A Rússia salvará a Europa da crise de energia

Enquanto diversas informações falsas são disparadas pela propaganda atlantista numa verdadeira guerra de narrativas, o presente artigo nos esclarece sobre as reais atitudes da Grande Potência Eurasiática, a Rússia, em relação ao socorro na crise de energia na Europa e, mais específico, em seus países vizinhos.

Longe de usar a energia como arma para deixar a Europa congelar devido ao suposto despeito geopolítico, a Rússia usou suas exportações de energia durante este tempo de crise como uma ferramenta para reparar as relações bilaterais e melhorar a forma como os agentes públicos de seus parceiros as percebem. A narrativa da guerra de informação falsa propagada pelos EUA de que a Rússia supostamente arma suas exportações de energia para a Europa foi posta de lado depois que a Grande Potência da Eurásia prometeu cavalgar para socorrer seus vizinhos a fim de ajudá-los a sobreviver à atual crise de energia. Na verdade, apesar de anteriormente espalhar medo sobre o oleoduto Nord Stream II, que foi finalmente concluído, os próprios EUA estavam importando mais petróleo da Rússia do que nunca, a ponto de Bloomberg (que não pode ser considerado um escoadouro amigo da Rússia, muito menos um “agente” que espalha a chamada “propaganda pró-Rússia”) foi forçado a relatar em agosto que “a Rússia captura a segunda posição entre os fornecedores estrangeiros de petróleo para os EUA”. Este fato surpreendente é confirmado pelas próprias estatísticas da Administração de Informações de Energia dos EUA em seu site oficial.

A chanceler alemã Merkel, que é considerada a força mais poderosa e influente na UE, disse que a Rússia está cumprindo todos os seus contratos e não é culpada pela crise de energia do bloco. O presidente russo, Putin, atribuiu anteriormente o aumento nos custos de energia a uma histeria e confusão no mercado causadas por especulações imprecisas e à má gestão das transições de descarbonização de muitos países. Ele também disse que a Comissão Europeia cometeu um erro ao mudar dos contratos de gás de longo prazo para o comércio à vista. O líder russo reafirmou então que a Gazprom nunca se recusou a aumentar o fornecimento de gás quando os pedidos eram feitos e instruiu o seu Ministro da Energia a assegurar que o trânsito através da Ucrânia fosse mantido. Todos esses desenvolvimentos provam que a Rússia é o parceiro de energia mais confiável da UE.

O gasoduto Nord Stream II, recentemente terminado, e o gasoduto Turkish Stream (esse mais antigo), irão contribuir muito para a segurança energética do bloco, especialmente em termos de ajudá-lo a sobreviver à crise em curso. A oposição dos EUA a ambos os projetos era uma oposição egoísta e pretendia pressionar seus parceiros a depender de suas exportações de GNL, muito mais caras e comparativamente menos confiáveis. O mundo inteiro agora vê que teria sido contraproducente se a UE tivesse cumprido totalmente com os Estados Unidos, como seu patrono queria. Felizmente, ainda existem alguns aliados dos EUA que mantêm uma aparência de soberania estratégica e compreendem a sabedoria em expandir os laços de energia com a Rússia, apesar da pressão americana para reduzi-los.

Tudo isso prova vários pontos muito importantes. Em primeiro lugar, são os EUA o parceiro não confiável para a Europa em todos os aspectos, não a Rússia. A Grande Potência da Eurásia está correndo em socorro de seus vizinhos, mas isso não teria sido possível se seus parceiros tivessem cumprido totalmente com a pressão dos EUA para restringir e, em última instância, cortar os laços de energia com Moscou. É aí que reside o segundo ponto, nomeadamente que os EUA foram os que procuraram armar as exportações de energia sob pretextos politicamente russofóbicos, a fim de tornar a UE dependente das suas exportações de GNL mais caras e menos fiáveis. O terceiro ponto é que os EUA empregaram narrativas falsas de guerra de informação em busca desse fim fracassado, o que deveria reduzir ainda mais sua credibilidade aos olhos do público europeu em retrospecto.

Daqui para frente, esse mesmo público europeu deve vir a perceber que as crenças politicamente russofóbicas que alguns deles lamentavelmente defendem foram o resultado da campanha de guerra de informação dos EUA contra os mesmos. Longe de usar a energia como arma para deixar a Europa congelar devido ao suposto despeito geopolítico, a Rússia usou suas exportações de energia durante este tempo de crise como uma ferramenta para reparar as relações bilaterais e melhorar a forma como os públicos de seus parceiros as percebem. As abordagens americana e russa, da chamada “diplomacia energética” não poderiam, portanto, ser mais diferentes, uma vez que a primeira encara esses meios como uma arma para o fim de dominar seus “parceiros”, enquanto a segunda a vê como uma oportunidade para melhorar as relações, percepções e padrões de vida.

Imagem padrão
novaresistencia_br
Artigos: 451

Deixar uma resposta