Rússia vs Anti-Rússia: Interesses e Valores

O conflito no qual a Rússia se encontra hoje não é contra a Ucrânia, mas contra o Ocidente que construiu na Ucrânia uma Anti-Rússia pela fusão insólita entre liberalismo globalista e neonazismo russofóbico. Segundo o filósofo Aleksandr Dugin, para responder a essa ameaça a Rússia deve acelerar a multipolarização do mundo, único contexto no qual a Rússia poderia seguir sendo russa.

A escala global do problema ucraniano

O destino da ordem mundial está sendo decidido na Ucrânia. Isto não é um conflito local entre duas potências que não partilham nada entre si. É um divisor de águas fundamental na história.

Há uma prática comum para separar os interesses e os valores. Os interesses estão ligados ao equilíbrio político e geopolítico de poder, os valores com ideais civilizacionais. Não há conflitos militares que não tenham tido ambas as dimensões, a questão do valor e os objetivos pragmáticos. No caso da Ucrânia, ambos – interesses e valores – são de natureza global e afetam diretamente a todos no mundo. Isto não é um incidente local.

A Ucrânia perdeu sua chance de construir um Estado

O que representa a Ucrânia? À primeira vista, é seu Estado-nação com seus interesses (presumidamente) racionais, seus valores e ideais nacionais. A Ucrânia teve sua chance de se tornar um Estado relativamente recente, como resultado do colapso da URSS. Ela não tinha uma história nacional. É por isso que a questão da identidade estava em primeiro plano. Havia dois povos no território da Ucrânia: um ocidental e um oriental. O primeiro se considerava um ethnos independente, enquanto o segundo era parte do grande mundo russo, isolado dele apenas por acaso. A Ucrânia teve a chance de criar um Estado, mas somente se levasse em conta as posições de ambos os povos, ambas partes quase iguais.

E então entrou em jogo um fator externo – a geopolítica, a Grande Guerra dos Continentes. O Ocidente, por sua vez, viu na Ucrânia (quase acidentalmente) independente uma oportunidade de criar uma cabeça de ponte anti-russa neste território, a fim de conter o provável fortalecimento da Rússia depois do choque do colapso da URSS. Era inevitável, e o Ocidente estava se preparando para isso. Portanto, foi o Ocidente que apostou nos habitantes das regiões ocidentais da Ucrânia e sua identidade e começou a apoiá-los de todas as maneiras possíveis em nome de outra metade – pró-russa.

A gênese geopolítica do neonazismo ucraniano

Foi então que surgiu a tarefa de estabelecer uma identidade ucraniana ocidental como uma identidade pan-ucraniana. Para isso, era necessário realizar um genocídio cultural e, se necessário, direto do povo da Ucrânia Oriental. A fim de acelerar a formação da nação ucraniana, que nunca existiu na história, o Ocidente concordou com medidas extremas – para criar artificialmente um simulacro de “Uma Nação” e suprimir os sentimentos pró-russos da Ucrânia Oriental, recorreu ao uso da ideologia nazista. Entretanto, não é a primeira vez – para lutar contra as influências soviéticas no mundo islâmico durante a Guerra Fria (e mais tarde para combater a Rússia) o Ocidente realmente criou, apoiou e bombeou armas e dinheiro no fundamentalismo islâmico (da Al-Qaeda ao ISIS).

O neonazismo na Ucrânia não é apenas partidos e movimentos extremistas individuais, ele é o principal vetor tecnopolítico que, com o apoio do Ocidente, começou a tomar forma no início dos anos 90. Enquanto perseguiam o fascismo em seus próprios países, os liberais ocidentais – e os mais radicais globalistas (Soros, Bernard-Henri Levy, etc.) – confraternizavam abertamente com os neonazistas ucranianos. A nazificação da Ucrânia foi a única maneira do Ocidente criar rapidamente um Anti-Rússia em seu território. Caso contrário, se a democracia, mesmo que relativa, fosse preservada, a voz do Oriente não permitiria construir uma Anti-Rússia (pelo menos na velocidade desejada).

Etapas do neonazismo ucraniano

A tomada do poder por neonazistas pró-ocidentais na Ucrânia ocorreu em etapas. Desde o início dos anos 90, movimentos e partidos nacionalistas e neofascistas começaram a se formar, e a propaganda influenciou os jovens, instilando em suas mentes atitudes russofóbicas. Ao mesmo tempo, a identidade ucraniana se transformou em um Janus bifronte:

  • um sorriso liberal para o Ocidente e
  • um uivo neonazista (Bandera, Shukhevich) de ódio à Rússia.

O neofascismo ucraniano se declarou mais claramente durante a Revolução Laranja de 2004-2005, quando os ocidentais se rebelaram contra a vitória do candidato do leste ucraniano. Como resultado, Yushchenko, nascido no oeste, chegou ao poder, apoiado por nacionalistas e liberais. Mas seu governo foi um completo fracasso, e ele foi substituído pelo supostamente pró-oriental Yanukovich.

Mas, durante todo esse tempo, o neonazismo ucraniano prosseguiu. Em todas as etapas, o Ocidente continuou a construir a Anti-Ucrânia.

Uma aliança de liberais com neonazistas

Na Maidan, em 2013-1014, houve um último ponto de virada. Com o apoio direto e aberto do Ocidente, ocorreu um golpe de Estado, e uma aliança russofóbica de neonazistas e liberais tomou o poder, fundindo-se em algo indivisível no novo governo. Os oligarcas liberais Poroshenko e Kolomoisky ajudaram a transformar a Ucrânia em um perfeito Estado neonazista. O Ocidente exigia a Anti-Rússia e Kiev seguiu rigorosamente este plano.

A reação da Rússia pela reunificação com a Crimeia e a revolta do Donbass pró-russo se seguiram. A Primavera Russa pretendia dividir a Ucrânia em Ucrânia Ocidental e Novorrússia, na linha de dois povos, duas identidades, mas foi cancelada por uma série de razões. Assim, Kiev teve a oportunidade de iniciar a nazificação dos territórios orientais. O genocídio do leste começou com nova força e não apenas contra os resistentes do Donbass, mas contra todas as áreas da Novorrússia, tanto as partes ocupadas das regiões de Donetsk e Lugansk como todas as outras.

O Ocidente não apenas fez vista grossa para isso, mas o promoveu de todas as maneiras possíveis. Neste caso, podemos dizer que o Ocidente comprometeu seus valores em nome de seus interesses. A geopolítica (o atlantismo) desta vez foi mais importante do que o liberalismo.

A Anti-Rússia nasce

Ao mesmo tempo, ideias e normas ocidentais como política de gênero, LGBT+, circulação mais ou menos livre de drogas, cultura pós-modernista (entendida pelos ucranianos como niilismo total e cinismo), cancelamento, feminismo, politicamente correto, etc., penetraram ativamente na sociedade ucraniana. Como resultado, em 2022 a Ucrânia havia se tornado um Anti-Rússia de pleno direito.

Seus interesses nacionais neste momento consistiam em:

  • recapturar Donbass e Crimeia,
  • adesão à OTAN,
  • completar o ciclo completo do genocídio no leste,
  • obter de armas nucleares e biológicas que poderiam ser utilizadas contra a Rússia,
  • além disso, a ideologia consistia em russofobia e neonazismo combinados com ocidentalismo e liberalismo.

Isto é o que Kiev defende hoje em dia no nível de interesses e valores. O Ocidente apoia plenamente Kiev em tudo, exceto em sua prontidão para entrar em um confronto nuclear com a Rússia. O Ocidente transformou a Ucrânia na Anti-Rússia e só precisa dela nesta capacidade.

Russofobia como nova ideologia global

É indicativo que, na situação crítica da operação militar especial, o Ocidente se encontrou em uma posição difícil: agora não só deve explicar seus interesses, mas também justificar o neonazismo ucraniano, que não era mais possível esconder. Tome a recente fotografia em Odessa de Bernard-Henri Levy, o icônico ideólogo do liberalismo global e ardente defensor do Grande Reset, com o abertamente neonazista, ex-chefe do batalhão punitivo “Aidar” e chefe da administração militar de Odessa, Maxim Marchenko. É assim que o liberal-nazismo como uma ideologia pragmática da Ucrânia se tornou, por necessidade, aceito pelo próprio Ocidente. Daí a política das redes globais para o apoio neonazista ucraniano e o cancelamento de todas as vozes alternativas – Youtube, Facebook, Twitter, Instagram, Google e assim por diante – que foram declaradas recentemente “organizações terroristas” e proibidas na Federação Russa. A russofobia tornou-se o denominador comum para esta aliança profana entre neonazistas e liberais globalistas.

O Ocidente rapidamente encontrou uma saída: equiparando a própria Rússia ao “nazismo”, foi declarada uma cruzada contra ela, na qual o neonazismo anti-russo foi considerado um aliado completamente aceitável, ou seja, “não nazismo de forma alguma” – apesar de seus símbolos, práticas criminosas, genocídio declarado e implementado, tortura, estupros, tráfico de crianças e órgãos, limpeza étnica, etc.

Interesses e valores do Ocidente global: hegemonia, totalitarismo liberal, russofobia

Assim foi construída a configuração de confronto entre dois campos. Por um lado, temos o Ocidente e seus interesses geopolíticos — o desejo

  • de expandir a OTAN,
  • de preservar o modelo unipolar,
  • de continuar a globalização e o processo de transformar a humanidade em uma única massa sob o controle do Governo Mundial (o projeto do Grande Reset),
  • de salvar a hegemonia em ruínas dos Estados Unidos.

Isto corresponde a uma propagação igualmente total de ideologia:

  • liberalismo,
  • globalismo,
  • individualismo,
  • a demanda pelo cancelamento de todas as dissidências,
  • LGBT+, feminismo e transexualismo,
  • pós-modernismo, destruição deliberada e zombaria do patrimônio cultural clássico,
  • despertou o desejo de denunciar aqueles que contestam o liberalismo (qualifica-se como inimigos da sociedade aberta, portanto cometendo crime de pensamento),
  • pós-humanismo, migração forçada da humanidade para uma dimensão virtual (Projeto Meta, mais uma organização terrorista proibida na Federação Russa),
  • e a isto se soma hoje o neonazismo russofóbico.

A ideologia liberal-nazista do anti-russianismo criado artificialmente na Ucrânia está penetrando no próprio Ocidente, onde a russofobia está se tornando uma norma obrigatória, e sua ausência ou desacordo com ela está sujeita a perseguição administrativa ou criminal. Assim, a cauda ucraniana começou a abanar no cão de Washington. Hoje, diante da operação militar especial da Rússia, o liberalismo se fundiu finalmente e inseparavelmente com o neonazismo (em sua versão russófoba).

Interesses da Rússia: um mundo multipolar

Quais são agora os interesses e valores da Rússia neste conflito fundamental?

Primeiro, os interesses geopolíticos. A Rússia rejeita categoricamente o globalismo, um mundo unipolar, e a hegemonia ocidental. Na prática, isto significa uma dura resistência à expansão da OTAN para o leste e a todas as outras formas de pressão ocidental sobre a Rússia. Moscou está construindo um mundo multipolar no qual está recuperando seu lugar como um polo independente e soberano. Nisto, ela é apoiada por Pequim e por vários países islâmicos e ibero-americanos. A Índia também está em deriva em direção a um modelo similar de ordem mundial. Mais tarde, todos os outros – incluindo os países da Europa e da América – estarão convencidos da atratividade, validade e inevitabilidade de tal construção.

Para que os interesses geopolíticos russos sejam realizados, não deve existir uma Anti-Rússia no território da Ucrânia. E visto do ponto de vista do Ocidente, é exatamente o contrário, porque o Ocidente criou esta Anti-Rússia precisamente para não deixar que isso acontecesse. Portanto, temos um conflito de interesses fundamental, que a Rússia tentou resolver pacificamente, mas que não deu certo. Daí a nova fase dura.

Atlantismo vs. eurasianismo é a batalha final no território da Ucrânia. Esta é uma posição clássica da teoria geopolítica de Mackinder a Putin. Como Brzezinski (muito corretamente) disse nos anos 90: “Sem a Ucrânia, a Rússia jamais se levantará novamente”. E com a Ucrânia ela se levantará, os estrategistas de Moscou decidiram corretamente.

Os valores da Rússia: Tradição, Espírito, Homem

Passemos aos valores. Hoje, o Ocidente e Kiev estão lutando por uma síntese patológica (do ponto de vista da teoria política) de liberalismo e fascismo (neonazismo). Ambos estão unidos pela russofobia.

A russofobia dos globalistas liberais é explicada por seu ódio a uma Rússia soberana que faz cair o mundo unipolar, destrói os planos dos globalistas e a hegemonia do Ocidente. A russofobia de Kiev se baseia no fato de que a Rússia impede o genocídio da população do leste e a criação da nação ucraniana. É assim que liberalismo e o neonazismo se unirão em um único impulso. O ódio aos russos exige a destruição física dos russos, desde o Presidente Putin até as crianças, mulheres e idosos se fundem com a propaganda LGBT+, a defesa do casamento gay e a cultura pós-modernista. Estes são os valores de uma civilização que declarou guerra à Rússia.

A Rússia defende outros valores. Primeiro, os valores tradicionais – poder, soberania, fé, uma família normal, humanidade, herança cultural. Segundo, a Rússia insiste na legítima proteção dos russos – concretamente na Ucrânia, ameaçada pelo extermínio e vítima de genocídio. Terceiro, os valores eurasianos – a própria Rússia está aberta a diferentes povos e culturas e rejeita categoricamente todas as formas de nazismo e racismo. A Rússia reconhece o direito dos outros de seguir seu próprio caminho e de construir o tipo de sociedade de sua escolha – mas não às custas da própria Rússia e dos povos que procuram na Rússia – como na Arca – a salvação. Estes são os fundamentos da moderna ideia russa contrária ao nazi-liberalismo ucraniano e ocidental.

A civilização russa versus a civilização anti-russa

Os interesses e valores nossos e deles são opostos. Os objetivos e consequências do conflito são globais, afetando toda a ordem mundial, todos os países e povos. A escala do conflito é planetária.

Dois sistemas colidem – o campo liberal-nazista do Ocidente e o da Rússia, defendendo não apenas sua Ideia russa, mas também uma ordem mundial multipolar, na qual outras Ideias podem existir – chinesa, islâmica e a própria ocidental, mas onde não há lugar para o neonazismo e o liberalismo globalista obrigatório.

Assim, o objetivo da operação militar especial é a desnazificação. Isto se aplica diretamente à Ucrânia, mas indiretamente a todos os outros países. A Rússia não tolerará a russofobia sob forma alguma. Isto já é uma questão de princípio.

Trata-se de um choque de civilizações – a civilização russa contra a anti-russa.

O destino da quinta coluna na própria Rússia

Agora devemos prestar atenção à quinta coluna, que tentou se rebelar contra a operação militar especial, mas foi rapidamente isolada e fugiu para o exterior na primeira etapa, e especialmente para a sexta coluna, que antes imitava com sucesso por anos expressando lealdade formal a Putin.

A quinta coluna dos liberais tem estado inequivocamente ao lado dos russofóbicos desde a primeira campanha chechena. O discurso e as declarações da maioria das figuras liberais da oposição russa estão cheios de ódio à Rússia. Muitas delas haviam fugido da Rússia ainda antes, estabelecendo-se nos Estados Unidos, Europa, Israel e Ucrânia. E muitas delas escolheram Kiev conscientemente, como uma fortaleza da Anti-Rússia, ou seja, como seu feudo ideológico. E, claro, eles não notaram o florescimento do neonazismo ucraniano lá, compartilhando com ele uma russofobia comum a ambos. Muitos dos liberais da quinta coluna da Rússia também se tornaram neonazistas, ou pelo menos seus apologistas.

Hoje, a quinta coluna na Rússia está sob uma proibição rigorosa e não representa uma grande ameaça. Mas em geral, seus interesses e valores coincidem com Washington, a CIA, o Pentágono, o bloco da OTAN e Kiev, a quem eles servem. Portanto, é um inimigo puro. Não preciso lembrar novamente o que se faz com um inimigo sob a lei marcial.

Os liberais sistêmicos estão entre o martelo e a bigorna

A situação com a sexta coluna é muito mais complicada. Hoje, é precisamente esta coluna que está no centro das atenções. Ela é composta do que tem sido chamado de “liberais do sistema” como oligarcas, políticos, burocratas e figuras culturais que compartilham a ideologia liberal (monetarismo, imperialismo do dólar, cosmopolitismo, LGBT+, transexuais, globalização, digitalização, etc.), mas não se opõem abertamente a Putin.

Hoje, eles se encontram em uma posição difícil – entre um martelo e uma bigorna. Foi contra a sexta coluna que o Ocidente impôs sérias sanções econômicas, tirou seus iates e palácios, congelou suas contas bancárias e confiscou seus bens imóveis. O objetivo era o mesmo: levá-los a derrubar Putin. Mas isso é impossível e significa suicídio.

Portanto, a sexta coluna está agora confusa. O Ocidente exigiu dela algo impossível. Portanto, ou eles têm que fugir da Rússia e combater Putin do exterior (como Chubais e várias outras figuras icônicas da oligarquia russa), ou solidificar-se com a operação militar especial, mas isto anularia sua posição no Ocidente e os privaria de seu botim ali empilhado. E aqui está o ponto principal: eles não podem mais permanecer liberais – nem mesmo sistêmicos, porque o liberalismo hoje se fundiu com a russofobia em escala global, tornou-se uma versão do nazismo. E não se pode ser um neonazista e ao mesmo tempo lutar contra o neonazismo, paradoxo insolúvel.

Acontece que é ou Rússia ou liberalismo.

Se os liberais sistêmicos (a sexta coluna) querem permanecer sistêmicos, eles têm que deixar de ser liberais. O liberalismo hoje é igual ao neonazismo, e a Rússia lançou uma operação de desnazificação sem precedentes. Consequentemente, os liberais sistêmicos devem se desnazificar (ou seja, se desliberalizar).

Conversão ao patriotismo

Muitos ex-liberais dos anos 90 já tomaram sua decisão em etapas anteriores, escolhendo entre a Rússia com seus valores tradicionais e o Ocidente com seus valores nazi-liberais. Estes escolheram a Rússia e a Tradição. E é uma grande e acertada decisão. Não há problema com eles. Uma pessoa pode mudar de ideia, pode estar equivocada, pode perseguir objetivos táticos, no final, pode pecar e se arrepender. Ninguém vai atirar pedras em ex-liberais que se tornaram patriotas. Mas um certo ritual de mudança na ideologia, uma espécie de conversão ao patriotismo, ainda vale a pena.

Seria errado converter, como judeus espanhóis ao catolicismo, os liberais sistêmicos ao patriotismo pela força. Esta é uma questão de ideologia e de liberdade de consciência. E aqui, a violência só terá o efeito oposto. Mas a elite hegemônica da sociedade em um momento tão tenso e decisivo deveria ser constituída por aqueles que compartilham plenamente os interesses e valores do país, travando uma guerra ontológica contra um adversário forte e poderoso – pelos interesses e valores. E se a elite não compartilha os valores e não compreende os interesses, então não tem sentido ser elite – pelo menos governante.

Hoje, a guerra entre a Rússia e a Anti-Rússia global está em pleno andamento. Seria antinatural manter redes inimigas dentro da Rússia. Portanto, se a sexta coluna escolhe a Rússia, ela não pode mais ser chamada de “liberal sistêmica”, soando como uma contradição como ser “nazista sistêmico”. O atual estado de coisas não permite isso.

A Rússia deve se tornar a Rússia: a Luz Russa

Nossa vitória não depende apenas das ações heroicas de nosso exército, dos sucessos do planejamento militar e estratégico, do apoio material da operação, da gestão política e administrativa efetiva dos territórios liberados, etc. Depende de quão profunda e completamente a Rússia se tornar a Rússia. Hoje, o apelo à ideia russa não é um capricho do poder. Mesmo os comunistas soviéticos, através da boca de Stálin numa situação crítica difícil apelaram ao povo russo, à Igreja Ortodoxa, à Tradição e a nossa história heroica. Hoje, nada se opõe a isso. Exceto pelos preconceitos dos liberais sistêmicos, que, espero, simplesmente ainda não perceberam a seriedade de sua própria situação.

Tanto na Rússia como na Ucrânia, as pessoas estão esperando que Moscou diga palavras reais. Um discurso de verdade. Um apelo sincero à profundidade do Ser das pessoas. É hora de dizer que esta operação militar especial pertence à categoria do sagrado.

Hoje novamente um soldado russo e um cidadão russo na retaguarda, um filho e uma mãe russos, um padre russo e um poeta russo estão decidindo o destino da humanidade.

A Rússia em combate mortal com a Anti-Rússia se apresenta como uma civilização da Luz. Estes são nossos interesses e valores. Trazemos mais uma vez a Luz ao mundo, uma silenciosa, mas insaciável Luz Russa.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 585

Deixar uma resposta