A Etnossociologia da Ucrânia no Contexto da Operação Militar

Um dos pontos centrais da questão ucraniana é se os ucranianos são uma etnia, uma nação, um povo ou alguma outra coisa. Afinal, qual é a relação dos ucranianos com os russos e como se deu a formação étnica e sociológica dos ucranianos. O professor Aleksandr Dugin aborda todos esses temas de maneira completa e definitiva.

A compreensão completa da operação militar especial na Ucrânia requer uma explicação preliminar: com o que, no sentido mais amplo da palavra, estamos lidando? Os conceitos de “nação”, “nacionalidade”, “povo”, “ethnos” são totalmente confusos e, portanto, os de “russos”, “ucranianos”, “pequeno-russos”, etc. Devemos primeiro dar um mapa etnossociológico e distribuir os conceitos com os quais operamos na análise deste conflito.

Principais categorias etnossociológicas

Recordemos os principais pontos da etnossociologia. A etnossociologia opera com os seguintes conceitos:

  • ethnos,
  • povo,
  • nação,
  • sociedade civil.

Elas correspondem a diferentes tipos de sociedades. O ethnos é o modo de vida mais arcaico, característico das comunidades pequenas, agrárias ou pastorais, onde não há divisão social e vertical de classe. As relações dentro de um grupo étnico são estritamente horizontais, e sua mentalidade é construída sobre mitos. Trata-se de uma sociedade arcaica com identidade coletiva.

Um povo é um grupo étnico que embarcou no caminho da história, construiu um Estado, fundou uma religião ou uma cultura separada. Quase sempre, um povo é formado por dois ou mais grupos étnicos, que estão unidos em uma estrutura abstrata. O povo tem uma divisão de classes e uma hierarquia, uma vertical de poder. Esta é uma sociedade tradicional. A identidade aqui é coletiva e diferenciada por estamentos. A maior conquista histórica de um povo é a criação de um Império.

A nação surge somente nos tempos modernos na sociedade burguesa. Uma nação é uma comunidade artificial, baseada na identidade individual. As nações surgiram na Europa nos tempos modernos. Aqui a hierarquia social se baseia no princípio da riqueza material. Este é o tipo de sociedade característica da modernidade primitiva.

A sociedade civil surge quando a transição da nação para o One World e o Governo Mundial é realizada. A sociedade civil se manifesta plenamente no globalismo. Ela tem a mesma identidade individual de uma nação, mas sem fronteiras nacionais. A sociedade civil toma forma dentro das nações e dos Estados burgueses, mas gradualmente supera sua estrutura e adquire um caráter global. Aqui a identidade nacional artificial é abolida e o individualismo se torna global. Historicamente, a sociedade civil é característica do final do período moderno e pós-moderno.

Os eslavos orientais se tornam um povo

Agora vamos aplicar este aparato conceitual ao conflito ucraniano.

Quem são os russos? Esta pergunta não é tão simples quanto parece à primeira vista. Ela também requer esclarecimentos do ponto de vista etnossociológico.

Os eslavos orientais eram aquelas tribos que se encontravam no estado de um ethnos, que acabaram se integrando à Rússia Antiga sob a liderança de uma elite principesca militante. Na verdade, essa elite, de origem varegue-sármata, era chamada de “Rus”, embora a presença em seu meio de famílias principescas e aristocráticas dos eslavos polabianos (Bodrichi e Lutichi) não possa ser descartada. Os eslavos orientais tornaram-se a principal população da antiga Rússia: daí o nome “russos” e também “rusyns”. Da mesma forma, os gauleses romanizados, conquistados pela tribo germânica dos francos, começaram a ser chamados de “franceses”.

Forma-se um povo no antigo Estado russo com centro em Kiev. A elite nele mantém sua identidade, mas adota a língua da maioria da população, que consiste de eslavos orientais. O ethnos (tribos eslavas orientais) se torna um povo.

É característico que juntamente com o povo, os russos kievanos adquirem outros atributos:

  • Estado,
  • religião (no início – por um curto período – o paganismo reformado, então – de forma permanente – a ortodoxia),
  • cultura (escrita, crônica, educação, etc.).

Os eslavos orientais entram para a história.

Os eslavos orientais se dividem

Isto é seguido por toda uma série de processos históricos no decorrer dos quais os russos kievanos perdem sua unidade. Os eslavos orientais se dividem – mas não por tribos, mas por territórios, tendo muitas vezes destinos diferentes. Isto não é uma desintegração em formações étnicas pré-estatais, mas a divisão de um povo já unido – o povo kievano. O destino desses ramos é determinado pelo destino dos conflitos entre príncipes e processos políticos em torno dos rus.

Assim, gradualmente os grão-russos se formam a partir do ramo oriental dos eslavos orientais. Eles acabam sendo os russos dos principados orientais – Vladimir, Riazã, etc. Ao mesmo tempo, eles também incluem vários grupos fino-úgricos e túrquicos. Os príncipes de Vladimir competem ferozmente com os ocidentais pelo trono do Grão-Duque em Kiev (!), e em determinado momento eles conseguem obtê-lo. Depois disso, eles transferem o trono para Vladimir, depois para Moscou. Gradualmente, na parte oriental da Rússia (também originalmente a antiga periferia nordeste!) e no norte da Rússia, um dos ramos dos eslavos orientais, ou seja, o povo russo de Kiev, está sendo formado. Às vezes eles são chamados de “russos” de forma generalizada, embora fosse mais preciso usar o termo “grão-russos”, já que a parte ocidental dos eslavos orientais também são russos no sentido pleno da palavra.

Esta parte ocidental dos eslavos orientais, ou seja, o povo russo ortodoxo do Grão-Ducado de Kiev, por sua vez, se dividiu em dois ramos – noroeste e sudoeste. Os russos do noroeste se tornam bielorrussos, já que esta parte da Rússia foi chamada de Belaya (branca). Os russos do sudoste serão mais tarde chamados de pequeno-russos, embora este termo seja entendido tanto em sentido amplo (incluindo as terras de Galícia-Volínia) quanto em sentido restrito (em relação à Ucrânia Central). É importante enfatizar que estas não são tribos, mas partes de um único povo, dividido de acordo com critérios políticos e históricos.

Gradualmente, todos os três ramos dos eslavos orientais (os futuros grão-russos, pequeno-russos e bielorrussos) perdem a soberania (um poder principesco independente, sempre reconhecendo a senioridade dos grão-duques) e se encontram dentro de outras entidades políticas mais fortes.

Os futuros bielorrussos, e depois os pequeno-russos, encontram-se na estrutura do Grão-Ducado da Lituânia, e depois da União – como parte do reino polaco-lituano.

Aqueles que serão chamados de grão-russos mantêm o status de grande poder ducal em Vladimir, e depois em Moscou, e então são diretamente subordinados à Horda Dourada.

Aqui começa uma séria divisão do destino dos eslavos orientais. Três ramos de um único povo (não um grupo étnico!) se encontram em sistemas políticos diferentes.

Diferença de destinos e perda da estatalidade

Os grão-russos mantêm o poder dos grão-duqyes e a identidade ortodoxa, que os khans da Horda Dourada, fiéis ao princípio de tolerância religiosa de Genghis Khan, não usurpam.

Os bielorussos e os pequeno-russos se encontram no Estado católico europeu, o que coloca os ortodoxos em condições desiguais. Assim, a elite principesca e militar é gradualmente integrada na aristocracia polonesa, e a população rural permanece na posição de “cismáticos orientais”. A parte ocidental dos eslavos orientais está perdendo a estatalidade, mas preserva ferozmente a fé, a língua e a cultura ortodoxas.

E embora tanto os pequeno-russos como os bielorussos sejam parte de um único povo – Kiev (!) -, eles estão privados do sinal mais importante do povo – a estatalidade. Isto faz com que sua posição no Estado polaco-lituano seja próxima a de um grupo étnico oprimido.

Mais tarde, parte dos eslavos do sudeste ficou sob o domínio do Império Otomano e do Estado dos Habsburgos (Império Austríaco). Isto esbate ainda mais a identidade do povo e a divide, reduzindo-a ao status de um grupo étnico.

A política desses Estados, que incluía a parte ocidental dos eslavos orientais, era diferente dependendo dos países e épocas. O Grão-Ducado da Lituânia antes da união com a Polônia Católica era pagão, e vários príncipes apoiavam muito a Ortodoxia. Portanto, os príncipes e boiardos russos ocidentais e a população rural não estavam sujeitos a qualquer pressão e se sentiam como em seu próprio Estado, onde os eslavos ortodoxos constituíam a grande maioria da população e uma parte significativa da elite. Em um determinado momento, a balança poderia oscilar em direção à adoção da Ortodoxia pela nobreza lituana. Assim, os russos ocidentais poderiam tornar-se o povo axial do Estado balto-eslávico.

Após a união com a Polônia e uma virada brusca para o Catolicismo, a situação começou a se deteriorar gradualmente. Os russos perderam sua posição na elite, sua superioridade numérica e liberdade de religião. Eles se tornaram parte de um povo diferente – polaco-lituano, com uma orientação diferente – católica e europeia. Durante este período, surgiu o uniatismo, ou seja, tentativas de unir os ortodoxos aos católicos, mantendo o rito e reconhecendo a primazia do Papa. Isto permitiu que os eslavos orientais do reino polaco-lituano se integrassem mais plenamente ao Estado. A conversão direta ao Catolicismo era ainda mais preferível para este fim. Mas a grande maioria dos ancestrais dos pequeno-russos e bielorrussos permaneceu fiel à Ortodoxia, ligando firmemente sua identidade religiosa e cultural a ela. Nisso, eles permaneceram fiéis à única escolha de todos os eslavos orientais na época do batismo da Rússia pelo santo Grão-Duque Vladimir.

Entretanto, a Ortodoxia no Oeste da Rússia, ao contrário da Rússia moscovita estava em condições diferentes. A proximidade com os católicos e sua agressiva política de proselitismo não podia deixar de influenciar a religião ortodoxa, que absorvia gradualmente as influências ocidentais. Além disso, a Ortodoxia, a partir de algum ponto, tornou-se parte da cultura camponesa, tendo absorvido muitos elementos folclóricos locais. Em geral, a identidade religiosa dos grão-russos, por um lado, e dos pequeno-russos e bielorrussos, por outro, tendo permanecido em seu núcleo, começou a diferir um pouco.

Em qualquer caso, os pequeno-russos e os bielorrussos se encontravam fora de seu Estado, e sob o domínio de outros governantes se tornaram uma minoria étnica e religiosa, a menos, é claro, que eles optassem por mudar sua identidade em favor do catolicismo.

Os grão-russos criam um Império e reconquistam Kiev do Ocidente

O destino dos grão-russos toma uma forma diferente. Com o enfraquecimento da Horda Dourada, eles fortaleceram novamente sua independência e começaram a construir um Estado soberano – partindo do grão-ducado mantido em Moscou, para onde a cadeira dos metropolitanos de Kiev (ou seja, o centro da religião) foi transferida de Vladimir, e mais cedo de Kiev. Assim, os grão-russos começaram a construir a Rússia moscovita, incluindo, à medida que se fortalecia, novos grupos étnicos e fragmentos do povo da Horda Dourada.

No final, os grão-russos se tornaram um verdadeiro império mundial.

À medida que se fortaleceu, o reino moscovita começou a conquistar os territórios da Rússia de Kiev do reino polaco-lituano. Assim, grupos separados da parte ocidental dos eslavos orientais voltaram a um Estado russo de pleno direito. Eles mantiveram suas línguas e padrões culturais antigos, bem como algumas características adquiridas durante a era de vida “sob os católicos”, embora geralmente mantivessem a ortodoxia e, portanto, começaram a ser percebidos como algo diferente dos grão-russos. Mas no Estado moscovita, eles receberam um novo status de grupos étnicos, que podiam se misturar livremente com o povo, ou podiam manter suas próprias características. Os próprios grão-russos eram comunidades agrárias, enquanto a elite era qualitativamente diferente delas. Portanto, os bielorrussos comuns e os pequeno-russos tornaram-se a mesma população rural que os camponeses da Grande Rússia. E a aristocracia militar passou a servir ao czar russo.

Um caso especial foram as comunidades cossacas do sul da Rússia, que preservaram o caminho dos povos nômades militares da estepe.

A Rússia moscovita nas campanhas ocidentais começou a reunir em um único Estado todos os eslavos orientais, restaurando assim tanto territorial como etnicamente, a Rússia de Kiev, apenas suplementada significativamente pelas terras orientais conquistadas por Moscou.

Libertação da Ucrânia: Etapas

No século XVII, o Hetmanato de Zaporijia, sob a liderança de Ataman Bogdan Khmelnitsky, levantou uma revolta contra os poloneses e, na Rada de Pereieslávia (1654), decidiu entrar para o reino moscovita.

Em 1667, o czar Alexei Mikhailovich conclui a trégua de Andrusovo com a Comunidade Polaco-Lituana. A Rússia recebe a Ucrânia da margem esquerda. A “Paz Eterna” de 1686 atribui estes territórios à Rússia, assim como a cidadania do Exército Zaporijiano. Além disso, Moscou seguram Kiev, que as tropas russas detêm desde 1654.

Mais tarde, durante as guerras russo-turcas, a Rússia, já no status do Império, conquista os vastos territórios da atual Ucrânia meridional e da Crimeia. Estas terras recém-adquiridas são chamadas de Novorrússia. Cada nova guerra com a Turquia expande o território do Mar Negro sob o controle da Rússia. Uma parte significativa da terra é colonizada pelos camponeses grão-russos das regiões centrais da Rússia.

Em 1775, o Exército Zaporijiano localizado na região do Baixo Dnieper foi liquidado. Parte dos cossacos vai para a Turquia, e a outra foi transferida para o norte do Cáucaso, tornando-se a base do exército cossaco cubani. As antigas terras militares continuam a ser povoadas por camponeses tanto da Pequena Rússia como da Grande Rússia. As cidades fundadas pelos czares russos nos novos territórios: Mariupol, Yekaterinoslav (Dnepropetrovsk), Odessa, etc. são povoadas por representantes de diferentes grupos étnicos do Império.

Em 1793, durante a segunda divisão da Comunidade Polaco-Lituana (Estado polonês), a Rússia integra tanto a Ucrânia da margem direita quanto a Podolia a seus territórios. Sob a terceira divisão – em 1795 – a Volínia. Somente a Galícia e a Rússia Subcárpata permanecem fora da Rússia. Assim, a maioria do ramo sudoeste dos eslavos orientais se encontra em um único Estado, junto com os grão-russos e os bielorrussos, também incluídos na Rússia quando a Lituânia foi capturada, e depois na Polônia.

Ao mesmo tempo, nem o Estado bielorrusso nem o Estado ucraniano existiam durante esses períodos. Os principados russos ocidentais medievais não puderam manter sua independência e foram subjugados e dissolvidos pelos lituanos, poloneses e húngaros. Eles foram preservados no status de um ethnos no contexto de outros povos. A Rússia os devolveu a um Estado soberano eslavo oriental (russo no sentido amplo da palavra) com religião ortodoxa e vastos territórios. Eles poderiam permanecer grupos étnicos, ou poderiam fundir-se no povo unificado do Império.

Isto colocou tanto os bielorussos quanto os pequeno-russos diante de uma escolha que permaneceu e permanece aberta até os dias de hoje. Alguns poderiam aceitar a identidade integralmente russa (estatal, imperial) e fundir-se com ela, enquanto outros poderiam escolher preservar sua identidade étnica – incluindo os dialetos linguísticos comuns na Rússia Ocidental. As comunidades camponesas geralmente faziam isso, embora também tivessem pleno acesso aos vastos territórios da Rússia (na medida em que os camponeses eram livres no Estado russo como um todo, e seu status mudou em diferentes épocas). De qualquer forma, havia muitos colonos pequeno-russos tanto na Rússia Central quanto no sul da Sibéria, que na era czarista era chamada de “Ucrânia Cinzenta”, onde uma parte significativa da população tinha raízes pequeno-russas.

Os territórios da Galícia, da Bucovina do Norte e dos Cárpatos Russos permaneceram por mais tempo do contexto russo. Os dois primeiros até 1918 estavam incluídos na parte austríaca da Áustria-Hungria (Cisleitânia). A Transcarpátia era a terra da coroa húngara (Transleitânia). Após a Primeira Guerra Mundial, Galícia e Volínia, que eram russas desde o final do século XVIII, passaram a fazer parte da Polônia reavivada.

A Bucovina do Norte passou então a fazer parte da Romênia, e a Transcarpátia entrou na Tchecoslováquia.

Estas terras (com exceção da Transcarpátia) foram reunidas com o resto da Rússia somente antes da Grande Guerra Patriótica, e a Transcarpátia em 1945. À época, na própria Rússia, havia um regime bolchevique. Portanto, os ucranianos ocidentais modernos conheciam apenas uma Rússia – soviética, cuja atitude – devido às características totalitárias do regime bolchevique – era ambígua, e às vezes até mesmo diretamente negativa.

O nacionalismo ucraniano como uma construção artificial

Agora passemos a épocas mais modernas, quando a formação de nações políticas começa na Europa. Este processo na Europa Oriental, e ainda mais na Rússia, ocorreu com um atraso significativo, assim como as reformas burguesas em geral. A criação de coletivos políticos com uma identidade fictícia, baseada na cidadania individual, avançou muito mais lentamente do que na Europa. Na Rússia, havia um Império e um povo, bem como numerosos grupos étnicos que preferiam não se integrar plenamente ao povo e manter suas estruturas mais arcaicas. Assim, não foi apenas com os povos da Sibéria ou do Norte, mas também com o Cáucaso, a Ásia Central e até mesmo com as regiões ocidentais dos eslavos orientais. No entanto, o modo de vida étnico foi em grande parte preservado pelas comunidades camponesas grão-russas, que constituíam a principal população do Império.

Dadas as contradições políticas entre o Império Russo e a Europa Ocidental, o processo de formação de nações artificiais tornou-se uma ferramenta política. De acordo com este princípio, as potências ocidentais, tendo se tornado nações, destruíram seus oponentes – a Turquia otomana, a Áustria-Hungria e o Império Russo. Foi assim que surgiu o nacionalismo no contexto da Rússia. Mas suas diversas formas em diferentes contextos étnicos e territoriais eram qualitativamente diferentes. Assim, a Polônia procurou se tornar independente com base em sua história: afinal, outrora ela não só era independente da Rússia, mas estava em seu nível, e até chegou a superá-la, até a captura de Moscou pelos poloneses no Tempo de Dificuldades. O nacionalismo polonês estava baseado em uma etapa histórica, quando os poloneses eram um povo de pleno direito – eslavo ocidental e católico – (estritamente no sentido etnossociológico). O nacionalismo dos grupos étnicos turcos, muito menos bem formado que o polonês, apelava para a Horda Dourada e os fabulosos heróis das estepes.

Mas o nacionalismo ucraniano que surgiu no final do século XIX era ainda mais artificial e sem fundamento do que outras versões dentro do Império Russo. Foi promovido principalmente pelos poloneses, na esperança de opor os ucranianos aos grão-russos, conseguindo um aliado na luta contra a Rússia e, a longo prazo, restaurando seu domínio sobre a Rússia Ocidental. Os poloneses tomaram parte ativa na criação de uma “língua ucraniana” igualmente artificial, saturada de polaquismos. Ao mesmo tempo, na ausência de pelo menos algum análogo do Estado político dos eslavos ocidentais e orientais na história, uma nação foi inventada do zero com base não na cultura real da Pequena Rússia, mas em invenções completamente ridículas.

As autoridades da Áustria-Hungria também contribuíram para a criação do nacionalismo ucraniano, tentando usá-lo, por um lado, contra os poloneses na Galícia e, por outro, contra a Rússia.

O nacionalismo ucraniano começou a tomar forma rapidamente na época do colapso do Império Russo, mas estes foram os primeiros passos, incomparáveis com o nacionalismo polonês. Em certo sentido, a “identidade ucraniana” era apenas uma ferramenta do nacionalismo polonês em sua luta contra a Rússia. No confronto geopolítico entre a Rússia e o Ocidente, este nacionalismo e, consequentemente, o projeto de criação de uma “nação ucraniana” foi envolvido, entre outras coisas, pelo Império Britânico durante a Guerra Civil, quando Halford Mackinder, o fundador da geopolítica, foi o Alto Comissário do Entente para a Ucrânia.

O lugar da “nação” no dogma bolchevique

A tomada do poder na Rússia pelos bolcheviques e a expansão de seu poder sobre quase todos os seus territórios, incluindo a Ucrânia, colocou a questão da “nação” em um novo contexto teórico.

Na teoria marxista, a era das nações burguesas deveria ser substituída por um sistema capitalista unificado e uma sociedade civil global correspondente a suas fases avançadas. Isto criou as condições para o internacionalismo. Mas ao contrário dos liberais, os marxistas acreditavam que após o triunfo do globalismo capitalista, a era das revoluções proletárias deveria vir, quando a classe trabalhadora internacional derrubaria o poder igualmente internacional do capital. Marx concebeu o comunismo como a próxima fase após a era em que a sociedade civil se tornaria global e nenhum grupo étnico, povo e nação deveria ter permanecido. Era assim que era em teoria.

Na prática, os bolcheviques tomaram o poder em um Império pré-capitalista, quase medieval, onde o principal era o povo russo (no sentido etnossociológico), com numerosos grupos étnicos com uma visão de mundo arcaica e uma religião profundamente enraizada. Ninguém tinha uma nação. E a modernização e europeização da elite imperial era superficial. As transformações capitalistas também eram fragmentárias, e a grande maioria da população era camponesa. Portanto, Marx descartava a possibilidade de uma revolução proletária na Rússia: ela não se tornou suficientemente capitalista e, além disso, o capitalismo não revelou plenamente seu potencial global. Mas os bolcheviques, apesar de tudo, tomaram o poder e tentaram mantê-lo a qualquer custo. Isto os obrigou a optar por construções teóricas extravagantes.

Os bolcheviques e a questão ucraniana

Na primeira etapa, os bolcheviques apoiaram o nacionalismo ucraniano, vendo-o como um aliado natural na luta contra o Império, contra o “czarismo”. Isto estava de acordo com a parte do marxismo que sustentava que todas as sociedades devem passar pela fase capitalista e se formar em nações e depois superá-las. Os ucranianos não eram uma nação, nem uma sociedade capitalista, nem um Estado, mas faziam parte do povo do Império Russo, em alguns setores preservando características culturais étnicas. Portanto, os bolcheviques tiveram que inventar a Ucrânia a fim de inseri-la com grande exagero em sua teoria de progresso socioeconômico.

Tendo tomado o poder, os bolcheviques mudaram drasticamente sua atitude em relação à Ucrânia. Agora a presença do Estado ucraniano era contrária aos interesses dos bolcheviques. Portanto, eles anunciaram que o capitalismo já havia sido construído na Ucrânia, a nação ucraniana havia sido criada, havia vivido tempo suficiente, e agora estava pronta para entrar conscientemente na era pós-nacional do internacionalismo proletário. Entretanto, durante algum tempo nos anos 1920 e 1930, o discurso internacionalista foi combinado com a “ucranização” – a imposição forçada da língua e cultura ucraniana a toda a população que se encontrava dentro da estrutura da Ucrânia soviética. Assim surgiu o território da Ucrânia moderna, no qual a história do Império Russo está entrelaçada com a arbitrariedade dogmática dos bolcheviques.

A RSS ucraniana e seus componentes

Lênin uniu na República Socialista Soviética Ucraniana

  • o território do Hetmanato cossaco, que havia jurado fidelidade ao reino russo em 1654;
  • regiões de Kiev e Chernigov, conquistadas dos poloneses por Alexei Mikhailovich em 1667, que se tornaram parte do Hetmanato autônomo (Pequena Rússia) dentro da Rússia;
  • Nova Rússia (de Zaporijia a Odessa), conquistada do Império Otomano por Catarina, a Grande;
  • Ucrânia da margem direita, integrada ao Império Russo pela mesma Catarina, após as partições da Polônia;
  • terras primordialmente russas (povoadas tanto por grão-russos como por pequeno-russos) – Ucrânia Sloboda (Kharkov) e Donbass.

Na véspera da Grande Guerra Patriótica, a URSS integrou Volínia e Galícia, a Bucovina do Norte romena, a Bessarábia do Norte e a Bessarábia do Sul à Ucrânia (esta última fez parte do Império Russo desde 1812 até seu colapso). Em 1945, o território da Rússia subcárpata também foi adicionado, habitado por outro ramo dos eslavos orientais – os rutenos.

Quimera de “nacionalidade”

Qual era a situação etnossociológica da população da Ucrânia na era soviética? Do ponto de vista ideológico oficial, os bolcheviques introduziram um termo especial que não tem análogos em outras línguas e na nomenclatura política e científica dos termos – “nacionalidade”. Seu significado ficará claro somente com base nas peculiaridades da teoria da construção do socialismo em “um único país”. Nacionalidade é um análogo de etnicidade, que sobreviveu apesar de todas as mudanças nas formações históricas na forma de um sistema comunal primitivo (isto é, no entendimento marxista, um análogo de um grupo étnico), feudalismo (a formação de um povo), capitalismo (quando uma nação é formada), e finalmente socialismo, onde a sociedade socialista e o povo soviético foram formados. Em outras palavras, o termo “nacionalidade” foi concebido para designar um certo fenômeno que, por razões ideológicas, não deveria existir, mas que, por alguma razão, ainda existia. Diante de tais incompreensões (das quais havia muitas na ideologia soviética), os heróis de Andrei Platonov congelavam em perplexidade.

É difícil devolver algum significado normal a este termo pervertido (“nacionalidade”). Não se trata de uma nação (já que uma nação é um conceito político e está associada à condição de Estado), e nem de um ethnos (já que não deveria existir em uma sociedade soviética desenvolvida, assim como os neandertais não existem), tampouco de um povo (já que um povo implica uma identidade histórica em grande escala e separada).

Zonas etnossociológicas da Ucrânia

Na prática, segmentos etnossociológicos heterogêneos revelaram-se de forma concentrada na Ucrânia.

Em primeiro lugar, havia uma grande porcentagem de grão-russos, que na sociedade soviética não se destacavam de forma alguma ou eram equiparados, se necessário, a russos. Eles habitavam principalmente os territórios da Ucrânia Oriental – Ucrânia Sloboda, Donbass, Novorússia (até Odessa) e Crimeia. Etnicamente, culturalmente, historicamente e linguisticamente, eles não diferiam em nada da população do sul da Rússia e eram na maioria das vezes registrados como “russos”. Mas ressalto mais uma vez: na época soviética, isto significava “nacionalidade”, isto é, algo impreciso e vago, existente dentro dos montes contraditórios da ideologia soviética, que tentava forçar as realidades do país e do povo sob os dogmas do marxismo, que de forma alguma se enquadravam nestes dogmas.

Em segundo lugar, na Ucrânia Central, assim como nas regiões de Kiev e Chernigov, viviam os descendentes dos cossacos e camponeses da Pequena Rússia, que passaram para o Império Russo a partir do domínio dos poloneses. Neste ambiente, os dialetos da Pequena Rússia eram comuns, e os camponeses conservaram muitas características do arcaico modo de vida. Mas a próprio Kiev era a capital e, portanto, tinha uma porcentagem significativa da intelligentsia. Quase todos aqui falavam russo, mas em contraste com o leste da Ucrânia e a Crimeia, a peculiaridade da identidade pequeno-russa foi mais intensamente concretizada aqui, embora na grande maioria dos casos isto não fosse artificialmente oposto aos “russos” com os quais os pequeno-russos conviveram no mesmo Estado por séculos.

Em terceiro lugar, para o oeste do Dnieper na margem direita da Ucrânia – região de Vinitsa, Jitomir – a população era ainda mais agrária e arcaica. Aqui a língua artificial e os pequenos dialetos russos coexistiam com a língua russa. A porcentagem de grão-russos era significativamente menor. A identidade e a diferença em relação aos “russos” eram percebidas de forma mais aguda. Durante séculos, esta foi a periferia ocidental do Império e a influência polonesa (uniata, e diretamente católica) era sentida de forma muito mais significativa.

Em quarto lugar, a Galícia era uma zona completamente especial, cuja população não estava de modo algum ligada ao Império Russo, e foi lá que se desenvolveu a identidade mais independente dos “ucranianos”, apesar do fato de que a Galícia e a Volínia não pertenciam de fato à Ucrânia. Aqui era o centro do sudoeste da Rússia, e os governantes da Galícia e Volínia eram príncipes grão-russos, que com bastante sucesso – por algum tempo – se opuseram ao leste russo. Mais tarde, esta parte dos pequeno-russos se viu sob o domínio dos Estados europeus, mas manteve as suas próprias pecularidades, puramente étnicas dessa vez. Ao mesmo tempo, uma polacofobia aguda fazia parte desta identidade. Em Volínia, havia áreas cuja população mantinha teimosamente a Ortodoxia como uma tradição étnica.

E finalmente, a Subcarpátia, que foi por quase mil anos terra da coroa húngara, fazia parte da parte húngara da Áustria-Hungria, depois da Tchecoslováquia, depois novamente da Hungria, e só depois de 1945 com a URSS foi habitada por rutenos, outro ramo dos eslavos ortodoxos orientais que preservaram – de muitas maneiras devido ao terreno montanhoso – muitas características arcaicas.

Nacionalismo ucraniano e ocidentalismo

Nossa análise mostra em que base o nacionalismo ucraniano artificial começou a tomar forma. Nele, o tipo etnossociológico da Ucrânia Ocidental foi tomado como padrão, e ainda mais estritamente – Galícia e Volínia. Este tipo foi tomado como modelo para os ucranianos. A base da língua “ucraniana” no século XIX foram os dialetos da Ucrânia Central (principalmente da região de Poltava). No entanto, então a língua, à medida que o nacionalismo se desenvolvia, começou a se deslocar cada vez mais para os dialetos ocidentais que haviam sofrido uma profunda polonização. O uniatismo se tornou norma religiosa. A Rússia e os grão-russos eram vistos como “outros” e até mesmo como inimigos. Esta Ucrânia fictícia escolheu a Europa e o Ocidente como sua orientação.

Durante a Segunda Guerra Mundial, estas características foram utilizadas pelos nacional-socialistas de Hitler, que confiaram voluntariamente nos ucranianos ocidentais na guerra contra a URSS. Daqui vieram os heróis dos nacionalistas ucranianos modernos – Bandera, Shukhevych, que colaboraram com os nazistas, etc.

Após o colapso da URSS, o território da Ucrânia com uma população extremamente heterogênea se viu sob o domínio de líderes que tentaram escolher uma identidade etnossociológica. A coisa mais simples que veio à mente foi declarar a Ucrânia uma nação, ou seja, algo que ele nunca foi de forma alguma. Em certo sentido, esta decisão foi tomada como certa após o colapso da ideologia soviética, que não só não explicava “quem são os ucranianos?”, mas proibia de fazer esta pergunta sob a ameaça dos aparatos repressivos. O fim do bolchevismo ofereceu oportunidades para refletir seriamente sobre a identidade, mas exigia decisões rápidas.

Ucrânia moderna: estágios de nazificação

Kiev deu o primeiro passo nessa direção, aprovando a tese “A Ucrânia não é a Rússia”. Isto era relativamente lógico, pois a Federação Russa não reivindicava nenhuma relação especial com a Ucrânia, tendo assumido o desenvolvimento do legado soviético no território da antiga RSFSR. Mas a etnossociologia dos russos é uma questão à parte.

Inicialmente, a versão Zapadensky da identidade ucraniana era marginal, embora não fosse mais perseguida (ao contrário da época soviética). Mas muito rapidamente, a voz da Ucrânia Ocidental começou a ser ouvida cada vez mais alto. Assim, a tese “A Ucrânia é a Ucrânia Ocidental” foi surgindo gradualmente. E se alguém não concorda com isto, então isto deve ser “corrigido” pela força. Os processos de construção artificial da nação, a partir da identidade zapadenskaya – quase diretamente Bandera -, começaram já nos anos 90. Ao mesmo tempo, todo o Leste, a Crimeia e até mesmo as regiões centrais da Ucrânia, onde a maioria falava russo e se considerava parte da irmandade eslava oriental, foram completamente ignoradas. Muitas vezes este entendimento de parentesco com os grão-russos foi expresso em memória da história soviética comum, da Grande Guerra Patriótica e das façanhas conjuntas. No entanto, tal estado de espírito era contrário ao nacionalismo de acordo com os padrões ocidentais.

Assim, a Ucrânia embarcou no caminho da construção de uma única nação (cujo modelo não era nem metade, mas um terço da população da Ucrânia), e em uma veia russofóbica, quase nazista. Ao mesmo tempo, a intelligentsia urbana, incluindo os da capital, ligou o nacionalismo com um foco na Europa e na integração no Ocidente, que o próprio Ocidente apoiou com prazer por razões pragmáticas. No próprio Ocidente, porém, naquela época, já estava em questão a abolição das nações e a transição para o globalismo. Mas foi aberta uma exceção para a jovem democracia ucraniana: O neonazismo ucraniano era visto como uma doença infantil do liberalismo, na medida em que era dirigido contra a Rússia. Ao mesmo tempo, nos anos 90, quando a própria Rússia tentava desesperadamente se integrar ao globalismo ocidental, o Ocidente apoiava as tendências de construção de nação na Ucrânia não tão ativamente. Quando Putin chegou ao poder na Rússia, assumindo a posição de soberania e reforçando a independência da Rússia em relação ao Ocidente, o Ocidente começou a dar mais atenção à construção de uma identidade nacional ucraniana.

Obviamente, outras regiões da Ucrânia – antes de tudo, suas partes orientais – se opuseram categoricamente a tal giro ideológico. Eles votavam nos candidatos do Leste, que aos seus olhos representavam pelo menos um vetor pró-russo, uma atitude neutra em relação à identidade eslava oriental e, no limite, uma possível reunificação dos povos fraternais. Mas se a identidade dos ocidentais ucranianos, incluindo os nazistas, foi ativamente apoiada pelo Ocidente, então Moscou se comportou passivamente, preferindo resolver questões difíceis com as autoridades e os oligarcas ucranianos, sem oferecer sua própria versão sobre o futuro da Ucrânia.

Oscilando entre o Ocidente e Moscou, Yanukovych era o candidato do leste da Ucrânia, mas para os nazistas ucranianos e os países da OTAN que os apoiavam, e acima de tudo os Estados Unidos, isto já era inaceitável. Daí o Maidan e a chegada ao poder dos nacionalistas extremistas. A isto se seguiram as ações de resposta de Moscou (reunificação com a Crimeia) e o início da Primavera Russa, ou seja, uma revolta consciente da população do leste ucraniano, que não concordava com a construção nacional ocidental, a banderização direta da Ucrânia, que se tornou a norma após o Maidan.

Em 2014, o processo de libertação da Novorrússia foi interrompido e retomado apenas 8 anos depois, durante a atual operação militar especial.

A desnazificação da Ucrânia como um objetivo

Vamos chegar a uma conclusão. A Rússia, no âmbito desta operação, defende o desmantelamento completo do modelo de Estado nacional e da nação que se desenvolveu ao longo de 30 anos na Ucrânia moderna pós-soviética. Ao anunciar o início da operação, Putin mencionou a história do surgimento da Ucrânia dentro de suas fronteiras atuais, o papel do Império Russo e as ações dos bolcheviques. Falamos sobre o significado geopolítico do que está acontecendo em outros lugares. Aqui focaremos apenas os aspectos etnossociológicos.

Um dos dois principais objetivos da operação especial é a “desnazificação” (o outro é a desmilitarização). Isto significa que a Rússia não parará até que garanta a abolição do modelo de nação e de Estado-nação que os nacionalistas ucranianos construíram com o apoio do Ocidente. Seria lógico assumir que, após a conclusão da operação, a situação voltará ao estado em que o sistema etnossociológico da Ucrânia se encontrava antes do início de seu Estado.

Isto significa que o vetor básico será um novo ciclo de integração dos grão-russos e dos pequeno-russos em um único povo. Isto não significa a vitória dos “russos” sobre os “ucranianos”, estes termos não fazem nenhum sentido. Isto significa a reunificação dos eslavos orientais, cujos ramos são tanto os grão-russos como os pequeno-russos (assim como os bielorrussos).

Além da necessidade de erradicar os resultados da propaganda nazista, à qual gerações inteiras de ucranianos foram agora submetidas, é importante construir um modelo etnossociológico consistente do futuro.

Mais uma vez, devemos recorrer ao mapa etnossociológico da Ucrânia. O leste da Ucrânia – Novorrússia, Sloboda e Donbass – pode ser integrado com relativa facilidade. Além disso, com a preservação das características etnoculturais únicas desta região.

Com a Ucrânia Central, e especialmente com Kiev, será mais difícil. Mas mesmo aqui, levando em conta a mais acentuada identidade pequeno-russa, uma opção aceitável pode ser proposta no futuro.

É o oeste da Ucrânia que apresenta o problema, e a operação militar especial é dirigida principalmente contra ela e seu programa nacionalista, finalmente adotado após o Maidan pelas autoridades de Kiev (não importa quem, Poroshenko ou Zelenski) e apoiado pelos Estados Unidos e pela OTAN. Para a Rússia, este nacionalismo russofóbico artificial é o principal inimigo.

Seria extremamente imprudente permitir a conservação do Estado neonazista mesmo dentro da Ucrânia ocidental. Além disso, mesmo ali a ideologia neonazista em sua forma mais pura está longe de ser compartilhada pela maioria da população, que permanece eslava oriental e (principalmente na Volínia) ortodoxa.

Os russos, em qualquer caso, merecem autonomia em qualquer configuração política.

Levar a etnossociologia em consideração nas condições atuais é absolutamente necessário. Ela também é necessária no caso da Rússia. Se quisermos caminhar para uma sociedade plena e ressurgente, precisamos também levar em conta o exemplo do erro trágico de nossos irmãos ucranianos e nunca sequer olhar na direção do nacionalismo. Nós não somos uma nação, somos um povo. E nosso objetivo é construir um grande estado no qual haverá um lugar para todos os que estão ligados a nós por seu destino – e acima de tudo – nossos irmãos eslavos do leste.

Fonte: Katehon

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *