O Estado-Civilização

Desde a Paz de Vestfália a unidade política fundamental tem sido o Estado-Nação. Mas ele não existe desde sempre e não existirá para sempre. Sob pressão do globalismo que almeja construir um Governo Mundial, os povos do mundo devem se reorganizar segundo um princípio civilizacional.

A operação especial militar é unanimemente reconhecida por especialistas competentes em Relações Internacionais como a última e decisiva nota na transição de um mundo unipolar para um mundo multipolar.

A multipolaridade às vezes parece intuitivamente clara, mas assim que tentamos dar definições precisas ou uma descrição teórica correta, tudo se torna menos óbvio. Acredito que minha obra Teoria do Mundo Multipolar é mais relevante hoje do que nunca. Mas como as pessoas esqueceram como ler – especialmente textos teóricos extensos, tentarei compartilhar os pontos principais.

O principal ator de uma ordem mundial multipolar não é nem um Estado-nação (como na teoria realista das Relações Internacionais), nem um Governo Mundial unificado (como na teoria liberal das Relações Internacionais). É o Estado-Civilização. Outros nomes para ele são “Grande Espaço”, “Império”, “Ecumenismo”.

O termo “Estado Civilização” é mais frequentemente aplicado à China. Tanto a China antiga como a moderna. Já nos tempos antigos, os chineses desenvolveram a teoria de “Tianxia” (天下), o “Império Celestial”, segundo a qual a China é o centro do mundo, sendo o ponto de encontro do Céu unificador e da Terra divisória. E o “Império Celestial” pode ser um único Estado, ou pode ser dividido em seus componentes e depois remontado. Além disso, a própria China han atua como um elemento formador de cultura para nações vizinhas que não fazem parte diretamente da China – principalmente Coreia, Vietnã, os países da Indochina e até mesmo o Japão, que é bastante independente.

O Estado-nação é um produto da Nova Era Europeia e, em alguns casos, uma construção pós-colonial. O Estado-Civilização tem raízes antigas e… fronteiras incertas que se deslocam. O Estado-Civilização às vezes pulsa, se expande e se contrai, mas sempre permanecendo um fenômeno constante. (Isto é o que, acima de tudo, precisamos saber sobre nossa operação especial militar).

A China contemporânea se comporta estritamente de acordo com o princípio de “Tianxia” na política internacional. A iniciativa “Cinturão & Rota” é um excelente exemplo de como isto se parece na prática. E a Internet da China, que corta quaisquer redes e recursos que possam enfraquecer a identidade civilizacional na entrada da China, demonstra como os mecanismos de defesa são construídos.

O Estado-Civilização pode interagir com o mundo exterior, mas nunca se torna dependente dele e sempre mantém a autossuficiência, autonomia e autarquia. O Estado-Civilização é sempre mais do que um Estado, tanto em termos espaciais quanto temporais (históricos).

A Rússia está gravitando cada vez mais em direção ao mesmo status. Após o início da operação especial militar, isto não é mais um mero desejo, mas uma necessidade urgente. Como no caso da China, a Rússia tem todos os motivos para afirmar que é uma civilização. Esta teoria foi mais completamente desenvolvida pelos eurasianistas russos, que introduziram a noção de um “Estado-Mundo” ou — o que é a mesma coisa — um “Mundo Russo”. Na verdade, o conceito de Rússia-Eurásia é uma indicação direta do status civilizacional da Rússia. A Rússia é mais do que um Estado-nação (o que a Federação Russa é). A Rússia é um mundo distinto.

A Rússia era uma civilização na era do Império, e assim permaneceu nos tempos soviéticos. As ideologias e os regimes mudaram, mas a identidade permaneceu a mesma.

A luta pela Ucrânia não é outra coisa senão a luta pelo Estado Civilização. O mesmo é o pacífico Estado da União da Rússia e Bielorrússia e a integração econômica do espaço pós-soviético eurasiático.

Um mundo multipolar consiste de Estados-Civilizações. Este é um tipo de mundo de mundos, um megacosmo que inclui galáxias inteiras. E aqui é importante determinar quantos Estados-Civilizações como esses podem existir teoricamente?

Sem dúvida, este tipo inclui a Índia, um típico Estado-Civilização, que ainda hoje tem potencial suficiente para se tornar um ator de pleno direito na política internacional.

Depois há o mundo islâmico, da Indonésia ao Marrocos. Aqui a fragmentação em Estados e diferentes enclaves etnoculturais ainda não nos permite falar de unidade política. A civilização islâmica existe, mas a questão de sua assembleia em um Estado-Civilização é bastante problemática. Além disso, a história do Islã conhece vários tipos de Estados-Civilização – desde o Califado (o Primeiro, Omíada, Abássida, etc.) até os três componentes do Império de Genghis Khan convertidos ao Islã (a Horda Dourada, o Ilcanato e o Chagatai Ulus), o Império Safávida Persa, o Grande Estado Mogol, e finalmente, o Império Otomano. As fronteiras outrora traçadas ainda hoje são relevantes em muitos aspectos. Mas o processo de reuni-las em uma única estrutura requer tempo e esforço consideráveis.

A mesma situação é válida também para a América Latina e África, duas macrocivilizações que permanecem bastante divididas. Mas um mundo multipolar, de alguma forma, impulsionará os processos de integração em todas estas zonas.

Agora a coisa mais importante: o que fazer com o Ocidente? A teoria de um mundo multipolar na nomenclatura das teorias das Relações Internacionais no Ocidente moderno está ausente.

Hoje o paradigma dominante é o liberalismo, que nega qualquer soberania e autonomia, abolindo civilizações e religiões, etnias e culturas, substituindo-as por uma ideologia liberal forçada, o conceito de “direitos humanos”, individualismo (no limite que leva à política de gênero e transgênero), materialismo e progresso técnico elevado ao mais alto valor (Inteligência Artificial). O objetivo do liberalismo é abolir os Estados-nações e estabelecer um governo mundial baseado em normas e regras ocidentais.

Esta é a linha seguida por Biden e pelo Partido Democrata moderno nos EUA, bem como pela maioria dos governantes europeus. É disto que se trata o globalismo. Ele rejeita categoricamente o Estado-Civilização e qualquer indício de multipolaridade. É por isso que o Ocidente está pronto para a guerra com a Rússia e a China. Em certo sentido, esta guerra já está acontecendo na Ucrânia e no Pacífico (o problema de Taiwan), mas até agora com o apoio de proxies.

No Ocidente há outra escola influente – o realismo nas Relações Internacionais. Aqui o Estado-nação é considerado um elemento necessário da ordem mundial, mas somente aqueles que alcançaram um alto nível de desenvolvimento econômico, militar-estratégico e tecnológico – quase sempre em detrimento de outros – têm soberania. Enquanto os liberais veem o futuro em um governo mundial, os realistas o veem em uma aliança de grandes potências ocidentais estabelecendo regras globais em seus próprios interesses. Mais uma vez, na teoria e na prática, um Estado-Civilização e um mundo multipolar são categoricamente rejeitados.

Isto cria um conflito fundamental já no nível da teoria. E a falta de compreensão mútua aqui leva às consequências mais radicais no nível da colisão direta.

Aos olhos dos defensores da multipolaridade, o Ocidente também é um Estado-Civilização ou mesmo dois – norte-americano e europeu. Mas os intelectuais ocidentais não concordam com isto: eles não têm nenhuma estrutura teórica para isto – eles conhecem o liberalismo ou o realismo, e nenhuma multipolaridade.

Entretanto, há exceções entre os teóricos ocidentais, como Samuel Huntington ou Fabio Petito. Eles – ao contrário da grande maioria – reconhecem a multipolaridade e o surgimento de novos atores sob a forma de civilizações. Isto é gratificante porque através de tais ideias é possível construir uma ponte de partidários da multipolaridade (Rússia, China, etc.) para o Ocidente. Tal ponte tornaria pelo menos as negociações possíveis. Enquanto o Ocidente rejeitar categoricamente a multipolaridade e a própria noção de Estado-Civilização, a conversa será conduzida apenas no nível de um choque de poder bruto – de operações militares a bloqueios econômicos, guerras de informação e sanções, etc.

A última. Para vencer esta guerra e se defender, a própria Rússia deve primeiro compreender claramente a multipolaridade. Já estamos lutando por ela, mas ainda não entendemos completamente o que ela é. É necessário dissolver urgentemente os laboratórios de ideias liberais criados durante o período Gorbachev-Iéltsin e estabelecer novos laboratórios de ideias multipolares. Também é necessário reestruturar o próprio paradigma educacional – primeiro de tudo no Instituto de Relações Internacionais de Moscou, na Universidade Estatal de Moscou, na Universidade Russa da Amizade dos Povos, no Instituto Maurice Thorez, naAcademia Diplomática, e outras universidades especializadas. Finalmente, precisamos realmente nos voltar para uma escola de pensamento eurasiática desenvolvida e de pleno direito, que provou ser altamente relevante, mas contra a qual os atlantistas e os agentes estrangeiros que penetram profundamente em nossa sociedade continuam a lutar.

Fonte: Katehon

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 593

Deixar uma resposta