Por Uma Federação Imperial Aberta

A reconstituição da Novorrússia é já uma realidade. E isso significa a restauração do status imperial da Rússia. Mas esse status imperial não é dado por uma mera anexação à estrutura de um Estado-nação russa, pelo contrário isso se dá por uma superação da aberração iluminista-modernista do Estado-nação, sempre nivelador, e sua substituição completa pela figura política do Império integrador. Felizmente, o caso checheno mostra que a Rússia está bem encaminhada.

Na minha opinião, o medo (para alguns, a esperança) de que a Rússia venha a reduzir a Operação Militar Especial deve finalmente ser descartado. Isso não vai acontecer porque não pode acontecer. De certa forma, nada de subjetivo aqui.

Mas onde vamos parar, ainda é impossível dizer com certeza. E o mais importante: Kherson, Zaporozhye e parte da região de Kharkov já estão se integrando ativamente, portanto, de fato, a Novorússia – mesmo que ainda não totalmente – já está realizada. E isto é irreversível. Tenho certeza que vamos continuar, mas por enquanto vamos fazer um balanço do que temos.

O que é a Novorrússia?

Desta vez sem pathos.

Ela significa que a Rússia transcendeu historicamente de forma irreversível a forma de Estado-nação e não é mais apenas a Federação Russa no sentido estrito.

Esta é agora uma Federação Imperial Aberta, Rússia-Eurásia. A irmandade combatente dos chechenos, russos e outros povos nas frentes ucranianas, a passagem ao nosso lado de muitos pequenos russos que escolhem o Império, tudo isso é o triunfo do eurasianismo. E aqueles que tentam se apegar ao nacionalismo, seja ele qual for – ucraniano, grão-russo ou separatista – estão claramente nas fileiras dos traidores diante de nossos olhos. Como disse Alain de Benoist: “O conflito na Ucrânia é a batalha do Império contra o Estado-nação”.

A Federação Aberta não inclui apenas novas terras. Cada nova área muda os limites do todo. As bordas esboçam uma forma, uma figura. E a forma é identidade. Se as bordas são redondas, é um círculo. Se forem quadradas, um quadrado. Se Kherson, Zaporozhye, Donbass e Crimeia estiverem deste lado, então o país tem uma visão. Se desse outro lado, uma outra. Forma diferente, país diferente, essência diferente.

É lógico que a Novorrússia foi transferida para a jurisdição dos departamentos políticos internos da Rússia. Isto incute confiança e um senso de segurança em nossos novos cidadãos, em nossos combatentes e em nosso povo. Maravilhoso.

Agora é necessário colocar os mesmos departamentos políticos internos em um novo contexto, desta vez eurasiático. E isto significa que na nova configuração das fronteiras também muda o significado das áreas que antes estavam dentro. Afinal, há vinte anos atrás havia problemas com elas, especialmente agudos no Cáucaso. Gradualmente e com muita eficácia, Putin removeu a agudeza, suprimiu o separatismo e consolidou as regiões em um só espaço. E hoje os heróis chechenos e do Norte do Cáucaso lutam pela Rússia ombro a ombro com os russos.

Entretanto, quando a Rússia inclui Novorússia, ela inclui não apenas territórios quantitativos, mas também características qualitativas. Isto afeta a Sibéria, a região de Oryol, o Território de Krasnodar e as áreas do Ártico. Agora eles são os territórios da Rússia-Eurásia, uma Federação Aberta, e não apenas um Estado-nação, de acordo com o princípio residual que se desenvolveu nas ruínas do Império Russo: a URSS. Isto significa que a política interna está mudando de sentido. Ela deixa de ser exclusivamente interna, deve necessariamente levar em conta a integração, não apenas de novas, mas também de áreas antigas.

E aqui podemos proceder de duas maneiras:

  • Russificação, ou
  • Diversificação eurasiática, preservando a unidade imperial estratégica.

No primeiro caso, a Grande Rússia é concebida como uma versão ampliada do Estado-nação, ou seja, como uma escala puramente quantitativa da Federação Russa. A princípio não é ruim, mas a longo prazo é extremamente instável e até mesmo perigosa.

Tomemos o exemplo da própria Chechênia sob Kadyrov: o mais velho e o mais novo. Moscou com previdência foi dar à Chechênia um maior grau de autonomia cultural e religiosa, ou seja, de acordo com o cenário eurasiático. E não havia necessidade de russificação artificial. A lealdade da Chechênia Islâmica, profundamente chechena, à Rússia é a maior. Preservamos a identidade local com uma vertical estratégica rígida. Eis o que funciona. Esta é a diversificação eurasiática. Em outras palavras, a arte de construir um império. É o império.

Tal decisão deve ser inevitavelmente tomada no nível da política interna da Rússia em sua nova fase. Novorrússia requer uma mudança séria em relação aos marcos. A tecnocracia e o pragmatismo são úteis quando se fazem escolhas estratégicas.

A Rússia, que se tornou uma Federação Aberta, ou seja, Rússia-Eurásia, deve, antes de tudo, repensar a si mesma. E só então lhe dar um desenho técnico.

A cada dia, a Operação Militar Especial torna este repensar mais e mais urgente. O formato de nossas fronteiras já foi alterado irreversivelmente e continuará a mudar. Esta forma é homóloga (homotética, como dizem os matemáticos) às figuras de nosso pensamento político, incluindo o pensamento político interno.

Há uma instância na estrutura da administração estatal onde tais assuntos são compreendidos no nível apropriado? Se houver, ótimo. Se não houver, deve ser criado. Se houver, mas não no nível correto, o nível deve ser prontamente implementado. Vamos deixar estas questões em aberto por enquanto. O principal é que isso aconteça. Estamos avançando.

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 6

Deixar uma resposta