Alain de Benoist: “A igualdade absoluta não tem significado”

O valor da igualdade foi retirado de seu caráter relativo tradicional e virou um dogma absoluto e universal do Ocidente. Os governos liberais, de fato, implementam políticas públicas para eliminar toda diversidade substancial enquanto o maquinário de propaganda da mídia de massa bombardeia os homens massificados com o que Alain de Benoist chama de “ideologia da mesmidade”.

Em 1977, Alain de Benoist iniciou seu livro-manifesto “Visto de Direita” com estas palavras: “Eu defino como de direita, por pura convenção, a atitude que consiste em considerar a diversidade do mundo e, consequentemente, as desigualdades relativas que são necessariamente seu produto, como um bem; e a progressiva homogeneização do mundo, esperada e realizada pelo discurso bimilenar da ideologia igualitária, como um mal”. 40 anos depois, quatro décadas de homogeneização depois, o ensaísta faz um balanço e agora ataca “o mesmo” em um incisivo livro publicado na coleção do Instituto Iliad, ‘Longue mémoire’ para a Nouvelle Librairie.

Qual é a diferença entre igualdade e o que você chama de “mesmidade”?

É muito simples: a mesmidade nega a diferença, enquanto que a igualdade se encaixa muito bem com ela. A igualdade absoluta não tem significado: só se pode ser igual ou desigual com referência a um critério preciso, a um determinado campo ou mesmo a um determinado contexto. Não somos iguais ou desiguais no abstrato. Você certamente corre mais rápido do que eu, mas pode haver domínios nos quais eu o supero. Somente se você decretar que a igualdade abstrata pode ser afirmada absolutamente, então você precisa considerar todos os indivíduos como iguais uns aos outros.

Se eu digo que homens e mulheres são iguais, isso não significa que não haja diferenças entre eles. Se na democracia grega se acreditava que todos os cidadãos deveriam gozar de direitos políticos iguais, não é porque se acreditava que todos eles eram iguais, mas apenas porque por definição todos eles eram igualmente cidadãos. O erro começa sempre que se postula igual como sinônimo de mesmo. É este pecado contra a razão (e contra todo bom senso) que nos faz acreditar, por exemplo, que para alcançar a igualdade dos indivíduos, dos sexos ou dos povos, basta suprimir tudo o que os distingue.

A ideologia da mesmidade tende a suprimir as diferenças entre os homens, mas nossa era também está emergindo como a do individualismo. Como esses dois fenômenos se conciliam?

A ideologia da mesmidade é uma ideologia universalista, o que significa que além das características biológicas da espécie, ela dá à humanidade um significado moral e político. Isto implica em remover o papel das culturas e dos povos, decretando, contra todas as evidências, que se pertence imediatamente à humanidade, e não por meio de uma cultura singular. Isto só é possível concebendo a humanidade como uma soma de indivíduos, que a teoria liberal percebe como fundamentalmente iguais uns aos outros, porque todos eles são igualmente alheios a suas filiações ou heranças, ou seja, ao que está por trás deles. É por isso que é comumente referido como individual-universalismo. A sociedade correspondente a esta visão é definida como uma sociedade de indivíduos. Todos podem se considerar “livres” para se definir como quiserem, já que não há nada além do indivíduo, as pessoas são consideradas fundamentalmente iguais umas às outras, o que as torna intercambiáveis.

Que espaço existe para aqueles que querem viver de acordo com suas próprias leis, seus próprios costumes, que reivindicam seu direito à disparidade em um mundo indiferenciado?

O espaço que eles podem ocupar, que podem estabelecer ou restaurar. De Gaulle: “A ação é dada pelos homens em consideração das circunstâncias”. Homens resolutos e circunstâncias favoráveis. Sem esquecer o essencial, que é que não há perspectiva de mudança real se a uma reconstrução ideológica radical não atender um movimento social real.

Fonte: Éléments

Alain de Benoist

Escritor, jornalista, ensaísta e filósofo, um dos autores chave da Quarta Teoria Política, é autor de numerosas obras sobre uma vasta gama de temas, incluindo arqueologia, tradições populares e história da religião.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *