A Grã-Bretanha está tentando criar soldados golens

Com o transumanismo na ordem do dia, as Forças Armadas de várias partes do mundo começam a investir em metodologias de aprimoramento e aperfeiçoamento humano. Caso de estudo interessante é um documento lançado recentemente pela Grã-Bretanha tratando dos elementos básicos do chamado “melhoramento humano” para fins militares. A produção de soldados golens parece estar no horizonte.

Muito recentemente, o Ministério da Defesa do Reino Unido, juntamente com o Ministério Federal de Defesa alemão, publicou um curioso documento. Intitulado “Melhoramento Humano – A Aurora de um Novo Paradigma”, ele se concentra nas possibilidades de melhorar tecnologicamente as habilidades humanas para aumentar as funções de combate dos soldados, e não é a primeira vez que os militares britânicos desenvolvem tal conceito. Antes disso, havia a Nota Conceitual Conjunta (JCN) 1/18, Associação Homem-Máquina e a JCN 2/17, Futuro do Comando e Controle. O documento em questão foi preparado como parte do programa de tecnologia do Ministério da Defesa do Reino Unido Tendências Estratégicas Globais: O Futuro Começa Hoje e o Ambiente Operacional Futuro 2035, que foi lançado em 2018.

Os EUA também vêm trabalhando nesta questão há muito tempo. A ideia de aumentar as capacidades humanas para fins militares foi discutida em um estudo especial preparado para a Força Aérea dos EUA em 1962. O DARPA do Pentágono vem implementando tais programas há anos e se tornou a norma para os militares americanos, assim como para as corporações e cientistas que o servem.

Normalmente, eles falam sobre três tipos relacionados de melhoramento: físico, cognitivo e biológico.

O melhoramento físico abrange dispositivos protéticos e de assistência, tais como exoesqueletos, e sensores que adicionam funções sensoriais. A seguir, o melhoramento cognitivo, que poderia incluir interfaces invasivas de computadores cerebrais, e dispositivos de neuroestimulação que causam diretamente mudanças no cérebro (usando pulsos elétricos, ímãs e ultrassom). Depois, finalmente, há o melhoramento biológico, que cobre a edição de genes, drogas farmacêuticas e novos tipos de vacinas.

As pessoas, argumenta o documento, devem ser consideradas como “plataformas” da mesma forma que veículos, aeronaves e navios são, e estas “plataformas humanas” têm três elementos que devem ser desenvolvidos: físicos, psicológicos e sociais.

O documento conjunto britânico e alemão define o melhoramento humano como “a aplicação da ciência e de tecnologias para melhorar temporária ou permanentemente o desempenho humano”. É feita então uma distinção entre a otimização humana, que pode “melhorar o desempenho humano até o limite do potencial biológico sem acrescentar novas capacidades”, e o aperfeiçoamento humano, que pode levar as pessoas “além do limite do potencial biológico”. Observando que os óculos de visão noturna e binóculos devem ser tecnicamente incluídos na definição de melhoramento humano, o documento afirma que se concentrará “nas implicações da nova ciência e tecnologia que estão mais estreitamente integradas com o corpo humano”.

“Queremos que os ‘combatentes de guerra’ – sejam eles ciber especialistas, pilotos de drones ou soldados de infantaria – sejam mais fortes, mais rápidos, mais inteligentes, mais resilientes e mais móveis para superar o meio ambiente e o adversário. … Como a tecnologia se tornou mais sofisticada, nosso pensamento se tornou mais focado na máquina do que na pessoa, mas isto precisa mudar se quisermos ser eficazes no futuro”, diz o jornal.

Apesar de afirmar que “avanços em inteligência artificial, robótica e autonomia significam que o poder de processamento humano, a velocidade de ação e a resistência estão sendo rapidamente ultrapassados pelas máquinas”, reconhece que as máquinas “têm suas próprias fraquezas”. Assume-se que as pessoas têm “uma vantagem nas áreas de criatividade e julgamento”, mas o documento também argumenta que o melhoramento humano é necessário para se tirar maior proveito dos avanços nessas áreas.

“Os vencedores das guerras futuras não serão aqueles com a tecnologia mais avançada, mas aqueles que podem integrar mais efetivamente as capacidades das pessoas e das máquinas”. … O melhoramento humano representa a parte que falta no quebra-cabeça”, dizem os autores em justificativa de seu conceito.

Após delinear as bases da otimização humana, tais como sono, nutrição e suplementos dietéticos, o artigo passa para o conceito de “melhoramento de alto nível”. Ele descreve e discute quatro “tecnologias centrais de melhoramento humano” que são cruciais para o estudo desta área: engenharia genética, bioinformática, interfaces cerebrais, e produtos farmacêuticos. Mas como exatamente tudo isso será utilizado para fins militares?

O documento argumenta que o emprego da força está sendo cada vez mais desafiado pela proliferação de armas de precisão e de longo alcance; portanto, a solução é fazer maior uso de sistemas não tripulados em conjunto com forças terrestres mais leves, mais móveis e mais versáteis. Através de interfaces cerebrais, o pessoal será capaz de “aumentar o poder de combate que pode trazer, ligando-os em rede com sistemas autônomos e não tripulados”.

O crescente uso de computadores e inteligência artificial na guerra também significa que “a carga cognitiva sobre o pessoal provavelmente aumentará, particularmente para aqueles envolvidos no comando e controle”. Ele sugere que a “bioinformática” – o estudo e análise de grandes volumes de dados biológicos – pode ajudar durante a fase de recrutamento, “identificando comandantes e pessoal com a aptidão correta para funções de comando e controle”.

O documento afirma: “Interfaces cerebrais, produtos farmacêuticos e terapia genética poderiam desempenhar um papel significativo na otimização e melhoria da proficiência de comando e controle. A curto prazo, interfaces cerebrais não invasivas poderiam melhorar o desempenho ao serem usadas para monitorar a carga cognitiva, desenvolver melhores processos e melhorar o treinamento. … A longo prazo, as interfaces cerebrais poderiam interligar os cérebros em rede dentro de uma sede, fornecendo um quadro operacional completamente compartilhado, melhorando a qualidade e a velocidade da tomada de decisões”.

Mas a seção mais importante – quão ético isso seria – é superficial e bastante curta.

Essa parte afirma que não abordará as questões éticas mais amplas de melhoramento humano porque “elas continuam, por direito, a ser objeto de um debate mais amplo”. Há apenas argumentos claros a favor do uso militar. Em particular, diz que “a defesa […] não pode esperar que a ética mude antes de se envolver com o melhoramento humano, devemos estar na conversa desde o início para informar o debate e entender como as visões éticas estão evoluindo”. … [Não podemos assumir que o melhoramento humano será automaticamente efetivo ou aceito em seu uso pretendido, não importa quão benéficos possam ser seus efeitos. O melhoramento humano pode ser combatido por elementos da sociedade que não confiam na eficácia e no motivo do melhoramento”.

De fato, há muitas pessoas no Reino Unido, Alemanha e outros países que sem dúvida se oporão a tal “melhoramento”. Mas, aqui, os britânicos seguem sua própria lógica clássica, ressaltando que os desenvolvimentos militares nesta área não devem esperar pelo consentimento público ou debates éticos, mas devem ser “baseados nos interesses nacionais em termos de prosperidade, segurança e proteção”.

“O imperativo de usar o melhoramento humano pode, em última instância, não ser ditado por qualquer argumento ético explícito, mas pelo interesse nacional”. Os países podem precisar desenvolver o melhoramento humano ou correr o risco de ceder influência, prosperidade e segurança àqueles que o fizerem”, diz o documento.

Além disso, argumenta que “[r]relações com a indústria e o meio acadêmico serão fundamentais para entender como as tecnologias emergentes de melhoramento humano poderiam ser redirecionadas ou desenvolvidas para a Defesa”. Os autores sugerem um reexame da relação entre os militares e os departamentos governamentais responsáveis pela saúde e assistência social, e um movimento em direção a “uma relação mais sofisticada entre o setor público e privado”. Em outras palavras, justifica-se uma aliança entre tecnocorporações, cientistas, governo e militares, enquanto o público em geral permanece à margem, como se estas questões não lhe dissessem respeito.

Antecipando o ultraje das pessoas, os autores escrevem: “A exploração bem sucedida do melhoramento humano exigirá que a Defesa, e a sociedade, enfrentem dilemas éticos e legais desconfortáveis. Até agora, as organizações de Defesa nas democracias liberais adotaram uma abordagem de “esperar para ver”, optando por deixar que o debate ético e os desenvolvimentos técnicos se desenvolvam. Esta postura passiva cede ímpeto a nossos adversários e faz com que a Defesa perca oportunidades de melhorar o bem-estar e a eficácia de nossas Forças Armadas”.

Em uma revisão do documento, Chris Cole escreve: “O argumento, como este relatório faz, de que somos fracos e ineficazes diante de inimigos sofisticados e mortais está longe de ser um novo argumento. Ele tem sido usado por séculos para desenvolver e vender ferramentas para aumentar nossa letalidade e alcance, a fim de projetar força mortal ao redor do globo. Mas há uma diferença qualitativa entre equipar um soldado com óculos de visão noturna ou uma espingarda de alta potência e implantar uma interface de computador no cérebro de um piloto de drone para aumentar o processamento de dados… Isto antes de chegarmos à ideia da engenharia genética somática para reduzir os limiares de dor ou aumentar a cognição”.

Se olharmos abaixo da superfície, então a própria humanidade é posta em questão, porque o “melhoramento” humano está sendo feito sob o pretexto de eliminar certas falhas, a fim de se tornar mais letal e para melhor executar a violência organizada. Não seria esta uma razão estranha para “melhorar” as capacidades humanas? Sem mencionar as religiões tradicionais, que só veem tal “melhoramento” como uma forma de aumentar o mal no mundo.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 585

Deixar uma resposta