Notas Importantes sobre a Atual Operação Israelense em Gaza

A atual operação militar israelense contra a Faixa de Gaza já matou dezenas de civis, incluindo crianças. Os sionistas pintam a ação terrorista como um “ataque preventivo”, então é necessário estudarmos o contexto do conflito.

Algumas coisas não foram ditas sobre os ataques sionistas em Gaza (eu diria que isso não surpreende, dada a inexistente cultura italiana no campo da segurança internacional).

  1. O objetivo bastante claro dos israelenses era dividir (novamente) os grupos de resistência militar ativos na Faixa. O ataque visou exclusivamente membros da Jihad Islâmica (um grupo ligado ao Irã), e não o Hamas, com o objetivo preciso de criar tensões internas. De fato, a mídia sionista se esforçou imediatamente para enfatizar que o Hamas não apoiou (militarmente) a resposta da Jihad Islâmica a Israel. No entanto, isto se deve principalmente à reconstrução das capacidades de guerra do movimento (majoritário na Faixa) após o grande esforço de maio de 2021. A este respeito, deve ser sublinhado que também o Hamas tem historicamente tido muito boas relações com o Corpo Pasdaran Iraniano e com as forças Quds ligadas a eles (uma relação que foi marcada pela “traição” da liderança política do Hamas em relação à Síria, mas reconstruída nos últimos anos). De fato, o Irã tem oferecido apoio financeiro, técnico e militar a vários grupos da resistência palestina. No decorrer do último conflito entre Israel e o Hamas, este último conseguiu penetrar no escudo de defesa Iron Dome (patrocinado pelos Estados Unidos) em várias ocasiões precisamente graças ao apoio indireto do Irã, que forneceu ao movimento de resistência dados e informações necessárias para construir tecnologia militar no local (um sistema similar ao utilizado com os houthis no Iêmen).
  2. Curiosamente, este tipo de operações vem sempre ao mesmo tempo que as campanhas eleitorais e as novas eleições em Israel. Desta vez, parece ter sido o atual primeiro-ministro Yair Lapid (de origem sérvio-húngara) que pressionou pela guerra. Este, definido como um “centrista”, de acordo com as pesquisas, parece ter agora uma boa chance de vitória.
  3. Os sionistas descreveram o ataque como uma “operação de guerra preventiva”. O direito internacional é bastante ambíguo sobre o assunto. Ele considera dois tipos diferentes de “guerra preventiva”. Quando o ataque ‘preventivo’ é dirigido contra uma ameaça direta e imediata à segurança nacional (quando é uma forma de autodefesa necessária), é permitido (o termo ‘pre-emptive war’ é usado em inglês). Quando o ataque preventivo é dirigido contra uma potencial ameaça futura (mais ou menos distante no tempo), ele não é permitido. Neste caso, os sionistas atacaram edifícios residenciais nos quais estavam localizados os líderes militares e organizacionais da Jihad Islâmica (matando um grande número de civis, entre outros). Eles não atacaram instalações militares, mas agiram em termos de “assassinato direcionado”. Portanto, parece bastante problemático trazer sua operação para o reino da “pre-emptive war”. Querendo fazer uma comparação com a “Operação Militar Especial” russa, além de especulações de natureza puramente geopolítica (em qualquer caso necessárias e devidas) sobre a vontade russa de obter (novamente) controle total sobre a parte sul do Mar Negro (cortando os projetos “prometeicos” do Intermarium atlantista-azovista), parece evidente como isto chegou após uma ameaça direta às populações de língua russa do Donbass (e após o reconhecimento de Moscou das repúblicas separatistas). Em qualquer caso, é necessário reiterar que a única coisa que realmente conta no direito internacional é a força (os Estados Unidos sabem disso bem).
  4. Há outro fato a ter em mente; um fato demográfico. A população de Israel deve crescer para quase 16 milhões até 2050. No entanto, são principalmente os componentes árabes e ultraortodoxos da população que crescerão (os ultraortodoxos têm uma taxa de natalidade extremamente alta). No entanto, isto leva a dois tipos de problemas. A primeira é que muitos grupos ultraortodoxos recusam o serviço militar (outros, uma minoria, não reconhecem sequer o Estado de Israel). A segunda é que o crescimento demográfico exigirá novas expansões territoriais em detrimento de outra população (a palestina) que é particularmente ativa demograficamente.
  5. Em conclusão, apesar das previsões de crescimento populacional, Israel continua sendo um “anão” quando comparado com seus vizinhos. A população do Egito duplicará até o final do século; o Iraque está em meio a uma explosão demográfica; o Irã (a principal ameaça a Israel) continua a ter uma população muito jovem (metade com menos de 35 anos). Assim, as “fortunas” sionistas podem estar baseadas única e exclusivamente na força militar garantida pelo apoio ocidental (aquele que lhes permitiu ter mais de 80 dispositivos nucleares).
Imagem padrão
Daniele Perra

Formado em Ciência Política pela Università DI Cagliari, é colaborador da Rivista Eurasia.

Artigos: 6

Deixar uma resposta