Previsões para 2022

O filósofo e analista geopolítico russo Aleksandr Dugin analisa os cenários possíveis para 2022, indicando o fortalecimento da multipolaridade, o enfraquecimento de Biden, a consolidação de algumas potências regionais, novos conflitos no norte da África e a possibilidade de distanciamento da UE em relação aos EUA a depender do resultado das eleições francesas.

  1. Um fortalecimento da multipolaridade é muito provável em 2022, uma vez que as políticas da Rússia e da China se tornarão cada vez mais claras. Ambas as nações continuarão a reforçar os seus laços. Por conseguinte, é provável que em torno destes dois atores surja um clube de potências multipolares (enquanto os países que ainda reconhecem a legitimidade da unipolaridade dos EUA se organizarão em torno da “Liga Democrática”). Além disso, “Grandes Espaços” tais como a UE, Índia ou países islâmicos também irão afirmar a sua soberania. No entanto, é muito provável que a tripolaridade continue a ser a norma, pois nem a Índia nem a UE são capazes de se tornarem sujeitos autônomos por muitas razões: elites liberais, falta de autoconsciência, influência direta das potências globalistas, falta de uma ideia de unidade, etc…
  2. A deflagração de uma Terceira Guerra Mundial continuará a ser uma possibilidade, especialmente porque os EUA continuarão a se recusar a desistir da posição hegemônica que ocuparam entre 1945 e 1991. A primazia dos Estados Unidos reafirmou-se após o colapso da URSS e foi apelidada de “momento unipolar” (1991-2000), que se manteve mais ou menos inalterado até hoje. Os neoconservadores aspiravam a tornar absoluto este domínio no século XXI (Projeto para o Novo Século Americano). No entanto, a legitimidade limitada de Biden nos Estados Unidos e as divisões profundas na sociedade norte-americana tornam claro que o velho Joe tem pouca autoridade para lançar uma guerra nuclear neste momento. Putin, por sua vez, conta com isso. A guerra nuclear é uma carta (talvez necessária) para coagir os EUA e preservar a paz.
  3. Ainda assim, é importante ter em mente que Biden estará numa posição precária em 2022, uma vez que os seus índices de aprovação são muito baixos, as suas políticas externa e interna estão cheias de contradições, e há eleições para o Senado a meio do seu mandato. Como resultado, os republicanos e especialmente o ex-presidente Trump são suscetíveis de recuperar a popularidade, tornando o trumpismo cada vez mais relevante. Contudo, é provável que Biden seja forçado a tomar medidas desesperadas a fim de evitar o colapso do seu mandato, e aqui faz sentido que um confronto direto com a Rússia sobre a soberania do Mar Negro e da Ucrânia Oriental faça sentido. Biden não tem o carisma para tomar tal ação, mas não se pode excluir que o faça para salvar o globalismo moribundo.
  4. Os EUA continuarão a utilizar as tensões regionais em seu proveito, como a que existe entre o Paquistão e a Índia. Contudo, o fato de ambos os países pertencerem à OCX pode ajudar a mitigar estas tensões. A Rússia desempenhará aqui um papel diplomático importante, uma vez que tem boas relações com a Índia e está melhorando as suas relações com o Paquistão.
  5. A China continuará a consolidar a sua influência através do seu projeto da “Nova Rota da Seda” e a expandir a sua parceria estratégica com a Rússia. Portanto, é bem possível que estes projetos deixem de girar em torno da China e se tornem parte da estratégia continental proposta por Putin para a Grande Eurásia.
  6. A Rússia continuará a reforçar a sua soberania, mas o restabelecimento da sua essência imperial só poderá ser conseguido através de uma guerra defensiva: em caso de provocações contra nós, teremos de responder. Se surgir um conflito na Ucrânia, a Rússia entrará na ofensiva e a Ucrânia, como entidade independente e plataforma do globalismo, desaparecerá de uma forma ou de outra. Se isso acontecer, um novo Estado poderá emergir nos territórios habitados pelos eslavos orientais e a reunificação dos grão-russos, pequenos russos e russos brancos será finalmente conseguida uma vez mais.
  7. O futuro do Nord Stream 2 permanecerá incerto, especialmente porque a Alemanha é governada por uma coligação pró-EUA e globalista liderada pelos Verdes, embora a centro-esquerda alemã seja igualmente pró-EUA e tenha fortes laços com George Soros. Isto leva à conclusão de que a Alemanha entrará numa série de lutas políticas, uma vez que o consenso entre as elites e a sociedade forjado por Schroeder (centro-esquerda) e Merkel (centro-direita) irá desaparecer.
  8. O Islã político deixará de ser relevante e outros projetos e soluções para os problemas do Médio Oriente começarão a surgir. Contudo, é pouco provável que tais projetos sejam consolidados num futuro próximo.
  9. O Magrebe tornar-se-á o epicentro de vários conflitos regionais, nomeadamente entre a Argélia e Marrocos ou entre Marrocos e a Frente Polisario no Saara Ocidental. Além disso, vários outros conflitos locais ameaçam as populações muçulmanas africanas (Mali, Nigéria, República Centro-Africana, Chade, etc.). O futuro do Iraque permanece incerto, especialmente porque as tropas norte-americanas deverão retirar-se este ano. Isto poderia aumentar as tensões entre as populações xiitas, sunitas e curdas ou desencadear guerras dentro de todos estes agrupamentos.
  10. O Irã continuará a ser um país bastante estável, uma vez que o governo dos aiatolás – ao contrário da propaganda ocidental – é bastante sólido.
  11. A Turquia permanecerá independente e autônoma enquanto Erdogan estiver no poder, sendo provável que este último enfrente muitos desafios internos.
  12. A França é o país dentro da UE que sofrerá mais mudanças, uma vez que Eric Zemmour é provável que se torne presidente. Zemmour é um defensor do gaullismo e do continentalismo, para não falar de ter posições antiglobalistas e antiamericanas. A França vê atualmente três candidatos de direita – Zemmour, Marine Le Pen e a republicana Valérie Pécresse – enfrentarem Macron, competindo entre si pelo voto “antimacronista” dos franceses. Se o gaullista Zemmour ou Marine Le Pen se tornar presidente, então a UE como um todo (e especialmente Itália e Alemanha) começaria a tornar-se um polo independente (especialmente agora que a Grã-Bretanha já não faz parte da Europa).

Fonte: Russica

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *