O Silêncio dos Historiadores e o Ataque dos Banderistas

Nas últimas semanas surgiram muitas confusões sobre os neonazistas ucranianos e suas origens, de narrativas que negam a existência dos neonazistas a narrativas que afirmam o caráter fascista e nazista do Estado ucraniano em si. Algumas precisões são necessárias, até para explicar a aproximação entre neonazismo e sionismo, muito característica do caso ucraniano.

Não sou historiador, mas entendo um pouco de história, então me pergunto por que, durante esta tempestade midiática em que geopolíticos, analistas, estrategistas, psicólogos, psiquiatras (as duas últimas categorias para estabelecer que Putin é louco e tem problemas que ele carrega desde a infância…. Ah! a psicanálise neofreudiana, pau para toda obra!) tudo “muito objetivo”, ça va sans dire, por que, pergunto-me, não aparece na TV um historiador que, ouvindo as tolices politicamente corretas, não cai na gargalhada e intervém para uma definição historicamente rigorosa. Sim, pergunta retórica, pois conheço muito bem a razão.

Este é o caso, por exemplo, dos neonazistas ucranianos, os banderistas, e, como corolário, com a ausência de menção às relações passadas entre ucranianos e poloneses, que agora são relatados como generosos ajudantes de exilados ucranianos. Mas, nos termos mais concisos possíveis, dado o espaço do Facebook, vamos prosseguir em benefício dos interessados.

Quantas pessoas sabem que os poloneses acusam os ucranianos de colaboração com os alemães em massacres (mesmo genocídio) de sua própria população em Volina e na Galícia Oriental, em algumas partes da Polésia e na região de Lublin entre 1943 e 1945? A culminação do massacre de entre 50.000 e 100.000 mulheres e crianças polonesas com estupro, tortura, desmembramento e queimadas ocorreu, segundo os poloneses, entre julho e agosto de 1943.

Por quais ucranianos? De acordo com os poloneses, ela foi realizada pelo banderistas, ou seja, aqueles aos quais a maioria dos nacionalistas ucranianos hoje se remetem, a começar pelo Batalhão Azov, que é o núcleo radical do exército ucraniano e a Guarda Pretoriana do Presidente ucraniano. Aqueles que, de acordo com um relatório da OSCE de 2016 (e não dos putinistas) são responsáveis pelo assassinato em massa de prisioneiros, pela ocultação de cadáveres em valas comuns e pelo uso sistemático de técnicas de tortura física e psicológica.

E chegamos a Stepan Bandera, o herói ucraniano e a essência ideológica de seus admiradores ucranianos, os inspiradores do batalhão Azov. Bandera foi condenado à morte em 1934 por organizar o assassinato do Ministro do Interior polonês e preso na prisão polonesa de Wronki, uma sentença que mais tarde foi comutada para prisão perpétua e depois, “incompreensivelmente” (haveria aqui um romance) libertado em setembro de 1939.

O sentimento antissoviético (e não antirrusso, já que a maioria dos ucranianos considerava os russos como “prisioneiros” da ideologia “comunista”) surgiu após o que os ucranianos chamam de Holodomor, a grande fome que atingiu os ucranianos entre 1932 e 1933 e causou milhões de mortes, 10 milhões de acordo com algumas estimativas. Os nacionalistas ucranianos atribuem a culpa desta fome às “políticas agrícolas” stalinistas (embora isto seja historicamente controverso). Foi este evento que desencadeou o nascimento da ideologia de Bandera.

Bandera, mesmo antes da proclamação da independência ucraniana em 30 de junho de 1941, organizou seu movimento e mais tarde considerou apoiar as tropas alemãs para conseguir a libertação de sua nação da URSS. A narrativa ideológica explica que é porque ele era nazista, mas há pouco de nazismo em sua ideologia. Ele também é acusado de perseguir os judeus, mas quando o expurgo dos judeus aconteceu, ele era simplesmente um prisioneiro dos próprios alemães. Já feito prisioneiro e trazido para Berlim pelos alemães em 5 de julho de 1941. Após vários interrogatórios, ele foi libertado no dia 14 do mesmo mês, mas foi obrigado a permanecer em Berlim (não entrarei nos porquês e onde ocorreu esta prisão), bem como no mês seguinte, em janeiro de 1942, quando foi internado no campo de concentração de Sachsenhausen, a ser mantido na seção especial para presos políticos. Liberado em abril de 1944, os alemães o contataram para avaliar sua vontade de organizar atividades de sabotagem contra o Exército Vermelho e ele foi libertado em setembro daquele ano, mas não voltou à Ucrânia: os alemães o fizeram basear seu quartel-general em Berlim. Assim, quando ocorreu a perseguição aos judeus, Bandera era um prisioneiro na Alemanha e eu não conheço um único escrito antissemita de Bandera. É um fato que é certo que Bandera se opôs tanto aos soviéticos quanto à ocupação nazista da Ucrânia (aqui também, levaria muito tempo para fornecer provas; aqueles que o desejarem podem fazer pesquisas). A perseguição que ele sofreu por parte dos soviéticos, poloneses e alemães está bem documentada. Afinal, enquanto seu pai (um reverendo) foi fuzilado pelos soviéticos e duas irmãs presas em um gulag, dois de seus irmãos foram internados em Auschwitz e assassinados por prisioneiros poloneses na mesma seção. Finalmente, outro irmão foi morto na frente de batalha contra os alemães.

Tendo dito tudo isso, você pode compreender bem a simplificação que está sendo feita nestes dias da história de Bandera, da relação entre poloneses e ucranianos e consequentemente dos “nazistas ucranianos”, o Batalhão Azov in primis. Os neonazistas reivindicam o banderismo em termos laudatórios porque é fascista e/ou nazista; os antifascistas sempre apontam para ele com desprezo porque é “nazista” e consequentemente pintam o Batalhão Azov como nazistas perfeitos quando na realidade eles não passam de liberais disfarçados que fetichizam o banderismo/fascismo. Em resumo, assim como algumas franjas italianas neofascistas que são tão próximas do fascismo quanto a geleia é da carbonara. Há fotos circulando com grupos paramilitares (não apenas do batalhão Azov) onde são vistos com as bandeiras nazistas, americanas e da OTAN. Enfatizar pequenos grupos de aberrações em um estado de confusão ideológica é estúpido e ignorante. A realidade é mais complexa e os banderistas ucranianos de hoje são simplesmente mercenários a serviço do globalismo demoníaco e liberal, algo que nem certos “fascistas” nem certos “antifascistas” conseguem entender.

Portanto, estou esperando ver um historiador sério na TV para desvendar o entremeado histórico, a relação neurótica entre ucranianos e poloneses, a relação dos ucranianos com o Ocidente e a relação com a Rússia (aqui, na verdade, de vez em quando alguém faz um esforço para explicar os porquês do sentimento russo/putinista em relação à Ucrânia, mas é sempre pouco).

Fonte: IdeeAzione

Maurizio Murelli

Editor e escritor italiano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *