Putin: Um Líder Maquiavélico

Clássico do pensamento estratégico, O Príncipe de Maquiavel permanece uma obra atual. E isso é cabalmente demonstrado pela condução política e militar de Vladimir Putin. Uma análise maquiavélica dos últimos eventos geopolíticos envolvendo a Rússia, demonstra que Putin se enquadraria tranquilamente no tipo do “príncipe” descrito pelo pensador florentino.

Na modernidade, devido à noção de progresso, tendemos a descartar muitas ideias do passado, julgando-as ultrapassadas para os nossos tempos. Assim, consideramos que os escritos e advertências do passado não são mais válidos no presente ou retêm apenas uma lição anedótica.

Para a estratégia, por outro lado, o passado é uma fonte educacional inesgotável. O olho militar sábio encontra verdades úteis na arte da guerra. A história, portanto, não é uma coisa morta, mas uma realidade em movimento que se repete de diferentes maneiras. Desvendar o presente do passado pode levar à vitória.

Nesses termos, há muitos escritos exemplares que cruzam o terreno comum do pensamento estratégico. Podemos citar os mais famosos, como Da Guerra de Clausewitz ou A Arte da Guerra do chinês Sun Tzu. Mas as citações e reflexões favoritas da academia militar são encontradas em O Príncipe, de Nicolau Maquiavel, escrito no século XVI.

Percorrendo vários parágrafos deste clássico, pode-se encontrar instruções precisas para a política, o exército ou a vida cotidiana. Tendo adquirido fama pejorativa, o “maquiavelismo”, por sua suposta amoralidade, continua presente na memória coletiva como a criação de um educador astuto e eficiente.

Portanto, quando alguém é específico em seus objetivos, não parece agir do nada, mas sim vemos em suas ações as consequências de decisões que foram premeditadas com sutileza e de antemão, dizemos que ele é uma pessoa “maquiavélica”. E, no atual contexto da guerra na Ucrânia, a abertura do que parece ser um “mundo multipolar” e a crise do modelo americano como eixo da política mundial, há um protagonista que se destaca dos demais: Vladimir Putin. Por isso, na perspectiva do Príncipe, propomos analisar a situação atual e as razões pelas quais o líder russo começa a trilhar os caminhos trilhados pelos grandes homens.

A conquista do povo

Uma das primeiras lições que Maquiavel nos ensinou em seu livro é: “Sempre, mesmo que você tenha um exército muito forte, você precisa do favor dos habitantes quando entra em uma região”.

O presidente Vladimir Putin tem essa vantagem na zona de conflito. A população da região do Donbass, onde se concentra o conflito, é solidária com ele, pois é composta por uma maioria russófona e pró-russa.

As autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk estão em guerra há quase uma década com o Estado ucraniano, ao qual pertence o disputado território de Donbass. Com a eclosão da guerra em 2022, o governo russo reconheceu a soberania dessas repúblicas populares. A propósito, o exército russo entrou no Donbass não apenas com o favor de seus habitantes, mas também em contato regular com seus líderes por anos. Fê-lo exercendo a diplomacia ou facilitando o acesso de milícias russas auto-organizadas e de armas através de corredores na fronteira russo-ucraniana a leste.

Mas não basta conquistar um território e bajular a população. O rei Luís XII da França, menciona Maquiavel, invadiu Milão e foi rapidamente expulso porque não havia conquistado o favor dos habitantes locais. Eles foram enganados pelo novo príncipe, que não atendeu às suas expectativas e os decepcionou. Dadas as atitudes e o histórico da Rússia em relação aos conflitos na Ucrânia, dificilmente se pode esperar uma rejeição da invasão pelos povos do Oriente. Devemos considerar, em princípio, a anexação bem-sucedida da Crimeia, já colocada sob soberania russa em 2014.

Por outro lado, a atitude oficial do governo russo não é de dominar todo o território ucraniano, mas libertar o leste da Ucrânia e assumir o controle de um corredor sul que aparentemente iria do leste ao oeste da Ucrânia até se unir ao território da Moldávia. Tal movimento consolidaria o domínio russo sobre o Mar Negro, asseguraria o Oblast da Crimeia e bloquearia o acesso de Kiev ao mar. Aliás, o corredor permitiria a comunicação terrestre com a República da Transnístria, cujo reconhecimento é limitado. Este território é outro ponto de conflito, porque a Rússia é sua guardiã e o governo da Moldávia o reivindica.

Putin também tem duas outras vantagens do Príncipe de Maquiavel. Segundo Maquiavel, é mais fácil manter ou recuperar um estado que se perdeu antes ou se compartilha a mesma linguagem. Historicamente, o território ucraniano nunca foi poupado do conflito. É um espaço que pode ser moldado por quem, em algum momento da história, deteve o poder na zona eurasiática. É esta luta que está se manifestando agora, mas é o povo ucraniano que sofreu os infortúnios da fortuna e os horrores da União Soviética.

Além da soberania ucraniana e da natureza contenciosa da questão, a região disputada e as áreas que a Rússia quer garantir podem ser consideradas um antigo estado (antecipando a relatividade da questão). Como mencionado acima, é evidente para a maioria de língua russa e pró-russa se sua origem é natural ou artificial.

Além disso, Maquiavel menciona que, se o povo não está acostumado com a liberdade e é maltratado, é fácil quebrar a linha de sucessão do príncipe (neste caso, o governo ucraniano) se lhe for concedida a liberdade e se o respeitarmos em seus costumes.

Os danos causados ​​à população do Donbass vão além da guerra sustentada contra as repúblicas populares. A discriminação e a fragmentação das populações de língua russa levaram ao massacre de Odessa em maio de 2014. Durante uma manifestação pró-Rússia, centenas de manifestantes se refugiaram na Casa dos Sindicatos, que foi incendiada por nacionalistas liberais ucranianos, matando 47 e ferindo 214.

Essa situação se agravou com a chegada ao poder do presidente ucraniano Volodimir Zelensky em 2019. O líder ucraniano implementou uma política de isolamento racial russófobo e desenhou um programa de reinterpretação histórica da Ucrânia com base nos massacres perpetrados pela União Soviética. Embora cada povo tenha o direito de legitimar e construir sua própria história, a forma como essa nova Ucrânia foi planejada só agravou o sofrimento de seus habitantes. Degradou seu tecido social, aprofundou as diferenças e levou a uma guerra que a Ucrânia não pode vencer.

Dada essa história, quebrar o controle de Kiev sobre a Ucrânia relegada não será problema para Putin: ele dará a eles uma liberdade que eles não têm e manterá costumes que não estão muito distantes dos seus. Finalmente, o líder russo conseguirá não dividir o poder no Donbass com concorrentes mais fortes que seu país, não precisará reprimir o povo e, na adversidade, obterá seu favor gratuitamente.

Portanto, e seguindo outras máximas maquiavélicas de dominação de Estados externos, a Rússia absorverá formal ou indiretamente grande parte do território ucraniano, aliando-se ao bloco das repúblicas populares – o lado fraco, mas moralmente vantajoso – porque buscará sua liberdade e a destruição do inimigo comum a todo custo.

No futuro e segundo Maquiavel, Putin poderia optar por três formas de manter a lealdade do Estado conquistado. A primeira maneira é arruiná-lo, o que é improvável, dado o direito internacional. O mais provável é que Putin adote uma combinação dos outros dois caminhos; por um lado, “habitará” parte do território por meio de alianças, reconhecendo a autodeterminação dos povos ou absorvendo repúblicas. Por outro lado, ele incentivará a criação de uma oligarquia em Kiev, que garantirá a soberania russa no futuro.

A Rússia no atual contexto global e Putin como estrategista

Maquiavel elogia os capitães romanos porque eram mestres da cautela e da antecipação. Graças a essas habilidades, eles anteciparam os eventos e lidaram com eles antes que se tornassem irremediáveis. O tempo, diz ele, “traz o bem e o mal”; é por isso que não é aconselhável esperar de braços cruzados.

O papel geopolítico da Ucrânia na Europa não é indiferente à segurança e soberania nacional da Rússia. Podemos entender este país segundo a definição do Coronel Banos como um pivô geopolítico: são países que, pela sua localização geográfica, são relevantes e permitem “condicionar o acesso de outros a determinados recursos ou lugares”; costumam ser usados ​​também por superpotências para evitar confrontos diretos com outros importantes eixos geoestratégicos de poder.

Esse conflito, principalmente, deve ser entendido em um contexto em que os Estados Unidos estão perdendo seu poder sobre outros Estados emergentes e anunciando seu declínio. Nessa perspectiva, é importante que a Europa esteja em desacordo com a Rússia para manter a pressão sobre o polo asiático de poder. Assim, as potências atlantistas criaram um “inimigo da Rússia livre” em sua busca pela manutenção do poder, assim como imaginaram no passado um Saddam Hussein armado com armas químicas para justificar a invasão do território iraquiano.

A OTAN continua a expandir e a estabelecer bases militares orientadas para a fronteira russa. Em uma conferência, Putin disse: “O que os americanos pensariam se colocássemos nossos mísseis na fronteira do Canadá? Tal ação causaria uma catástrofe global, como a Crise dos Mísseis de Cuba. Em vez disso, é tolerado se planejado pelo Norte e seus subordinados democráticos”.

Após a queda do Muro de Berlim, quando a Guerra Fria terminou e a luta contra o comunismo não era mais um espectro que ameaçava destruir a humanidade, a Rússia aceitou as condições do mundo liberal para se tornar uma república: concordou em se tornar liberal cumprindo todos os pré-requisitos necessários para se tornar um país democrático, capitalista e “civilizado” aos olhos do Ocidente; dividiu-se em doze partes para criar um amortecedor de segurança entre a Europa e a Ásia; renunciou aos seus valores tradicionais e à sua história para pertencer ao mundo feliz e globalizado.

Mas nada disso seria suficiente e o Ocidente continuará a ver a Rússia como um inimigo. O Ocidente não deu garantia de soberania à Rússia e continuou a se expandir, gerando considerável pressão geopolítica. A última tentativa foi aceitar a Ucrânia como parte desse plano, aproximando-se ainda mais das fronteiras, para garantir que o movimento de desrussificação e militarização na Ucrânia encabece o golpe final contra a potência eurasiática.

Do ponto de vista militar, a Rússia sabe, como bem menciona Maquiavel, que as armas mercenárias são boas apenas em tempos de paz e que os exércitos auxiliares são “sempre prejudiciais: pois se alguém perde, é rejeitado, e se ganha, é um prisioneiro”. E que quando o líder é bom em armas, ele simplesmente não quer ajudar, mas crescer nas costas do outro. Por isso mesmo, o chamado apoio que os Estados Unidos e os países europeus da OTAN estão dando à Ucrânia é inútil. Isso simplesmente não é uma desvantagem para o invasor, que sabe que para o equipamento militar ser eficaz é necessário escalar o conflito e muitas vezes é simplesmente uma maneira barata de enviar indiretamente para desmonte unidades antigas ou em desuso.

Por outro lado, as próprias armas e capacidades militares da Ucrânia revelaram-se até agora insuficientes; sua força aérea foi aniquilada nos três primeiros dias da guerra e sua defesa antiaérea, embora reforçada, foi constantemente alvejada.

Talvez, de todas as recomendações maquiavélicas, com sua fama de “cronômetro” e diplomata, Putin não seja o melhor representante. Mas a Rússia de hoje mostrou que pode resistir à maior campanha de difamação da história; enfrenta sanções econômicas extravagantes e censura pública ou privada.

Ancorou sua economia na Europa, que hoje se vê sufocando ou aceitando pagamentos de energia em rublos; a Rússia garantiu suas alianças na Ásia; e destruiu a liberdade com que o Ocidente operava no continente europeu. “Onde há boas armas, deve haver boas leis”, escreveu Maquiavel, e aqui as leis do Ocidente não tiveram efeito sobre a fortaleza imperial russa. A invasão militar é, na realidade, a preservação e a construção da Rússia como um povo soberano baseado na prudência e na previsão. O tempo dirá se ela será capaz de manter um movimento tático no cenário mundial ou se a sorte acabará trabalhando contra ela.

Sobre as qualidades de príncipe modelo de Putin

O Ocidente seguiu um programa de sanções e desgaste econômico que poderia derrubar qualquer governo democrático atual. Mas a Rússia sustentou por quatro meses uma série de contramedidas defensivas inesperadas que não apenas a mantiveram de pé, mas a fortaleceram. Deste ponto de vista, Putin seguiu cautelosamente a máxima de nunca ficar parado em tempos de paz.

Aos olhos de qualquer observador informado, do ponto de vista socioeconômico, parece que a Rússia, se não consolidou inteiramente o terreno no confronto atual, o fez pelo menos indiretamente ou por acréscimo. Nesse sentido, podemos dizer que a Rússia seguiu o modelo maquiavélico, sempre tendo em mente sua influência militar, e também foi resoluta ao afirmar sua superioridade moral e guerreira.

Em um sentido personalista e aos olhos da imprensa internacional, o presidente russo conseguiu esculpir a figura principesca ideal para si: sempre se mostrando em situações não convencionais e arriscadas, como judô, caça, condução de caminhões, ele mostra um homem de ação que, em seu passado, foi agente da KGB. Ele atinge assim um duplo objetivo: ser amado e ser respeitado ou temido. E mesmo que o Ocidente não aprecie mais esse homem, ele sempre será temido por suas virtudes, reais ou não, e por seu grande poder.

E pelo real podemos dizer que uma virtude maquiavélica é ser um grande dissimulador, porque ninguém sabe ao certo quais são suas verdadeiras intenções e como e por que esse percurso vai acabar. Putin sempre foi cercado por intrigas, por czarismo, por posições contraditórias, muitas vezes tendendo a favorecer os ditames da potência mundial liberal a que agora supostamente se opõe.

No final das contas, o importante é ser amado em seu próprio Estado, e é, de acordo com as pesquisas. A Rússia mostra grande força e tranquilidade em casa graças à mentalidade de seu povo e à segurança de seus líderes. O governo, por outro lado, administra as tensões pela força ou pela política, e é capaz de administrar as tensões.

Não devemos ignorar o halo religioso que permeia toda a disputa. A Rússia finge tirar o pó de suas proezas históricas contra o nazismo e ressuscita um homem morto que está longe de ser análogo. Além de se defender das intenções conquistadoras da OTAN, está lutando contra um bizarro nazismo ucraniano, que é sustentado pelo poder liberal e por um presidente judeu. Assim, e com o misticismo cristão ortodoxo russo, ele impõe um messianismo que responde a uma norma maquiavélica que consiste em sempre operar ou fingir uma religiosidade exemplar.

Considerações finais

A escrita de Maquiavel é uma obra de engenharia política, mas também tem princípios ontológicos. É um tratado sobre a harmonia de forças, aquelas que todo príncipe deve operar de tal forma que, além de ser rei, seja também soberano. E como o poder está em movimento, mesmo que você o tenha, ainda pode perdê-lo. Putin iniciou uma grande batalha, composta de batalhas menores, mas igualmente importantes. Só o tempo dirá se a clarividência e a prudência do Presidente são objeto de um cenário premeditado ou se, pelo contrário, como pressões e outros agentes ávidos de tomar o poder, poderá continuar a manter a impassibilidade que é a virtude de qualquer grande senhor.

Fonte: Strategika

Imagem padrão
Ezequiel Corral

Filósofo argentino.

Artigos: 1

Deixar uma resposta