Covid-19: Uma Reflexão Pessoal

O filósofo russo Aleksandr Dugin dá a sua opinião atual sobre a questão das vacinas, da pandemia, da variante omicron, etc., ressaltando que o mundo nunca voltará a ser o que era antes da pandemia e que a humanidade precisa aproveitar a situação para corrigir seus erros e mudar de horizonte.

Com relação à vacinação COVID-19, vejo que o principal problema está no seguinte.

De fato, como mostra a experiência (usando o exemplo de dois parentes idosos que perdi recentemente), a vacinação não salva nem de contrair o coronavírus nem de servir como portador e transmissor do coronavírus. Neste sentido, não há nenhuma diferença entre vacinados e não vacinados. E todos (tanto vacinados como não vacinados) têm certeza de que há, e de que a vacina oferece proteção confiável contra a infecção. Ela não oferece.

Talvez aqui eu não presumo julgar com certeza, a vacinação protege contra um curso severo da doença (embora alguns vacinados estejam gravemente doentes, novamente por experiência). E parece que há menos mortes – a cadeia de ressuscitação, ventiladores, necrotério – após a vacinação, o que é significativo. Mas tudo nos é apresentado de maneira diferente: seria correto dizer, “vacine-se para reduzir as chances de morte no caso de um curso suave da doença”, e nos é dito, “vacine-se e não se preocupe com mais nada”. Me parece que essa propaganda de vacinação é equivocada, irresponsável e extremamente criminosa. As pessoas acreditam que estão seguras, não observam nenhuma medida de precaução e estão em perigo – em perigo de morte. E estão em perigo como todas as outras pessoas.

Mas o lockdown, as máscaras, o isolamento, melhorias dramáticas na higiene, o uso de luvas, a remoção e uma redução fundamental no contato com as pessoas – como custos inevitáveis da terrível catástrofe que se abateu sobre todos nós – eu apoio até que alguma outra solução que salve vidas (mas que seja confiável) seja encontrada. Se acreditamos tê-la encontrado em uma vacina, estamos errados e enganando os outros. Se não há solução ela deve ser procurada. A história da variante “omicron”, que anula todos os argumentos dos fanáticos da vacinação, é indulgente. Talvez o pânico em torno da “omicron” seja apenas uma desculpa para reconhecer indiretamente a superestimação do efeito da vacinação. Quando o idiota Biden chamou a todos para se vacinarem, já era demais. Um bastardo desses não vai aconselhar nada de bom.

Da mesma forma, desde o início da epidemia, notei em todos – o povo e as autoridades – um desejo histérico de voltar aos tempos pré-Covid o mais rápido possível, para que se ficasse “como antes” novamente. Mas as catástrofes da escala do Covid, cujo fim, aliás, ainda não é visível, não são um acidente. Elas têm algum propósito e algum significado. Eu interpreto isto como um sinal. Alguma coisa precisa mudar. Não se pode retornar do Covid para “como era”. Enquanto reagirmos histericamente, a epidemia continuará e se agravará. Vocês acham que esse omicron é o último? Eu não acho. A única maneira de sair de uma epidemia é mudar.

Quando uma pessoa fica doente terminal, ela deixa de ser quem era. Diante da morte – a sua própria ou de seus entes queridos – uma pessoa se repensa e poucas pessoas acham suas vidas completamente corretas e impecáveis. As pessoas mudam com mais frequência do que não. Irreversivelmente. O coronavírus é uma insistência em mudar, pensar, repensar se a humanidade está indo para lá. Bem, obviamente não… A única coisa que pode ser feita a partir da pandemia é o futuro. É impossível voltar ao passado. As coisas nunca voltarão a ser o que eram antes. Mas o que vai acontecer depois de Covid depende de nós. Se não conseguirmos imaginar um futuro – um outro, um melhor – este pesadelo nunca terminará, ou algum novo pesadelo começará.

Uma última coisa: os heróis indubitáveis em tal situação são os médicos. Eles se arriscam, tentam salvar vidas o melhor que podem. Eles não sabem como prevenir e tratar esta doença de forma confiável, mas aprenderam algo – experimentalmente, através do exemplo de sua experiência e às vezes à custa de suas vidas. A propósito, o sistema de assistência médica na Rússia está longe da caricatura que os críticos retratam. Nem tudo é perfeito, especialmente nas províncias, mas em geral, o Estado está bem equipado. Mas tudo seria inútil se não fosse pelas pessoas. Os médicos são pessoas, não funcionários, não empregados. Eles são, antes de tudo, humanos. Se não houvesse pessoas, mas meras unidades técnicas, eles teriam fugido há muito tempo. E eles não fogem. E, uma e outra vez, eles salvam as pessoas nas zonas vermelhas e além.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 585

Deixar uma resposta