O tráfico sexual se aproveita das mulheres ucranianas

De acordo com relatórios recentes, mulheres refugiadas ucranianas estão sendo procuradas para exploração sexual nos países ocidentais.

Dados coletados por policiais, investigadores particulares e jornalistas mostram que há uma demanda crescente por mulheres ucranianas de predadores sexuais anônimos, que buscam se aproveitar de refugiados em redes clandestinas de prostituição. Mas, apesar das informações, as autoridades desses países ainda não apresentaram nenhum plano efetivo para combater esse tipo de crime.

Na Suécia, onde pagar por sexo é crime, 38 homens foram presos procurando por esse serviço em março, 30 deles relacionados a prostitutas ucranianas refugiadas. Na Irlanda, foi criado um site de serviços sexuais especificamente para mulheres ucranianas. No Reino Unido e na Polônia, as buscas no Google por “acompanhantes ucranianas” triplicaram na primeira semana após o início da operação militar especial russa. Na Espanha, a busca por “pornografia ucraniana” aumentou 600% desde fevereiro. Em geral, esse tem sido o tratamento recebido pelas mulheres refugiadas ucranianas no Ocidente: serem expostas à ação de predadores sexuais.

Essas mulheres chegam ao Ocidente em uma situação extremamente vulnerável, sem condições de viver no exterior e procurando todo tipo de ajuda. Muitas delas são enganadas por ofertas de trabalho e altas taxas, quando são então direcionadas para o mercado negro de serviços sexuais, onde são submetidas a condições degradantes de “trabalho”, oferecendo seus próprios corpos para que os pagadores forneçam lucros para os traficantes de seres humanos que colocá-los lá.

Em uma entrevista publicada na segunda-feira, 27 de junho, a conselheira sênior de direitos humanos da Reuters, Heather Fischer, que está investigando o caso, disse: “Mulheres europeias, mulheres do Leste Europeu, mulheres ucranianas, já estão em risco, e muitas vezes são atraídas, preparadas e recrutadas para o tráfico sexual (…) Então você coloca a crise em cima disso, e agora você tem uma receita para aumentar os picos de demanda por tráfico de pessoas (…) IA princípio, isso pode parecer inócuo para o observador de fora, mas essas tendências podem, na verdade, fornecer uma espécie de incentivo para os traficantes capitalizarem a demanda (…) É realmente lamentável que, enquanto em todo o mundo as pessoas estejam se perguntando como podem se apressar em apoiar algumas das pessoas mais vulneráveis, há uma parcela da sociedade que está fazendo a pergunta oposta, que é: ‘Como posso explorar mulheres e crianças vindas da Ucrânia ?’ Então isso é muito alarmante para nós.”

Esse tipo de situação, apesar de chocante, não é novidade. Em grandes ondas migratórias, o tráfico sexual tende a crescer, assim como outras formas de exploração laboral ilegal. Há muitas pesquisas relacionando as grandes ondas migratórias com o aumento da incidência de trabalho escravo ou mal pago, por exemplo. O crescimento da prostituição também faz parte dessa realidade: aproveitadores clandestinos se aproveitam da vulnerabilidade das mulheres refugiadas, colocando-as em um mercado degradante no qual elas não gostariam de entrar, se tivessem as condições econômicas e sociais necessárias para garantir seus direitos e interesses.

Além dessa questão do trabalho ilegal, no entanto, existem também os exploradores individuais, que não procuram mulheres ucranianas nas redes de prostituição, mas abusam dos refugiados recebendo-os em casa. Muitas famílias no Ocidente ofereceram abrigo a refugiados ucranianos em suas casas, acolhendo-os como novos “parentes”. Apesar da aparente boa intenção por parte das pessoas que oferecem esse tipo de ajuda, também existem predadores sexuais e pedófilos interessados em receber mulheres e crianças ucranianas para abusar sexualmente delas. Em uma investigação conduzida pelo The Times em abril, foi possível observar vários predadores sexuais oferecendo abrigo e refugiados ucranianos em grupos do Facebook. Alguns exigiam abertamente favores sexuais, enquanto outros falavam mais moderadamente, mas usando vocabulário sugestivo.

No entanto, embora as investigações sobre esse tipo de atividade exploratória estejam ocorrendo desde fevereiro, nada foi feito para proteger essas mulheres até o momento. As autoridades estatais culparam a predação sexual em plataformas digitais que são incapazes de controlar o acesso desses criminosos às redes de assistência a refugiados. Mas as empresas digitais respondem dizendo que tal controle é responsabilidade do Estado e não deles. Enquanto isso, cada vez mais mulheres ucranianas estão sendo abusadas e a mídia hegemônica tenta bloquear a repercussão das investigações, camuflando a Europa como um “paraíso para refugiados”.

É hora de os Estados europeus agirem de forma incisiva e prevenirem uma nova calamidade humanitária. É preciso que haja uma reflexão crítica dos órgãos estatais sobre como lidar com essa situação, pois é responsabilidade das autoridades locais evitar que essas mulheres sejam vitimadas pelos cidadãos dos países receptores.

Imagem padrão
Nova Resistência

Organização nacional-revolucionária que, com base na Quarta Teoria Política, busca restaurar a dignidade imperial do povo brasileiro.

Artigos: 593

Deixar uma resposta