que deseje enviar uma mensagem de morte para o Kremlin. Desprotegido mas muito popular, dentro e fora das fronteiras da Rússia, ele oferece uma oportunidade de ouro tanto para os inimigos internos como externos de Vladimir Putin para criar pânico na opinião pública russa. Especialmente do ponto de vista da ressonância da mídia.

Andrey Krasnov, amigo de Dugin e chefe do movimento social Horizonte Russo, imediatamente após a explosão do carro confessou à agência de notícias russa TASS: “Aquele era o veículo de seu pai. Daria estava dirigindo outro carro, mas hoje ele pegou o dele, enquanto Alexander pegou outro caminho. Após o incidente ele voltou, ele estava no local da tragédia. Tanto quanto sei, Alexander ou provavelmente os dois juntos eram o alvo”.

Vários vídeos que circulam nas mídias sociais realmente mostram Dugin no local em estado de choque. A hipótese do “alvo duplo” poderia ser apoiada pelo fato de que Daria, além de musicista, era ela mesma uma conhecida jornalista e cientista política, muito ativa na web e presente em várias reuniões institucionais de alto nível ao lado de seu pai.

É também por isso que, em março, o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Departamento do Tesouro dos EUA havia sancionado Dugina por ter contribuído para um artigo publicado no site United World International (UWI), do qual ela era uma figura central, sugerindo que a Ucrânia “pereceria” se fosse admitida na OTAN.

O chefe da autoproclamada República Popular de Donetsk, Denis Pushilin, comentou imediatamente as notícias em seu canal de Telegram culpando o governo ucraniano: ‘Vil! Terroristas do regime ucraniano, tentando eliminar Alexander Dugin, explodiram sua filha… em um carro. Bendita memória de Daria, uma verdadeira garota russa”!

De Kiev várias mensagens jubilosas apareceram em veículos de mídia ucranianos como a UNIAN, mas o chefe do gabinete do presidente ucraniano Mikhail Podolyak negou qualquer envolvimento: “Sublinho que a Ucrânia, naturalmente, não tem nada a ver com isso”. A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, em seu canal Telegram disse: “Caso o envolvimento da Ucrânia na morte de Dugina seja confirmado, então devemos falar sobre a “política de terrorismo de Estado implementada pelo regime de Kiev”.

Deve-se notar que Daria, há algumas semanas, havia visitado o Donbass junto com um grupo de jornalistas internacionais. Iniciativas que, muitas vezes, levam os envolvidos à mira dos serviços secretos e dos hackers ucranianos, que se arrastam pelos postos sociais e bancos de dados do Ministério da Informação das Repúblicas de Donetsk e Lugansk em busca de dados sensíveis sobre aqueles que eles consideram ser “perigos para a segurança nacional”.

Considerando a notoriedade de Daria e seu pai, entretanto, é razoável imaginar que seu perfil era bem conhecido por qualquer pessoa que tentasse alvejá-la de qualquer forma. Analistas pró-russos afirmam que este é mais um episódio da “guerra de guerrilha” de que Kiev e apoiadores ocidentais (especialmente britânicos) têm falado nos últimos dias quando comentam sobre a mudança na natureza da contraofensiva prometida da Ucrânia: não um caso de campo, mas sob o radar, atingindo a retaguarda (o que vem acontecendo há dias na Crimeia) e confiando em lutas irregulares e sabotagens (ainda ontem foi frustrada uma tentativa de assassinato contra o novo prefeito de Mariupol, e em Melitopol, Kherson e Berdyansk continuam os ataques de vários tipos).

Outros observadores afirmam que este gesto foi tão flagrante que poderia levar Moscou a realizar uma dura represália na Ucrânia, seja através de meios de guerra convencionais ou não convencionais.

Fonte: InsideOver

Imagem padrão
Daniele Dell'Orco

Jornalista italiano.

Artigos: 6

Deixar uma resposta