Alain de Benoist: “Na Ucrânia há um Confronto entre a Lógica do Império e o Estado-Nação”

A França está em um momento crucial de sua existência. Às vésperas de eleições presidenciais extremamente disputadas e entre escândalos de corrupção, o país se depara ainda com a insatisfação popular generalizada da classe trabalhadora e da classe média pela queda na renda e aumento dos preços, além de exigências autonomistas da Córsega. Enquanto isso, no leste europeu, a Rússia ergue a bandeira da Ideia Imperial contra os resquícios decadentes do modelo burguês de Estado nacional, mas o sonho de uma Eurásia Unidade de Brest a Vladivostok parece distante.

Primeiro de tudo, o que você acha da viagem de Gérald Darmanin à Córsega e a menção de uma possível autonomia para a Córsega?

Poderíamos falar de uma “surpresa divina” se não houvesse algumas razões para duvidar. Primeiro de tudo, é uma forma estranha de proceder para dizer que você está pronto “para ir até a autonomia” antes mesmo de as negociações terem começado. Em geral, você não coloca o resultado da discussão sobre a mesa antes de começar a falar. Isto parece uma admissão de fraqueza, a menos que seja um gesto demagógico ou uma simples manobra eleitoral. O problema surge ainda mais porque a posição adotada por Darmanin representa uma completa inversão por parte de um governo que, durante cinco anos, recusou-se a dar o menor seguimento a todas as exigências políticas feitas pelos corsos. Lembre-se que em fevereiro de 2018, quando ele mesmo visitou a Córsega, Emmanuel Macron até se recusou a aceitar aqueles que só lhe pediam para reconhecer a “natureza política da questão corsa”. Este simples lembrete justifica o ceticismo.

Então devemos saber o que Darmanin quer dizer com “autonomia”. A palavra pode cobrir coisas muito diferentes. Então vamos esperar e ver o que os amigos de Emmanuel Macron colocaram sob este termo. Que autonomia? Em que áreas? Por que meios? A questão-chave é esta: o governo está pronto para reconhecer a existência de um “povo corso”, uma demanda fundamental para todos os autonomistas? Sabemos que a Constituição se opõe a isso, pois ela só quer saber de uma nação “una e indivisível” na tradição jacobina pura. E se por acaso a existência de um povo corso fosse reconhecida, como poderíamos nos opor ao reconhecimento do povo bretão, por exemplo? Como podemos negar por mais tempo que existe tanto um povo francês quanto um povo da França que, se assim o desejarem, também deveriam, em minha opinião, poder, pelo menos, ter acesso à “autonomia”. Mas não vejo o governo descendo aquele declive escorregadio. Seria bom demais!

Dos planos suburbanos à autonomia da Córsega, passando pelo abandono de Notre-Dame des Landes (aeroporto), as autoridades não mostram que, no final, somente a violência permite estabelecer um equilíbrio de poder e obter progressos com essas mesmas autoridades?

Uma pergunta ingênua. Somente a burguesia liberal imagina que todos os problemas políticos podem ser resolvidos de forma irênica, sem que em algum momento surja violência. A política é, acima de tudo, uma relação de forças. Quando as circunstâncias se prestam a isso, há uma ascensão a extremos que não podem ser resolvidos pelas virtudes da “discussão”, “negociação” ou “compromisso”. Além disso, pode chegar também um momento em que as autoridades que detêm o poder legal perdem sua legitimidade. A dissociação de legalidade e legitimidade tem o efeito de que é o protesto violento que pode então se tornar legítimo.

Os Coletes Amarelos, como os caminhoneiros mais recentemente, só começaram a ser ouvidos quando eles saíram às ruas para se manifestarem de uma forma um tanto musculosa. O mesmo é válido para os autonomistas corsos. A descolonização foi alcançada através da violência. Sem o recurso da FLN ao terrorismo, a Argélia poderia não ter sido independente (ou só teria sido independente muito mais tarde). Isto é lamentável, mas é assim mesmo. Georges Sorel opôs a violência social, legítima aos seus olhos, à simples legalidade da força pública. Ele não estava errado. Evitemos a violência quando ela pode ser evitada, mas deixemos de acreditar que ela pode ser permanentemente afastada da vida política. Guerras também são coisas muito desagradáveis – mas sempre haverá guerras!

Qual é sua opinião sobre a campanha presidencial, que no final não tem precedentes, já que os eleitores são privados de debates entre os candidatos que estão fazendo campanha essencialmente em suas respectivas esferas? Novamente, isto é um sinal de uma democracia doente?

Na minha opinião, há sinais muito mais fortes da crise generalizada das democracias liberais do que esta ausência de debates entre os candidatos presidenciais! Além disso, você está exagerando um pouco: houve alguns debates, mas deve ser dito que eles não interessaram a muitas pessoas. Geralmente equivaleram a uma troca de invectivas e acusações de intenção que não ajudam na questão.

