Combatentes neonazistas de Azovstal serão processados como criminosos

Recentemente, tropas russas envolvidas na operação especial na Ucrânia ganharam controle total sobre todo o território da usina Azovstal, liberando a região da ocupação de militantes neonazistas e mercenários estrangeiros.

A derrota forçou muitos combatentes pró-Kiev a se renderem, abandonando suas armas e ficando sob a tutela das forças russas e das milícias do Donbass. Desde então, surgiu um debate sobre qual seria a decisão russa de tratar esses combatentes como prisioneiros militares ou como voluntários, excluindo-os das normas do direito humanitário. No entanto, Moscou recentemente deixou clara sua posição.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que o governo russo tomará uma posição para investigar o envolvimento dos combatentes em crimes de guerra. Se forem encontradas evidências de participação em atividades ilegais, os prisioneiros serão julgados como criminosos, após um pedido previamente feito pelas autoridades de Donbass para a criação de um tribunal internacional para processar militantes neonazistas que cometeram massacres na região.

“Os crimes não ficarão impunes. A liderança da República Popular de Donetsk planeja criar um tribunal internacional no território da república para julgar os ‘nacionalistas’ de Azovstal. Sua carta está sendo trabalhada. Parabenizamos esta iniciativa”, disse ela.

Anteriormente, o chefe da República de Donetsk, Denis Pushilin, havia declarado que um tribunal seria criado com o objetivo principal de esclarecer ao mundo os crimes inaceitáveis cometidos por agentes neonazistas, razão pela qual a publicidade seria fortemente trabalhada : “A principal tarefa do tribunal é ser realizada com a máxima publicidade, para que seja o mais transparente possível. É muito importante que o maior número possível de pessoas esteja ciente dos crimes de guerra inaceitáveis dos neonazistas”. A carta do tribunal está sendo preparada por um comitê especial de diferentes departamentos do governo, incluindo o procurador-geral da DPR e consultores jurídicos russos.

É importante notar que o conflito ucraniano não começou em 24 de fevereiro, quando a operação russa começou, mas em 2014, quando Kiev lançou as primeiras ofensivas contra a população civil de língua russa no leste. Portanto, crimes cometidos por combatentes nos últimos oito anos serão investigados. Se forem encontradas evidências de sua participação em bombardeios de áreas civis, massacres de inocentes, tortura, violência sexual coletiva e quaisquer outros crimes já relatados pelas autoridades locais, seu destino será decidido durante o julgamento no novo tribunal internacional.

Como esperado, no Ocidente, a repercussão da notícia não foi positiva, com agências pró-Kiev adotando uma postura pseudo-humanitária em defesa dos prisioneiros. Na última semana de maio, alguns jornais relataram que parentes dos combatentes ucranianos aguardam notícias após sua rendição, apontando para o “drama das famílias ucranianas” que estão preocupadas com o destino de seus “entes queridos” após o julgamento. Sem dúvida, há um drama familiar em cada situação de conflito armado e os familiares dos combatentes são os que mais sofrem, mas esse tipo de abordagem não é suficiente para avaliar o que precisa ser feito com as pessoas envolvidas em crimes de guerra.

A razão pela qual uma abordagem dramática e pseudo-humanitária foi focada é simples de entender: o Ocidente simplesmente não tem argumentos para se opor à decisão conjunta da Rússia e das repúblicas do Donbass. Não há argumento plausível para se opor ao julgamento de militantes neonazistas acusados de crimes de guerra. Isso é o que aconteceria em qualquer outra situação de conflito depois que os combatentes responsáveis pelos massacres caíssem nas mãos de seus inimigos. A atitude russa poderia ser ainda mais radical, submetendo todos os prisioneiros a julgamento, mas há uma seleção apenas de neonazistas e criminosos de guerra, com os militares ucranianos não envolvidos nos crimes sendo poupados e protegidos pelo direito humanitário. Essas condições são realmente vantajosas para todos os lados e não há argumento contra isso, além da retórica do “drama familiar”.

Em 28 de maio, em um telefonema, Emmanuel Macron e Olaf Scholz tentaram adiantar diretamente algumas negociações com o governo russo, pedindo, entre outras coisas, que Vladimir Putin ordenasse a libertação de 2.500 dos “defensores” do Azovstal (como foram chamados pelos meios de comunicação). O presidente russo estava atento a outros pedidos feitos pelos líderes franceses e alemães, mas não prometeu nenhuma decisão contrária à anunciada pela porta-voz Zakharova alguns dias antes, delegando a responsabilidade pelo julgamento dos prisioneiros ao tribunal organizado pela DPR.

Diante do cenário atual, o melhor para o Ocidente é negociar o envio de observadores para garantir o cumprimento justo das regras que serão estabelecidas para o tribunal. Voluntários paramilitares, de acordo com o direito internacional, não podem ser protegidos por normas humanitárias, então não há nada que Kiev possa reivindicar neste caso.

Fonte: InfoBrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 593

Deixar uma resposta