Guerra contra a Sérvia: Laboratório de todas as Intervenções “Humanitárias”

A guerra contra a Iugoslávia em geral e contra a Sérvia em particular nos anos 90 adquire uma nova luz, após as de ontem contra a Líbia e a Síria. Hoje vemos as mesmas forças se intensificando entre a Rússia e a Ucrânia. O mesmo modus operandi usado nos Bálcãs está em ação. A intensa desinformação atual, facilitada pela complexidade histórica da área e pela convulsão do período pós-soviético, é inteiramente parte desta estratégia de desumanização do inimigo já em ação contra a Sérvia.

A guerra contra a Sérvia foi uma boa operação para os EUA. Permitiu à OTAN expandir-se para as antigas democracias populares, os Estados bálticos e duas repúblicas da antiga Iugoslávia. Também permitiu à potência global estabelecer uma confusão nas mentes e práticas entre União Europeia e OTAN, a primeira não mais se distinguindo da segunda, deixando os Estados Unidos no controle do apêndice da Europa Ocidental do grande continente eurasiático e o único com direito a decidir e comandar.

A partir de 1991, a “guerra iugoslava por nada” consistiu em montar cruelmente dois campos, os bons e os maus: De um lado o líder croata Franjo Tudjman, o bósnio (muçulmano) Alija Izetbegovic, depois o albanês Ibrahim Rugova e seus grupos separatistas (os bons, as vítimas), do outro Slobodan Milosevic, o Exército Nacional Iugoslavo (ENI), as milícias sérvias, Radovan Karadzic e Ratko Mladic, o Exército Sérvio Bósnio e os Estados da Sérvia e da República Sérvia (os bandidos, os carrascos). Ao longo desta guerra, que não terminou com a queda de Slobodan Milosevic em outubro de 2000, já que seus efeitos ainda se fazem sentir em Cosovo, a propaganda americano-ocidental tem operado neste modo sumário, em grande parte alimentada e orquestrada por empresas de relações públicas[1], organizações não-governamentais, imprensa industrial e agentes de influência da Vertigem americana. O mesmo pode ser encontrado na Líbia e na Síria.

Em 1991, a Iugoslávia, com um movimento separatista na Croácia, ainda não foi desmantelada. A batalha de Vukovar, que colocou as forças iugoslavas contra os separatistas croatas, terminou com a derrota destes últimos em 18 de novembro de 1991. Desde o início da guerra, o uso de companhias militares privadas (CMPs)[2] pelas forças separatistas em Krajina foi observado. Em 1992, oficiais aposentados do exército americano e do serviço secreto operando dentro da empresa Military Professional Resources Inc (MPRI) foram enviados à Croácia para supervisionar o exército croata embrionário composto de partes étnicas do Exército Nacional Iugoslavo. A MPRI ensinou seus protegidos a aplicar os parâmetros da moderna guerra C3ISR (Command, Control, Communications, Intelligence, Surveillance and Reconnaissance)[Comando, Controle, Comunicações, Inteligência, Vigilância e Reconhecimento] enquanto dirigia as operações. Foi a MPRI quem liderou a blitzkrieg contra Krajina de Knin de 4 a 7 de agosto de 1995, a Operação Oluja (Tempestade), que se seguiu à Operação Bljesak (Relâmpago) em maio na Eslavônia Ocidental. Já em 1992, a CIA havia estabelecido um posto de vigilância eletrônica no Mar Adriático, na ilha de Krk[3].

Em 1990, um relatório da CIA previu o desmembramento da Iugoslávia a curto prazo. Com o Muro de Berlim derrubado e a fase soviética da guerra afegã terminada, os americanos e seus aliados estão agora visando o espaço iugoslavo. Por várias razões.

A Anglosfera pretende aproveitar o recuo soviético da Europa Oriental para estender sua influência lá. Exportar a democracia e os direitos humanos, introduzir seu sistema econômico de “livre-mercado”, instalar suas bases militares. Patrocinar novos Estados. Isto é o que os Estados Unidos chamam de “construção de nação”. A Iugoslávia não fazia parte do bloco oriental sob o domínio soviético. Sua experiência política e social de autogestão, sua doutrina de não alinhamento, a ideia de uma terceira via entre Oriente e Ocidente são ainda mais perigosas. A Iugoslávia tornou-se um Estado a ser destruído.

Slobodan Milosevic chegou ao poder na Sérvia em 1989. Em 1986, foi revelado um estudo da Academia Sérvia de Ciências e Artes, que auditou a condição dos sérvios na Federação Iugoslava. O texto de 60 páginas analisava a crise econômica e política e avaliava suas consequências. Em sua segunda parte, o estudo levantou o problema da difícil situação dos sérvios no Cosovo. Nada mais. Assim que surgiram as hostilidades, o Memorando foi denunciado na imprensa ocidental como um “manifesto do nacionalismo grão-sérvio de Slobodan Milosevic” para a “conquista da Iugoslávia”. A ênfase no Memorando e sua interpretação fantasiosa permitiram esconder outro texto, que era um verdadeiro manifesto, a Declaração Islâmica de Alija Izetbegović[4]. Um homem dos americanos, Izetbegović, que viria a ser o primeiro presidente da Bósnia muçulmana, é o único líder iugoslavo que nunca pertenceu à Liga dos Comunistas. Próximo da Irmandade Muçulmana, sua orientação “pan-islâmica” fez dele um recruta escolhido pelos americanos, que, com os britânicos, capturaram e promoveram o “renascimento islâmico”, engajando-se em intensa infiltração e manipulação: Da Ásia Central aos Bálcãs, passando pelo Cáucaso, Norte da África e Oriente Médio, os serviços secretos anglo-americanos ajudaram, equiparam e às vezes fabricaram os grupos do movimento islâmico que foram colocados em órbita em seu benefício ou denunciados como terroristas, dependendo do propósito, do lugar e do período. É assim que os “combatentes da liberdade” afegãos, auxiliados pelos serviços secretos sauditas e paquistaneses, que serviram contra os soviéticos, também servirão na Bósnia e Kosovo[5], como servirão em outros teatros de operação no Cáucaso (Chechênia, Daguestão), no Iraque, na Líbia e hoje na Síria. Este trabalho de manipulação dos islamistas, sejam eles da Al Qaeda ou da Irmandade Muçulmana, pode ser seguido na série de crises e guerras que afetaram ou estão afetando os pontos quentes das notícias. Vimos o uso da Al Qaeda e da Irmandade Muçulmana no que tem sido chamado de “Primavera Árabe”. Não há mais primaveras árabes do que “revoluções coloridas”. Na diversidade de lugares e casos, esses nomes cobrem apenas golpes de força destinados a mudar regimes (“regime change”), impor interesses ocidentais e assegurar o controle anglo-americano sobre os países-alvo.

Como herdeiro regional do sistema de Tito nos primeiros anos da guerra (1992) e das primeiras secessões eslovena e croata, Milosevic não era mais comunista do que nacionalista, e seu rótulo de “nacional-comunista” era mais uma questão de autoengano ou ilusão do que de ciência política. Simplesmente atacando a Iugoslávia e a Sérvia, seus inimigos tiveram que fazer dele um nacionalista por padrão. Antes de 1990, os americanos não tinham nada contra este antigo banqueiro. Eles até se ofereceram para ajudá-lo a se tornar um novo Tito em troca de uma grande concessão: abrir a Federação Iugoslava ao livre comércio. Uma das razões ocultas para a guerra da Iugoslávia foi a recusa de Slobodan Milosevic em aceitar esta oferta. A partir de então, os americanos e seus aliados, em particular a Alemanha atlantista de Helmut Kohl, ativaram os círculos separatistas das diásporas das repúblicas iugoslavas nos diferentes países. Esta foi a época em que, após sua reunificação, os alemães se viram como os senhores da “Mitteleuropa” (Europa Central) e dos Bálcãs mais uma vez e organizaram, juntamente com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), a transferência dos estoques de armas da antiga República Democrática Alemã (RDA) para a Iugoslávia. Essas armas e os muitos estoques existentes nas diversas repúblicas explicam a duração e a intensidade do conflito. Eles tornarão ineficaz o embargo às armas dos beligerantes, um embargo que também é violado pelos lados croata e bósnio. Se a enquadrarmos entre os primeiros tiros disparados na Eslovênia em 1991 e a queda de Slobodan Milosevic em outubro de 2000, a guerra da Iugoslávia durou 10 anos. Na realidade, a guerra iugoslava, que se tornou a guerra contra a Sérvia, ainda está em curso…

Uma encruzilhada entre o Leste e o Oeste, o Mar Adriático e o Mar Negro, o mundo eslavo e mediterrâneo, a área cristã ortodoxa, católica e muçulmana, herdeira do Movimento dos Não Alinhados lançado após a Conferência de Bandung (1955) por Josip Broz Tito, Gamal Abdel Nasser e o príncipe Norodom Sihanouk, com um sistema de autogestão que foi tomado como modelo por parte da esquerda internacional, a Iugoslávia de Tito tinha forjado laços com os muitos países que desejavam manter uma distância igual entre Washington e Moscou. Ao abrir o caminho para um novo Drang Nach Osten, desta vez a reunificação americana, alemã e o desaparecimento do bloco soviético permitiriam o desmembramento da Iugoslávia.

Para a OTAN, a guerra iugoslava tornou-se uma oportunidade. Ansiosa para expandir-se para o leste no espaço deixado vago pela União Soviética e pelo Pacto de Varsóvia, agora sem um inimigo designado, a OTAN precisava de um novo pretexto e de um novo inimigo para continuar a existir e expandir-se em direção à Eurásia. Naquela época, o tema da “guerra ao terror” ainda não havia nascido, só veria a luz do dia depois de 11 de setembro de 2001; este pretexto seria a guerra da Iugoslávia sob o nome de “direito de intervenção”, que havia se tornado o “dever de intervenção” com Bernard Kouchner, o futuro administrador do Cosovo, ligado a George Soros por sua esposa Christine Ockrent[6].

Na Iugoslávia o “sem fronteiras” multiplicou as fronteiras

A propaganda americano-ocidental retratava os sérvios como os agressores de outros povos na Iugoslávia. Ela obscurecia completamente uma realidade que escapou a muitos: que os sérvios não eram apenas o elemento predominante da Federação, mas tinham povoado seu espaço por séculos, muito antes da criação da primeira Iugoslávia em 1918. Presentes em Krajina desde o século XVI, os sérvios receberam de Viena a missão militar de guardar a fronteira do Império Austro-Húngaro contra o Império Otomano[7].

Na Iugoslávia, que abrange as repúblicas da Sérvia, Bósnia e Croácia, o elemento sérvio e montenegrino, ou seja, os eslavos ortodoxos escrevendo em cirílico, constituía mais da metade de uma população estimada em 1991 em 24 milhões. O entrelaçamento das populações na Croácia (Krajina) e na Bósnia-Herzegóvina permitiu ao Ocidente empurrar seus peões e iniciar a guerra necessária para que a OTAN justificasse sua existência e facilitasse sua expansão. Ataques oportunos em Saraievo[8] e massacres encenados na mídia marcaram as diferentes etapas da guerra e favoreceram os planos do Pacto Atlantista. Aproveitando a fraqueza da Rússia, uma amiga dos sérvios desestabilizada pela desordem pós-soviética e pela pilhagem dos oligarcas, a OTAN celebrou seu 50º aniversário durante o bombardeio da República Federativa da Iugoslávia (RFI, Sérvia e Montenegro) após o desmembramento da Federação, sem suscitar nenhuma reação concreta do lado russo.

Ao mesmo tempo que na Krajina, a guerra estava sendo travada na Bósnia-Herzegóvina, onde os ocidentais apoiavam o chamado campo “muçulmano bósnio”. Hostis à independência da Bósnia e a favor da manutenção da Iugoslávia, os sérvios declararam sua independência em 9 de janeiro de 1992 no território que controlavam. A intensa propaganda veiculada no mundo ocidental e árabe-muçulmano os demonizou e os apresentou como os agressores. Depois de muitos altos e baixos, isto permitiu o envio de forças de paz da ONU e a introdução de forças especiais americano-ocidentais. Estes últimos realizam trabalhos de inteligência, apoio e sabotagem. Os incidentes com os sérvios serviram de pretexto para Jacques Chirac enviar a Força de Reação Rápida, a primeira intervenção aberta de um país ligado à OTAN antes do bombardeio da República Sérvia).

Bósnia e Herzegovina (este é seu verdadeiro nome e não “Bósnia-Herzegovina” como está escrito) era uma verdadeira pele de leopardo onde as populações se misturavam. Com o apoio da República Sérvia, os sérvios bósnios asseguraram a homogeneização militar do território, confinando os bósnios muçulmanos à parte central. Ao contrário do que se poderia ter ouvido, a batalha por Saraievo (400.000 habitantes) não consistiu em cercar os muçulmanos, mas em tentar preservar os sérvios que constituíam um terço da população. Os primeiros franco-atiradores eram muçulmanos bósnios e o aparecimento de franco-atiradores sérvios foi uma resposta. Da mesma forma, as primeiras emboscadas sangrentas contra jovens recrutas do Exército Nacional Iugoslavo foram realizadas pelos homens de Alija Izetbegovic. A área muçulmana estende-se desde as proximidades de Mostar até as cidades de Tusla e Zenica. Bihac se tornará a ponta muçulmana no oeste. Os croatas, que estarão associados aos muçulmanos na Federação Croata-Muçulmana, são poucos em número (18%) e controlam apenas os bolsões a oeste de Saraievo, no norte e no sul (parte da Herzegovina e as fronteiras da Dalmácia). Os enclaves muçulmanos permanecem no leste. Goradze, que abrigava uma fábrica de armamento, objeto de amargas batalhas ao sudeste de Saraievo, foi mantida na zona muçulmana graças ao apoio da SAS britânica. Mais ao norte, o enclave de Zepa foi conquistado pelos sérvios ao mesmo tempo em que sua vizinha Srebrenica. A propaganda de guerra era para fazer de Srebrenica uma espécie de nova Guernica. Depois de tomar este enclave de 30.000 habitantes, os soldados do Exército da República Sérvia teriam se envolvido em um “massacre”. 8.000 habitantes do enclave foram alegadamente passados na espada. Esta apresentação não é corroborada pelos fatos, pois o único vídeo mostrado consistiu em um acerto de contas envolvendo seis pessoas que ocorreu a 150 quilômetros de distância, em Trnovo. Sob a proteção da ONU, Srebrenica era uma base mujahideen fornecida com armas por conexões turcas. Quando as autoridades civis da cidade decidiram se render, milhares de mujahideen armados tentaram romper as linhas sérvias e escapar para as linhas bósnias a 50 quilômetros de distância. Durante este movimento, vários deles foram mortos. Os sérvios publicaram os nomes de suas próprias vítimas locais, que totalizavam mais de 3.000 pessoas. O “massacre de Srebrenica” é uma operação de guerra psicológica e midiática que obscurece as mortes de habitantes sérvios e aldeões dentro e ao redor do enclave por Nacer Oric, o comandante militar muçulmano local. Foi para permitir o bombardeio dos sérvios bósnios pela OTAN e a “Conferência de Paz de Dayton”.

Em 14 de dezembro de 1995, os Acordos de Dayton (rubricados em novembro em Paris) reuniram as partes em conflito e estabeleceram, com a participação de Slobodan Milosevic, a divisão interna da Bósnia e Herzegovina, criando dois setores, a Federação Croata-Muçulmana e a República Sérvia. Os muçulmanos puseram suas mãos em Saraievo, na abertura do Gorazde e na parte central da Bósnia. Os sérvios obtiveram metade da antiga república em uma divisão que era, no mínimo, problemática. O corredor Posavina (Brcko), um gargalo entre a Bósnia muçulmana e a Eslavônia croata que quase cortava a República Sérvia em duas, foi mantido. O desaparecimento dos enclaves de Srebrenica e Zepa foi endossado. Os sérvios mudaram sua capital de Pale, uma pequena cidade de montanha perto de Saraievo, para Banja Luka, a segunda maior cidade da Bósnia (200.000 habitantes). O Acordo de Dayton também marcou o afastamento político de Radovan Karadzic, o líder sérvio bósnio, através da conivência de Milosevic e dos interesses ocidentais. Colocado na lista de “criminosos de guerra” em Haia, a dedicação e popularidade de Radovan Karadzic ofuscava um presidente sérvio considerado pelo Ocidente como o guardião da República Sérvia. Este conluio não mudou o destino de Milosevic que mais tarde foi preso, sequestrado e deportado para a prisão holandesa de Scheveningen, onde morreu durante seu julgamento. Sabemos que Radovan Karadzic e o General Ratko Mladic também seriam presos em Haia para serem submetidos, como Vojislav Seselj e alguns outros líderes sérvios, ao julgamento ritual do Sinédrio da “comunidade internacional”.

A ‘guerra do Cosovo’ – o último episódio da guerra contra a Sérvia

Em comparação com o desprendimento da Eslovênia, Croácia e Bósnia, o caso Cossovo chegou muito tarde no processo de desmantelamento da Iugoslávia, o que tende a provar que a condução deste processo correspondeu a um plano passo a passo cuidadosamente elaborado. A agitação na região autônoma[9] se intensificaria em 1998 depois que o Ministro das Relações Exteriores alemão Klaus Kinkel declarou peremptoriamente que “Cosovo não permaneceria um assunto interno sérvio”. A partir de então, o grupo que surgiu como o Exército de Libertação do Cosovo[10], que desenvolveu suas atividades de assassinato e sabotagem com o apoio externo de mentores croatas e muçulmanos bósnios, passou a ter um papel mais importante ao recrutar centenas de homens armados da diáspora albanesa e fazer da Albânia sua base traseira. Na imprensa ocidental, as operações das agências de aplicação da lei iugoslava são apresentadas como repressão a um povo privado de liberdade. Isto é fácil porque já conhecemos a canção e as palavras que foram usadas para denegrir os sérvios na Croácia e na Bósnia.

Após um hiato devido a sua participação no Acordo de Dayton, Milosevic é mais uma vez o “açougueiro dos Bálcãs” e as organizações de direitos humanos e empresas de relações públicas estão novamente em ação. Fazendo a pergunta “Você aceita a participação de representantes estrangeiros na resolução do problema do Cosovo?” o referendo sérvio de 23 de abril de 1998 foi descrito como uma “tática dilatória” pelo Secretário-Geral da OTAN, Javier Solana, e foi denunciado pelos países ocidentais. A opinião dos sérvios, que votaram esmagadoramente contra a interferência estrangeira nos assuntos de seu próprio país, não contou. A Sérvia não tem direitos em casa e o estrangeiro deve ditar a ela.

A imprensa ocidental evita a perspectiva histórica e apresenta a situação em Cosovo como a única consequência da política “nacionalista” de Slobodan Milsosevic e da repressão sérvia. Nada ou muito pouco é dito sobre o papel dos albaneses durante o regime otomano, nada sobre o êxodo sérvio para fugir da perseguição turco-albanesa sob esse regime e mais tarde durante a criação da Grande Albânia pelas forças do Eixo. Não há nenhuma referência à Liga de Prizren ou ao nacionalismo albanês mesmo antes do aparecimento de um estado albanês[11] nas margens do Canal de Otranto. Também não há nenhuma menção ao fato de que uma Lei do Congresso (“Uma Lei para a Paz e Democracia em Kosovo”) deu apoio aos separatistas albaneses logo no início da guerra da Iugoslávia. Veiculados pelas ONGs e empresas de relações públicas americanas usuais,[12] relatórios tendenciosos apresentando sistematicamente os sérvios como opressores da minoria albanesa serviram de pretexto para a condenação da Sérvia pela “comunidade internacional” e o mecanismo já em vigor na Bósnia foi posto em marcha. Aqui, não foram os Capacetes Azuis das Nações Unidas, mas os observadores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) que Milosevic cometeu o erro de aceitar na província conturbada e foram, é claro, os americanos que assumiram o comando.

Sabemos o que aconteceu em seguida. A deslegitimação da presença das forças de segurança sérvias na província, o anúncio pelos americanos de que uma “catástrofe humanitária” era iminente, a apresentação das operações policiais e do exército como “limpeza étnica” e depois o clímax de qualquer “guerra humanitária”, a revelação do “massacre de Racak”. Em Racak, uma pequena aldeia em Kosovo, 45 corpos foram apresentados à imprensa internacional pelo chefe do OSCE, o americano William Walker, como de aldeões mortos pelos sérvios. Uma perícia realizada por uma equipe de médicos forenses liderada pela finlandesa Hélène Ranta atestará que a cena foi orquestrada (segundo a perícia, corpos de combatentes mortos do Exército de Libertação do Cosovo teriam sido vestidos com roupas de aldeões), entretanto, a emoção provocada pela cobertura da mídia do “massacre” permitiu à OTAN lançar quase três meses de bombardeio intenso contra a Sérvia e Montenegro em 24 de março de 1999 e entrar no Cosovo no dia seguinte aos “Acordos de Kumanovo” (9 de junho).

Estes acordos técnicos não eram uma capitulação do lado sérvio. A retirada das forças sérvias e a entrada das forças das Nações Unidas foram acordadas nesta cidade macedônia, com “uma parte substancial indo para a OTAN” (…). Em 10 de junho de 1999, o Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou a “resolução 1244” que “apela às presenças militares e civis internacionais para manter a lei e a ordem, promover os direitos humanos e facilitar a reconstrução da infraestrutura essencial e a recuperação da economia”.

Já posicionada na Macedônia, a OTAN, que será conhecida como Força de Cosovo (KFOR), está entrando em Cosovo seguindo o general britânico Michael Jackson e a província está dividida em cinco zonas de ocupação atribuídas a cinco países membros da OTAN, França, Alemanha, Itália, Reino Unido e Estados Unidos. Um contingente russo fará seu caminho sem ser convidado, mas não ficará.

A saída ordeira das tropas sérvias e a entrada da OTAN deixaram os terroristas albaneses à solta e levaram ao êxodo de 220.000 sérvios e muitas minorias não albanesas. Os que ficaram (cerca de 160.000) foram submetidos à violência e assassinatos na presença da OTAN, que havia acabado de fazer guerra contra eles. O número dado para as vítimas albanesas do conflito estava errado. Como era o caso da população albanesa, que também estava inflada na época para fins de propaganda separatista[13].

A Resolução 1244 seria violada em três pontos. A presença de uma força de segurança sérvia foi recusada. O retorno dos refugiados (Povratak) não ocorreu (ou se deu uma taxa muito baixa). Nada será feito para encorajá-lo. A resolução também prevê que a província permaneça dentro da estrutura sérvia, em troca de uma autonomia substancial. Ao endossar a proclamação unilateral da independência pela minoria albanesa em fevereiro de 2008, a “comunidade internacional” está claramente violando o conteúdo desta resolução.

Como o berço histórico da Sérvia e seu coração espiritual, o Cosovo ocupado ainda está no centro das preocupações sérvias e, aconteça o que acontecer, isso não terminará logo. Com exceção de indivíduos e grupos marginais, poucos políticos em Belgrado questionariam a “serviedade” da província. Os pogroms sérvios de março de 2004 mostraram os limites da “Força de Proteção do Cosovo” (OTAN) que afirmava estar lá para garantir a paz. As preocupações dos americanos são diferentes. Desde o início da ocupação, a Halliburton montou a grande base militar do Camp Bondsteel para o Exército dos EUA, perto da fronteira com a Macedônia.

Pura teoria, sob a tutela dos americanos, a administração de Pristina não tem outra razão de ser que o tráfico e os crimes da máfia albanesa, cujas duas principais especialidades são o tráfico de drogas (heroína) e a prostituição. A União Europeia se encarregou de fornecer instituições a esta entidade virtual e ajudá-la a estender sua jurisdição sobre a parte norte da província, que ainda é predominantemente povoada por sérvios. Isto explica a revolta sérvia com barricadas barricadas erguidas durante o ano passado tanto contra a KFOR (OTAN) quanto contra a Eulex (UE). Os quatro distritos do norte do rio Ibar, Leposavic, Zvecan, Zubin Potok e Mitrovica do Norte, formaram assim uma comunidade de interesse e defesa civil que se opõe ao traçado de uma fronteira no mesmo país e torna os dois postos de linha de demarcação defendidos pela OTAN (Jarinje e Brnjak) uma questão e um desafio permanentes.

Notas

[1] – Na Iugoslávia, a empresa de relações públicas Ruder FinnInc desempenhou o mesmo papel que Hill & Knowlton na guerra contra o Iraque. Encarregada de difundir informações favoráveis à intervenção militar EUA-ocidental e de denegrir Saddam Hussein, a empresa não apenas divulgou notícias, mas também as fabricou.
[2] – Uma especialidade dos anglo-saxões e o novo nome dado aos mercenários. Criadas no âmbito da privatização da guerra, estas empresas operam onde os exércitos convencionais não podem intervir abertamente ou como um complemento, como vimos no Iraque e no Afeganistão.
[3] – Sobre a gênese da guerra e a discrepância entre as declarações oficiais dos Estados Unidos e a realidade, pode-se consultar um documento que fala por si: Iugoslávia, uma guerra evitável: http://www.dailymotion.com/video/x6qd1q_1-3-yougoslavie-une-guerre-evitable_news
[4] – O autor da Declaração Islâmica, Alija Izetbegovic, foi descrito como um pan-islamista: “Queremos a realização do Islã em todas as áreas da vida privada dos indivíduos, na família e na sociedade, através do renascimento do pensamento religioso islâmico e da criação de uma única comunidade islâmica, do Marrocos à Indonésia”. Publicado em 1990, este manifesto conquistou o apoio de países muçulmanos tão diversos quanto Marrocos, Paquistão, Malásia, Emirados e Arábia Saudita, mas não do Iraque, Líbia e Síria, que mantinham boas relações com a Iugoslávia e depois, quando a guerra eclodiu, apoiaram a República Federal da Iugoslávia, Sérvia e Montenegro.
[5] – A presença desses mujahideen foi cuidadosamente ocultada pela imprensa ocidental, que preferiu se concentrar nas milícias sérvias. A partir de 1992, após servir no Afeganistão, milhares de islamistas do movimento Al Qaeda foram trazidos à Bósnia por forças especiais britânicas e americanas para se tornarem a ponta de lança do exército muçulmano de Izetbegović. Esta operação foi realizada com a ajuda do exército turco. Presente em Sarajevo, Osama Bin Laden estava até para receber a nacionalidade bósnia da Alija Izetbegović. As entregas de armas aos muçulmanos sob a supervisão da OTAN passaram pelo porto croata de Split, onde os croatas fizeram seu pedágio. Após uma disputa entre croatas e muçulmanos sobre a cobrança desse imposto e uma série de confrontos entre os dois lados, os croatas proibiram as entregas e o exército turco assumiu o controle deixando cair armas no norte da Bósnia, entre Srebrenica e Tuzla.
[6] – O direito ou dever de interferir tornou-se a ideologia do Conselho de Segurança das Nações Unidas sob o controle dos anglo-saxões sob a fórmula manhosa de “responsabilidade de proteger”, o “R2P”. Temos visto seu uso contra a Líbia.
[7] – Sobre o assunto: Histoire de frontières, l’Autriche et l’Empire ottoman, Jean Nouzille, Berg International, Paris 1991.
[8] – Em Saraievo, um ataque em frente a uma padaria na Rua Vasa Miskin em 27 de maio de 1992, 30 mortos, um ataque ao mercado (Markale) em 5 de fevereiro de 1994, 68 mortos, outro ataque quase no mesmo local em 28 de agosto de 1995, 37 mortos. Estas provocações levaram a sanções como o embargo, o reforço do embargo, o bombardeio da República Sérvia.
[9] – A autonomia foi abolida em 1987 por Slobodan Milosevic, cujo discurso Gazimestan de 1989 marcou os espíritos por sua determinação em defender os sérvios. A antiga Iugoslávia compreendia apenas duas regiões autônomas, Cosovo e Voivodina. Deve-se notar que Cosovo nem sempre teve as mesmas linhas administrativas. Após a Segunda Guerra Mundial, os distritos do norte (Leposavic e Zvecan) pertencentes à Sérvia propriamente dita foram anexados à região autônoma. Por outro lado, a região de Pec em Metoquia já havia pertencido a Montenegro.
[10] – O Exército de Libertação do Cosovo, [Ushtria Çlirimtare e Kosovës, Uçk], tornou sua existência conhecida em 1996. Sua ação é dirigida contra os representantes do Estado Iugoslavo, bem como contra os albaneses da província que vivem em harmonia com os sérvios. Ibrahim Rugova, durante muito tempo apresentado como símbolo da “resistência albanesa” com sua Liga Democrática do Cosovo, expressou dúvidas sobre a origem do grupo e denunciou-o como um produto dos serviços secretos sérvios. Considerado como um grupo terrorista pelos países ocidentais, o ELC será reconhecido como um interlocutor válido após a reversão de sua posição pelos Estados Unidos. Os bandidos se tornaram “combatentes da liberdade” da noite para o dia.
[11] – O Estado albanês foi fundado em 1912 com a ideia de possibilitar uma “aliança inversa” contra a Sérvia. Em uma linha semelhante e ainda em relação aos sérvios, um deles, Gavrilo Prinzip, é culpado pela eclosão da Primeira Guerra Mundial. Isto é para reverter a responsabilidade, esquecendo a anexação de Bony e Herzegovina por Viena em 1908 e a repressão dos movimentos de unidade eslavos na região.
[12] – Uma dessas agências deve receber atenção especial, o Grupo Internacional de Crises de Morton Abramowitz. Ex-embaixador dos EUA na Turquia e ex-chefe do serviço de inteligência do Departamento de Estado, Abramowitz é o homem que organizou a entrega de 500 mísseis Stinger aos mujahideen de Gulbuddin Ekmatyar, traficante de drogas e associado de Osama Bin Laden, em meados dos anos 80. Abramowitz e o GIC são encontrados durante todo o conflito iugoslavo no campo anti-sérvio. O indivíduo, cujos colaboradores incluem Christine Ockrent, esposa de Kouchner, até se convidou para as “negociações” de Rambouillet como assessora especial da delegação separatista albanesa. Em Rambouillet, não houve negociações, a não ser um ditado americano. Estes últimos exigiam que os sérvios permitissem a livre passagem das tropas da OTAN através de seu território. A “diplomacia coercitiva” de Madeleine Albright no seu melhor. A recusa levaria aos bombardeios da OTAN (24 de março de 1999) após a encenação de Racak.
[13] – Um censo em abril de 2011 estimou a população de Cosovo em 1.700.000, enquanto os albaneses afirmaram ser “mais de 2 milhões” em 1999. A emigração para os países da UE é insuficiente para justificar esta diferença. A maioria dos albaneses que emigraram para a UE desde a “independência” vêm de países vizinhos (Albânia, Macedônia, Montenegro, etc.). Devido a questões de passaporte e vistos, muito poucos albaneses kosovares emigraram para seus países preferidos, Alemanha, Áustria, Bélgica e Suíça. A demografia da população sérvia e não albanesa em Cosovo foi minimizada pelas mesmas razões: para deslegitimar a presença sérvia em Cosovo e Metoquia.

Yves Bataille

Escritor francês e militante histórico em defesa dos direitos dos sérvios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *