Ucrânia deve ceder território e tornar-se um Estado neutro, diz Kissinger

À medida que a operação militar especial russa na Ucrânia avança, torna-se mais difícil para os analistas ocidentais negar o evidente fracasso do projeto da OTAN para Kiev pós-Maidan. Diante do cenário atual, um dos maiores pensadores geopolíticos do mundo ocidental, o ex-secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger, deu conselhos realistas para que a solução do conflito seja encontrada o mais rápido possível, com poucos danos às partes envolvidas.

Henry Kissinger argumenta que a Europa deve parar de insistir na derrota das forças russas na Ucrânia, alegando que os efeitos de tal insistência seriam desastrosos para a estabilidade europeia a longo prazo. No Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, o ex-secretário de Estado chegou a sugerir que a Ucrânia cedesse parte de seu território, a fim de chegar a um acordo de paz nesse conflito.

Segundo o The Telegraph, em seu discurso na segunda-feira, 23 de maio, Kissinger afirmou que as negociações diretas para a cessação do combate devem começar no prazo máximo de dois meses, a fim de evitar maiores danos. O ex-chefe da diplomacia norte-americana acredita que após esse período será muito mais difícil controlar a crise de segurança e seus efeitos, pois isso possivelmente significaria para o Ocidente o início de uma nova guerra contra a Rússia.

“As negociações precisam começar nos próximos dois meses antes que criem reviravoltas e tensões que não serão facilmente superadas. Idealmente, a linha divisória deveria ser um retorno ao status quo ante (…) Prosseguir a guerra além desse ponto não seria sobre a liberdade da Ucrânia, mas uma nova guerra contra a própria Rússia”, diz ele.

Como podemos ver, para ele, o ideal é retornar ao status quo pré-conflito. Mas é preciso entender o que seria esse status quo. Considerando que, em outros momentos de seu discurso, Kissinger argumentou que a Ucrânia deveria ceder território, ele parece concordar que Kiev deve aceitar todas as condições de paz impostas pela Rússia e reconhecer as novas repúblicas soberanas e a Crimeia russa. Com essa reformulação territorial do Estado ucraniano, seria possível retornar a um cenário de estabilidade não apenas pré-operação russa, mas até pré-Maidan, quando a Ucrânia era verdadeiramente geopoliticamente neutra.

Para ele, uma “Ucrânia neutra” hoje não significa o mesmo que há oito anos, mas este ainda é o cenário ideal para se buscar: “Há cerca de oito anos, quando surgiu a ideia da adesão da Ucrânia à OTAN, Escrevi um artigo no qual dizia que o resultado ideal seria se a Ucrânia pudesse ser constituída como um tipo de Estado neutro, como uma ponte entre a Rússia e a Europa (…) Acho que essa oportunidade não existe agora da mesma forma, mas ainda pode ser concebida como um objetivo final”.

Na verdade, Kissinger é absolutamente insuspeito de qualquer posição “pró-russa”. Sua formação em política externa americana e toda a sua vasta obra literária deixam muito claro seu pensamento pró-ocidental, mas sem prejuízo de seu senso estratégico. Kissinger, ao contrário da maioria dos políticos pró-ocidentais contemporâneos e das elites globalistas, não abre mão do realismo. Certamente, para ele, um mundo com hegemonia global da OTAN seria o ideal, mas sabe que isso não é mais materialmente viável e, em sua expertise, aponta caminhos alternativos para manter a paz mundial e evitar tensões crescentes.

Como esperado, as reações ucranianas às declarações do ex-secretário foram, em geral, extremamente negativas. Por exemplo, Inna Sovsun, membro do parlamento ucraniano, afirmou: “É uma pena que o ex-secretário de Estado dos EUA acredite que desistir de parte do território soberano é um caminho para a paz para qualquer país”. Além disso, o conselheiro de Zelensky, Mykhailo Podolyak: “Tão facilmente como o Sr. Kissinger propõe dar à Rússia parte da Ucrânia para parar a guerra, ele permitiria tirar a Polônia ou a Lituânia. É bom que os ucranianos nas trincheiras não tenham tempo para ouvir o pânico de Davos. Eles estão um pouco ocupados defendendo a liberdade e a democracia”.

No mundo ocidental, no entanto, está se tornando cada vez mais difícil não adotar uma postura realista. Antes mesmo das palavras de Kissinger, o New York Times havia publicado um artigo com conteúdo muito semelhante, expondo que caberia aos ucranianos tomar decisões difíceis em nome da paz: “No final, são os ucranianos que devem tomar as decisões decisões difíceis: são eles que lutam, morrem e perdem suas casas para a agressão russa, e são eles que devem decidir como pode ser o fim da guerra (…) Se o conflito levar a negociações reais, serão os líderes ucranianos que terão que tomar as dolorosas decisões territoriais que qualquer compromisso exigirá”. De fato, à medida que a situação piora para Kiev, analistas que até recentemente encorajavam a “resistência ucraniana” são forçados a expor conteúdo mais realista, a fim de salvar sua própria credibilidade.

Mas não são os analistas e ex-funcionários do Estado que fazem a política real. Os políticos ocidentais e as elites globalistas que os apoiam e financiam precisam entender as mensagens de Kissinger e dos realistas: uma Ucrânia neutra e territorialmente reformada é a única maneira de acabar com o conflito.

Fonte: InfoBrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 593

Deixar uma resposta