O Irã é o Parceiro Perfeito para os BRICS+

A construção de uma nova ordem multipolar não pode se apoiar apenas nos atuais cinco membros do BRICS. É necessário expandir o projeto, para incluir todas as potências regionais emergentes com potencial contra-hegemônico. E o Irã é o candidato perfeito.

O presidente iraniano Ebrahim Raisi foi convidado a participar das cúpulas do BRICS+ e do Diálogo de Alto Nível sobre Cooperação Global, durante as quais ele discursou na reunião sobre “Participar do Desenvolvimento Global na Nova Era”. Ele elogiou esta plataforma de integração multipolar, seu Novo Banco de Desenvolvimento, e a Iniciativa Cinturão & Rota de Pequim. O líder iraniano se comprometeu então a apoiar todos os objetivos da organização antes de concluir seu discurso.

Seu país é o parceiro perfeito para o BRICS+ por várias razões, entre as quais a de que o núcleo RIC deste grupo – Rússia, Índia e China – tem interesses convergentes de conectividade na República Islâmica. A Rússia e a Índia cooperam com o Irã através do Corredor de Transporte Norte-Sul (NSTC) que o Ministro dos Transportes russo disse no final de maio ser praticamente o único corredor que restou de seu país para a economia global mais ampla nos dias de hoje, seguindo as sanções unilaterais do Ocidente liderado pelos EUA contra ele.

Quanto à cooperação sino-iraniana, estes dois grandes países assinaram um pacto de parceria estratégica de 25 anos na primavera de 2021. Além disso, o Irã é uma das âncoras do Corredor Econômico China-Centro-Asiático-Oeste Asiático (CCAWAEC) para a Europa. Esta rota tornou-se mais importante do que nunca depois que o Ocidente sancionou ilegalmente a Rússia e cortou o comércio entre eles desde que esse desenvolvimento criou um enorme obstáculo para a Nova Ponte Terrestre Eurasiática. O CCAWAEC, entretanto, é uma alternativa prática.

Com os interesses de conectividade do RIC convergindo no Irã, é apenas uma questão de tempo até que esses três entrem em cooperação quadrilateral com seu parceiro asiático ocidental compartilhado. O BRICS+ é a plataforma mais eficaz para fazê-lo, uma vez que esta organização se concentra principalmente na cooperação econômica e financeira, que é precisamente o que os países do RIC estão interessados em fazer com o Irã. Seu potencial econômico permanece inexplorado devido às sanções dos EUA, mas a tendência mundial é de não cumpri-las.

Mais cedo ou mais tarde, mesmo essas sanções serão inevitavelmente levantadas após a renegociação bem sucedida do Plano de Ação Global Conjunto (JCPOA), comumente conhecido como o acordo nuclear iraniano. Em preparação a isso, os países do RIC devem fazer progressos tangíveis para fomentar a cooperação quadrilateral com o Irã, a fim de maximizar sua cooperação bilateral e (no caso da Rússia e da Índia) trilateral existente com ele, a fim de liberar todo o potencial econômico do Irã quando isso acontecer.

A inclusão do Irã no BRICS+ transforma a organização como um todo em uma verdadeira plataforma de cooperação Sul-Sul através da participação oficial deste país da Ásia Ocidental em sua estrutura multipolar. Sobre essa iniciativa, o pensador russo Yaroslav Lissovolik dedicou vários anos de pesquisa detalhada no principal laboratório de ideias de seu país, o Clube Valdai, para explorar suas dimensões de mudança de jogo. De fato, ele até mesmo escreveu recentemente um editorial sobre isso para a CGTN, na semana passada.

De acordo com este respeitado especialista, o BRICS+ abriria o caminho para o que ele descreve como BEAMS, que se refere à “agregação dos blocos de integração regional de todos os cinco membros do BRICS… a Iniciativa da Baía de Bengala para a Cooperação Técnica e Econômica Multissetorial, a União Econômica Eurasiática (EAEU), a Área de Livre Comércio ASEAN-China, o Mercosul e a União Aduaneira da África do Sul”. O Irã não é membro de nenhum deles, mas é exatamente por isso que sua inclusão é tão crucial para representar a Ásia Ocidental.

BRICS, BRICS+ e BEAMS estão incompletos com a parte do mundo que participa desta plataforma de integração multipolar que está gradualmente reformando o modelo de globalização ocidentocêntrico em um modelo centrado no Sul Global. O grande objetivo estratégico é tornar as Relações Internacionais mais iguais, justas e apenas mudando o mundo através de meios econômicos, financeiros e de integração, o que só é possível pelo BRICS eventualmente expandindo seus parceiros formais através dos meios explicados.

O papel do Irã é insubstituível neste aspecto devido aos interesses convergentes dos países RIC na República Islâmica, seu impressionante mas inexplorado potencial econômico, e por ser uma parte da região da Ásia Ocidental que se encontra na encruzilhada tricontinental da Afro-Eurásia no centro do Hemisfério Oriental. Por esta razão, é o parceiro mais perfeito do BRICS+, e sua cooperação oficial com essa organização é crucial para acelerar a transição sistêmica global para a multipolaridade.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro "Guerras Híbridas".

Artigos: 593

Deixar uma resposta