O Americanismo de Esquerda

Hoje em dia o antiamericanismo é comumente associado à esquerda, mas historicamente um grande número de pensadores comunistas sempre criticou o antiamericanismo, expressando, ao contrário, grande simpatia pelo “progresso” representado pelos EUA, sua Marcha ao Oeste e seu modelo social e cultural.

Tendo em mente que o jovem Marx definiu os Estados Unidos como o “país da emancipação política consumada”, ou seja, como “o exemplo mais perfeito de Estado moderno”, capaz de assegurar o domínio da burguesia sem excluir as outras classes do gozo dos direitos políticos, um estudioso marxista observou que “nos Estados Unidos, a discriminação da censura assume uma forma ‘racial'”[1], de modo que, em sua opinião, não se pode deixar de notar “uma certa indulgência”[2] de Marx em relação ao sistema americano, enquanto “ainda mais desequilibrada no sentido pró-americano é a atitude de Engels”[3].

Para Engels, de fato, o Extremo Oeste americano “parece ser sinônimo de expansão da esfera da liberdade: não se faz menção ao destino reservado aos nativos americanos, assim como se guarda silêncio sobre a escravidão dos negros”[4]. Não só isso, mas Engels às vezes se torna um apologista explícito do imperialismo americano, como quando celebra a “coragem dos voluntários americanos” na guerra contra o México: “a esplêndida Califórnia foi arrancada dos indolentes mexicanos, que não sabiam o que fazer com ela”; ou como quando exalta “os enérgicos ianques” que dão impulso à produção de riqueza, ao “comércio mundial” e, portanto, à difusão da “civilização”[5].

A afirmação de que a esquerda “não podia deixar de ser americanista e fordista, já que era industrialista desde o início; de fato, desde que A Ideologia Alemã, Marx e Engels haviam exaltado o desenvolvimento da indústria”[6] parece bem fundamentada.

Lênin, “o marxista que queria realizar o socialismo antes do desenvolvimento generalizado do capitalismo, era ainda mais americanista e fordista”[7], de modo que, em 1923, Nikolai Bukharin pôde incitar os comunistas a “adicionar o americanismo ao marxismo”[8].

Agindo como intérprete do ódio burguês contra a persistência de elementos “medievais” em certas partes da Europa na época, Lênin contrastou o “campo” prussiano, onde até a indústria tinha características semifeudais, com a “cidade” americana, onde até a agricultura não havia escapado da organização capitalista. Na América, escreveu ele, “a base da agricultura capitalista não era a velha agricultura fundada na escravidão, já que a Guerra Civil havia destruído a economia escravista, mas a agricultura livre, do agricultor livre, em terra livre; livre de todos os ônus medievais, da servidão e do feudalismo, por um lado, e, por outro, livre da coação da propriedade privada da terra”[9].

Do terreno ideológico cultivado por Marx, Engels e Lênin veio a admiração de Gramsci pela “civilização” americana e sua condenação do antiamericanismo. Como alternativa ao tipo de pequeno burguês europeu, o “filisteu dos países conservadores”, Gramsci propôs a figura “enérgica e progressista” que Sinclair Lewis havia retratado no personagem de Babbitt, o pequeno burguês americano que vê no industrial moderno “o modelo a ser alcançado, o tipo social ao qual se conformar”.

Antonio Gramsci reivindicou crédito para o grupo comunista do “Ordine Nuovo” [Nova Ordem] (que ele fundou em 1919 com Palmiro Togliatti e outros) por ter defendido uma “forma de ‘americanismo’ aceitável para as massas trabalhadoras”. Para Gramsci existe de fato um “principal inimigo” que é a “tradição”, a “civilização europeia (…), a velha e anacrônica estrutura social demográfica europeia”[10]. Devemos portanto agradecer, diz ele, à “antiga classe plutocrática”, porque ela tentou introduzir “uma forma muito moderna de produção e trabalho como os oferecidos pelo tipo americano mais aperfeiçoado, a indústria de Henry Ford”[11].

E a antiga classe plutocrática rapidamente identificou seus companheiros de viagem. De fato, um comentarista respeitável dos clássicos do marxismo, Felice Plato, recorda os “avanços” do Senador Agnelli em relação ao grupo de Gramsci e Togliatti, feitos em nome de uma suposta “concordância de interesses entre os trabalhadores da grande indústria e os capitalistas da própria indústria”. Além disso, foi o próprio Gramsci que falou sucintamente do “financiamento de Agnelli” e das “tentativas de Agnelli de absorver o grupo ‘Ordine Nuovo'”[12].

Entretanto, Gramsci não foi o primeiro nem o único entre os marxistas a ver na América a paisagem ideal para a construção de uma sociedade alternativa à europeia, que infelizmente estava “pesada por aquele manto de chumbo” de “tradições históricas e culturais”[13]. É o próprio Gramsci, de fato, que menciona explicitamente o interesse de “Leone Davidovic” (ou seja, Lev Davidovi Braunstejn, vulgo Trótski) no americanismo[14], bem como suas pesquisas sobre o modo de vida americano e a literatura americana.

Este interesse do pensamento marxista pelo americanismo deve-se, explica Gramsci, à importância e ao significado do fenômeno americano, que é, entre outras coisas, “o maior esforço coletivo até agora feito para criar, com rapidez sem precedentes e com uma consciência de propósito nunca antes vista na história, um novo tipo de trabalhador e de homem”[15]. As conquistas do americanismo deram origem a uma espécie de complexo de inferioridade nos marxistas, que proclamam, nas palavras de Gramsci, que “o antiamericanismo é cômico e não estúpido”[16].

Falamos anteriormente sobre a literatura americana. Bem, uma das manifestações mais significativas da cultura antifascista que ocorreu durante o Ventennio de Mussolini foi a publicação da antologia Americana, editada por Elio Vittorini para a editora Bompiani, em 1942. Foi dito com razão que para Vittorini e os camaradas que se juntaram a ele na iniciativa como tradutores (todos mais ou menos gravitando na órbita do Partido Comunista clandestino), “a literatura americana contemporânea (…) tornou-se uma espécie de bandeira; e foi também, ou talvez sobretudo, como um manifesto implícito de fé antifascista que Vittorini concebeu e produziu sua antologia. A América também deveria ser para os leitores, como foi para ele, uma grande metáfora para a liberdade e o futuro”[17].

Nesses mesmos anos, enquanto os antifascistas, incluindo os futuros líderes do PCI, brindavam à sorte de Sua Majestade Britânica[18], os discursos de Palmiro Togliatti na Rádio Mosca eram frequentemente exaltações dos Estados Unidos que às vezes assumiam acentos de misticismo inspirado. Aqui está uma breve mas significativa coleção de loas cantadas por Migliore.

8 de agosto de 1941: “E devemos realmente agradecer aos Estados Unidos não só por ter dado trabalho durante tantas décadas a tantos de nossos irmãos, mas pelo fato de que esses homens, que saíam da escuridão de relações sociais quase medievais, foram forçados a ver e entender o que é um regime democrático moderno, o que é liberdade (…) Mussolini e o fascismo (…) querem fazer o povo italiano acreditar que têm um inimigo no povo americano (…). Os italianos que conhecem os Estados Unidos deveriam dizer a verdade a seus concidadãos. Que lhes digam que o povo dos Estados Unidos é amigo da Itália, mas inimigo ferrenho de toda tirania (…) E os italianos que amam seu país, que não são e não querem ser servos de nenhum despotismo, têm um novo motivo para agradecer ao povo dos Estados Unidos, de quem hoje vem ao povo italiano não só uma nova incitação a quebrar suas correntes, mas uma ajuda concreta tão poderosa” [19].

2 de janeiro de 1942: “Mas outra voz vem até nós através das ondas. É a voz do grande povo americano. Em seu sotaque masculino, parecemos ouvir o rugido de mil fábricas trabalhando dia e noite, incessantemente, para forjar armas, tanques, aviões, munições. Há um mês, os Estados Unidos produziram tantos aviões em um mês quanto a Alemanha e seus vassalos juntos. Em breve fabricará duas vezes mais. Trinta milhões de trabalhadores americanos juraram não desistir de seus esforços de produção até que os regimes fascistas de terror, violência e guerra sejam esmagados. Boas perspectivas, portanto, para o novo ano”.[20]

Aqui podemos citar um extrato de uma carta que o Migliore, após a derrota das tropas alpinas italianas em Nikolaevska, escreveu de Moscou em 3 de março de 1943 a Vincenzo Bianco: “A posição dos italianos na América, e a nossa, deve no entanto ser bem argumentada. Deve ser explicado que não se trata de uma invasão, mas de ajudar o povo italiano a recuperar sua liberdade, a expulsar seus verdadeiros inimigos, que são os fascistas e os alemães. Explique que a verdadeira invasão da Itália é a dos alemães, organizada por Mussolini. Mussolini é responsável por trazer a guerra para a Itália, etc., etc. É claro, combinar isto com a demonstração de que os italianos podem impedir que a guerra seja trazida para seu território nacional, livrando-se imediatamente do governo de Mussolini, derrubando este governo, quebrando a vassalagem alemã, etc. Daí o apelo à luta, a polêmica contra aqueles que dizem que estão esperando o desembarque para fazer algo, etc., etc. Em caso de desembarque, nossa posição deve ser: um convite às populações para que recebam as tropas anglo-saxônicas como tropas libertadoras; um convite aos soldados para deporem suas armas, etc.”[21].

Aos companheiros de Togliatti, por sua vez, os imperialistas não negaram o título de cavaleiro. Para citar um caso ilustre, Arrigo Boldrini, conhecido como “Bulow”, que após comandar a 28ª Brigada “Garibaldi” foi por muito tempo deputado do PCI e então presidente da ANPI, recebeu uma medalha de ouro do General McCreery, comandante do 8º Exército, em fevereiro de 1945.

Que a “resistência” antifascista foi um movimento colaboracionista a serviço do invasor anglo-americano é um fato reconhecido hoje mesmo pela historiografia comunista “herética”, ou seja, não alinhada com a mitologia da Resistência. “A acusação contra o movimento partisan de estar totalmente incluído na frente de guerra militar dos Aliados tem tido óbvio respaldo histórico”,[22] escreve, por exemplo, um historiador que compilou vários verbetes para a Enciclopédia do Antifascismo e da Resistência. Por outro lado, já em 1944, o órgão de um grupo comunista escreveu: “Nascidos do colapso do exército, os bandos armados são, objetivamente e nas intenções de seus animadores, instrumentos do mecanismo de guerra britânico”[23].

Os antifascistas badoglianos, os católicos, os liberais e os social-democratas não tiveram muita dificuldade em admitir o caráter colaboracionista da “Resistência”, até porque nos anos pós-guerra seus partidos permaneceram subordinados à política americana e britânica e muitos ex-partisans “brancos” continuaram suas atividades pró-ocidentais nos “partidos democráticos”, no jornalismo, ou talvez nas fileiras da contraespionagem ou “Gladio”; Os comunistas e socialistas, que na situação criada pela “guerra fria” se encontravam ao lado da URSS, tentaram criar uma imagem “patriótica” da “Resistência” e atribuir o único mérito da derrota nazifascista à ação guerrilheira, como se os anglo-americanos nunca tivessem existido e como se a ação guerrilheira não tivesse sido apoiada e financiada pelos imperialistas ocidentais (assim como pelos capitalistas do norte hostis à socialização das empresas decretada pela RSI).

No sul ocupado, algumas formações da extrema esquerda se colocaram imediatamente à disposição dos invasores anglo-americanos. Na Campânia, por exemplo, nasceu o Partido Socialista Revolucionário Italiano, que tinha entre seus objetivos imediatos “ajudar os anglo-americanos na libertação do restante do território da península”[24]. “Depois de acolher os Aliados como libertadores, os socialistas revolucionários se reuniram em Salerno com o General Clark para pedir-lhe que ajudasse as tropas em sua entrada em Nápoles e também participaram das negociações para a criação dos Gruppi Combattenti Italia”[25].

No Norte, desde fevereiro de 1943, o Partido Comunista, o Partido de Ação, o Partido Proletário por uma República Socialista e o Partido Socialista Cristão estabeleceram contato com a OSS, o serviço secreto americano, através de um importante agente de ligação: o engenheiro Adriano Olivetti, amigo de Carlo Rosselli[26].

A dependência, incluindo a dependência econômica, dos partidos antifascistas do CLNAI em relação ao alto comando anglo-americano foi formalizada em um documento de cinco páginas redigido em inglês: os chamados Protocolos de Roma, assinados em 7 de dezembro de 1944 pelo general britânico Henry Maitland Wilson, comandante geral aliado no Mediterrâneo, e os líderes antifascistas: Alfredo Pizzoni (“Pietro Longhi”), Ferruccio Parri (“Maurizio”), Giancarlo Pajetta (“Mare”), Edgardo Sogno (“Mauri”).

Os partisans comprometeram-se a cumprir todas as ordens aliadas durante o conflito; comprometeram-se a nomear um oficial aceitável para os anglo-americanos como comandante militar do Corpo de Voluntários da Liberdade; comprometeram-se a cumprir quaisquer ordens após a “libertação” do território italiano. E o CLNAI, por sua vez, foi reconhecido pelos anglo-americanos como o único governo, de jure e de facto, do norte da Itália.

O ponto 5 do documento estabelece o financiamento a ser destinado às atividades antifascistas, nestes termos textuais: “During the period of enemy occupation in Northern Italy the utmost assistance will be given to the CLNAI in common with all other anti-fascist organisations, to meets the needs of their members who are engaged in opposing the enemy in occupied territory: a monthly contribution not exceeding 160 million lire will be made on the authority of the Supreme Allied Commander to meet the expenses of the CLNAI and all other anti-fascist organisations”.

Traduzido para o italiano: os imperialistas aliados alocam uma contribuição mensal de 160 milhões de liras (o valor à época) em favor dos colaboracionistas antifascistas, a ser distribuída em cinco regiões italianas nas seguintes proporções: Liguria 20, Piemonte 60, Lombardia 25, Emília 20, Vêneto 35.

Assim, ao estipular os Protocolos de Roma, o Comitê de Libertação Nacional da Alta Itália também subordinou formalmente o movimento partisan à estratégia militar anglo-americana e o colocou, como escreveu um autor comunista, “diretamente sob as ordens dos Aliados”[27], enquanto o Comando Voluntários da Liberdade foi reconhecido como executor das ordens do comandante-chefe dos Aliados.

Mesmo antes da assinatura dos Protocolos, os “patriotas” já se haviam colocado a serviço dos “libertadores”, na medida em que o General Alexander os havia ordenado: “Matem os alemães, mas de tal forma que vocês possam escapar rapidamente e matar novamente. (…) Os grupos de patriotas do norte da Itália destroem as linhas ferroviárias e, se possível, os telefones, descarrilam os trens. Destruir o telégrafo e as instalações telefônicas” [28].

Mas passemos a palavra a Renzo De Felice. “Os Acordos de Roma trouxeram 160 milhões para a Resistência. Foi a salvação. E Harold MacMillan, responsável in situ pela política britânica no Mediterrâneo, pôde escrever em suas memórias o comentário feroz e satisfeito: ‘Aquele que paga o flautista escolhe a música’.”[29]

“Romper com os Aliados, para a Resistência, era impossível: teria sido uma catástrofe econômica (o próprio Parri em suas Memórias sobre a Unidade da Resistência, escrita em 1972, lembra que a perspectiva era de “fechar a loja”)”.[30]

“Os Aliados sabiam que tinham as melhores cartas em suas mãos: força militar e ajuda econômica. Se, no final de 1943, eram necessárias mil liras para sustentar um partisan, no início de 1945 custava 3.000 ou mesmo 8.000 liras nas áreas mais caras. Em resumo, a questão econômica havia se tornado política. Um exército tão grande não poderia ser autofinanciado: as requisições, os impostos forçados, as greves de abastecimento, ou seja, os assaltos, comprometiam, naquele longo inverno de 1944, a própria imagem do movimento no território. Os resultados teriam sido catastróficos. Era necessário racionalizar o sistema de financiamento para além dos subsídios dos industriais, que, no entanto, foram ficando cada vez mais receosos dos alemães com o passar do tempo, e da ajuda dos serviços secretos britânicos e americanos. Esta foi a obra-prima da Pizzoni. O dinheiro dos Aliados veio do sul para Milão via Suíça”.[31]

Em 1944, diante do espetáculo de uma extrema-esquerda paga pelos anglo-americanos, o fascista republicano Stanis Ruinas dirigiu-se assim a um de seus velhos amigos, que havia passado do fascismo antiburguês ao comunismo: “Correndo o risco de parecer ingênuo, confesso que não entendo como homens que se dizem revolucionários – comunistas socialistas anarquistas – e que por seus ideais sofreram a prisão e o exílio, podem aplaudir a Inglaterra plutocrática e a América fiduciária que, em nome da democracia e da liberdade democrática, devastam a Europa. Eu antecipo sua resposta. Como um revolucionário, você não ama Hitler e não confia em Mussolini. E isso é bom. Mas como pode ter confiança na Inglaterra imperialista que traiu a Pérsia, esmagou as repúblicas bôeres, oprimiu a Índia e o Egito por tanto tempo e arrogou a si mesma o direito de proteger e conduzir tantos povos dignos de liberdade (…) Como pode conciliar seus ideais revolucionários com os de Churchill e Roosevelt?”[32].

Notas

[1] Domenico Losurdo, Elogio del antiamericanismo, “Voce operaia punto it. El órgano telemático semanal de Direzione 17”, 41, 17 de octubre de 2003.
[2] Ibidem.
[3] Ibid.
[4] Ibid. O autor se refere a: K. Marx – F. Engels, Opere complete, Editori Riuniti, Roma 1955, VII, p. 288.[5] K. Marx – F. Engels, Opere complete, Editori Riuniti, Roma 1955, VI, pp. 273-275.
[6] Romolo Gobbi, América contra Europa. L’anti-Europeismo degli americani dalle origini ai giorni nostri, MB Publishing, Milán 2002, p. 10.
[7] Ibidem.
[8] Citado em D. Losurdo, ibidem.
[9] Citado em: Emmanuel Malynski, Il proletarismo, Edizioni di Ar, Padua 1979, p. 7.
[10] Antonio Gramsci, Americanismo y fordismo, Universale Economica, Milán 1950, pp. 20-21; edición posterior: Einaudi, Turín 1978. Las páginas de Gramsci recogidas en esta edición corresponden al Cuaderno 22 (V) 1934 de los Cuadernos de la Cárcel.
[11] Op. cit., p. 20.
[12] Op. cit., p. 18. La nota del editor, Felice Platone, está a pie de página.
[13] Op. cit., p. 25.
[14] Op. cit., p. 42. Sobre as relações de Trotsky com a usurocracia estadounidense, ver Pierre Saint-Charles, Bankers and Bolsheviks, en Henri Coston (ed.), L’alta finanza e le rivoluzioni, Edizioni di Ar, Padua 1971, pp. 41-50.
[15] Op. cit., ibid.
[16] Op. cit., p. 62.
[17] Giovanni Raboni, E un giorno la sinistra si risvegliò americana. Sessant’anni fa la miticaantologia di Vittorini smontò l’idea fascista sugli USA “Impero del Male”, Corriere della Sera, 24 de septiembre de 2002, p. 35.
[18] “Estavam, entre outros, Carlo Muscetta, Mario Alicata, Mario Socrate, Antonello Trombadori, Guglielmo Petroni, Gabriele Pepe, Marco Cesarini; (…) Gabriele Pepe propôs um brinde à Inglaterra, depois a Churchill, depois à Royal Air Force. Brindamos felizes e exultantes” (Manlio Cancogni, Gli scervellati. La seconda guerra mondiale nei ricordi di uno di loro, Diabasis, Reggio Emilia 2003, p. 57). O autor recorda que ele mesmo, como representante dos socialistas, levou à gráfica em 9 de setembro de 1943 um cartaz do CLN de Pietrasanta, em inglês, que dava a “saudação aos aliados” (op. cit., p. 192).
[19] Mario Correnti (Palmiro Togliatti), Discorsi agli italiani, Società Editrice L’Unità, Roma 1943, pp. 40-42.
[20] Op. cit., p. 93.
[21] members.xoom.virgilio.it/larchivio/togliatti-letteraalpini.htm
[22] Arturo Peregalli, L’altra Resistenza. El PCI e le oposizioni di sinistra. 1943-1945, Graphos, Génova 1991, p. 356.
[23] Sulla via giusta, “Prometeo”, 4, 1 de febrero de 1944.
[24] Arturo Peregalli, op. cit., p. 130.
[25] Ibidem.
[26] Também se parece fisicamente a Rosselli, talvez por ser meio judeu, por parte de pai” – escreveu em seu informe o informante da OSS que conheceu Olivetti perto de Berna. Ver Ennio Caretto y Bruno Marolo, Made in USA. Le origini americane della RepubblicaItaliana, Rizzoli, Milán 1996, p. 58 y ss.
[27] Renzo Del Carria, Proletari senza rivoluzione, vol. IV, Savelli, Roma 1976, p. 166.
[28] Instrucciones del Gral. Alexander a los patriotas, “Corriere di Roma”, 8 de junio de 1944; cit. en: Erich Priebke, Autobiografía, Associazione Uomo e Libertà, Roma 2003, p. 758.
[29] Renzo De Felice, Rosso e Nero, Baldini & Castoldi, Milán 1995, p. 88.
[30] Renzo De Felice, op. cit., pp. 84-85.
[31] Renzo De Felice, op. cit., pp. 95-96.
[32] Stanis Ruinas, Cartas a un revolucionario, cit. en Paolo Buchignani, Fascisti rossi. Da Salò al PCI, la storia sconosciuta di una migrazione politica 1943-1953, Mondadori, Milán 1998, pp. 21-22.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Claudio Mutti

Filólogo, estudioso do tradicionalismo e diretor da revista Eurasia, Rivista di Studi Geopolitici.

Artigos: 593

Deixar uma resposta