A Nova Ordem Mundial no Contexto das Teorias das Relações Internacionais

Muito se fala hoje em globalismo, como sendo a ideologia da classe hegemônica a nível internacional, mas em que consiste, academicamente, o globalismo pela perspectiva das Relações Internacionais. O filósofo russo Alexander Dugin aborda o globalismo em suas relações com as escolas do liberalismo e do realismo nas RI.

Precisamos entender o que está acontecendo conosco e ao nosso redor. Para fazer isso, o bom senso não é suficiente, é preciso haver metodologias. Portanto, consideremos a operação especial militar no contexto de uma disciplina como as Relações Internacionais (RI).

Existem duas principais escolas de pensamento nas relações internacionais: o realismo e o liberalismo. Estas serão discutidas, embora existam outras, mas estas duas são as principais. Se você não está familiarizado com estas teorias, não tente adivinhar o que se entende aqui por “realismo” e “liberalismo”, o significado dos termos é retirado do contexto.

Assim, o realismo nas RI se baseia no reconhecimento da soberania absoluta do Estado-nação; isto corresponde ao sistema vestfaliano de relações internacionais que surgiu na Europa como resultado da Guerra dos 30 Anos que terminou em 1648. Desde então, o princípio da soberania tem permanecido fundamental para o sistema de Direito Internacional.

Os realistas em RI são aqueles que tiram as conclusões mais radicais do princípio de soberania e acreditam que os Estados-nações soberanos sempre existirão. Isto é justificado pela compreensão que os realistas têm da natureza humana: eles estão convencidos de que o homem em seu estado natural é propenso ao caos e à violência contra os mais fracos, e que um Estado é, portanto, necessário para evitar isto; além disso, não deve haver autoridade acima do Estado para limitar a soberania. O cenário da política internacional consiste, portanto, em um equilíbrio de poder em constante mudança entre os Estados soberanos. Os fortes atacam os fracos, mas os fracos podem sempre recorrer aos mais fortes para obter ajuda. São formadas coalizões, pactos e alianças. Cada Estado soberano defende seus interesses nacionais com base em um frio cálculo racional.

O princípio da soberania possibilita guerras entre Estados (ninguém pode proibir alguém de cima de fazer uma guerra, porque não há nada superior a um Estado), mas ao mesmo tempo a paz também é possível, se for vantajosa para os Estados, ou em uma guerra não há um resultado inequívoco.

É assim que os realistas vêem o mundo. No Ocidente, esta escola sempre foi bastante forte e até prevaleceu, nos EUA, continua a ser bastante influente hoje: cerca da metade dos políticos americanos e especialistas em RI seguem esta abordagem, que durante a presidência da Trump dominou, a maioria dos republicanos (exceto neocons) e alguns democratas se inclinam para ela.

Agora, consideremos o liberalismo em RI. Aqui o conceito é muito diferente. A história é vista como um progresso social contínuo, o Estado é apenas uma etapa no caminho do progresso e, mais cedo ou mais tarde, está fadado a desaparecer. Como a soberania está repleta da possibilidade de guerra, deve-se tentar superá-la e criar estruturas supranacionais que primeiro a limitam e depois a abolem por completo.

Os liberais em RI estão convencidos de que um governo mundial deve ser estabelecido e a humanidade unida sob as forças mais “progressistas” – ou seja, os próprios liberais. Para os liberais em RI, a natureza humana não é uma constante (como é para os realistas), mas pode e deve ser mudada. Educação, doutrinação, mídia, propaganda de valores liberais e outras formas de controle da mente são utilizadas para este fim. A humanidade deve se tornar liberal e tudo que é iliberal deve ser exterminado e banido. Estes são os “inimigos da sociedade aberta”, os “iliberais”. Após a destruição dos “iliberais”, haverá paz global – e ninguém estará em guerra com ninguém. Por enquanto, a guerra é necessária, mas somente contra os “iliberais” que “impedem o progresso”, desafiam o poder das elites liberais globais e, portanto, não são “humanos” de forma alguma, e podem, portanto, ser tratados de qualquer forma – até o extermínio total (incluindo o uso de pandemias artificiais e armas biológicas).

Num futuro próximo, de acordo com este conceito, os Estados serão abolidos e todos os seres humanos se misturarão, criando uma sociedade civil planetária, um só mundo. Isto é o que é chamado de “globalismo”. Globalismo é a teoria e a prática do liberalismo nas RI.

A nova versão do liberalismo tem um acréscimo: a inteligência artificial dominará a humanidade, as pessoas se tornarão primeiro sem gênero e depois “imortais”, viverão no ciberespaço e sua consciência e memória serão armazenadas em servidores de nuvens, novas gerações serão criadas em um tubo de ensaio ou impressas por uma impressora 3D.

Tudo isso se reflete no projeto de Grande Reset do fundador do Fórum de Davos, Klaus Schwab.

Os liberais constituem a outra metade dos políticos e especialistas em relações internacionais do Ocidente. Sua influência está crescendo gradualmente e às vezes excede a dos realistas de RI. A atual administração Biden e a maioria do Partido Democrata dos EUA são liberais neste sentido. Os liberais também são dominantes na UE, que é a implementação de tal projeto, pois tem como objetivo construir uma estrutura supranacional. Foram os liberais em RI que conceberam e criaram a Liga das Nações e depois a ONU, o Tribunal de Haia, a Corte Europeia de Direitos Humanos, assim como o FMI, o Banco Mundial, a OMS, o sistema educacional de Bolonha, a digitalização e todos os projetos e redes globalistas, são tudo obra dos liberais. Os liberais russos são parte integrante desta seita global, que tem todas as características de uma seita totalitária.

Agora vamos aplicar esta explicação à Nova Ordem Mundial. Após o colapso da URSS, a Ucrânia tornou-se uma ferramenta tanto dos liberais quanto dos realistas nas RI – precisamente uma ferramenta do Ocidente. Os liberais encorajaram a integração da Ucrânia no mundo global e apoiaram suas aspirações de aderir à União Europeia e à OTAN (ala militar do globalismo); os realistas usaram a Ucrânia em seus interesses contra a Rússia; para isso, foi necessário fazer da Ucrânia um Estado-nação, o que contradizia a agenda puramente liberal. Foi assim que se formou a síntese do liberalismo ucraniano e do neonazismo contra o qual luta a operação especial militar. O neonazismo (extrema direita, Azov e outras estruturas proibidas na Rússia) era necessário para construir uma nação e um Estado soberano o mais rápido possível. A integração na União Europeia exigia uma imagem lúdica e comicamente pacifista (Zelenski). O denominador comum era a OTAN. Foi assim que os liberais e realistas de RI alcançaram um consenso russofóbico na Ucrânia. Quando necessário, eles faziam vista grossa ao neonazismo, aos valores liberais e aos desfiles de orgulho gay.

Agora, para a Rússia. Na Rússia, desde o início dos anos 90, sob Iéltsin, Chubais e Gaidar, o liberalismo dominou firmemente as RI. A Rússia então, como a Ucrânia hoje, sonhava em aderir à Europa e aderir à OTAN. Se isso tivesse exigido uma maior desintegração, os liberais do Kremlin também estariam dispostos a aceitar; mas em algum momento o próprio Iéltsin e seu ministro das Relações Exteriores Yevgeny Primakov ajustaram ligeiramente a agenda: Iéltsin ressentiu-se com o separatismo na Chechênia, Primakov colocou um avião sobre o Atlântico durante o bombardeio da Iugoslávia pela OTAN. Estes eram sinais fracos de realismo. A soberania e os interesses nacionais foram invocados, mas de forma hesitante.

O realismo começou quando Putin chegou ao poder. Ele viu que seus antecessores haviam enfraquecido a soberania ao extremo, apanhados pela globalização, e que o país estava consequentemente sob controle estrangeiro. Putin começou a restaurar a soberania. Primeiro, na própria Federação Russa – a segunda campanha chechena, a eliminação das cláusulas de soberania da Constituição, etc., depois ele começou a lidar com o espaço pós-soviético – os eventos de agosto de 2008 no Cáucaso do Sul, Crimeia e Donbass em 2014. Ao mesmo tempo, é indicativo que a comunidade de especialistas (o Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou, o Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia) continuou a ser completamente dominada pela linha do liberalismo. O realismo nunca era mencionado. As elites permaneceram liberais – aqueles que se opunham abertamente a Putin e aqueles que relutantemente concordaram em se submeter a ele.

A operação especial militar iluminou a situação no Ministério da Defesa russo. Por trás da Ucrânia existe uma aliança de liberais e realistas parciais, ou seja, as forças do globalismo que se voltaram contra a Rússia. Para os liberais (e Biden e sua administração [Blinken and co.], como Clinton e Obama antes dele, pertencem exatamente a esta escola) a Rússia é o inimigo absoluto, porque é um sério obstáculo à globalização, ao estabelecimento de um governo mundial e de um mundo unipolar. Para os realistas americanos (e na Europa os realistas são muito fracos e mal representados) a Rússia é um concorrente no controle do espaço do planeta. Eles são geralmente hostis, mas para eles apoiar a Ucrânia contra a Rússia não é uma questão de vida ou morte: os interesses fundamentais dos Estados Unidos não são afetados por este conflito. É possível encontrar pontos em comum com eles, não com os liberais.

Para os liberais em RI, no entanto, é uma questão de princípio. O resultado da operação especial militar determinará se haverá ou não um governo mundial. A vitória da Rússia significaria a criação de um mundo totalmente multipolar no qual a Rússia (e a China e, num futuro próximo, a Índia) gozariam de uma soberania real e forte, enquanto as posições das entidades aliadas do Ocidente liberal, que aceitam a globalização e estão dispostas a comprometer sua soberania, ficariam dramaticamente enfraquecidas.

Em conclusão, o liberalismo em RI está mudando para incluir políticas de gênero, informação e guerra híbrida, inteligência artificial e pós-humanismo, mas o realismo também está mudando: confirmando a lógica de Samuel Huntington (aliás, um defensor do realismo em RI), que falou do “choque de civilizações”, os principais atores não são os Estados, mas as civilizações, o que ele chama de Grandes Espaços. Assim, o realismo está gradualmente mudando para a teoria do mundo multipolar, onde os polos não são mais Estados-nações, mas Estados-continentes, impérios. Isto também é claramente visível no curso da operação especial militar.

Em termos de várias teorias de relações internacionais, a operação especial militar é simultaneamente um conflito entre:

  • a unipolaridade e a multipolaridade;
  • realismo e liberalismo em RI;
  • pequena identidade (neonazismo ucraniano artificial) e grande identidade (irmandade eurasiática da Rússia;
  • a civilização da terra (telurocracia) versus a civilização do mar (talassocracia) na batalha pela zona costeira (Rimland), que a geopolítica reivindica;
  • o estado fracassado e o império ressurgente.

Diante de nossos olhos e com nossas mãos e sangue agora – agora mesmo – a grande história das ideias está sendo feita.

Fonte: Geopolitica.ru

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *