O Metaverso: Fase Superior da Sociedade Capitalista?

A era do metaverso é a era do isolamento e da alienação humana. Facebook e Amazon estão investindo bilhões para construir mecanismos de realidade virtual que permitam aos miseráveis esquecer seus problemas reais.

Foi com uma emoção intensa que quase lhe deu um ataque apoplético que Jean-Louis, um sexagenário que geralmente era rabugento, assistiu a um concerto do ABBA em 2022. Entusiasmado como uma mocinha, ele foi capaz de recordar por um momento as emoções de sua juventude precoce. Tudo estava lá, desde as mulheres até os vestidos de lantejoulas e as canções rítmicas e padronizadas em inglês simples, concebidas para serem exportadas através do Báltico. Graças às novas tecnologias e aos hologramas projetados no palco, Jean-Louis esqueceu temporariamente que ele mesmo havia envelhecido. Nada mais existia, seu reumatismo, as mulheres suecas da menopausa que haviam se tornado repulsivas, a senescência indesejada; o holograma era tudo e tudo estava no holograma.

Jean-Louis havia chegado ao auge do entretenimento moderno, a fuga absoluta que lhe permitia esquecer todas as suas pequenas preocupações e misérias da vida cotidiana. Ele sentia a necessidade de comungar com o mundo, ou melhor, com seus 17 followers, colocando um vídeo de si mesmo de frente para o palco, completo com pequenos corações e estrelas animadas. Ex-trabalhador de couro de um ramo obscuro da SCNF, Jean-Louis, solteiro e sem filhos, havia se aposentado há dez anos e saltava em cada oportunidade de se divertir e fazer o que os jovens fazem, em suma, viver.

Um membro do povo novo, tal como chamado pelo atual Presidente da República, Jean-Louis, embora já velho, aspirou a marcar todas as caixas da contemporaneidade e a fazer uma varredura limpa de um passado enfadonho e previsível. Encantado com os três comentários laudatórios que seu vídeo havia suscitado, ele voltou ao seu estúdio imundo em Pantin, na “Califórnia Francesa”, orgulhoso de si mesmo, empertigado e digno, montando sua scooter elétrica chinesa. Ele estava em sintonia com os tempos, sabia-o e gostava dele.

Nascimento e declínio da grafosfera

O mundo de Jean-Louis, este Ocidente decadente que levanta muitas questões para o futuro, não apareceu por magia. É o resultado de um longo processo histórico que deve ser brevemente lembrado.

O homem conheceu várias formas de sociedade, ligadas a um meio que tem evoluído ao longo dos tempos. Classicamente, pensamos primeiro em sociedades com tradição oral onde, através da voz, do conhecimento, de histórias mitológicas ou mesmo de técnicas como o domínio do fogo foram transmitidas… Estes agrupamentos humanos, que agora desapareceram, eram formados por tribos ou clãs com uma organização política bastante limitada.

Com a invenção da escrita, eles gradualmente deram lugar a sociedades com uma tradição escrita. O livro foi o meio para uma difusão e transmissão cultural sem precedentes. A palavra escrita permitiu o desenvolvimento de elaboradas estruturas políticas, econômicas e sociais: cidades-estado, impérios, nações, religiões constituídas, dogmas, moedas, etc. O livro foi também o primeiro vetor de uma relativa padronização do mundo e do pensamento, particularmente no Ocidente.

Hoje, esta sociedade da palavra escrita, que tanto nos trouxe e presidiu o nascimento e a emergência de civilizações brilhantes, parece obsoleta e a caminho da marginalização ou mesmo do desaparecimento.

Uniformização tecnológica

Com a ascensão das tecnologias modernas, as pessoas dos séculos XX e XXI criaram, com velocidade sem precedentes, uma nova sociedade que poderia ser descrita como imagem em movimento. O primeiro meio revolucionário foi a televisão, o novo coração da casa, que competia com, e depois muitas vezes triunfou sobre, a velha sociabilidade e costumes associados aos livros, como a prática religiosa ou simplesmente a leitura. Esta sociedade da imagem animada tem agora um controle definitivo sobre as pessoas. Tudo passa por seus meios, desde o simples contato humano até as atividades de lazer. As novas ferramentas tecnológicas que substituíram a televisão, em primeiro lugar e principalmente o smartphone, confirmaram esta dependência.

Entretanto, esta sociedade da imagem em movimento tem uma singularidade que a diferencia das formas antigas: é movida unicamente pela lógica simples e única do mercado. Controlada por algumas grandes empresas, é o meio e vetor de uma padronização vertiginosa do mundo para fins comerciais. O imaginário que produz é pobre, uniforme e deixa pouco espaço para qualquer coisa que não se ajuste a uma vulgata pensada do outro lado do Atlântico.

Podemos legitimamente nos perguntar sobre a possibilidade de transmitir conhecimentos e tradições em uma era de instantaneidade, imagens superabundantes e scrolling constante por jovens e idosos. O zapping permite aos consumidores limpar a cabeça e gastar dinheiro, mas o que mais ele pode produzir? Que tipo de sociedade pode produzir um povo, ou melhor, indivíduos, que em sua maioria não leem mais, às vezes não falam mais uns com os outros e estão colados a seus smartphones? Instagram, TikTok, etc., podem constituir o suporte de uma nova civilização?

Paul Valéry disse no final da Primeira Guerra Mundial que agora sabemos que as civilizações são mortais. Algumas mortes são mais bonitas que outras, algumas são mais discretas, menos sangrentas e acontecem em silêncio, na indiferença geral…

Sob o estandarte do infantilismo e do narcisismo

É moda hoje em dia criticar o individualismo exacerbado daqueles que se recusam a “formar uma sociedade” ou pior, a “viver juntos” de acordo com a novilíngua política. Isto é esquecer que é em parte a tecnologia atual que empurra as pessoas, com seus meios, para se fecharem em si mesmas.

Colocamos nas mãos dos cidadãos ferramentas que os libertam dos outros e desvendam os pequenos e preciosos laços que mantêm vivo um coletivo. Hoje, não precisamos mais pedir ao nosso vizinho tempo ou instruções; todos aqueles gestos banais que costumavam permitir que os indivíduos falassem uns com os outros, não apenas que se passassem uns pelos outros e coexistissem. Todas estas coisas desapareceram ou entraram na esfera do mercado através de um aplicativo.

Além disso, a política, aliada à comunicação, não propõe mais nenhum projeto coletivo, nenhuma grande narrativa suscetível de mobilizar um povo inteiro. François Furet disse o mesmo nos anos 90 quando escreveu: “A ideia de outra sociedade tornou-se quase impossível de se pensar e, além disso, ninguém avança no assunto no mundo de hoje, nem mesmo com o esboço de um novo conceito. Estamos condenados a viver no mundo em que vivemos”.

Na ausência de um verdadeiro fim para a história, a classe política estabeleceu como seu novo ideal a boa vida, entendida em termos de consumo e lazer, do indivíduo como rei. É uma questão de se dirigir a ele, de satisfazer seus “desejos”, seus caprichos… Infantilizamos, atomizamos e, como um tartufo, fingimos reclamar do egoísmo dos cidadãos consumidores que criamos e que procuram maximizar seus interesses pessoais.

Em breve, para retornar ao nosso arquipélago francês, não restará nada além de benefícios sociais para unir cidadãos anônimos e comunidades dispersas que compartilharão apenas as transferências de riqueza.

Amanhã o metaverso

O processo de descivilização e desafiliação que estamos vivenciando está ainda em seus primórdios. O progresso da realidade virtual, materializado pelo projeto metaverso[1], também acarreta um risco essencial para o que subsiste ainda hoje.

De fato, em uma sociedade em crise, onde a anomia está se espalhando dia após dia e indivíduos desenraizados e perdidos estão vagando sem rumo, o metaverso parece destinado a um futuro brilhante. Um mundo gratificante, menos decepcionante e previsível, no qual o tempo gasto oferecerá sempre um retorno do investimento, o metaverso oferecerá conforto e tranquilidade às pessoas em busca de bem-estar, com a ajuda do dinheiro virtual… Esta esfera privada de alta tecnologia constituirá uma nova forma do retiro pensado por Tocqueville em seu tempo.

É uma aposta segura que o metaverso será encorajado tanto por políticos quanto por capitalistas, cada um dos quais se beneficiará com ele. O metaverso permitirá, como o somatório descrito por Huxley em sua famosa distopia, garantir uma forma de controle social. Será uma espécie de droga para os pobres, os pequenos, os “medianos” que a verão como uma saída na qual poderão descarregar suas frustrações e “realizar-se”, preservando assim a sociedade real, caótica e desigual.

O sociólogo Louis Chauvel concorda, escrevendo que o metaverso criará realidades sociais paralelas e “positivas” para os grupos sociais mais pobres, para que eles não sofram e esqueçam suas desigualdades reais. Além disso, o metaverso tornará possível vender coisas que não existem, de forma ainda mais desenvolvida; confiemos na criatividade dos Big Five para isso.

Mas devemos pensar duas vezes antes de encorajar as pessoas a se refugiarem no mundo virtual. O desinvestimento do real em favor do mundo virtual não só levará à destruição do que resta de nosso ethos, nossa moral e nossa civilização, em particular sua curiosidade e sede de conhecimento do outro. Corremos o risco de modelar o real no virtual e de colocar o imaginário, o humano, sob o controle de um universo uniforme e comercial, privando nossos filhos de um mundo mais amplo e mais rico.

Parafraseando um autor famoso, diante de uma tela e logo no virtual, silenciosamente, aos poucos, em cada homem Mozart é assassinado.

Notas

[1] Trata-se de um universo virtual criado por um programa de computador e que hospeda uma comunidade de usuários na forma de avatares que podem se locomover, interagir social e economicamente. Este ciberespaço pode simular o mundo real e reproduzir suas leis físicas como a gravidade, o tempo, o clima ou a geografia. As leis humanas também podem ser reproduzidas ali. As empresas americanas, lideradas pelo Facebook e mais recentemente pela Amazon, estão investindo fortemente na criação do metaverso.

Fonte: Éléments

Imagem padrão
Pierre Moriamé

Escritor francês.

Artigos: 593

Deixar uma resposta