Soberania Integral

O pragmatismo putiniano é uma faca de dois gumes. Se ele tem permitido à Rússia manobrar no terreno movediço da política internacional, a ausência de uma doutrina nacional clara, de uma ideologia nacional, pode pôr tudo a perder a longo prazo. A soberania civilizacional eurasiática exige a construção de um pensamento próprio.

A Rússia está em um estado muito peculiar nos dias de hoje. É como estar posicionado entre um passado que já terminou e um futuro que ainda não começou, ou melhor, que já começou mas ainda não foi percebido ou aceito. Estas são questões fundamentais: a atitude da Rússia perante os processos globais e, acima de tudo, perante o Ocidente coletivo.

Após o colapso da URSS, passamos por duas fases:

  1. Nos anos 90, tentamos desesperadamente nos integrar ao mundo ocidental sob quaisquer condições, mas não tivemos muito sucesso e um sistema de controle externo foi estabelecido no país;
  2. Depois que Putin chegou ao poder, também tentamos nos integrar ao mundo ocidental, mas somente na condição de que a Rússia mantivesse sua soberania; nunca tivemos sucesso, mas conseguimos fortalecer nossa soberania.

Por que começamos a operação militar especial? Trump não prestou muita atenção ao crescimento da soberania russa, ele não era um atlantista ferrenho e julgou que o modesto desempenho da economia russa não representava uma séria ameaça para os EUA; ele não se importava com a Crimeia, ele estava muito mais preocupado com a China. Biden, por outro lado, é um atlantista convicto e globalista, e está bem ciente de que qualquer sucesso russo na expansão de sua influência desafia a globalização, o mundo unipolar e a hegemonia americana. É por isso que, depois de deixar de lado o mundo islâmico, mudou seu foco para o confronto com a Rússia, sem esquecer a China, é claro.

A partir do verão de 2021, os EUA e a OTAN começaram a preparar uma operação militar para conquistar o Donbass e um ataque à Crimeia. Assim, o Donbass foi transformado em um poderoso centro de futura agressão militar contra a Rússia. Incluindo instrutores e mercenários estrangeiros.

Putin não esperou até o início de março, quando a operação estava planejada, e atacou primeiro. Daí a preponderância inicial na primeira fase da operação, que predeterminou o resultado a nosso favor. Mas deixemos de lado o aspecto militar da operação militar especial. Após seu início, a segunda fase das relações da Rússia com o Ocidente, no período pós-soviético, chegou ao fim. A ideia de integração no mundo ocidental se desvaneceu por razões objetivas. A Rússia só ficou com sua própria soberania, cuja proteção, preservação e fortalecimento provou ser completamente incompatível com a cumplicidade da Rússia nos processos globais em uma base ocidental.

Nós rompemos irremediavelmente e radicalmente com o Ocidente, mas isto ainda não foi compreendido. A segunda fase já terminou, a terceira ainda não começou.

Qual é esta terceira fase que os olhos e ouvidos da elite russa não querem absolutamente perceber? Ela representa um período indefinidamente longo da existência da Rússia, isolada do Ocidente e sob sua dura e puramente negativa pressão. Se aceitarmos como um fato consumado que esta direção está para sempre cortada para nós, os horizontes do futuro se tornam bastante claros. Da mesma forma, o povo soviético não podia acreditar que a URSS e o comunismo haviam entrado em colapso, e os liberais dos anos 90 acreditavam que Putin era temporário, irrelevante, e que tudo voltaria atrás. É difícil acreditar no novo. Sempre. Mesmo agora.

Estar sem o Ocidente e, além disso, em um claro confronto quase militar com ele, é implementar dois vetores ao mesmo tempo:

  1. O russo e
  2. O eurasiático.

Eles não se contradizem, não há necessidade de escolher entre eles. Mas são diferentes, no entanto.

O primeiro significa um rápido e dramático fortalecimento da soberania da Rússia, garantindo que ela possa contar apenas com suas próprias forças em caso de necessidade. E não estamos falando de uma concepção limitada de soberania, que já é reconhecida – embora nominalmente – por todos os Estados independentes, mas de soberania em escala integral, abrangendo:

  • civilização,
  • cultura,
  • educação,
  • ciência,
  • economia,
  • finanças,
  • valores,
  • identidade,
  • o sistema político,
  • e acima de tudo, ideologia.

Até agora, além da soberania política e militar, todas as outras esferas que temos são parcialmente ocidentais ou completamente ocidentais, e não há ideologia. Consequentemente, a construção de uma Rússia verdadeiramente soberana, uma Rússia totalmente soberana, requer uma profunda transformação de todas essas esferas, sua libertação dos paradigmas liberais globalistas profundamente embutidos em nossa sociedade e seu estabelecimento durante a primeira e segunda fases da história pós-soviética.

Isto exigirá uma institucionalização do curso de Putin, e não apenas lealdade a ele pessoalmente. Isso implicaria o estabelecimento de uma nova ideologia, uma espécie de “putinismo” no qual os princípios básicos da soberania integral seriam consagrados, e então outros mecanismos políticos e administrativos também teriam que ser incorporados a eles.

A Rússia está entrando inevitavelmente em uma fase ideológica. Não podemos nos manter contra o Ocidente sem nossa própria ideologia. Este é um fato completamente objetivo, independentemente de estarmos entusiasmados ou enfurecidos com ele. A ideologização da Rússia é inevitável, ela não pode ser evitada.

A Rússia deve fortalecer sua identidade muitas vezes para resistir não apenas sem o Ocidente, mas apesar do Ocidente. Há vinte e dois anos, tendo apostado na soberania, Putin predeterminou a inevitabilidade deste momento. Hoje, ele está aqui, chegou.

Ou a soberania ou o Ocidente. E é irreversível.

Não se trata de forma alguma de isolar a Rússia do mundo, como o Ocidente gostaria. O Ocidente, apesar de suas reivindicações de hegemonia e universalismo, não é o mundo inteiro. A Rússia terá, portanto, que procurar novos parceiros e amigos fora do Ocidente. Isto deveria ser chamado de política eurasiática, uma virada para o Oriente.

Ao descobrir o não-Ocidente global, a Rússia descobrirá que está lidando com civilizações completamente diferentes: chinesa, indiana, islâmica, ibero-americana, africana. E cada uma delas é diferente de nós mesmos, uma da outra e do Ocidente. Costumávamos nos interessar por isso, costumávamos estudar o Oriente, e o grande poeta russo Nikolai Gumilev costumava compor hinos inspirados na glória da África. Mas então o Ocidente tomou conta de nossas mentes. É uma intoxicação ocidentalizada, um vício para o Ocidente. O filósofo iraniano heideggeriano Ahmad Fardid deu a este fenômeno um nome, Gharbzadegi, Ocidentoxicação.

Os eurasianistas russos foram os primeiros a se rebelarem contra essa virada ocidentalista da cultura russa, exigindo, como os eslavófilos, que se voltassem para sua própria identidade russa e para as culturas e civilizações não-ocidentais. Esta é agora a única saída para a Rússia. Somente o BRICS+, a OCX, o desenvolvimento das relações com os novos polos do mundo, com civilizações que surgiram, aparentemente há muito esquecidas, mas que agora estão voltando à história.

Onde o Ocidente termina, o mundo e a humanidade não terminam de forma alguma. Pelo contrário, é um novo começo. E o lugar da Rússia é na Eurásia, não no Ocidente. Uma vez isso era uma questão de escolha. Hoje, isso é simplesmente inevitável. Hoje tudo depende de como construímos relações com a China, Índia, Turquia, Irã, países árabes, estados africanos ou América Ibérica.

Este é o futuro que vem/não vem. Ele já existe, mas a elite se recusa a aceitá-lo. E não há saída ou escolha. Mesmo a traição, que é improvável, não vai mudar nada. Além disso, ela arruinará a Rússia de uma só vez. Já nem sequer existe essa possibilidade: o lugar dos traidores e liberais é pré-determinado pelas leis de tempo de guerra e emergência. Os inevitáveis e absolutamente necessários expurgos, que, no entanto, ainda não começaram, mas certamente começarão, não são a coisa principal ou mesmo secundária. Em vão, nossa elite se preocupa com demissões e prisões. Quem não concorda com a soberania e o eurasianismo já está morto. Isto é indiscutível.

Entretanto, a questão é outra: como podemos defender e reconstruir a nova Rússia, a Rússia da terceira fase? O que deve ser feito é ditado pela verdade. Mas o que fazer, como fazer, onde começar e o que priorizar são questões em aberto. Aqui tudo é mais complicado.

Penso que devemos começar com o principal, que é a ideia. Tudo o resto é secundário. Algo me diz que aqueles de nós no poder que são verdadeiramente responsáveis pelo destino do país e do povo pensam exatamente da mesma forma.

Fonte: Idee&Azione

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 12

Deixar uma resposta