Dugin: “Os ucranianos têm sido e sempre serão nossos irmãos”

O filósofo Aleksandr Dugin enfatiza a importância de máxima atenção em relação às movimentações dos inimigos internos e externos da Rússia, pontuando, porém, que o povo ucraniano é um povo irmão e que a operação militar russa deve garantir que permaneça assim.

Acho que o mais importante agora é manter a calma. A rapidez da operação militar pegou de surpresa tanto os inimigos quanto os amigos. Ninguém estava esperando por isso. Daí a onda de histeria de todos os lados. Mas é importante entender que não é coisa de uma semana assumir o controle de um país enorme e bem armado que se prepara para uma guerra conosco há oito anos, e moralmente tem se preparado há muito mais tempo. Após o primeiro dia de avanços, os eventos não não têm como se desenvolver tão rapidamente, mesmo na melhor das circunstâncias. Isto requer contenção e uma consciência limpa da parte de todos.

Há vários pontos que me parecem centrais.

  1. Os patriotas temem que possamos, sob algumas condições (por exemplo, após a limpeza dos territórios da RPD e da RPL), parar. Este medo é infundado. Tal operação em larga escala só poderia ser lançada por Moscou com objetivos claros e não negociáveis que não dependessem de quase nada – de chantagem nuclear, inclusive. Portanto, tudo será levado ao seu destino final. A qualquer custo e de qualquer maneira.
  2. Os liberais (inimigos conscientes da Rússia) e os pacifistas sentimentaloides (pessoas que ignoram a geopolítica, a ciência política e as relações internacionais) têm a ilusão de que protestos e petições on-line podem mudar alguma coisa (não podem mudar nada).
  3. Todos os movimentos ocidentais contra a Rússia sob essas condições só irão fortalecer a ala patriótica e enfraquecer definitivamente a ala liberal. A vida das pessoas comuns não será particularmente afetada. Afinal, apenas os monetaristas ideologicamente fanáticos acreditam que o conselho monetário é o único modelo financeiro. Eles não querem nem mesmo ouvir falar sobre soberania financeira. Eles estão errados. O Estado pode emitir tanto dinheiro quanto ele necessita. Para domar a inflação, você pode ter uma emissão de circuito duplo (de acordo com o plano de A. Galushka). O Ocidente não nos deu a alta tecnologia em nenhum caso. O mercado de energia na Ásia é potencialmente infinito para nós. Portanto, seremos capazes de resistir e nos tornaremos mais fortes.
  4. Muitos meios patrióticos têm acusado os neonazistas ucranianos de tentar invadir websites e contas de mídia social. Quanto àqueles que devem ser logicamente mobilizados para lutar fisicamente contra os nossos, de onde vem o tempo e a energia para tais atividades? A resposta é que não é da Ucrânia que os ataques cibernéticos estão vindo. A Ucrânia como tal após Maidan é apenas uma cobertura para a estratégia geopolítica maior da OTAN contra nós. É por isso que estamos eliminando essa cobertura.
  5. Os ucranianos têm sido e sempre serão nossos irmãos e irmãs. Deixem eles dizer o que quiserem. Somos eslavos ortodoxos orientais com raízes comuns, diferentes caminhos históricos e um futuro comum. E ninguém pode fazer nada a respeito disso. Nós divergimos repetidamente, e depois nos unimos novamente. Em diferentes circunstâncias e de diferentes maneiras. Os ucranianos não são inimigos, eles são nossos.

Nós, os grã-russos, não somos de açúcar. E eles não são de açúcar. Mas temos que respeitá-los. Em breve viveremos em um Estado com eles. E eles se beneficiarão com isso. E devemos fazer com que eles se beneficiem. Mas somente de unidade, não de fratricídio.

Portanto, devemos definitivamente rejeitar o ódio.

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *