Interpretando as Nuances da Neutralidade dos Países da América Ibérica e do Caribe na Nova Guerra Fria

O mundo ibero-americano e caribenho é um espaço complexo que, por muito tempo, tem sido forçado a se adequar à política externa estadunidense com pouquíssima margem de manobra. A crise internacional proporcionada pela operação especial russa na Ucrânia, porém, mostra um espaço continental mais multifacetado e menos subserviente, cujas nuances precisamos conhecer.

Este artigo compara as diferenças entre as abordagens adotadas pelos Estados do Caribe e da América Latina em sua neutralidade – ou falta dela – em relação às sanções dos EUA e da UE contra a Rússia em todas as frentes. Alexandr Schetinin, Diretor do Departamento Latino-Americano do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, destacou recentemente a importância de nenhum país latino-americano ter aderido às ações econômicas unilaterais impostas pelos Estados Unidos e seus aliados à Rússia, afirmando que “junto com muitos países latino-americanos encontramos formas e oportunidades de continuar a cooperação e estabelecer mecanismos para promover laços que correspondam a interesses mútuos”. Schetinin observou que a Rússia vê a América Latina como uma zona amigável, mas será que este sentimento é recíproco?

Há razões complexas pelas quais os países da região podem querer se abster ou mesmo votar contra a Rússia em um organismo internacional como a ONU, e depois não participar na imposição de sanções econômicas contra o gigante eurasiático. Há grande resistência e cautela em sancionar a Rússia econômica ou financeiramente pelos Estados do Caribe e da América Latina, incluindo os Estados que têm sido satrapias dos EUA. Assim, enquanto alguns Estados são abertamente a favor de que a Rússia atinja seus objetivos declarados na Ucrânia, outros países da região evitam completamente o problema procurando ignorar a operação especial da Rússia na Ucrânia, enquanto outros celebram a amizade com a Ucrânia na mídia, sendo vistos como um aliado da Ucrânia, mas permanecem tecnicamente neutros ao não sancionar a Rússia ou enviar armas ou tropas para o conflito.

Embora na maioria dos países latino-americanos a linha oficial seja mostrar algum matiz de neutralidade em relação ao conflito na Ucrânia, são principalmente os representantes ideológicos dos Estados Unidos dentro de cada Estado particular da região, onde através de certos círculos de ONGs, academia e jornalistas a linha dura da OTAN é incessantemente repetida tentando influenciar a opinião pública contra a Rússia em cada respectivo Estado. Este impulso de propaganda tem sido realizado por membros desta classe de procuradores que, em muitos casos, não têm poder oficial no governo, mas sincronizam suas façanhas com a pressão política e a propaganda russofóbica vinda dos próprios países da OTAN.

As posições dos Estados latino-americanos sobre a operação especial russa na Ucrânia podem ser rastreadas dentro de sua própria neutralidade percebida, observando sua adesão a esses comportamentos categorizados. Antes de mais nada, é especialmente importante apontar quão inútil ou imprecisa é a divisão esquerda-direita na previsão da adesão, ou falta dela, às cruzadas russofóbicas da OTAN lideradas pelos EUA. Não é muito correto formular que todos os governos de esquerda apoiem abertamente a Rússia enquanto todos os governos de direita da região apoiam a Ucrânia liderada pela OTAN.

Neutralidades latino-americanas

De um ponto de vista geopolítico, a região da América Latina, especialmente e em menor medida a região do Caribe, demonstrou mais uma vez ser cautelosa no cumprimento automático dos mandatos dos EUA e da UE, assumindo uma neutralidade estratégica que, embora desigual de país para país, poderia ser entendida como uma postura comum.

Devido à transição global para a multipolaridade, os governos latino-americanos enfrentam um cenário geopolítico e geoeconômico em mudança, acelerado pelo declínio das relações entre o Ocidente e a Rússia. É notável como a maioria destes Estados americanos tem tentado evitar, tanto quanto possível, tomar partido, resistindo à pressão dos EUA e dos países europeus. Um número crescente de governos latino-americanos, independentemente de suas convicções ideológicas, tem construído laços com a China e a Rússia, a fim de fomentar relações bilaterais mutuamente enriquecedoras. Este é um meio de aumentar sua autonomia e melhorar seu poder de barganha com os Estados Unidos. A América Latina sabe que assumir a plena soberania significa não ser um peão ou representante de um terceiro Estado a tal nível que dificulte a sã concorrência financeira fiscal e os mecanismos estatais para a adjudicação de contratos.

Um elemento chave na justificativa desta estratégia de neutralidade deve-se ao senso comum econômico, devido ao aumento do preço das matérias-primas, incluindo os hidrocarbonetos, e à recuperação da inflação criada por políticas exageradas de flexibilização quantitativa por parte dos governos ocidentais e desencadeada pela nova Guerra Fria global para controle e acesso à energia e aos recursos essenciais para a produção. A América Latina e o Caribe em grande parte, é claro, querem proteger seus laços comerciais com cada cliente, seja o Ocidente, a China ou a Rússia, o que explica porque vários governos latino-americanos ignoraram as sanções do Ocidente lideradas pelos EUA contra a Rússia. Sanções que, se aderissem de fato, os conduziriam à briga como participantes de uma política de guerra híbrida em todos os níveis. Este é o início da bifurcação dos comportamentos dos países da América Latina e do Caribe, enquanto alguns optam por ignorar o máximo possível, outros esboçam uma rejeição total da guerra e da violência, com certas flutuações de tom e conteúdo.

A principal arma da guerra de informação utilizada pelos procuradores ideológicos dentro de cada Estado da região é ocultar os fatos sobre as repercussões econômicas e financeiras das sanções dos EUA e da UE sobre a Rússia e sobre a Ucrânia colocando minas navais em seus próprios portos bloqueando o embarque de grãos, e não uma ação tomada pela federação russa. É principalmente culpando a Rússia por ações tomadas pelos EUA e UE que estes representantes ideológicos tentam abrir caminho em seus respectivos estados. Alguns comentaristas e jornalistas acusam a América Latina de supostamente não possuir uma única voz, não votando e cumprindo à risca todos os projetos dos EUA e da UE. Estes jornalistas servis afirmam que a região latino-americana limita sua capacidade de influenciar e carregar peso internacional, mas na realidade o oposto é verdadeiro. Nessas neutralidades latino-americanas divergentes está o caminho para a região, um poder crescente que deriva apenas da compreensão do potencial multipolar e da sabedoria da neutralidade.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) aprovou em 25 de fevereiro uma declaração “condenando veementemente a invasão ilegal, injustificada e não provocada da Ucrânia pela Federação Russa” e exigiu “a retirada imediata da presença militar”. A Bolívia, Argentina, Nicarágua e Brasil não apoiaram a declaração condenando a operação especial russa na Ucrânia, que acabou sendo endossada por 21 países. A declaração foi apoiada por Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Belize, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, Granada, Guatemala, Guiana, México, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Trinidad e Tobago, Estados Unidos e *Venezuela (representada por um delegado do líder da oposição Juan Guaidó após a saída do bloco do governo de Nicolás Maduro em 2019). A Argentina destacou a falta de relevância da OEA para trazer ao fórum questões sobre um conflito fora das fronteiras continentais. Um mês depois, em 25 de março, a OEA aprovou outra resolução pedindo a cessação de “atos que possam constituir crimes de guerra” na Ucrânia, 28 dos 34 países votaram a favor, nenhum contra e quatro se abstiveram, Bolívia, El Salvador, Honduras e São Vicente e Granadinas. A Nicarágua esteve ausente porque seu embaixador Arturo McFields foi chamado de volta.

A neutralidade latino-americana divergente se manifestou na sessão especial de emergência da Assembleia Geral sobre a Ucrânia, convocada pelo Conselho de Segurança. Nenhum país latino-americano votou contra como tal, entretanto, houve quatro abstenções de Cuba, Nicarágua, El Salvador e Bolívia, a Venezuela não participou da votação, com 14 votos a favor e 4 abstenções. Na votação de 24 de março, a votação foi a mesma que na sessão anterior. A favor: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai. Da mesma forma, as quatro abstenções foram novamente dos três aliados da Federação Russa: Bolívia, Cuba, Nicarágua e El Salvador. Embora a maioria dos governos latino-americanos tenha votado a favor das resoluções da Assembleia Geral da ONU condenando a operação especial russa na Ucrânia, nenhum Estado sancionou economicamente a Rússia, com exceção de certos estados caribenhos que foram cooptados sob ameaças econômicas. Da mesma forma, tanto o México quanto o Brasil se abstiveram, o que é importante, em outra resolução de abril que acabaria suspendendo a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Os governos da Venezuela, Cuba e Nicarágua apoiam a Federação Russa na defesa de seu território para evitar perder sua capacidade de segundo ataque através de uma crise de mísseis criada pelos EUA. Outros, como Brasil, Argentina e Bolívia, não procuram sancionar a Rússia, mas também não se juntam necessariamente à justificação russa para sua operação especial, de modo que se afastam enquanto o império anglo-saxão e seus estados vassalos exercem pressão sobre a Rússia e seus aliados. As mais fortes condenações contra a Rússia vieram dos governos do Chile, Colômbia, Uruguai e Guatemala que tentaram se destacar nesta pequena competição para condenar a Rússia, ordenando a retirada de seu embaixador de Moscou.

O México mostrou sua rejeição da guerra ao ser extremamente cauteloso ao falar, buscando neutralidade e apelando para o diálogo e a negociação. O Ministro das Relações Exteriores Marcelo Ebrard declarou que “o México rejeita o uso da força, reiterou seu apelo por uma solução política para o conflito na Ucrânia e apoia o Secretário Geral das Nações Unidas em favor da paz”. O presidente Andrés Manuel López Obrador rejeitou a guerra e a violência dizendo: “Não somos a favor de nenhuma guerra, o México é um país que sempre foi a favor da paz e da resolução pacífica das disputas”. A posição do México sobre não sancionar a Rússia tem sido clara desde que foi tornada pública em 1º de março de 2022. O presidente Andrés Manuel López Obrador anunciou que o México não imporá sanções econômicas à Rússia, como outros países concordaram. “Não podemos cair em um protagonismo que nada tem a ver com a restrição que deveria prevalecer na política externa”, argumentou ele. “Queremos manter boas relações com todos os governos do mundo, e queremos estar em posição de poder falar com as partes em conflito”, disse Lopez Obrador durante sua conferência matinal. Estima-se que cerca de cem empresas russas operam no México, incluindo a Lukoil, que tem um contrato de exploração e extração de petróleo bruto com a estatal Petroleos Mexicanos (Pemex), a Gazprom, dedicada à exploração de gás, e a companhia aérea Aeroflot.

Entretanto, o candidato presidencial brasileiro Lula da Silva e Gabriel Boric, então presidente eleito do Chile, se distanciaram desta posição. Enquanto Lula rejeitou a operação especial russa na Ucrânia no Twitter expressando que “ninguém pode concordar com a guerra, ataques militares de um país contra outro. A guerra só leva à destruição, ao desespero e à fome”, Boric do Chile compartilhou o discurso de Zelensky no Twitter, onde ele não só usou a palavra invasão em sua mensagem para se referir à operação especial na Ucrânia, mas também acusou a Rússia de travar uma guerra de agressão contra a Ucrânia dizendo, “da América do Sul vai nosso abraço e solidariedade ao povo ucraniano diante da inaceitável guerra de agressão de Putin”. Esta é a segunda mensagem sobre o conflito na Ucrânia, pois em 24 de fevereiro ele disse, pelo mesmo meio, que “a Rússia optou pela guerra como um meio de resolver conflitos. Do Chile condenamos a invasão da Ucrânia, a violação de sua soberania e o uso ilegítimo da força. Nossa solidariedade será para com as vítimas e nossos humildes esforços pela paz”.

Recentemente, em 1º de julho, o presidente chileno Boric tuitou, “Acabo de ter uma conversa com o presidente da Ucrânia, a quem manifestei minha solidariedade e nossa disposição de apoiar as condenações da invasão em organismos internacionais. Os 18 mortos hoje em Odessa por um ataque russo são inaceitáveis… ele pode contar com o total apoio do Chile em questões humanitárias… A Ucrânia tem um amigo na América do Sul, tanto agora como quando a guerra acabar. Muita força e um abraço”. Pouco tempo depois, Zelensky respondeu isso: “A distância não é um obstáculo para os países amigos. Encantado em estabelecer contato com o novo presidente do Chile, Gabriel Boric. Agradecido pelo apoio na ONU, ajuda humanitária para a Ucrânia. Discutimos a possibilidade de envolver os especialistas chilenos em territórios de desminagem”. Esta retórica e propaganda é marcadamente diferente da de López Obrador do México, ou Fernández da Argentina ou Morales da Bolívia ou Bukele de El Salvador.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro disse recentemente que as sanções econômicas impostas pelo Ocidente contra a Rússia não haviam funcionado, acrescentando que sua posição em relação à Rússia e à guerra “era de equilíbrio”. O embaixador do Brasil, Otávio Brandelli, disse que as preocupações russas tinham que ser levadas em conta, “principalmente no que diz respeito ao equilíbrio das tropas e das armas estratégicas no contexto europeu”. Os comentários de Bolsonaro enfureceram os Estados Unidos e os países europeus que haviam criticado o Brasil por não aderir plenamente à cruzada russofóbica da OTAN. Bolsonaro disse que sua postura lhe permitiu comprar fertilizantes, um insumo chave para o vasto setor agrícola do Brasil, da Rússia. Em junho, Bolsonaro e Putin, em um telefonema, discutiram a segurança alimentar global e confirmaram sua intenção de fortalecer sua parceria estratégica. Para mais contexto, leia o artigo de Andrew Korybko “O Ocidente não quer que o mundo saiba que a Rússia acabou de salvar a safra do Brasil este ano”.

Por sua vez, o Presidente da Argentina, Fernández, fez um apelo temperado ao “diálogo e respeito pela soberania, integridade territorial, segurança do Estado e direitos humanos [que] garantam soluções justas e duradouras para os conflitos”. Isto aparentemente não foi do agrado dos procuradores ideológicos dentro do Estado argentino, pois gerou críticas por ser muito brando com a Rússia, então Fernández teve que ordenar ao Ministério das Relações Exteriores que emitisse uma declaração expressando sua “firme rejeição ao uso da força armada” e exortando a Rússia a “cessar as ações militares na Ucrânia”. A vice-presidente Kirchner sempre defendeu a neutralidade, recusando-se a condenar qualquer um e criticou a “duplicidade de critérios dos poderes”.

A operação especial russa na Ucrânia mostrou as nuances das várias neutralidades regionais com os governos da Venezuela, Nicarágua e Cuba, aliados tradicionais de Moscou. Estes expressaram seu apoio contínuo, assim como outros ex-chefes de Estado de importância, como Evo Morales, que tuitou sobre como “a OTAN é uma séria ameaça à paz e segurança internacional, seu histórico de invasões e agressões o prova. Agora, sua pretensão expansionista é uma das principais razões para a situação na Ucrânia”. O presidente venezuelano Nicolás Maduro reiterou seu apoio à Rússia no conflito com a Ucrânia durante uma conversa telefônica com seu homólogo russo, Vladimir Putin, na qual trocaram opiniões sobre a parceria estratégica entre a Venezuela e a Rússia, e sobre a situação com a Ucrânia. O ministro venezuelano das Relações Exteriores, Plasencia, apoiou a luta da Rússia contra a beligerância da Aliança Atlântica. Cuba criticou Washington pela “expansão progressiva da OTAN em direção às fronteiras da Federação Russa”.

Os votos de Cuba, Nicarágua e Bolívia eram uma consequência lógica de sua proximidade e aliança com a Rússia, enquanto El Salvador responde ao crescente distanciamento com Washington. Bukele manteve a neutralidade, ele não fez um único discurso condenando a operação militar especial da Rússia na Ucrânia, nem apoiou Moscou. Seu vice-presidente declarou que “países pequenos” não devem tomar “o partido de um bloco ou de outro”. A Europa criticou esta posição de El Salvador, o alto representante da União Europeia para Assuntos Exteriores e Política de Segurança, Josep Borrell, também repreendeu El Salvador por seu “silêncio” e “falta de condenação” do conflito na Ucrânia. Em geral, a repreensão nunca parou.

Estados do Caribe

Os Estados insulares do Caribe estavam entre os 141 estados membros da ONU que condenaram a operação especial russa na Ucrânia a partir de 24 de fevereiro. Mas até março passado, 7 países caribenhos: Antígua e Barbuda, Dominica, Barbados, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, Granada e Bahamas concordaram mutuamente em sancionar a Rússia.

Para dar ao leitor algum contexto, muitas das nações caribenhas sancionadoras são membros de várias organizações caribenhas e acordos supranacionais, tais como 1) a Comunidade Caribenha, conhecida como CARICOM, 2) a Organização dos Estados do Caribe Oriental, e 3) a Associação dos Estados do Caribe. Seria a CARICOM, cujos protocolos levaram às possíveis sanções, trazendo esta votação em seu fórum, que desencadeou este efeito dominó de sanções em uma fatia do Caribe. O agrupamento regional caribenho de 13 membros emitiu uma declaração poucas horas depois que o presidente russo Vladimir Putin anunciou a operação militar especial na Ucrânia em 24 de fevereiro condenando a operação especial russa na Ucrânia. A CARICOM reuniu-se em Belize em 3 de março e novamente condenou unanimemente a operação especial russa na Ucrânia, mas não aprovou nenhuma sanção conjunta, deixando isso para membros individuais. Após deliberações, deixou a imposição de sanções à Rússia nas mãos de Estados membros individuais. Esta decisão causou muita pressão para os Estados caribenhos, pois veio em meio a uma cruzada anglo-europeia de sanções muito sérias que buscavam voluntários, como a proibição de voos russos no espaço aéreo, o fechamento do sistema global de pagamentos e o congelamento de bens estatais e pessoais. “Discutimos longamente a questão da Rússia […] A CARICOM achou que é algo que devemos fazer como países individuais […] Temos que decidir que tipo de sanções, se alguma, podemos tomar como países e não como CARICOM”, disse o presidente do bloco regional, John Antonio Briceño, durante uma coletiva de imprensa no início do dia.

A operação especial em andamento da Rússia na Ucrânia serviu como catalisador para as ameaças dos EUA e da Europa a esses programas no Caribe. Cidadãos russos ricos e entidades russas foram sancionados como parte das medidas punitivas exercidas pelas nações ocidentais. Em uma reação um tanto irrefletida, os 5 países que compõem o programa CBI no Caribe impuseram uma proibição de pedidos da Rússia e Belarus como uma resposta direta às sanções.

Os governos de Dominica e Antígua e Barbuda suspenderam as solicitações de cidadãos da Rússia e de seu aliado Belarus em seus programas CBI. Os países do Caribe que lideraram estas medidas foram a Dominica em 8 de março e Antígua e Barbuda em 4 de março. Sob estes programas de Cidadania por Investimento (CBI), que variam de país para país, os indivíduos podem obter passaportes pagando ao governo ou investindo em projetos de desenvolvimento administrados pelo governo em questão. Na ilha caribenha oriental da Dominica, o coordenador do programa CBI Emmanuel Nanthan disse que o programa está sendo suspenso para as nacionalidades acima mencionadas com efeito imediato “à luz do conflito em andamento na Ucrânia”, e para preservar “a credibilidade” do programa. Charmaine Donovan, que dirige o serviço da CBI em Antígua e Barbuda, disse que o programa também foi suspenso lá para pessoas da Rússia e sua aliada Belarus. “É uma questão de permanecer consistente com a posição da política externa de Antígua e Barbuda”, disse Donovan. Curiosamente, Antígua e Barbuda também decidiu incluir os ucranianos em sua lista de nacionais para os quais seu programa CBI seria suspenso.

Os 5 Estados caribenhos do programa Cidadania por Investimento sofreram pressão crescente da UE e dos Estados Unidos para banir todos os russos e bielorrussos de seus programas CBI, além de interromper as transações com entidades sancionadas pelo Ocidente desde que a operação especial russa na Ucrânia começou, no final de fevereiro. Antígua e Barbuda optou em 4 de março de 2022 por implementar sanções contra cidadãos russos e suspender o processamento de todos os pedidos de cidadania por parte de cidadãos da Rússia, Belarus e Ucrânia, através de programas de investimento. Antígua e Barbuda é um dos poucos Estados do Caribe que impôs quaisquer sanções à Rússia como Estado ou a seus cidadãos. Belarus foi arrastada para esta confusão por Estados caribenhos que condenaram ambos os países e declararam restrições contra eles, terminando temporariamente o Programa de Cidadania por Investimento para cidadãos russos e bielorrussos. O embaixador de Antíguae Barbuda nos Estados Unidos, Sir Ronald Sanders, disse que sua nação-ilha caribenha está instituindo medidas para garantir a aplicação de sanções internacionais contra os indivíduos e entidades russos nomeados. O Ministro das Relações Exteriores de Antígua e Barbuda, E Paul Chet Greene, instruiu que a lista completa de indivíduos e empresas russos sancionados pelos Estados Unidos fosse respeitada e seguida.

A recente atenção dada à Rússia e seus cidadãos ricos aumentou o escrutínio dos programas de Cidadania por Investimento e amplificou os apelos para que eles sejam redimensionados, efetivamente para manipular o Caribe. A União Europeia, ao mesmo tempo em que apela aos países caribenhos para que banam os cidadãos russos e bielorussos de seus programas, convenientemente também chantageia esses mesmos países caribenhos, ameaçando-os indiretamente ao tentar cancelar programas que a UE sabe que trazem muito capital para o Caribe. Justamente quando todo este alarido sobre sancionar a Rússia está acontecendo, o Caribe vê os custos de energia aumentar, os alimentos se tornam mais escassos e mais caros e ainda assim a UE acrescenta combustível ao fogo. Neste momento, o Primeiro Ministro de Antígua e Barbuda, Gaston Browne, entrou imediatamente em contato com a União Europeia, pedindo-lhe que reconsiderasse sua intenção de eliminar os programas de Cidadania por Investimento no Caribe.

Em 10 de março, Granada do Caribe suspendeu os candidatos russos e bielorussos de se candidatarem ao programa de Cidadania por Investimento CBI, uma política que já havia sido aplicada oficiosamente desde abril. Dias depois Granada e São Cristóvão e Névis se juntaram à cruzada da UE, decretando uma proibição tão russofóbica, respondendo ao apelo de seus antigos mestres coloniais. As nações caribenhas das Bahamas, Barbados, Granada, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas foram persuadidas a cortar seu relacionamento com a Rússia em troca de uma recompensa não especificada e possivelmente inexistente dos EUA ou da UE. Em 13 de março, as Bahamas se juntaram à lista de países caribenhos que impuseram sanções aos recursos financeiros das empresas e oligarcas russos. As Bahamas não têm um programa da CBI, portanto, elas organizaram suas próprias sanções contra a Rússia com essencialmente três medidas. Primeiro, o Procurador Geral ordenou aos reguladores locais que informassem se alguma das entidades apontadas pelos EUA tem negócios locais. A segunda é uma diretiva aos reguladores financeiros locais para que as instituições adotem as restrições impostas pelos EUA, o Reino Unido e a UE. Terceiro, as Bahamas suspenderam a troca automática de informações financeiras com a Rússia sobre seus cidadãos. É a primeira vez que o país caribenho introduziu sanções na ausência de uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) e segue um pedido formal dos Estados Unidos para que o país tome medidas diretas contra a Federação Russa na Ucrânia.

Em 23 de junho, muitos desses países estavam admitindo que as sanções lhes custavam caro. Mais uma vez, estes Estados parecem acreditar que sabotar suas próprias economias por uma guerra híbrida ordenada pelos EUA contra um terceiro país vale mais a pena do que se envolver em negócios bons e saudáveis. Estes países parecem esperar receber algum tipo de recompensa dos EUA ou da UE por mais ou menos aderirem a algumas sanções contra a Rússia em sua guerra híbrida contra os gigantes eurasiáticos.

O Embaixador Lionel Hurst, Secretário do Gabinete do Primeiro Ministro de Antígua e Barbuda, foi citado em 23 de junho de 2022 em um documento intitulado “Antígua manterá as sanções contra os russos apesar dos prejuízos” explicando como a redução na receita da CBI significa que o governo tem menos dinheiro em seus cofres para pagar os benefícios da previdência social e empréstimos de serviços, “Nós cumprimos muito fielmente com essas sanções… mas nosso programa Cidadania por Investimento é afetado negativamente pelas sanções, no entanto, estamos cumprindo com essas sanções. E pretendemos assegurar que sempre que houver sanções contra indivíduos ou qualquer setor da economia russa, Antígua e Barbuda as cumprirão”. Para ressaltar a importância do programa CBI para estas nações, na Dominica por exemplo, este programa gerou o equivalente a 440 milhões de dólares em receitas, que foram usados para pagar a dívida, mas também para construir moradias.

Cuthbert Didier, Consultor Marítimo Regional, diz que compreende porque algumas nações da CARICOM podem querer adotar sanções contra a Rússia, mas “O perigo é que, infelizmente, fazemos Peter pagar por Paul, e num momento em que a indústria de megaiates do Caribe está em plena expansão… o registro desses megaiates – sejam eles russos ou chineses, da Europa ou da região da Orla Asiática ou do Pacífico – é um grande negócio”. Didier, um ex-diretor administrativo de longa data da marina Rodney Bay em Santa Lúcia, diz que as sanções contra os megaiates poderiam asfixiar o setor em expansão e as economias em dificuldade dos pequenos Estados insulares do Caribe.

Agora, cerca de quatro meses depois, os Estados do Caribe perceberam que as sanções eram economicamente insustentáveis com uma abordagem tão restritiva que acaba discriminando injustamente milhões de cidadãos russos e bielorussos, de modo que estes Estados flexibilizaram um pouco as sanções. Efetivamente, os danos autoinfligidos foram causados às economias caribenhas ao não apreciar (ou exercer) a sabedoria comercial da neutralidade. A suspensão de pedidos de cidadãos russos e bielorussos causou uma contração significativa em detrimento desses países caribenhos, tanto em termos econômicos diretos – devido às menores receitas dos próprios pedidos – como em termos da contribuição ao desenvolvimento que os novos cidadãos podem oferecer aos países anfitriões através de seus recursos de conhecimento e experiência. Os cidadãos russos, bielorrussos e ucranianos não sancionados são agora novamente bem-vindos a se candidatarem em Antígua e Barbuda ao Programa de Cidadania por Investimento. Até agora, os Estados Unidos não estabeleceram ou ofereceram nenhum esforço importante para mitigar o impacto das sanções ocidentais contra a Rússia no Sul Global. O que prova as verdadeiras afirmações russas de que as sanções são as principais responsáveis pelas dificuldades que se avizinham nas economias emergentes.

Todas essas nações caribenhas, depois de contabilizar os danos econômicos autoinfligidos a suas economias, têm desde meados de junho procurado aliviar as sanções russofóbicas, optando por uma abordagem mais controlada e proibindo apenas indivíduos e entidades na lista de sanções dos EUA e da UE. Em 29 de junho de 2022, Karline Purcell, diretora geral da CBI de Granada, confirmou que a exclusão geral inicial de russos e bielorrussos havia sido levantada cerca de um mês depois e substituída por uma abordagem cautelosa: “Sim, nós aceitamos os russos e os submetemos a um maior escrutínio. O que é crucial notar é que só aceitamos russos não sancionados e que verificamos cada candidato russo em relação às listas de sanções continuamente atualizadas”. Até 8 de julho, a CBI de Antígua e Barbuda emitiu uma circular com o mesmo efeito para retomar oficialmente a aceitação de candidatos russos e bielorussos não sancionados; um dia depois, Granada decidiu seguir o exemplo e também flexibilizar sua proibição, limitando-a a nomes específicos na lista de programas da CBI. No momento da redação, mais países do que aqueles que acabaram de ser mencionados optaram por flexibilizar a extensão das proibições e decidiram proibir apenas os indivíduos específicos nas listas de sanções e não todas as nacionalidades russas e bielorrussas.

O presidente ucraniano Volodimir Zelensky expressou em um chamado ao seu homólogo paraguaio, Mario Abdo Benítez, seu interesse em enviar uma mensagem aos países do Mercosul durante a Cúpula Presidencial de 21 de julho. Abdo Benítez prometeu que consultaria seus pares do Mercosul sobre a proposta do governo ucraniano, uma vez que as decisões são tomadas por consenso. Isto augura que a pressão dos EUA e dos países da UE está longe de ter terminado e é provável que se torne uma constante na transição global para a multipolaridade até muito depois que a operação especial russa na Ucrânia complete seus objetivos. As nações da América Latina e especialmente do Caribe devem perceber que tornar-se peões em um conflito internacional que não podem controlar gera poucos benefícios garantidos e só garante riscos massivos. É mau negócio envolver-se numa cruzada de guerra híbrida contra um Estado-Civilização como a Rússia, que é capaz de trazer tantos bons negócios aos países da América Latina e do Caribe, sem mencionar a capacidade de comprar bens, energia e recursos críticos para a produção.

Fonte: One World

Imagem padrão
Miguel Santos García

Analista geopolítico.

Artigos: 1

Deixar uma resposta