Metaverso: Uma análise geoestratégica deste novo universo virtual

Os CEOs de grandes empresas de tecnologia ao redor do mundo percebem que os seres humanos já vivem uma cultura amplamente digitalizada, fenômeno que o Meta pretende aprofundar. Quais são os desafios e chaves para nós, enquanto seres humanos, superarmos e executarmos nesse novo estágio do mundo virtual? O autor e comentarista Mario Ramón Duarte propõe nesse texto tal reflexão.

Por Mario Ramón Duarte

Quando achávamos que já tínhamos visto de tudo com a chegada exponencial e disruptiva da Quarta Revolução Industrial, mais conhecida como a Era da digitalização e da velocidade, que irrompe nesta nova etapa do sistema mundial através de novas tecnologias como a realidade virtual, ‘IoT’, automação, inteligência artificial, realidade aumentada (através de óculos inteligentes), o mundo virtual em 3D, hologramas, entre outros, o CEO da marca Facebook, Marck Zuckerberg, em 28 de outubro deste ano, anunciou ao mundo a mudança de nome do conglomerado de empresas do qual é proprietário: Facebook, Instagram, WhatsApp, Messenger, Oculus, Worldplace, entre outros, pelo nome META, que já administra uma comunidade de cerca de 3.000.000 de usuários em todo o mundo, dobrando a população da China, o país com a maior densidade populacional e também com mais habitantes do que alguns dos continentes do nosso planeta.

Agora, continuando com o tema proposto, e para desvendar a complexidade e os desafios que este mundo virtual nos propõe dia a dia, sob o nome de META, inicia-se, sem dúvida, uma nova etapa na multinacional americana que não só manterá a sua família de aplicações mencionadas acima, incluindo o Facebook, como se concentrará principalmente numa nova linha de negócio que desenvolverá plataformas de realidade virtual. Embora Marck Zuckerberg acredite que o Metaverso seja a nova versão da internet, uma plataforma que usaremos cada vez com mais frequência para simular presença, conhecer pessoas e viver experiências nunca antes conhecidas, muitos especialistas também afirmam ser uma obsessão de Zuckerberg você poder obter seu próprio Metaverso, através do META.

Mas além de tudo o que foi dito acima, a título de introdução, qual é o significado de Metaverso? O CEO do Facebook é o dono do Metaverso? Quando essa palavra entrou na moda no mundo de hoje? Há mais empresas ou CEOs lutando pelo domínio tecnológico no famoso Metaverso? São muitas as questões que surgem em torno desse fenômeno que Zuckemberg instalou na agenda mundial. O nível das grandes tecnologias, relegando ainda mais os estados e organismos multilaterais que até hoje ainda são os grandes responsáveis ​​pela imperiosa ausência de uma regulação do ciberespaço, que venho alertando há quase uma década em vários meios de comunicação internacionais, e que também tenho refletido como um tema urgente em meu trabalho bibliográfico denominado: “Quarta Revolução Industrial: análise estratégica”.

Para continuar e ir diretamente para o desvendar do fenômeno do Metaverso, é preciso primeiro saber qual é o seu verdadeiro significado, e a realidade nos diz que o termo Metaverso ou ‘Metauniverso’ (acrônimo de Meta que geralmente significa algo como “além” e verso de “universo” fazem a fusão para o nome atual). É um conceito que denota a próxima geração da Internet, que descreve como uma experiência imersiva e multissensorial aplicada no uso de diversos dispositivos e desenvolvimentos tecnológicos na Internet. Embora este termo esteja em voga nos últimos tempos, não é uma criação do Facebook, já que este conceito surgiu em 1992, através do livro de ficção científica ‘Snow Crash’, do escritor Neal Stephenson. Através da evolução da história, o Metaverso é um mundo virtual 3D povoado por avatares de pessoas como nós, interagindo com diferentes tipos de experiências; daí a origem do termo e suas principais ideias, das quais hoje o CEO do Facebook assumiu a liderança sobre outras empresas de tecnologia como a Nvidia, que aposta tudo no Metaverso, mas com o nome que lhe atribuem: ‘Omniverse’, como confirmou seu CEO Jensen Huang no evento GTC 2021, acrescentando que o Omniverse é mais concreto e preditivo do que o Metaverso do Facebook. Voltando ao tema central, outro olhar que é mais do que interessante, mas do ponto de vista filosófico, nos faz ver e entender o que Stephenson disse e para quem o viu, a referência mais próxima dessa realidade é o mundo visto em Ready Player One, o filme de Spielberg onde as pessoas, para escapar da vida decadente em seus bairros marginais, mergulham em um mundo virtual no qual participam de atividades de entretenimento e de trabalho.

Nada mais próximo da realidade, se preferir, embora existam certas análises e muitas demandas para encontrar a verdade de tudo o que foi dito acima. Quanto à minha visão pessoal, acredito e quero entender que, seguindo as expressões do Papa Francisco, a tecnologia é boa e positiva, mas que não podemos continuar deixando tudo para o ‘bem de Deus’, pois daí surgem muitas perguntas inacabadas que devem ser respondidas mais cedo ou mais tarde e, repito, sem dúvida é uma grande dívida dos Estados e dos organismos multilaterais que devem fornecer soluções e respostas de acordo com os tempos em que vivemos, porque o progresso tecnológico continuará e regiões como a nossa (América Latina) são realmente atrasadas em inúmeros aspectos, coexistindo em três séculos diferentes simultaneamente, onde uma educação social tecnológica se faz mais do que necessária, mudando a realidade que nos cerca, onde abundam ‘tecno-zumbis’ para verdadeiros tecno-formatos. Assim tomaremos os primeiros passos para erradicar esse grande problema da ‘Indústria 4.0’ que é uma distração massiva para jovens e também todas as idades com horas e horas no aparato tecnológico, esse problema da chamada obesidade tecnológica.

Mas diante dessas afirmações preliminares, mas reais, lógicas e contundentes que os seres humanos sofrem, é preciso também nos perguntarmos: o mundo real está pronto para abraçar definitivamente o mundo virtual proposto pelo Metaverso? Pessoalmente acredito que essas questões e talvez outras mais não podem ser dadas com clareza ou ainda não estão totalmente claras, o mais certo sendo que as promessas do futuro virtual não convencem nem mesmo a maioria dos seres humanos, e seu avanço vertiginoso em nada contribui para convencer os usuários, sem regras claras do jogo. Mas o que não podemos negar é que essa nova mudança de época, agravada pela pandemia do COVID-19 e pelas mudanças aceleradas que ocorreram especialmente em áreas altamente sensíveis como o ambiente de trabalho, a educação, que a maioria de nós vivenciou no último ano e meio, nos dá a certeza de que estamos diante de um ‘novo normal’. Para além de tudo isso, quem parecem convencidos sobre esta mudança para o Metaverso são os grandes CEOs, para quem, por exemplo, um relatório da prestigiada consultora britânica PwC em 2020 prevê que até 2030 cerca de 23,5 milhões de empregos usarão a Realidade Virtual e também a Realidade Aumentada para tarefas como treinamento, reuniões e atendimento ao cliente, supostamente dando aos internautas mais um passo de qualidade no mundo virtual.

Em suma, os CEOs de grandes empresas de tecnologia de todo o mundo percebem que os seres humanos já vivem uma cultura amplamente digitalizada e que o Papa Francisco também a expressou da Pontifícia Academia de Ciências Sociais do Vaticano. Continuamos no presente e com vistas ao futuro sem regras claras, precisas, éticas, morais, sociais, políticas e econômicas, neste mundo amplamente digitalizado, somado ao avanço sem precedentes da Inteligência Artificial que hoje preocupa o mundo inteiro, mas que de forma paralisada observa esse fenômeno que, sem dúvida, preocupa a maioria da população mundial. Também nos preocupamos quando vemos que nossa privacidade e quem cuida dos nossos dados não estão sob a devida observância e soberania estatal, onde nossas fronteiras cibernéticas são totalmente vulneráveis, assim como a interdependência em assuntos cibernéticos.

Por fim, vale lembrar que, embora o uso do Metaverso esteja apenas começando e nos próximos meses mais empresas se juntem à luta pelo domínio desse novo universo que muitos chamam de futuro da nova internet, será vital para os usuários que diariamente se desenvolvem neste novo ambiente do qual já fazemos parte, desde as atividades domésticas, até as questões mais delicadas do mundo financeiro, das empresas e até mesmo de um Estado soberano, combatendo os flagelos, como aquele que continuará a tratar dos nossos dados, quando a ética e o respeito à sua privacidade começarem a ser aplicados, mas através de um verdadeiro regulamento do ciberespaço, onde todos os países são verdadeiros atores e não decorados como atualmente, onde ainda se respira e permanecem grandes dúvidas, se o objetivo final do CEO do Facebook através do META não é escapar dos famosos escândalos da Cambridge Analitycs e da venda de dados de usuários que foram reconhecidos por si mesmo perante o Congresso norte-americano para beneficiar determinado político ou partido político, enfraquecendo e prejudicando a democracia daqueles países, onde nem a Argentina ficou imune a essa manobra.

Se isso for realmente perseguido com os critérios que levem a regras claras ou ao menos ajustáveis ​​neste mundo paralelo que é a internet, observando e analisando a geoestratégica, para navegar com segurança e tranquilidade, a experiência começará a ser mais do que positiva na ciberssegurança. Tal qual observamos atualmente em assuntos como o ‘e-commerce’, com o propósito de juntar o mundo virtual com o mundo físico. Um grande desafio estratégico se coloca apesar do avanço vertiginoso da tecnologia e, são os seres humanos que devem ser os arquitetos de nosso próprio destino, sempre tendo como premissa o homem como centro e eixo da humanidade e da própria Natureza, tal como a criação. “Uma vida paralela em um mundo paralelo, ou uma espécie de filme de ficção científica transformado em realidade como ação científica?”, devemos dar a resposta nós mesmos e o quanto antes, como uma virtude que vai “além”, daquilo que está sendo aqui levantado.

Fonte: Metaverso: análisis geoestrategico de este nuevo universo virtual

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *