Da Arqueomodernidade ao Império

A modernização repentina de sociedades tradicionais gera uma espécie de esquizofrenia sociocultural na qual coexistem aspectos modernos e tradicionais em um mesmo Estado. É o caso da Rússia, onde um povo fundamentalmente arcaico tem que lidar com uma oligarquia atlantista e ocidentalista. Para a Rússia reconstituir seu Império terá que resolver este dilema.

Na Rússia, vivemos sob as condições da arqueomodernidade. A segunda edição do meu livro Arqueomodernismo acaba de ser publicada, na qual descrevo este fenômeno em detalhes.

Sua essência é que na mesma sociedade existe um padrão de interpretação a dois níveis de quase todos os fenômenos e princípios, na política, cultura, vida cotidiana, etc. O núcleo da população permanece bastante arcaico e continua a viver nas condições da sociedade tradicional, enquanto oficialmente o Estado é moderno, essencialmente ocidentalizado. Assim, nossa constituição, a organização da vida política e o estrato governante representam sistemas europeus ocidentais modernos, bastante liberais; mas tudo isso funciona de forma muito diferente dos países do Ocidente moderno, porque é reinterpretado à sua maneira pela sociedade arcaica.

Isto cria o arqueomoderno, um sistema no qual por fora tudo é bastante modernista, mas por dentro é profundamente arcaico.

Isto é mais perceptível na atitude em relação ao poder máximo: a modernidade europeia, pelo menos desde Montesquieu e mesmo antes na Inglaterra, há muito tempo despojou o poder de qualquer indício de sacralidade. A separação dos poderes e a constante rotação da classe dominante servem precisamente este propósito, dispersando o centro de decisão final em diferentes órgãos de governo que mudam regularmente. É claro que tal democracia não atingiu seus objetivos no próprio Ocidente, impedindo a dispersão do poder no nível da classe oligárquica, dentro da qual há uma rotação que ocasionalmente inclui “sangue novo” – mas apenas aqueles que estão dispostos a jogar pelas regras da elite existente. Entretanto, na Rússia, a oligarquia sempre se mostra instável e dá lugar ao autoritarismo e à autocracia de uma forma ou de outra, e isto não se deve tanto à usurpação do poder supremo por um único indivíduo, mas às necessidades da própria sociedade, que em sua essência permanece patriarcal, tradicional e vê no governante supremo uma figura paternal, quase mística. Até 1917, esta sacralização esteve baseada na teoria do Katechon, os Sustentadores, emprestada do Império Bizantino e transferida para a Rússia (Moscou – a Terceira Roma) no final do século XV, mas mesmo depois de 1917, esta tradição, depois de modificada, não desapareceu, mas foi estendida aos novos governantes comunistas – os “czares vermelhos” – o que levou a um culto quase “religioso” a Lênin e à glorificação da personalidade de Stálin.

Por toda sua fraqueza e dependência dos oligarcas, até Ieltsin foi uma espécie de “czar liberal”, mas com a chegada de Putin e suas reformas patrióticas verdadeiramente decisivas – e, notamos, completamente contra sua vontade – o princípio autocrático se desdobrou em toda sua força. O povo só quer Putin e ninguém mais, e eles estão prontos para mudar a constituição e tudo mais para obtê-lo. Putin é o governante supremo, o salvador da Rússia, como ele é percebido pelo núcleo arcaico. E isto se estende à operação especial militar, o que se justifica precisamente no nível do povo (enquanto que no nível da elite provoca claramente rejeição e pelo menos perplexidade).

O núcleo arcaico permanece monárquico e, acima de tudo, é um monarquismo de baixo para cima. A classe dominante – aquele mesmo estamento que Pushkin chamou de “a única coisa europeia na Rússia” – tenta dar substância real a uma democracia formal e externamente moderna (na realidade, para estabelecer uma oligarquia subserviente à potência mundial globalista das elites liberais), mas é repetidamente derrotada.

Entretanto, a fachada ocidentalista e modernista não muda, nem se conforma com a vontade do núcleo arcaico e profundamente conservador. Ela permanece inalterada e a elite “exclusivamente europeia”, o coletivo oligárquico-ocidental russo, faz tudo para manter esta “modernidade” externa, esperando que no futuro, sob um governante fraco ou durante algum evento cataclísmico, ainda seja capaz de esmagar permanentemente a identidade russo-eurasiática. A própria Federação Russa, que surgiu em 1991 a partir das ruínas da Grande Rússia (URSS, Império Russo), foi fundada como um instrumento de modernização e globalização decisivas. À custa de verdadeira tortura e violência selvagem contra o povo, não só física mas também espiritualmente, contra sua mais profunda autoconsciência, que permaneceu em grande parte inalterada.

O arqueomodernismo é uma doença, uma espécie de esquizofrenia social. A mesma sociedade está consciente de si mesma de maneiras diametralmente opostas. De fora e de cima é uma moderna democracia liberal de estilo ocidental, de baixo e de dentro é uma potência mundial com a vontade de reconstruir um império, com um governante supremo sagrado à sua frente, com valores tradicionais e uma psicologia conservadora que rejeita as atitudes “progressistas” ocidentais (LGBT+, ultrafeminismo, etc.) como sendo perversas.

Tudo isso gera um conflito de interpretações (como diz Ricoeur). Daí a total mentira. Todos mentem, sobre tudo. Tanto os que estão no poder quanto os que não estão no poder têm que lidar com uma mentalidade instável e dolorosamente distorcida que contém deliberadamente uma contradição inamovível. Ao mesmo tempo, não há nenhuma tentativa de conciliar o moderno e o arcaico. É verdade que as elites liberais ocasionalmente tentam atacar o núcleo arcaico, mas são frustradas pelo poder supremo, que está acima das elites e se baseia na vontade arcaico-monárquica do povo. E todo o sistema da arqueomodernidade estagna novamente.

Do ponto de vista das elites, a solução para o problema arqueomoderno só pode estar na “modernização”, no “progresso” e na integração da Rússia no Ocidente global. Mas é interessante notar que o arqueomodernista às vezes também rompe com os modernizadores ocidentais da elite. O caso do ex-presidente e ex-primeiro ministro da Federação Russa, Dmitry Medvedev, é ilustrativo. Em seu alto cargo, ele permaneceu um liberal ocidental convicto, confiou em conselheiros globalistas, proclamou a modernização e a democratização, buscou cautelosamente um retorno aos anos 90, e recebeu o apoio dos globalistas americanos, o próprio Biden e o atlantista Brzezinski, que fizeram lobby ativamente para seu “segundo mandato”. Agora ele rabisca incansavelmente postagens ultrapatrióticas e hiperimperialistas nas redes sociais, que o regime no topo é até mesmo forçado a censurar. As elites se perguntam: “a conta deve ter sido invadida”. Não, não é nada pessoal, é apenas arqueomoderno.

É claro que cálculos e estratégias políticas não podem ser descartados, mas mesmo isto só confirma o diagnóstico: você quer ser o governante supremo na Rússia, você apela para o núcleo arcaico do povo, para o poder forte e a justiça social. É isso ou nada. O teorema da arqueomodernidade está provado.

Entretanto, outro cenário também deve ser considerado, que, infelizmente, ainda nem sequer existe em teoria. Todas as soluções propostas (conscientemente propostas) para o impasse da arqueomodernidade se resumem à modernização ou exploração cínica desta tragédia mental, um povo condenado a uma falsa identidade.

Entretanto, há outra saída: as elites liberais ocidental-modernistas não deveriam se subordinar ao povo, os arcaicos? Não deveríamos reconhecer a autocracia, o patriarcado e o sistema autoritário não só de fato, mas também de jure? Não deveriam a Igreja e as instituições da sociedade tradicional recuperar sua posição dominante na sociedade (com um pleno renascimento das tendências tradicionalistas e uma libertação definitiva do liberalismo eclesiástico – Laric, adeusinho, como está Budapeste)? Uma revolução conservadora em grande escala na epistemologia – ciência, educação, esclarecimento – não poderia ser implementada? As elites não deveriam ser convocadas a ser leais ao povo, ao invés de se basearem em princípios globalistas abstratos? Não deveríamos atacar a oligarquia enfraquecida, mas ainda influente?

Esta é também uma solução que muitos políticos, tanto na Rússia czarista quanto na Rússia soviética, estavam inclinados a adotar. No início foram os eslaófilos, os filósofos religiosos russos, os gênios da Idade de Prata. Eles também viram o arqueomodernismo na Rússia dos Romanovs (pelo menos a partir de Pedro) e justificaram a necessidade de um retorno ao estilo de vida sagrado de Moscou e às origens do povo.

Nos tempos soviéticos, esta linha era defendida pelos nacional-bolcheviques (Ustryalov, Lezhnev) e desenvolvida na emigração pelos eurasianos. Ela foi proposta para curar a arqueomodernidade soviética, apelando para o elemento russo.

Este cenário, portanto, tem uma sólida história na tradição cultural nacional. Numerosos representantes da elite se mudaram em seu tempo para o lado do povo, mas não ocidentalizados e oligárquicos, mas espirituais e majestosos, profundamente patrióticos.

Somente um conservadorismo assim, ou melhor, um conservadorismo revolucionário (o simples conservadorismo não é suficiente), nos garantirá a vitória na operação especial militar. O arqueomodernismo deve ser superado, e está na direção de uma restauração completa da ordem sagrada, do povo e do poder ao mesmo tempo.

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 6

Deixar uma resposta