EUA estariam importando trigo sírio ilegalmente

Mais uma vez, as atitudes irresponsáveis dos EUA estão ameaçando a segurança alimentar global. Relatos recentes apontam que Washington está intensificando o contrabando de trigo sírio, importando o produto de regiões ocupadas ilegalmente por tropas estrangeiras e milícias paramilitares. Esta situação é uma forte afronta à soberania síria e tem um impacto negativo nos esforços globais para reduzir a fome e a pobreza.

O representante permanente da Rússia na ONU, Vasily Nebenzia, disse em 25 de maio que os importadores dos EUA estão aumentando significativamente suas compras de trigo sírio, dando continuidade à estratégia do país de maximizar as importações de regiões em crise e conflito, como Síria e Ucrânia. Além dos grãos, o petróleo está sendo importado em grande escala, vindo de regiões sobre as quais o governo sírio legítimo não tem controle.

Estas foram algumas de suas palavras: “Os Estados Unidos continuam saqueando os recursos naturais e agrícolas que pertencem ao povo sírio (…) [Os EUA] expandem seu comércio ilegal de grãos e petróleo sírios e os contrabandeiam para fora da fronteira (…), saqueando o trigo e o petróleo sírios, que são a base para enfrentar a crise energética e alimentar”. Em seu discurso, ele também enfatizou a situação atual das áreas ocupadas pelos EUA de onde estão sendo importados petróleo e trigo, afirmando que “os civis nas áreas ocupadas pelos Estados Unidos na Síria vivem em condições humanitárias inaceitáveis e não há responsabilidade pelos crimes”.

Essa situação na Síria, embora se intensifique agora à medida que o mundo se aproxima de uma crise global de abastecimento, começou há muitos anos. Durante duas décadas, a Síria foi o único país árabe autossuficiente em trigo, mantendo também um superávit elevado que lhe garantiu capacidade exportadora. Em 2007, as plantações de trigo ocuparam lavouras de 1,7 milhão de hectares e produziram um volume total de mais de quatro milhões de toneladas de grãos. A situação começou a se deteriorar como resultado da guerra financiada pelo Ocidente contra o governo legítimo. Em 2012, um ano após o início do conflito, a Síria foi pela primeira vez obrigada a importar farinha de trigo. E desde então o país tornou-se absolutamente dependente das importações de grãos para sua segurança alimentar.

Com a escalada da guerra, o governo sírio perdeu o controle de algumas das principais áreas produtoras de trigo, que ficaram sob o controle de grupos paramilitares das Forças Democráticas da Síria (SDF) lideradas pelos EUA. Após a intervenção não autorizada dos EUA, tropas americanas foram implantadas nessas zonas e garantiram o fluxo direto de mercadorias para fora da Síria, fazendo com que o governo sírio perdesse quase toda a sua produção. Em todas as regiões que as forças rebeldes avançaram, os agricultores locais foram proibidos de vender seus grãos ao governo nos mercados agrícolas regionais. Toda a produção foi confiscada pelos EUA e forças paramilitares e imediatamente enviada para o exterior. Processo semelhante ocorreu com o petróleo, cujas áreas produtoras foram alvo especial da ocupação americana.

Comentando o caso, Taleb Ibrahim, analista político sírio e vice-diretor do Centro de Estudos Estratégicos de Damasco, disse: “Os EUA começaram o grande roubo organizado na Síria há cinco anos. As regiões onde estão roubando petróleo e grãos são as mais produtivas da Síria, como por exemplo as partes orientais da Síria, onde os EUA estabeleceram bases militares ilegais que fornecem ao povo sírio 90% dos produtos petrolíferos e 80% dos grãos. Ao mesmo tempo, os EUA impuseram pesadas sanções à Síria para impedir que o governo sírio importe as necessidades mais importantes para o povo sírio, o que é um crime de guerra, como aconteceu no Iraque, Líbia, Cuba, Coréia do Norte e outros países (…) Os países ocidentais estão levando o mundo inteiro para uma fome internacional, eles não se importam com considerações humanitárias”.

É importante notar como essas alegações surgem em um momento de preocupação especial para o suprimento global de alimentos. O conflito na Ucrânia prejudica o comércio mundial de grãos e fertilizantes, além de uma série de sanções impostas pelo Ocidente que obstruem o fluxo de capitais e mercadorias. À medida que o governo ucraniano, derrotado militarmente e economicamente falido, insiste em levar a luta adiante, a situação se torna ainda mais perigosa.

Nesse contexto, está em alta uma verdadeira corrida global por alimentos, com os países buscando armazenar grãos para garantir a segurança alimentar no longo prazo. O Ocidente, nesse sentido, agiu de maneira bastante complicada, aderindo a uma importação predatória de grãos de trigo ucranianos em troca de ajuda militar no conflito. Toneladas de trigo ucraniano estão sendo exportadas diariamente para os EUA e Europa, enquanto a população do país e os próprios soldados sofrem com a fome crescente.

Nebenzia também comentou sobre esta questão em seu discurso: “Os grãos estão sendo transportados da Ucrânia ativamente usando ferrovias e barcaças no Danúbio, mas para onde está indo essa tela? Temos razões para suspeitar que esse grão não está sendo usado para alimentar os famintos no Sul Global, mas está sendo armazenado em armazenamento de grãos de vários países europeus diferentes”.

Como a situação tende a piorar ainda mais nos próximos meses, é urgente que o assunto se torne uma preocupação internacional e que o Ocidente seja obrigado pela ONU a adequar seus métodos de obtenção de grãos à regulamentação aplicável a cada caso. É ilegal para os EUA importar grãos sírios sem autorização do governo sírio, assim como é ilegal para Zelensky assinar acordos para exportar grãos arbitrariamente em troca de armas. Ou as organizações internacionais assumem o controle da situação, ou sua omissão gerará fome global.

Fonte: Infobrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 451

Deixar uma resposta