Maurizio Murelli: “Ucrânia é o novo campo de batalha da Grande Guerra Mundial que os EUA iniciaram nos anos 90”

A maioria das narrativas que abordam o conflito russo-ucraniano tratam como um episódio repentino e isolado, fruto de algum delírio imperialista russo. O editor italiano Maurizio Murelli, amigo e tradutor de Aleksandr Dugin, e defensor de uma “quarta teoria política italiana”, explica a verdadeira origem do conflito, como mais uma fase de uma guerra iniciada pelos EUA nos anos 90, ela própria expressão de um projeto messiânico estadunidense.

Entrevista por Umberto Baccolo

Maurizio Murelli é um homem com a coragem de suas próprias ideias, por mais impopulares que elas sejam e por mais alto que seja o preço a pagar, e desde os anos 80 ele vem travando uma batalha cultural e política para difundi-las. Antiliberal, antiamericano, ele vem da direita radical, um ambiente no qual ainda goza de grande crédito, mas que há muito tempo abandonou para outras margens: em particular, a Quarta Teoria Política de Aleksandr Dugin, o filósofo e cientista político russo que Murelli convida para falar na Itália desde o início dos anos 90 e que ele traduz e publica aqui. Ele o fez primeiro com sua própria Società Editrice Barbarossa e a revista associada Orion, e agora com a AGA Editrice, que tomou seu lugar. Murelli, como Dugin, é um dos poucos intelectuais que, neste conflito ucraniano, está abertamente do lado dos russos, sem meias medidas ou tergiversaçoes. Nesta longa entrevista ele explica em detalhes o porquê, dizendo aquilo que, quando ele foi um convidado recente na televisão em horário nobre Rete4, ele não teve tempo para explicar completamente. Se, depois de ler a entrevista, você estiver curioso sobre sua figura atípica, remeto-o ao documentário “Maurizio Murelli – Non siamo caduti d’autunno”, que dirigi em 2020 e que pode ser visto gratuitamente no YouTube, um canal no qual já teve várias visitas.

Em sua análise tão bem sucedida no Facebook, você explica que a verdadeira guerra não é a da Ucrânia, pois essa é apenas uma frente de um confronto mais amplo. Você pode explicar o que quer dizer com isso e quais são os verdadeiros elementos em jogo?

A Ucrânia é um campo de batalha da Grande Guerra Mundial ao qual os EUA deram um novo impulso e aceleração nos anos 90 para impor sua ordem mundial ao mundo, concebendo-se, desde seu nascimento, como a verdadeira Jerusalém terrestre, seu povo como o verdadeiro “povo escolhido” cuja missão messiânica é redimir toda a humanidade. Esta visão deles é bem explicada por John Kleeves no livro Um País Perigoso, que como editor eu publiquei pela primeira vez em 1998 e que foi republicado pela AGA Editrice em 2017.

Para ser mais preciso, a Grande Guerra Mundial para a conquista do mundo começou muito antes dos anos 90, quando – levando a doutrina Monroe de uma escala continental para uma escala global – eles intervieram na Europa durante a Primeira Guerra Mundial, o que permitiu aos Estados Unidos serem decisivos na elaboração do Tratado de Versalhes com o qual eles desenvolveram um primeiro esboço da nova ordem mundial, redesenhando, em conluio com os britânicos, a geografia da Europa e também da África. Eles foram um passo além com a Segunda Guerra Mundial, na qual intervieram em todo o Pacífico. Naquela época, seu principal interesse era estabelecer seu próprio domínio na área do Pacífico, desintegrando o Japão. A dinâmica relacionada com o jogo de alianças trouxe os Estados Unidos para o teatro de guerra europeu, que eles colonizaram no final da guerra. E aqui chegamos ao Pacto de Ialta, para os Estados Unidos uma espécie de “imagem fixa” em sua progressão em direção ao estabelecimento de seu próprio domínio mundial. Os EUA foram libertados do Pacto de Ialta no final dos anos 80 com a implosão da URSS e depois de terem submetido o Panamá, que queria nacionalizar o canal, prendendo e arrastando o Presidente Noriega acorrentado em sua própria prisão; iniciou suas guerras no Oriente Médio, primeiro patrocinando a guerra contra o Irã, depois intervindo diretamente no Iraque, depois na Síria, Somália, Líbia e até mesmo na Europa contra a Sérvia. Todos esses estados eram, antes dos anos 90, aliados ou sob o guarda-chuva protetor da URSS. Eles promoveram a guerra de vinte anos contra o Afeganistão enquanto, com várias lisonjas, trouxeram para a OTAN – a folha de figo dos militares dos EUA – mais ou menos todos os países do antigo Pacto de Varsóvia. A Ucrânia foi deixada de fora.

Com várias “revoluções coloridas”, eles tentaram minar de dentro de todos os outros estados que ainda não haviam sido subjugados, culminando no golpe do Maidan na Ucrânia. Seria preciso ser míope ou ter má fé, mas também seria preciso ser um idiota cognitivo, para não ver o esquema geral desta guerra global, assimétrica e também travada com armas comerciais e sanções, muitas vezes contra os estados mais fracos, como os da África, onde os americanos aparecem com colt e talão de cheques, para sujeitá-los, de uma forma ou de outra, ao seu próprio domínio. Neste quadro, certamente declinado em conspiracionismo pelos especialistas, eu defendo que a Ucrânia é apenas um dos muitos campos de batalha da Grande Guerra Bi-Secular.

Você há muito se distanciou da chamada área da direita radical, mas é interessante notar que, como na esquerda radical, esta situação produziu a mais violenta fratura interna em muito tempo. Por que você acha que esta mesma crise russo-ucraniana criou divisões tão agudas e ferozes entre os herdeiros das ideologias do século XX?

Tanto a “direita radical” quanto a “esquerda radical” não passam de desperdício material das ortodoxias ideológicas da primeira metade do século XX, nódulos humanos que vivem de mal-entendidos e ilusões há décadas. Tanto a “direita” quanto a “esquerda” não são os antagonistas do liberalismo, mas sua expressão direta. Eles são progressivamente conquistados e intoxicados por valores liberais e, no final, resvalando nisso, competem uns com os outros para serem mais liberais do que os liberais declarados.

A esquerda está passando por um verdadeiro psicodrama. A Rússia, o berço do comunismo reverso, destruiu sua própria certeza centrada na inevitabilidade do curso histórico, tal como concebido pela esquerda. Seu álbum de família apresenta Tio Lênin, já repudiado e permanecendo apenas como uma múmia emblemática na Praça Vermelha. Para eles era inevitável que o Quarto Estado, o Estado proletário, derrotasse o Terceiro Estado, o Estado burguês e capitalista. Aconteceu o contrário. Na sua maioria, a esquerda primeiro repudiou o comunismo e depois buscou novas escalas de valores progressistas, todos eles refinados e essencialmente individualistas. Ao ponto de, se você colocar cem esquerdistas um na frente do outro, não há dois que possam se sobrepor, ou seja, que tenham a mesma ideia de como ser esquerdista. E, na verdade, todos eles entram em conflito para reivindicar a autêntica “forma da esquerda”.

Mas aqui tenho que parar, porque toda a questão seria muito longa para explicar. Os eventos atuais na Ucrânia forçam a “direita” e a “esquerda” a tomar partido. E se a “direita”, e portanto os vários neofascismos, se atolarem no terreno romântico por serem fascinados por runas e suásticas rodopiantes, a esquerda, e mesmo aqueles que declinam no comunismo, tornam-se os servos objetivos do imperialismo atlantista que eles não reconhecem como tal, enquanto definem a Federação Russa como um império, eles não a aceitam como tal. Há também uma espécie de ressentimento irreprimível em relação à Rússia pelo modo como ela passou de comunista a algo mais. E estão fascinados pela ideia da resistência e outros disparates do gênero. Acolho com grande prazer esta desintegração ideológica da direita e da esquerda, do comunismo e do fascismo. O campo do mal-entendido está sendo esclarecido. Estou feliz em vê-los lado a lado na mesma frente em defesa dos valores liberais, do atlantismo e do imperialismo atlântico. Permanecendo nesta posição, eles estão limpando o campo dos defuntos ideológicos em favor daqueles que há muito se libertaram de mal-entendidos, em favor daqueles que hoje adotam uma genuína posição revolucionária e, portanto, um papel antiliberal.

Para voltar à pergunta anterior, tenho a impressão de que muitas pessoas, começando pelo próprio Putin e até mesmo Dugin, que falam dos nazistas e da desnazificação, têm a tendência de querer adaptar esta situação a um confronto entre as velhas ideologias, onde já não é mais claro quais são os nazistas e quais são os comunistas. Penso que esta forma de ver as coisas é antiquada e ineficaz, mas o que está em jogo não é o fascismo e o comunismo, o que você acha?

Antes de tudo, devemos partir do fato de que as terminologias, e portanto os idiomas, utilizados no Ocidente e os utilizados no Oriente, que também se aplicam à China, Índia, etc., não são sobreponíveis porque são diferentes. Para aqueles no poder, as terminologias devem agir sobre o chamado imaginário coletivo, e os imaginários no Oriente são diferentes dos que circulam no Ocidente. Na imaginação coletiva russa, o nazismo é a ideologia que tentou aniquilar a identidade russa e reivindicou 26 milhões de vítimas russas. A Segunda Guerra Mundial tornou-se uma Guerra Patriótica, ou seja, uma guerra em defesa da identidade russa que os nazistas queriam negar. Assim, ao colocarem-se a serviço do atlantismo, os ucranianos efetivamente sublimaram os nazistas, negando a identidade russa.

Deve-se ter em mente que não só houve oito anos de guerra nos Donbas para erradicar os russófonos e os russófilos, mas nesses mesmos oito anos também houve uma repressão mortal dentro da Ucrânia, na forma de perseguição da cultura russa, a proibição do uso da língua russa, a ilegalização de partidos de língua russa e uma série de assassinatos direcionados, perseguições físicas e prisões, eventos dos quais ninguém fala, mas que estão bem documentados. Putin vê tudo isso como uma ação nazista.

Pessoalmente, acredito que a assunção de Putin do conceito de “desnazificação” também tem um valor tático: ele queria antecipar o uso do epíteto “nazista” contra ele, porque é isso que o Ocidente faz quando quer objetivar como mal absoluto aqueles que são seus inimigos; eles também o fizeram com Saddam, Assad, Milosevic, etc. Quanto a Dugin, ele sabe muito bem que o nazismo que circula hoje nada tem a ver com o nazismo histórico (o que quer que se pense do nazismo) e o identifica como um neoproduto do liberalismo, um falso nazismo criado em um “laboratório” por aqueles que não têm problemas em explorá-lo de várias maneiras, dependendo de sua conveniência, apontando-o como um perigo em certos contextos, em outros, em outros contextos – como no caso da Ucrânia ou, apenas para mencionar um exemplo, como no Chile nos anos 70 – como algo benéfico. Na opinião de Aleksandr Dugin, então, o nazismo, o fascismo e o comunismo foram uma resposta ao liberalismo, tudo dentro da modernidade. Sua posição nos leva além da pós-modernidade (aquela em que vivemos hoje) e da modernidade, aquela em que vivemos ontem, e nos coloca precisamente na pré-modernidade, ou seja, no mundo da Tradição. Neste sentido, portanto, é um pensamento antinazista. Deve-se admitir também que o uso do nazismo por Putin é uma das causas do curto-circuito que se desenvolveu entre a “direita” e a “esquerda” e, portanto, sob a perspectiva de sua desintegração, foi um uso eficaz e benéfico.

Por outro lado, falando do mundo da informação, você denuncia – trazendo muitos vídeos e testemunhos e provas – que a mídia é muito parcial e só faz propaganda, alimentando muitas mentiras, para pressionar as pessoas a aceitar as consequências econômicas de uma crise com os russos, colocando-os no centro das atenções e exaltando os ucranianos. Entretanto, uma coisa deve ser dita: em nossos talk shows e jornais é dado amplo espaço àqueles que teorizam que os ucranianos devem se render, que nós não devemos intervir e que Putin tem suas muitas boas razões: além dos vários Orsini e Canfora, respeitados intelectuais de esquerda, e a ANPI de Pagliarulo, nós até encontramos muito espaço para Dugin e também para você, muitas vezes figuras demonizadas…. Como você vê isso, é uma questão de respeito ao pluralismo ou algo mais?

Há um caso didático que ninguém menciona. Em 1990, uma mulher compareceu ao Congresso dos EUA como enfermeira refugiada do Kuwait, relatando horrores indescritíveis cometidos pelas tropas iraquianas, tais como crianças espetadas em baionetas, estupros e massacres generalizados, uma narrativa que foi imediatamente apoiada até mesmo pela Anistia Internacional, bem como por toda a mídia ocidental. O testemunho da autodenominada enfermeira desencadeou o ultraje que levou à “Operação Tempestade do Deserto”, a primeira Guerra do Golfo no Iraque.

O testemunho da enfermeira Nayirah, no entanto, foi uma mentira colossal, começando pelo nome sob o qual ela mesma se apresentou. Seu verdadeiro nome era, de fato, Saud al Sabath, e ela não era uma refugiada nem uma enfermeira pobre, mas a filha muito rica do embaixador do Kuwaiti nos Estados Unidos. Tivemos que esperar até 1992 para descobrir a verdade revelada pelo New York Times, que também documentou como o embuste foi idealizado por uma agência de publicidade, Hill & Knowlton (típica lavagem de alma da mídia póstuma: nunca deixar a denúncia acontecer enquanto a mentira é encarnada). Este falso testemunho, sem qualquer crítica por parte da mídia ocidental, serviu para galvanizar e pressionar as massas a darem seu consentimento à guerra de invasão do Iraque. Uma “pequena guerra” que custou a vida de 100.000 iraquianos, incluindo 2.300 civis. Mais famoso é o embuste usado como casus belli para a segunda Guerra do Golfo, a exposição de Colin Powell na ONU do famoso frasco que, segundo o general que se reciclou na política, continha antraz suficiente para aniquilar a população de uma grande cidade. Este outro embuste, que, como o primeiro, galvanizou os ocidentais, custou uma “pequena guerra” que durou oito anos e resultou em 63.000 vítimas civis mais cerca de 8.000 militares. Mais ou menos o mesmo padrão está sendo usado na Ucrânia, com um método muito mais assediador, no qual quase todos os chamados correspondentes de guerra se apresentam como testemunhas oculares e são liderados por milícias ucranianas que lhes mostram o que querem ver e lhes dizem o que é do seu melhor interesse. Se um desses correspondentes tentasse dizer aos ucranianos algo que eles não gostassem, veríamos quantos minutos seriam necessários para obter uma ordem de viagem. Há três ou quatro correspondentes da guerra ocidental na frente russa.

É preciso ir aos canais de televisão e telegrams russos, chineses, árabes, indianos e africanos para ver uma realidade totalmente diferente. Arquivei uma centena de filmes da frente russa, feitos por jornalistas independentes, nenhum dos quais jamais veremos na televisão convencional. É dado amplo espaço nos talk shows para aqueles que apresentam pontos de vista contrários aos pró-ucranianos? Eu sigo mais ou menos todos aqueles talk shows onde aqueles que falam contra a narrativa atlantista são submetidos a uma espécie de pelotão de fuzilamento; duelos de um contra dez, com o apresentador interrompendo com seus comentários muitas vezes inapropriados para frustrar a narrativa do dissidente, e depois fatalmente arejando os anúncios quando ele pretende abortar a exposição desagradável para ele. A propósito, se no momento da chamada emergência sanitária pandêmica alguém na TV que se desviasse da narrativa de Speranza & C. tivesse que prefaciar sua declaração com: “Estou vacinado e supervacinado, mas, com respeito a ….. eu discordo”, todos aqui devem primeiro fazer uma profissão de amor incondicional pelo atlantismo, dizer que a Rússia é um invasor e a Ucrânia uma vítima, que Putin é um monstro, etc. É claro que eles têm que manter que na Itália há informações pluralistas e assim dão um pouco de espaço para aqueles que têm posições ligeiramente diferentes. Mas para abatê-los e forçá-los a se expressar entre um filme horrível e lacrimogêneo e outro. Todos os dias recebo pedidos para estar na TV ou para intermediar a presença de Dugin. Eu aceitei apenas uma vez, e protejo Aleksandr Dugin ditando as condições do formato. Quando eles não aceitam e são inteligentes, apesar de mendigar, Dugin não aparece na TV. Deixe-os fazer seu próprio teatro.

Finalmente, você é bom em fazer previsões: quais você acha que serão as consequências a curto, médio e longo prazo deste conflito para a Itália, e como você acha que o conflito vai continuar?

Para a Itália, a curto e médio prazo, eles serão catastróficos. Não estou dizendo isto, mas vários analistas universitários no campo econômico-financeiro, não excluindo os da Confindustria, estão dizendo isto. Prevê-se que por volta de junho-julho, 570.000 trabalhadores serão demitidos e 26.000 empresas serão fechadas. Haverá escassez de todos os metais e “terras raras” necessários para o funcionamento de certas empresas, fertilizantes, farinha para massas e pães, etc. A inflação (que para um cidadão se torna uma sobretaxa) deve ser de até 8%. Para passarmos sem o gás russo que vamos implorar na África em países que são tudo menos estáveis, teremos que pagar pelo menos três vezes mais… e em todo caso nunca poderemos substituir os 29 bilhões de metros cúbicos de gás que tiramos da Rússia, independentemente do que o trio Conte-Cingolani-Di Maio possa dizer.

Com sanções vamos destruir milhares de empresas italianas que fazem comércio com a Rússia, perderemos as receitas do turismo russo….. A longo prazo, será ainda pior. Entraremos em recessão junto com outros países europeus. Em resumo, é uma guerra estadunidense contra a Europa, que os estadunidense se viram obrigados a privar do pulmão primário da Rússia e, em perspectiva, do pulmão secundário da China. Neste contexto, é fácil entender a ação mortal da monstruosidade russa. Os cidadãos devem estar convencidos de que a Rússia é objetivamente responsável pela miséria que eles têm que enfrentar. Entretanto, a Rússia se sairá bem, bloqueando com a China aquela parte do mundo onde existem mais de três bilhões de novos consumidores potenciais, onde há aqueles que aspiram a passar de bicicleta para motocicleta e aqueles que aspiram a passar de motocicleta para carro. Um enorme mercado.

Por último, mas não menos importante: os erros de nosso governo. Na sua opinião, quais foram os casos mais graves e como o governo deveria ter agido nesses casos para proteger os interesses dos cidadãos?

Não temos governantes. Temos camareiros, serventes involuntários que só querem agradar a seus senhores no exterior. Draghi, a propósito, bem apoiado tanto pela coalizão que o apoia quanto pela pseudo-oposição de Meloni, está entre os criados burros dos EUA o falcão, aquele que sugeriu, por exemplo, esterilizar o banco central russo. Esta massa de servidores no governo é incapaz de proteger os interesses dos cidadãos. Espero que, quando chegar a hora, eles não fiquem impunes e sejam chamados a prestar contas da bagunça que prepararam. Uma coisa me consola: historicamente, a Itália emergiu do conflito como aliada daqueles que eram seus inimigos no início do conflito, e aqueles com os quais entrou em conflito saíram dele como os perdedores. Não sou daqueles que acreditam na virtude teológica cristã da “esperança”, mas fazendo uma exceção por uma vez, espero e portanto desejo que, de alguma forma, no final desta fase da Grande Guerra, os atuais aliados da Itália surjam derrotados e que, de alguma forma, a Itália se reconcilie pelo menos com a Rússia, um país com o qual temos grandes afinidades eletivas, artísticas, culturais, metafísicas, ao contrário do que compartilhamos com o Império do Mal, os Estados Unidos, que nos sobrepõe aos valores da decadência. Mais cedo ou mais tarde alguém terá que perguntar por que nos EUA, dia sim, dia não, um psicopata entra numa escola, num supermercado, num prédio administrativo e mata como se nada fosse. Uma nação de psicopatas que vem nos infectando há décadas e com a qual, como verdadeiros europeus, não temos nada a fazer. Entre outras coisas, eles são como uma árvore sem raízes que cresceu alimentando-se do abate e assassinato de povos, a começar pelos índios americanos. A Europa tem muitas raízes e, se algumas secaram, outras ainda estão funcionando. É o alimento que sobe na árvore a partir destas raízes que redimirá a Europa e a reconciliará com seu componente geopolítico no Oriente.

Fonte: Spray News

Imagem padrão
Maurizio Murelli

Editor e escritor italiano

Artigos: 593

Deixar uma resposta