Voa como uma águia, Daria Dugina

Não há dúvida de que “as placas tectónicas mudaram”. Daria Dugina estará a voar como uma águia num céu de outro mundo. A questão é se a sua tragédia se tornará o catalisador para impulsionar a ambiguidade estratégica de Putin a um nível totalmente novo.

Daria Dugina, 30 anos, filha de Alexander Dugin, uma jovem inteligente, forte, efervescente e empreendedora, que conheci em Moscou e que tive a honra de acarinhar como amiga, foi brutalmente assassinada. Como jovem jornalista e analista, podia-se ver que ela esculpiria para si própria um caminho brilhante em direcção a um amplo reconhecimento e respeito (aqui está ela sobre o feminismo).

Há não muito tempo o FSB esteve diretamente empenhado em desmantelar tentativas de assassinato organizados pelo SBU contra jornalistas russos, como no caso de Olga Skabaeyeva e Vladimir Soloviev. É espantoso que Dugin e a sua família não estivessem protegidos pelo aparelho de inteligência/segurança russo. Os fatos-chave da tragédia já foram estabelecidos. Um SUV Land Cruiser Prado, propriedade de Dugin e com Daria ao volante, explodiu numa auto-estrada perto da aldeia de Bolchie Vyazemy, a pouco mais de 20 km de Moscou. Ambos vinham de um festival familiar, onde Dugin tinha dado uma palestra. No último minuto, Daria levou o SUV e Dugin seguiu-a num outro carro. De acordo com testemunhas oculares, houve uma explosão debaixo do SUV, que foi imediatamente engolido pelas chamas e atingiu um edifício à beira da estrada. O corpo de Daria ficou carbonizado para além do reconhecimento.

O Comitê de Investigação russo rapidamente estabeleceu que o artefato – aproximadamente 400 gramas de TNT, não encapsulado – foi plantado debaixo do fundo do SUV, do lado do condutor. Os inspectores consideram que se tratou de um atentado premeditado com carro comprometido. O que ainda não se sabe é se o dispositivo estava ligado a um temporizador ou se algum capanga nas proximidades pressionou um botão.

O que já se sabe é que Alexander Dugin era um alvo na lista da Myrotvorets. A Myrotvorets é um Centro de Investigação de Sinais de Crimes contra a Segurança Nacional da Ucrânia. Trabalha lado a lado com a OTAN recolhendo informações sobre “terroristas pró-russos e separatistas”. Denis Pushilin, o chefe do RPD, não demorou para acusar “os terroristas do regime ucraniano” pelo assassinato de Daria. A inestimável Maria Zakharova foi mais, digamos, diplomática: ela disse que se a liderança ucraniana for confirmada, isso irá configurar uma política de terrorismo de Estado destacada por Kiev.

Uma guerra existencial

Em vários ensaios – sendo este, discutivelmente, o mais essencial – Dugin tinha deixado bem clara a enormidade do que estava em jogo. Esta é uma guerra de ideias. É uma guerra existencial: A Rússia contra o Ocidente coletivo, liderado pelos Estados Unidos.

O SBU, a OTAN, ou muito provavelmente a combinação – considerando que o SBU é ordenado pela CIA e pelo MI6 – não optou por atacar Putin, Lavrov, Patrushev ou Shoigu. Visaram um filósofo e acabaram por assassinar sua filha – o que tornou tudo ainda mais doloroso. Atacaram um intelectual que formulava ideias, provando mais uma vez que a Cultura Ocidental do Cancelamento se metastatiza no Cancelada da Pessoa.

É ótimo e elegante que o Ministério da Defesa russo esteja prestes a iniciar a produção do hipersónico Sr. Zircon, uma vez que continua a produzir muito Srs. Khinzals. Ou que três interceptores supersónicos Mig-31 foram enviados para Kaliningrado equipados com Khinzals e colocados em serviço de combate 24 horas por dia, 7 dias por semana. O problema é que as regras mudaram – e a combinação SBU/OTAN, enfrentando um indescritível desastre no Donbass, está a aumentar a sabotagem, a contra-inteligência e o divisionismo.

Começaram por bombardear território russo; espalharam-se pelo Donbass – como na tentativa de matar o presidente da câmara de Mariupol, Konstantin Ivachtchenko; até lançaram drones contra a sede da frota do Mar Negro em Sebastopol; e agora – com a tragédia de Daria Dugina – estão às portas de Moscou.

A questão não é que tudo isto seja irrelevante em termos de alteração dos fatos no terreno imposto pela Operação Militar Especial. A questão é que uma próxima série de psyops sangrentas concebidas para puro efeito de relações públicas pode tornar-se extremamente dolorosa para a opinião pública russa – o que exigirá um castigo devastador.

É evidente que Moscou e São Petersburgo são agora os alvos principais. O ISIS ucraniano é um passo em frente. É claro que os seus manipuladores têm uma vasta experiência sobre o assunto, em todo o Norte/Sul Global. Todas as linhas vermelhas desapareceram.

A chegada do ISIS ucraniano

O comediante cabeça oca tem devidamente antecipado qualquer reação russa, de acordo com o guião da OTAN que ele alimenta diariamente: a Rússia pode tentar fazer algo “particularmente nojento” na próxima semana.

Isso é irrelevante.

A verdadeira – e ardente – questão é saber até que ponto o Kremlin e a inteligência russa reagirão quando a SBU/OTAN estiver totalmente estabelecida, concebendo a trama Dugin. Isso é terrorismo de Kiev às portas de Moscou. Uma “linha vermelha” gritante, em vermelho sangrento, e uma resposta ligada à promessa reiterada, pelo próprio Putin, de atingir “centros de decisão”.

Será uma decisão fatídica. Moscou não está em guerra com as marionetes de Kiev, essencialmente – mas sim com a OTAN. E vice-versa. Todas as apostas estão lançadas sobre a forma como a tragédia de Daria Dugina poderá eventualmente acelerar o calendário russo, em termos de uma revisão radical da sua estratégia até agora a longo prazo.

Moscou pode decapitar a pandilha de Kiev com alguns cartões de visita hipersónicos. Contudo, isso é demasiado fácil; depois, com quem negociar o futuro da Ucrânia de Kiev?

Em contraste, não fazer essencialmente nada significa aceitar uma invasão terrorista iminente e de facto na Federação Russa: a tragédia de Daria Dugina com esteróides.

No seu penúltimo post no Telegram, Dugin voltou a enquadrar as apostas. Estes são os principais pontos de partida. Ele apela a transformações “estruturais, ideológicas, pessoais, institucionais, estratégicas” por parte da liderança russa. Baseando-se nas provas – desde o aumento dos ataques à Crimeia até às tentativas de provocar uma catástrofe nuclear em Zaporijia – conclui corretamente que a esfera da OTAN “decidiu ficar do outro lado até ao fim”. Podem ser compreendidas: a Rússia na realidade (e isto não é propaganda) desafiou o Ocidente “enquanto uma civilização”.

A conclusão é crua: “Portanto, temos de ir até ao fim”.

Isso está relacionado com o que o próprio Putin afirmou: “Só estamos começando”. EDugin: “Agora temos de começar”.

Dugin propõe que o actual status quo em torno da Operação Z não pode durar mais de seis meses. Não há dúvida de que “as placas tectónicas mudaram”. Daria Dugina estará a voar como uma águia num céu de outro mundo. A questão é se a sua tragédia se tornará o catalisador para impulsionar a ambiguidade estratégica de Putin a um nível totalmente novo.

Strategic Culture, adaptado de Geopol.pt

Imagem padrão
Pepe Escobar

Analista geopolítico independente, colunista para o The Cradle e editor do Asia Times.

Artigos: 14

Deixar uma resposta