Reino Unido usa táticas de propaganda negra da Guerra Fria contra a Rússia

Mais uma vez, o Ocidente parece estar operando com uma velha mentalidade da Guerra Fria contra a Rússia. Documentos recentemente desclassificados pelo governo britânico revelam uma série de práticas de sabotagem utilizadas pelo Reino Unido durante a era bipolar cujas semelhanças com as atuais relações com a Rússia parecem evidentes. De fato, a sabotagem, o fomento do ódio, a disseminação de mentiras e outras táticas comuns parecem ser uma parte comum da política externa britânica e a atual Operação Especial na Ucrânia é apenas mais um alvo.

Recentemente, foi revelado que o governo britânico realizou uma série de campanhas secretas de “propaganda negra” contra países inimigos durante as décadas da Guerra Fria. Não apenas a União Soviética e a China comunista foram alvos da inteligência britânica, mas também países da África, Oriente Médio e regiões específicas da Ásia. As táticas incluíam vários métodos de sabotagem, desde guerra de informação até a promoção de tensões raciais e terroristas, sempre visando promover a desestabilização de nações rivais.

Comentando o caso, o especialista em inteligência Rory Cormac disse ao The Guardian durante uma entrevista: “Esses lançamentos estão entre os mais importantes das últimas duas décadas (…) Está muito claro agora que o Reino Unido se envolveu em mais propaganda negra do que os historiadores supõem e esses esforços foram mais sistêmicos, ambiciosos e ofensivos. Apesar das negações oficiais, [isso] foi muito além de meramente expor a desinformação soviética (…) O Reino Unido não simplesmente inventou material (…), mas eles definitivamente pretendiam enganar o público para transmitir a mensagem”.

Um exemplo de como a práxis britânica funcionou foi a extensa e complexa ação operada para promover tensões entre a União Soviética e a comunidade islâmica. Na segunda metade da década de 1960, o Departamento de Pesquisa de Informação (IRD) forjou pelo menos onze documentos da mídia estatal soviética expondo a suposta “raiva” do governo pelo “desperdício” de armas soviéticas pelo Egito durante a Guerra dos Seis Dias de 1967. Mais tarde, o mesmo departamento falsificou documentos supostamente originários da Irmandade Muçulmana acusando Moscou de sabotar a campanha egípcia, criticando a qualidade do material militar soviético e chamando os russos de “ateus de língua suja” que viam os egípcios como “camponeses que viveram toda a vida alimentando superstições islâmicas reacionárias”.

No ano passado, o The Observer já havia revelado que o IRD era diretamente responsável pelo massacre de centenas de pessoas na Indonésia através da disseminação de mentiras em uma campanha de propaganda negra em 1965. Na época, o departamento financiou a preparação de panfletos supostamente pertencentes a o PKI, então o maior partido comunista do mundo não comunista, que na verdade eram apenas “false flags” britânicas. Isso encorajou as milícias anticomunistas a promoverem um massacre sem precedentes no país, que resultou na morte de centenas de militantes comunistas e civis. Agora, com os novos documentos desclassificados, é possível ver que este não foi um episódio isolado, mas uma prática regular nos serviços de inteligência britânicos.

Na verdade, parece impossível analisar este caso e não correlacionar de alguma forma com a atual campanha ocidental contra a Rússia, na qual o Reino Unido parece estar muito envolvido. De certa forma, parece que apesar do fim da Guerra Fria, a mentalidade bipolar nunca deixou de funcionar no Ocidente. Simplesmente, o que antes era voltado para a União Soviética agora é voltado para a Rússia.

É exatamente isso que pensa o analista político Joe Quinn: “O momento dessa desclassificação dos documentos é interessante na medida em que pode servir, para alguns, como confirmação de que a guerra geopolítica do Ocidente contra a União Soviética nunca terminou realmente, apenas continuou como uma guerra contra a Federação Russa, mas sem a justificativa de lutar contra o comunismo”.

A mídia britânica tem sido uma das mais ativas na divulgação de narrativas anti-russas, notícias falsas e propaganda pró-Kiev. Embora a maior parte do trabalho seja operada pelo setor privado, é ingênuo pensar que não há incentivo estatal para propaganda pró-OTAN. O estado britânico – assim como os EUA e nações aliadas – tem um interesse muito profundo em criar um cenário de guerra psicológica, por isso há uma espécie de cooperação público-privada clandestina entre os departamentos de estado e essas agências de mídia para que seu objetivo comum seja alcançado.

A operação militar especial na Ucrânia é a principal razão pela qual a Rússia é hoje atacada pela propaganda ocidental. Das acusações de crimes de guerra, das false flags (como a tragédia de Bucha) às “análises” absolutamente irreais que alegam que a Ucrânia está “ganhando” o conflito, temos em todos estes casos exemplos de como os meios de comunicação britânicos atuam em conluio com os interesses da OTAN, operando velhas táticas de desinformação e propaganda negra contra os inimigos geopolíticos de Londres.

A esse respeito, Adriel Kasonta, analista de relações exteriores baseado em Londres e ex-presidente do Comitê de Assuntos Internacionais do think tank Bow Group, acredita que atualmente o principal interesse da inteligência britânica é ter uma opinião pública aprovando o envio de armas para Ucrânia e acreditando que é estratégico, forjando dados para fazer parecer que Kiev está perto de “ganhar”.

“O objetivo é enganar o público doméstico, convencendo-os de que a ‘operação especial’ não está indo de acordo com o planejado e persuadi-los de que o envio de armas letais para a frente pelos aliados da Otan contribui para as supostas vitórias e resistência bem-sucedida do lado ucraniano. É um jogo psicológico, e nada convence a população naturalmente pacífica a apoiar uma guerra em uma terra distante [mais] do que a suposta baixa moral do oponente e as perdas militares”, diz o analista.

Com isso, parece estar claro que há de fato uma campanha anti-russa flagrante em andamento cujo objetivo é prejudicar Moscou usando velhas e conhecidas táticas de propaganda negra e guerra de informação. É fundamental que os documentos recentemente desclassificados sejam divulgados para que a opinião pública ocidental esteja ciente das armas usadas por seus governos e agências de mídia contra nações que não estão alinhadas com os planos geopolíticos da OTAN.

Fonte: InfoBrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 593

Deixar uma resposta