A grande característica da próxima eleição presidencial é que, a acreditar nas pesquisas, o dado está lançado: Emmanuel Macron será reeleito. Isto é o que pensa a maioria dos franceses, embora a maioria deles também pareça desejar que isso não aconteça. Um paradoxo interessante. O resultado é uma falta de interesse que, exceto em um evento de última hora, sugere um nível muito alto de abstenção, que penalizará alguns candidatos mais do que outros.

Em outubro passado, em uma entrevista anterior, eu lhe disse que “seria errado enterrar Marine Le Pen”. Isso foi numa época em que todos estavam apostando no seu colapso em benefício de Eric Zemmour. Salientei também que o que essencialmente separava Marine Le Pen e Eric Zemmour não eram tanto suas personalidades ou suas ideias, mas seus eleitorados (classes trabalhadoras ou média burguesia radicalizada) e suas estratégias (“bloco popular” ou “união da direita”). Isto é o que foi confirmado. Zemmour fracassou até agora em sua ambição. Seu eleitorado é instável e permanece aproximadamente no mesmo nível de Pécresse, que está em baixo, e Mélenchon, que está em cima. Aqueles que apostaram em seu sucesso acreditaram que Marine Le Pen fracassaria porque seu partido está indo mal (o que é verdade) sem ver que seus eleitores têm muito pouco interesse no partido em questão: eles votam Marine, não Rassemblement National! Quanto aos apoios a Zemmour, a começar pelo de Marion Maréchal, eles não fizeram nada, como eu previ, para mudar as intenções de voto. O fato fundamental permanece: o eleitorado Zemmour é um eleitorado anti-imigração, enquanto o de Marine Le Pen é um eleitorado antissistema. Teremos que nos lembrar disso quando chegar a hora da recomposição.

A situação internacional, após dois anos da chamada crise Covid 19, já está começando a ter pesadas repercussões econômicas. No momento, o Estado está retirando o livro de cheques para tentar preencher as lacunas. Você acha que isto é sustentável a longo prazo? Quem vai pagar?

Quem você acha? Você e eu, é claro – não os ucranianos! As repercussões econômicas já estão presentes e as coisas só podem piorar. As lamentáveis sanções, de magnitude sem precedentes, que foram decretadas contra a Rússia para satisfazer as exigências americanas, irão piorar as coisas. Nós pagaremos o preço tanto quanto os russos, se não mais. A inflação (matéria prima, combustível, gás, eletricidade) agravará a queda do poder de compra, que é agora a principal preocupação dos franceses. É de se temer um desequilíbrio mais geral no contexto de uma crise financeira mundial rasteira (e uma possível revisão do sistema monetário). Enquanto isso, a dívida pública continua a crescer até as alturas do Himalaia. Isto é sustentável a longo prazo? Provavelmente não. Mas quando começa o longo prazo?

O sonho de uma Europa unida de Brest a Vladivostok está morto com a guerra entre a Ucrânia e a Rússia?

Está ainda mais morto na medida em que nunca teve o menor início de realização. O mesmo acontece com o eixo Paris-Berlim-Moscou, com o qual alguns de nós também sonhamos. A principal consequência da guerra que está ocorrendo atualmente é a recriação da Cortina de Ferro, com a diferença de ser uma Cortina de Ferro erguida nas fronteiras da Rússia pelo Ocidente, na esperança de amordaçar um concorrente considerado perigoso, e não uma Cortina de Ferro erguida pelos soviéticos para impedir que as pessoas vão a outros lugares. O dilúvio de propaganda russofóbica a que estamos assistindo atualmente é significativo a este respeito. O grande continente eurasiático está novamente dividido em dois – o que serve apenas para esclarecer as questões.

O que é importante perceber, até que uma análise mais completa possa ser feita, é que a guerra entre a Ucrânia e a Rússia não é apenas, ou mesmo principalmente, uma guerra entre dois países. Também não é um choque entre o nacionalismo ucraniano e o nacionalismo russo, como muitos gostariam de nos fazer crer. É, antes de tudo, uma guerra entre a lógica do Império e a do Estado-nação. É então, mais globalmente, uma guerra entre o Ocidente e o Oriente, entre o mundo liberal e o mundo dos “espaços civilizacionais”, entre a Terra e o Mar. Em outras palavras, uma guerra pelo poder mundial.

Fonte: Breizh.info

Imagem padrão
Alain de Benoist

Escritor, jornalista, ensaísta e filósofo, um dos autores chave da Quarta Teoria Política, é autor de numerosas obras sobre uma vasta gama de temas, incluindo arqueologia, tradições populares e história da religião.

Artigos: 120

Deixar uma resposta