O Caso McKinsey: Um Escândalo Previsível

Independentemente do resultado das eleições presidenciais francesas que se aproximam, o governo Macron ficará marcado como uma espécie de gestão privatista da coisa pública. O escândalo McKinsey, estourando nas vésperas das eleições, é emblemático: Macron vinha contratando a empresa de consultoria para funções que deveriam ser exercidas por servidores públicos. E, para piorar, a consultoria ainda sonegava impostos.

Enquanto alguns começam a falar de um “escândalo de Estado” ou de um “caso McKinsey”, a onipresença de empresas de consultoria na governança macronista levanta questões legítimas. Através de um sistema de otimização fiscal, o Senado observa, após uma comissão de inquérito, que McKinsey não pagou nenhum imposto na França durante os últimos dez anos. Mais seriamente, o relatório do Senado revela que, no quinquênio Macron, os gastos com empresas de consultoria dobraram. Eles estão presentes em todas as nossas políticas públicas, incluindo as mais sensíveis (defesa, saúde, educação), tanto que o governo parece ter estabelecido uma verdadeira “consultocracia”. Mas este conluio público-privado não levanta a questão do nosso sistema político? Esta crença absoluta no setor privado não é a marca de uma ideologia mais profunda?

A primeira coisa que me vem à mente é que o Estado poderia assumir estas tarefas. O que está em jogo neste escândalo é o confronto de baixo nível entre funcionários públicos e empresas de consultoria. Isto é tanto mais alarmante quanto o governo parece, depois de muitos exemplos, concordar em favorecer a opinião do setor privado contra o setor público. O credo “o privado sempre será melhor” parece ter tomado forma nos níveis mais altos do governo. Mas isso deveria nos surpreender? Não tenho tanta certeza.

A ausência de um Estado real

Dos gregos a Hobbes e Bodin, o pensamento do Estado esteve por muito tempo no centro da mente política europeia. Após seu aparecimento na Renascença e sua absolutização no século XVII, a influência do liberalismo parece ter levado à sua neutralização. Sua transformação atual tenderia para o “Estado Total”, segundo Carl Schmitt, o grande teórico político. Total no sentido de um hiperestatismo que o levaria a intervir em todas as áreas de nossa vida social. A identificação entre Estado e sociedade não está longe; e isto constituiria, de forma paradoxal, seu enfraquecimento e sua incapacidade de permanecer uma instituição puramente política.

Uma seção inteira de críticos do Estado está enganada quando vêem os pensadores estatistas como apologistas bem-aventurados do Estado. Estes pensadores estatistas, ao contrário, são opositores do pensamento de “cada vez mais Estado”, e preferem ser defensores de um “Estado politicamente forte” que não “dispersaria seu crédito em atividades não políticas”, segundo Julien Freund, um discípulo de Carl Schmitt. Sua fusão-confusão com a sociedade o impediria de desempenhar plenamente seu papel e o reduziria a utilizar suas competências em áreas que não pode assumir. Freund acrescenta que isto seria parte de um desejo de “minar a autoridade do Estado a partir de baixo, mesmo que ele pareça ser onipotente”.

Walther Rathenau, um ministro da República de Weimar, disse que nosso destino não está mais na política, mas na economia. Ele não foi o primeiro nem o último a dizer isto. De fato, a doutrina liberal do Estado reforçou este postulado, fazendo com que os determinantes econômicos predominassem na resolução de questões políticas. Este é precisamente o argumento apresentado pelas consultorias. Apresentando-se como “neutros”, oferecendo respostas desprovidas de ideologia, defendem uma despolitização das questões políticas e glorificam a farsa da neutralidade axiológica das respostas econômicas.

Empresas de consultoria contra o povo

Desde as guerras religiosas do século XVI, a tríade povo-Estado-espaço não tem permitido a mínima interferência. O poder é direto entre o povo e o Estado, embora eles permaneçam distintos. Mas o liberalismo, ao fundar o Estado e a sociedade, rompeu esta separação e trouxe de volta a doutrina da potestas indirecta, o poder indireto, neste caso o respeito pela lei, desafiando esta unidade. Como não atua diretamente através do comando, a influência desta doutrina na política fez de seus adeptos os verdadeiros “mestres”, independentemente de serem eleitos ou não.

O que é o liberalismo aqui? É a proliferação desses poderes indiretos que distorce a imagem da política e destrói sua imagem de autoridade. Estes poderes indiretos mergulham um povo na inexistência política. Eles são o sinal de que um povo não tem mais “a força ou a vontade de se manter na esfera do político”, como Schmitt diz. Agindo em nome da legalidade – e não mais em nome da soberania – o Estado perde sua legitimidade e seu direito de exigir um dever de obediência ao povo.

Soberania é um conceito chave do Estado moderno e é inseparável do pensamento do Estado. Schmitt diz: “Soberano é aquele que decide em estado de exceção”. O fato de o governo ter delegado seu poder de decisão a poderes indiretos em situações de crise reflete apenas a recusa do Estado em cumprir seus deveres políticos. Hostil à noção de soberania, nação e não ingerência nos assuntos do Estado, a doutrina liberal promove este imperialismo do direito (Kelsen) e da economia por organizações privadas.

Por esta razão, as democracias liberais são incapazes de responder a situações excepcionais, e a exceção que deveria ser apenas um distúrbio se torna um estado de coisas. Assim, não é mais o Estado que é soberano, mas a entidade (jurídica, econômica, etc.) que dita sua decisão. Enquanto o Estado se recusar a tomar uma decisão por si mesmo, aceitará que outras forças o façam em seu lugar e o submetam às suas normas.

O resultado da privatização ilimitada

O fato determinante da sociedade moderna foi, portanto, a diferenciação entre as prerrogativas públicas e as iniciativas privadas. Esta separação foi tão constitutiva da modernidade que os juristas falaram de summa divisio. Guillaume Travers chama isso de fissura, e nos lembra que essa separação – tipicamente moderna, como já dissemos – vira resolutamente as costas à velha ordem mundial, que era uma ordem comunitária orientada pela busca do bem comum. Esta fissura (público-privado) não só desrespeita o bem comum, mas também resulta na apropriação do bem público por um punhado de pessoas agindo unicamente por interesses privados.

Entretanto, é uma característica das sociedades líquidas em que vivemos que a distinção entre o público e o privado se torna cada vez mais difusa. Este é o preço de uma economia aberta e globalizada onde o “devir privado” do mundo está em um caminho perigoso para as pessoas. Neste contexto, estas empresas são a vanguarda de uma espécie de governo mundial que aplica uma única ideologia, ou seja, o economismo. Com base na abstração generalizada e indiferença por seus clientes, estas firmas, com sua clientela global, destilam os mesmos conselhos independentemente do Estado a que se dirigem.

A infraestrutura, a lei, as forças da ordem e o governo permanecem em vigor, mas apenas para garantir a circulação de fluxos, trocas, contratos e a segurança do comércio. As estruturas privadas então assumem o controle político, mas também as áreas que o Estado continua a “controlar” – a teoria do Estado total – enquanto delega estas tarefas de serviço público às empresas. Esta convulsão de cima (decisão política) e de baixo (serviços prestados pelo setor privado) leva Guillaume Travers a dizer que estamos diante de um autêntico “governo de intermediários”.

A lógica da governança

Uma gestão público-privada dos assuntos políticos parece, portanto, abarcar a governança Macron. Para entender o macronismo, precisamos entender o que é governança. É um modo de administrar assuntos complexos em que os principais atores (públicos e privados) operam no mesmo plano – horizontalmente, se não igualmente. Isso também implica que os assuntos públicos requerem tratamento semelhante aos assuntos privados.

Abolindo a distinção entre público e privado, o Estado deveria ser apenas um regulador. Isto se justifica pela crença liberal em um fenômeno semelhante ao mercado de mecanismos de autorregulação. Deve-se lembrar também que os atores dos mecanismos de governança são recrutados principalmente por cooptação e proximidade ideológica. Quando vemos a camaradagem dos funcionários públicos e daqueles próximos ao partido do governo com os gabinetes, isto nos parece ser verdade mais uma vez.

Um ponto importante: o processo decisório de governança é sempre revogável e provisório. As decisões não são mais produto de debate ou deliberação, mas de negociação entre ‘iguais’ – que é o que o cliente e o prestador de serviços são. A governança está se aproximando da tradição jurisprudencial exemplificada pela common law. Esta última abandona as leis votadas a favor das normas negociadas. Esta “democracia setorial” promove uma lógica de cooptação que é perfeitamente adequada para “cortar” o bem comum em setores, clientes e mercados, cada um governado por seus próprios interesses.

Como um produto do neo-institucionalismo, as relações sociais e políticas entre o Estado e os cidadãos devem ser interpretadas em termos estritamente econômicos. A privatização dos serviços públicos deve levar a uma completa liberalização das atividades de produção e intercâmbio, a fim de instalar a economia de mercado. Os gabinetes, ao aplicar esta doutrina de consulta e decisão pós-jurídica concertada, são meramente os agentes privados desta governança econômica global. Quando as principais instituições (FMI, Banco Mundial, OMC) são responsáveis pela construção das normas negociadas em escala global.

O primado da norma negociada sobre a lei votada democraticamente confirma a superioridade do poder dos juízes (que substituem o poder do legislador). Este reposicionamento horizontal, a predominância da economia e a concertação entre atores públicos e privados atestam o perigo que a governança macronista representa para a França. Pois o que estamos testemunhando é a substituição da democracia por uma plutocracia. Cabe a nós reagir o mais rápido possível.

Fonte: Éléments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *