Kiev boicota comunicação em regiões libertadas

Desde o início da operação militar especial na Ucrânia, as regiões que as tropas russas conseguiram libertar completamente da ocupação das forças de Kiev retomaram gradualmente um caminho de restauração da vida civil comum. No entanto, como esperado, o governo ucraniano mantém sua estratégia de impedir ao máximo a resolução pacífica do conflito.

Desde o início da operação militar especial na Ucrânia, as regiões que as tropas russas conseguiram libertar completamente da ocupação das forças de Kiev retomaram gradualmente um caminho de restauração da vida civil comum. Em muitas cidades, principalmente no Donbass, a situação dos habitantes locais atingiu agora seus melhores níveis desde 2014, considerando que nos últimos oito anos os ataques promovidos por Kiev foram constantes. De fato, para muitas pessoas no leste e no sul da Ucrânia, a presença russa está sendo uma oportunidade para recuperar a paz e a estabilidade.

No entanto, como esperado, o governo ucraniano mantém sua estratégia de impedir ao máximo a resolução pacífica do conflito. Diante da derrota militar e da perda de zonas de ocupação, a tática adotada tem sido o uso de operações clandestinas de inteligência para boicotar o retorno à normalidade. Uma das práticas mais comuns é a interrupção da comunicação, que impede o funcionamento dos serviços básicos nas regiões já liberadas do domínio ucraniano.

Por exemplo, em Kherson, a administração civil-militar local informou que recentes atentados terroristas por forças ucranianas causaram uma perda em larga escala das redes de comunicação, com o desligamento de todas as operadoras móveis, resultando em mais de meio milhão de pessoas incapazes para comunicar uns com os outros. O vice-chefe da administração local, Kirill Stremousov, em resposta à crise, pediu à Rússia que enviasse agentes de suas empresas de telecomunicações para restaurar a normalidade na região.

Na mesma linha, na região de Zaporozhye, o chefe da administração local, Yevgeny Balitsky, informou que espera que a ajuda russa seja enviada em breve para restabelecer a comunicação entre os cidadãos. O motivo da atual ausência de comunicação é o mesmo de Kherson, com Zaporozhye também sendo atingido por bombas direcionadas a alvos específicos para destruir as linhas de transmissão.

Na maioria dos casos, a ajuda russa foi enviada imediatamente. Em 27 de maio, as autoridades da Crimeia informaram à mídia que Zaporozhye e Kherson logo mudariam para o código telefônico russo “+7”, o que os faria serem atendidos por pacotes de telecomunicações russos. Embora a situação ainda precise de tempo para ser totalmente resolvida, os cartões SIM da Crimea K-telecom já começaram a ser comercializados em Kherson e Zaporozhye, o que mostra a prontidão russa em acelerar a resolução do problema gerado pelas forças de Kiev.

Além da questão dos telefones celulares, Kherson e Zaporozhye estão se juntando à Crimeia russa em vários setores como forma de responder ao boicote ucraniano. Canais de TV e rádio da Crimeia estão sendo transmitidos nessas regiões, substituindo as redes ucranianas que haviam sido desconectadas anteriormente pelas autoridades. O mesmo aconteceu com a internet local. Os carros das regiões também começam a circular com matrículas russas. Além disso, a fim de aumentar a integração econômica, ambas as regiões estão se juntando à zona do rublo.

De fato, a vida civil nessas regiões teria voltado absolutamente à normalidade se o governo ucraniano não tivesse aderido a uma linha de ação terrorista contra seu próprio povo, usando suas forças de segurança para boicotar o bem-estar da população local e impedir o funcionamento de serviços elementares. Além disso, é necessário mencionar o fato de que esse tipo de atitude por parte da Ucrânia não é algo novo. Antes do início da operação, Kiev usou sua inteligência para boicotar a vida civil não apenas no Donbass, mas também na própria Crimeia, realizando ataques direcionados contra alvos estratégicos nas redes de comunicação e abastecimento. Proteger os civis e poupar a população das consequências do conflito nunca parece ter sido uma prioridade para a Junta do Maidan.

As vantagens estratégicas desse tipo de atitude que Kiev está tomando são praticamente nulas. Boicotar a população não trará uma reversão do cenário militar, mas, ao contrário, acelerará o processo de integração dessas regiões à Rússia. Desassistidas e abandonadas pela Ucrânia, as administrações locais terão de aderir mais rapidamente aos serviços russos, cortando os laços que ainda mantinham com Kiev. No mesmo sentido, as populações locais, mesmo grupos etnicamente ucranianos, serão incentivados a apoiar a integração com a Rússia, pois é o único lado do conflito que está cooperando para melhorar suas vidas.

Acima dos fatores estratégicos, porém, deve ficar claro que a defesa dos civis e a tentativa de retornar à normalidade o quanto antes é uma questão humanitária, que deve ser observada por todas as partes envolvidas no conflito.

Fonte: InfoBrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 593

Deixar uma resposta