Traçando a sequência geoestratégica da tentativa de contenção da Rússia pelos EUA

Apesar do sucesso dos EUA em sua Guerra Híbrida contra a Ucrânia, seus fracassos na Síria, Belarus e Cazaquistão deram à Rússia o espaço para manter o foco em neutralizar as ameaças à sua capacidade de segundo ataque nuclear que estão no centro desta crise.

A operação especial da Rússia na Ucrânia foi iniciada com o grande objetivo de restaurar a estabilidade estratégica global, como explicou o autor na análise anterior. A presente peça não retomará esses pontos, mas traçará a sequência geoestratégica da tentativa de “contenção” da Rússia por parte dos EUA até esse ponto. Não será abrangente, pois isso exigiria um trabalho de doutorado, mas simplesmente abordará alguns dos principais desenvolvimentos de interesse para o público mais amplo.

É evidente que a contínua expansão da OTAN para o leste, a implantação de “sistemas anti-mísseis” nos EUA e o ataque a armas perto da fronteira com a Rússia, e a retirada dos EUA dos pactos de controle de armas, tais como o Tratado de Mísseis Antibalísticos (ABM), o Tratado de Forças Nucleares Intermediárias (INF) e o Tratado de Céus Abertos, contribuíram para desestabilizar a situação de segurança estratégica no mundo. O mesmo pode ser dito das Guerras da OTAN sobre a Iugoslávia, Líbia, e de suas guerras informais sobre muitos outros países também.

Esses desenvolvimentos estabeleceram o cenário para a tentativa acelerada de “contenção” da Rússia que começou com seriedade em 2014. Os EUA apoiaram os terroristas urbanos que derrubaram o governo ucraniano em fevereiro do mesmo ano. Em retrospectiva, o objetivo era assumir o controle desse estado a fim de transformá-lo em uma plataforma de lançamento que ameaçaria a Rússia. Moscou evitou as repercussões mais imediatas sobre a segurança após a reunificação democrática da Crimeia com a Rússia, mas a ameaça ainda permanecia.

Os EUA começaram gradualmente a incorporar não oficialmente a Ucrânia à OTAN, estabelecendo ali bases militares disfarçadas como “missões de treinamento”. Essa ameaça continuou a crescer até que o Presidente Putin a expôs diretamente no início desta semana e justificou parcialmente a operação especial da Rússia na Ucrânia, sob o pretexto da ameaça existencial que as atividades dos EUA e da OTAN ali representam para as linhas vermelhas de segurança nacional de seu país.

Um ano e meio depois, o governo sírio, eleito legítima e democraticamente, corria o risco de cair para os terroristas do ISIS, que os Estados Unidos protegiam estrategicamente em direção a Damasco através de ataques aéreos que começaram cerca de 12 meses antes. Foi nessa época que a Rússia iniciou decisivamente sua intervenção antiterrorista na República Árabe por medo das consequências estratégicas a longo prazo para sua segurança se os terroristas de língua russa de lá voltassem para casa e/ou para a Ásia Central.

Relembrando, os EUA queriam criar um superestado terrorista na Ásia Ocidental, com a Síria como seu centro, que atraísse radicais de todo o mundo, que posteriormente retornariam para suas pátrias ou regiões a fim de travar suas próprias guerras de expansão. A Rússia estava entre seus principais alvos e, portanto, tremendamente ameaçada de formas não convencionais, por isso o Presidente Putin decidiu lançar sua intervenção antiterrorista em Setembro de 2015, que continua até hoje.

Tendo neutralizado as ameaças à sua segurança pelos terroristas não convencionais apoiadas pelos EUA e que foram planejadas para emanar da Síria, a Rússia teve algum descanso durante os próximos anos devido aos problemas domésticos dos Estados Unidos, impulsionados pela teoria da conspiração Russiagate, que a oposição ao presidente Trump nas permanentes burocracias militares, de inteligência e diplomáticas de seu país (deep state) armou contra ele. Mesmo assim, as ameaças de segurança mais uma vez começaram a aparecer.

Foi sob o antigo líder americano que os EUA tentaram derrubar o presidente Lukashenko da Bielorrússia após as eleições de verão de 2020, apesar de seu objetivo já ter sido de fato o de se aproximar dos Estados Unidos antes daquela época. No entanto, os Estados Unidos arrogantemente quiseram controlar totalmente aquele país de maneira semelhante à Ucrânia, apesar de sua operação de mudança de regime ter fracassado.

O objetivo por trás disso era complementar o sucesso estratégico de sua operação anterior na Ucrânia a fim de criar duas urgentes ameaças de segurança à Rússia ao longo de seu flanco ocidental que poderiam ser exploradas simultaneamente através dos EUA e da OTAN. Se Lukashenko tivesse caído, teria sido uma grande crise de segurança nacional para a Rússia por essas razões. Mas felizmente isso não aconteceu e a Rússia foi capaz de assegurar suas linhas vermelhas, pelo menos por enquanto, embora não tenha durado.

Um pouco mais de um mês antes de sua operação especial na Ucrânia, uma inesperada Guerra Híbrida de Terror foi lançada contra o Cazaquistão. Também foi decisivamente derrotada, embora desta vez através de uma missão de manutenção da paz liderada pela OTSC (Organização do Tratado de Segurança Coletiva) russa, mas seu propósito estratégico pode ter sido uma aposta desesperada de última hora para replicar o cenário sírio às portas da Rússia. Essa tentativa fracassada foi provavelmente idealizada pela facção anti-russa do deep state dos EUA para distrair o foco da Rússia da Europa.

Em meio a todas essas tentativas de contenção da Rússia, o desenvolvimento bem sucedido de mísseis hipersônicos e veículos planadores em Moscou foi algo que mudou o jogo. Estas armas de vanguarda garantiram a defesa de suas linhas vermelhas de segurança nacional mesmo na ausência da recusa dos EUA em respeitar os pedidos de garantia de segurança do país para resolver diplomaticamente a crise não declarada de mísseis provocados pelos EUA na Europa com o objetivo de neutralizar suas capacidades de segundo ataque nuclear.

Isso deu ao Presidente Putin a confiança para iniciar a operação especial na Ucrânia, sabendo muito bem que é improvável que os EUA entrem em hostilidades diretas por medo de serem completamente destruídos por tais armas em autodefesa se um cenário apocalíptico como esse se revelasse. No entanto, se Belarus, Síria e Cazaquistão não tivessem sido salvos, todos eles teriam sido explorados como plataformas de lançamento para desestabilizar a Rússia à sua própria maneira, esmagando-a assim.

Apesar do sucesso dos EUA em sua Guerra Híbrida contra a Ucrânia, seu fracasso nos três países mencionados acima deu à Rússia o espaço para manter o foco em neutralizar as ameaças à sua capacidade de segundo ataque nuclear, que estão no verdadeiro cerne desta crise. Isso, por sua vez, acabou significando sua derrota, já que Moscou poderia não ter sido capaz de neutralizar tantas ameaças de uma só vez. O triplo sucesso da Rússia nessas frentes garantiu sua sobrevivência contínua.

A medida que a operação especial da Rússia na Ucrânia avança, parece cada vez mais provável o sucesso com seu grande objetivo estratégico de revisar a arquitetura de segurança europeia a fim de garantir a integridade de suas linhas vermelhas de segurança nacional. Isso, consequentemente, restaurará a estabilidade estratégica global e, assim, tornará as Relações Internacionais mais previsíveis do que têm sido a qualquer momento desde o fim da Antiga Guerra Fria. Dessa forma, a última fase da Nova Guerra Fria pode ter um desdobramento não tão ruim.

Fonte: Oriental Review

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro "Guerras Híbridas".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *