Slavoj Zizek e a Esquerda como Defensores do Capitalismo de Guerra da OTAN

A crise ucraniana tem sido um divisor de águas para muitos intelectuais. Com ela percebemos quem são, de fato, os dissidentes e quais não passam de apologistas do status quo, por mais excêntricos que possam parecer. Entre este segundo tipo passou a estar o filósofo Slavoj Zizek.

“O mínimo que devemos à Ucrânia é nosso total apoio, e para isso precisamos de uma OTAN mais forte […] Hoje, você não pode ser um esquerdista se não estiver inequivocamente por trás da Ucrânia”, diz o intelectual de esquerda “hegeliano-marxista” Slavoj Žižek no The Guardian.

Como aponta Nikos Mottas, o ponto de vista de Slavoj Žižek sobre a Ucrânia teria sido completamente irrelevante se o pensador e teórico cultural esloveno não tivesse recebido tanta publicidade na mídia ocidental e se tivesse estabelecido como um dos “mais importantes intelectuais vivos”.

Por mais de duas décadas, Žižek tem sido uma figura de destaque não apenas na grande mídia, mas também nas mais prestigiadas instituições acadêmicas e laboratórios de ideias da Europa e dos Estados Unidos. Isto ilustra o crescente declínio intelectual do Ocidente.

Na realidade, Žižek é “a encarnação de uma ilusão pseudo-marxista, que tenta branquear o sistema de exploração capitalista através de disparates filosóficos pomposos, incoerentes e muitas vezes contraditórios”.

Não é coincidência que o mesmo fraudador que agora pede uma “OTAN mais forte” para defender a Ucrânia já tenha defendido abertamente a intervenção militar da OTAN em 1999, elogiando o bombardeio da Iugoslávia, lembra Mottas.

No entanto, Slavoj, um defensor declarado dos crimes horrendos cometidos pela OTAN na Iugoslávia, não estava satisfeito com a barbaridade infligida ao povo sérvio. Em sua opinião, os sérvios foram bombardeados muito tarde e não o suficiente. Aparentemente, todos os sérvios teriam que ser mortos para satisfazer os “críticos culturais” eslovenos.

Após os ataques terroristas de 2015 em Paris, Žižek sugeriu que o antídoto para a estagnação do capitalismo global era a “militarização da sociedade”. Uma vez que, na opinião de Žižek, as pessoas não sabem o que querem (ou querem as “coisas erradas”), os direitos civis deveriam ser reduzidos e o poder de decisão da “política emancipatória” deveria ser concentrado nas mãos de uma elite liberal-global tecnocrática. Então, mais euroburocracia, ocidentalização e hegemonia dos EUA?

Žižek não é de forma alguma um pensador radical, mas representa a corrente liberal. Na opinião de Mottas, o filósofo pop esloveno é “um apologista da barbárie capitalista que denigre o socialismo do século XX, ataca sem vergonha Lênin e promove, aberta ou dissimuladamente, a aliança imperialista e assassina da OTAN”.

Mesmo quando ele afirma defender o comunismo, ele o faz apenas no nível da teoria abstrata, com pouca preocupação com a aplicação social e política da ideia. Se a aliança ocidental dos Estados Unidos começasse a bombardear a China, provavelmente também defenderia esse ataque e encontraria uma maneira de condenar o “socialismo com características chinesas”.

Mottas vangloria-se de que o Žižek e outros “intelectuais marxistas” como ele (como Alain Badiou, Antonio Negri, Terry Eagleton, etc.) querem uma “revolução descafeinada que não cheira a revolução”, adequada para os liberais sensíveis. Sob este folheado esquerdista, é bom vangloriar-se perante a mídia e defender o sistema capitalista.

De fato, o círculo está se fechando: no Ocidente, tanto à esquerda como à direita, políticos de carreira, acadêmicos universitários e vários influentes híbridos de mainstream e marginais estão juntos distribuindo o ópio da OTAN ao povo, apelando para a queda da Rússia e esperando uma nova ascensão do capitalismo liderado pelo Ocidente a partir das cinzas do liberalismo.

Fonte: Markku Siira

Imagem padrão
Markku Siira

Escritor

Artigos: 6

Deixar uma resposta