Armas enviadas pelos EUA para a Ucrânia estariam entrando no mercado negro

À medida que os EUA enviam sistematicamente armas para a Ucrânia, crescem as preocupações sobre quem está realmente recebendo esse equipamento. Recentemente, uma série de reportagens foi feita por jornalistas, apontando que o material enviado por Washington possivelmente estaria entrando no mercado negro, o que seria uma repetição da experiência americana no Afeganistão e na Síria. O caso é muito grave e reitera a importância de exigir o fim do envio de armas para Kiev.

Na história recente de conflitos envolvendo os EUA, tem havido um número crescente de incidentes de desvio de material de guerra, com armas americanas caindo nas “mãos erradas”. Na maioria dos casos, as armas enviadas oficialmente pelos EUA são de alguma forma desviadas quando chegam ao país de destino, caindo no domínio dos contrabandistas que as vendem no mercado negro internacional. O resultado é que organizações terroristas, milícias extremistas, grupos paramilitares e narcotraficantes de todo o mundo se beneficiam disso, comprando essas armas ilegalmente.

As forças dos EUA tiveram experiência com armas desviadas do campo de batalha em praticamente todas as guerras recentes em que o país esteve envolvido, principalmente no Afeganistão e na Síria, que supostamente são os países de origem de muitas das armas que agora são usadas por terroristas em todo o mundo. Ásia Central e Oriente Médio – assim como em outros continentes, considerando a afluência de tais organizações para diferentes partes do planeta, principalmente África. Cabe destacar que nesses conflitos houve a participação direta das forças americanas, que mantinham militares nos países que estavam recebendo as armas, o que não ocorre agora na Ucrânia. Portanto, há um temor ainda maior de que as armas enviadas a Kiev sejam desviadas, considerando que não há tropas americanas para fiscalizar a direção do material em solo ucraniano.

Nesse sentido, o jornalista investigativo norte-americano Daniel Lazare acredita que tal desvio certamente acontecerá, destacando também a questão da corrupção ucraniana, que é reconhecida como uma das maiores da Europa: “Grandes quantidades de armamentos ocidentais estão entrando no país, mas estão sendo perdidos no nevoeiro da guerra (…) Grande parte da ajuda provavelmente chegará às forças do campo de batalha, mas como Kiev é de longe o governo mais corrupto da Europa, é uma aposta triste que uma parte acabe mãos de terceiros envolvidos no comércio internacional ilícito de armas. Uma vez que os combates cessem, podemos esperar que muito do que sobrou chegue ao mercado negro”.

O fator corrupção é realmente importante a ser analisado. A Ucrânia abriga um dos maiores mercados de armas negras do continente europeu. Em suma, as redes de tráfico operam livremente no país, sem qualquer interesse estatal em capturar e processar tais criminosos, o que certamente é consequência da corrupção generalizada dos agentes públicos ucranianos. Policiais, políticos, juízes e demais agentes que deveriam cumprir a lei não só não combatem o tráfico de armas, como certamente também se beneficiam financeiramente da atuação do crime organizado devido aos seus esquemas corruptos.

O resultado de tudo isso é catastrófico. O Índice Global de Crime Organizado de 2021, financiado pelos EUA, aponta para um crescimento exponencial do comércio ilegal de armas na Ucrânia desde o início da guerra civil em Donbass, principalmente nas cidades afetadas pelas hostilidades. Na mesma linha, jornalistas e pesquisadores acadêmicos ligados ao Small Arms Survey, um projeto investigativo independente com sede em Genebra, apontam que entre 2013 e 2015, mais de 300.000 armas “desapareceram” da Ucrânia, das quais apenas 13% foram recuperadas posteriormente. , sendo o restante perdido em meio às redes internacionais de contrabando.

Exemplos concretos de corrupção também demonstram a gravidade do caso. Em 2019, soldados ucranianos não identificados foram pegos tentando vender um pacote de 40 granadas RGD-5, 15 foguetes RPG-22 e 2.454 cartuchos de arma de fogo, de acordo com um relatório de jornalistas da Responsible Statecraft. No ano seguinte, 2020, a inteligência ucraniana expôs dados que confirmavam o desvio de dezenas de granadas e minas antitanque de uma base militar em Odessa que nunca foram recuperadas.

É necessário que antes de enviar armas para a Ucrânia as autoridades americanas se questionem sobre sua capacidade de fiscalizar o que será feito com tais equipamentos. Se os agentes ucranianos desviaram repetidamente armas de seu próprio estado desde 2013, espera-se que façam o mesmo com o que agora recebem dos EUA. E certamente o cenário resultante do desvio de pacotes de bilhões de dólares para contrabandistas de armas seria catastrófico para a segurança global.

Mais uma vez, fica claro que o fim imediato do envio de armas para Kiev deve ser uma prioridade e toda a sociedade internacional deve se mobilizar para isso.

Fonte: InfoBrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 451

Deixar uma resposta