A Arquitetura Política do Novo Oriente Médio

Com os EUA em retirada, chegou a hora dos governos do Oriente Médio sentarem para conversar e reorganizar a região. Naturalmente, porém, EUA e França tentarão garantir o máximo de vantagens possíveis através de seus aliados, enquanto a Rússia tentará confrontar as influências estadunidenses remanescentes na região.

Moscou e Washington estão preparando a reorganização do Levante elaborada durante a reunião de Genebra (conhecida como “Yalta 2”) em 16 de junho. O objetivo é tirar conclusões da terrível derrota militar ocidental na Síria sem humilhar os Estados Unidos.

De acordo com este acordo de paz, a Síria seria colocada na zona russa, enquanto o Líbano seria compartilhado entre o Ocidente e a Rússia.

As cúpulas de Bagdá e do Cairo

Estamos caminhando para uma retirada do exército americano do Iraque, para que este país se torne um mediador, uma zona neutra, em vez do Líbano. O Iraque convocou, portanto, uma cúpula em Bagdá com sete de seus vizinhos (Arábia Saudita, Egito, Emirados, Irã, Jordânia, Kuwait, Turquia). A França conseguiu juntar-se aos participantes tanto como representante do Ocidente quanto como antiga potência colonial.

O ex-diretor do serviço secreto iraquiano e agora Primeiro Ministro, Mustafa al-Kazimi, mostrou seu grande conhecimento das questões regionais e sua capacidade de manter o equilíbrio entre a Arábia Saudita sunita e o Irã xiita. Apesar de vários contatos ao longo do ano passado e de uma retórica mais conciliadora, estas duas potências não souberam como resolver suas múltiplas disputas, particularmente no Iêmen.

A reunião de Bagdá foi uma oportunidade de mostrar uma aliança entre o Presidente Abdel Fattah al-Sissi (Egito) e o Rei Abdullah II (Jordânia) para administrar (não resolver) o problema palestino. Foi imediatamente seguida por uma reunião no Cairo dos dois chefes de Estado com seu homólogo palestino, o presidente Mahmoud Abbas. Este último foi tanto mais conciliador quanto ele está ciente de que, a partir de agora, nenhum país árabe virá em auxílio de seu povo. Não é possível exigir justiça durante 70 anos, traindo todos aqueles que o ajudam.

A presença francesa foi interpretada como um anúncio de uma intervenção militar de Paris após a retirada dos Estados Unidos. O Presidente Emmanuel Macron tem ambições de enviar tropas ao Líbano para defender os interesses ocidentais, pois o país está sob a tutela conjunta dos EUA e da Rússia.

A Turquia estava arrastando seus pés durante toda a cúpula. Ela não pretende deixar as regiões do Iraque e da Síria que invadiu sem receber uma compensação ocidental. Mas não quer que os mercenários curdos, que também são aliados dos Estados Unidos, sejam tratados da mesma maneira. No entanto, a França continua acreditando que os turcomenos e curdos do norte da Síria poderiam, cada um deles, obter alguma forma de autonomia dentro da República Árabe da Síria. A Rússia, que é uma federação étnica, parece ser a favor disso, mas Damasco ainda não quer ouvir falar disso porque sua população é bastante miscigenada. Antes da guerra, os turcomenos e os curdos não eram maioria em nenhum lugar. Rojava, um território “autoadministrado” pelos curdos sírios, é apenas uma fachada para a presença militar americana. Os Estados Unidos temem que sua retirada militar do Iraque signifique o mesmo pânico para seus colaboradores curdos na Síria que sua retirada do Afeganistão significou para seus colaboradores pashtun.

A Síria foi a grande ausente no rumor da cúpula. Uma delegação síria secreta foi vista em Washington. Segundo informações, Moscou está considerando a participação da Síria na Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), o equivalente russo da OTAN.

Na linha pontilhada, a cúpula de Bagdá foi assombrada pela questão dos hidrocarbonetos no Mediterrâneo. Os campos de petróleo e gás estavam agora identificados. Sua exploração continua em grande parte impossível porque é necessário fixar as fronteiras que não foram fixadas, depois conceder autorizações a empresas capazes de perfurar em profundidade sob uma grande quantidade de água e finalmente assegurar as instalações. A divisão entre os pró-EUA e pró-Rússia ainda não está clara. Dependerá da docilidade de cada partido para fundir-se no molde político que é proposto.

O caso impossível do Líbano

O futuro do Líbano não foi mencionado em Bagdá, mas está se tornando mais claro. Em teoria, este país, que participou da guerra contra a Síria do lado ocidental, será o único onde o Pentágono não aplicará a doutrina Rumsfeld/Cebrowski de “guerra sem fim”.

Parece impossível reformar a atual lei eleitoral, que divide o país em múltiplos círculos eleitorais ligados a cada uma das 17 comunidades religiosas entre as quais o território está dividido. No entanto, este sistema ficou sem força e mostrou sua inanidade. Mas se um sistema democrático de representação política fosse adotado, não há dúvida de que Hassan Nasrallah seria eleito Presidente da República e que o Hezbollah teria a maioria no Parlamento. Ninguém quer isso.

Talvez, no entanto, a partilha do poder entre o Presidente da República (cristão), o Presidente do Governo (sunita) e o Presidente da Assembleia (xiita) possa ser alcançada. Com isto em mente, em 30 de julho, o Conselho Europeu adotou um quadro de sanções contra líderes políticos libaneses que se recusam a aceitar qualquer mudança estrutural. Por enquanto, ninguém foi nomeado, mas esta arma está pronta para ser usada.

A questão é ainda mais complicada pelo fato de a divisão de poder na administração ser entre três supercomunidades, mas não igualmente: 50% cristãos, 30% xiitas e 20% sunitas. No entanto, a composição da população não parou de mudar desde a guerra civil dos anos 80. Hoje, tanto quanto sabemos, os cristãos são apenas 20%, os sunitas 35% e os xiitas 45%. O Presidente da República, o general cristão Michel Aoun, defende suas “prerrogativas” com unhas e dentes, ou seja, o domínio histórico de sua comunidade sobre as demais.

A França planeja enviar um contingente para as eleições legislativas previstas para 8 de maio (logo após as eleições presidenciais francesas). Seus soldados garantirão a segurança dos postos de votação. Ninguém duvida que serão bem sucedidos, se nada mudar. Mas na primeira reforma, aqueles que chegaram sob aplausos se tornarão ocupantes e serão expulsos. Que ideia bizarra de ter eleições legislativas garantidas pela antiga potência colonial! Todos se lembram que em 1983, duas terríveis explosões destruíram simultaneamente as sedes das forças francesas e americanas em Beirute – enquanto os chefes regionais da CIA se reuniam ali -; dois atos de guerra que deixaram 299 mortos. Bernard Emié, diretor da DGSE e também encarregado do Líbano para o Palácio do Eliseu, estava otimista e assegurou que a Guerra Fria havia terminado e que este tipo de evento jamais voltaria a acontecer; a Guerra Fria certamente havia terminado, mas o desejo de independência do povo persistia.

Sem se dar conta, a França está lançando as bases para seu próximo fiasco: o Presidente Macron continua repetindo a retórica do Presidente Biden: ele não ajudará nenhum Estado a se construir, mas todos eles a lutar contra o terrorismo. Este é o slogan da Coligação Internacional no Iraque e na Síria, que há 7 anos não para de massacrar civis e guiar os jihadistas. Foi também a duplicidade do Presidente Biden para justificar a tomada do poder pelo Talibã no Afeganistão e o ressurgimento de ISIS. Em resumo, é sempre a maneira como falamos quando queremos devastar os Estados.

Os libaneses construíram um sistema de corrupção ímpar no mundo. Os vários líderes das 17 comunidades confessionais se dão muito bem em extorquir coletivamente o máximo de dinheiro possível de seus respectivos protetores. Depois, redistribuem mais ou menos esse dinheiro para sua base. Por exemplo, se você quiser construir uma grande infraestrutura, geralmente terá que pagar subornos para compensar as pessoas cujos direitos você está violando ou os funcionários responsáveis pela aplicação das leis locais. Não no Líbano. No Líbano, para ajudar uma comunidade, você tem que compensar as outras 16 por não ajudá-las. Cada ajuda tem que ser paga duas vezes: uma ao beneficiário, e outra aos 16 líderes das outras comunidades religiosas. Isto funciona enquanto os poderes externos estiverem envolvidos em suas rivalidades, mas torna-se trágico se eles também concordarem entre si. De repente, não há dinheiro nenhum.

Esperando que o acordo entre os Estados Unidos e a Rússia dure, a França pretende reconstruir o Líbano. Concedeu o porto de Beirute e o porto de Trípoli (e suas refinarias) à Rússia. Moscou havia proposto reconstruir tudo sob leasing, mas alguns libaneses não querem os russos e eles se recusam a pagar duas vezes. Então, por que não a proposta francesa? Mas os israelenses pensaram que o porto de Haifa substituiria o porto de Beirute. Eles também vão querer um dízimo.

Em todo caso, nada pode ser construído até que o Líbano tenha um governo. O governo de Hassan Diab demitiu-se desde… 10 de agosto de 2020. O ex-primeiro ministro Saad Hariri, que era esperado que o sucedesse, finalmente jogou a toalha. Outro ex-primeiro ministro, Najib Mikati, que desde então tem sido abordado, também pode jogar a toalha. Ambos enfrentam o Presidente da República, General Michel Aoun, que pretende não apenas manter uma minoria apta ao veto no governo, mas também manter os Ministérios do Interior e da Justiça para que seus homens não possam ser julgados, e os dos Assuntos Sociais e da Economia para controlar as negociações com o FMI. Os sunitas querem reequilibrar as instituições, proteger seus homens e ter acesso à galinha dos ovos de ouro do FMI. Idem para os xiitas.

A única saída seria sacrificar um bode expiatório, Riad Salamé, o chefe do Banco Central, um cristão que se pôs a serviço da família sunita Hariri. Ele seria obrigado a assumir a responsabilidade pelos crimes coletivos e pela falência do país em troca da manutenção dos privilégios da comunidade cristã.

A única personalidade acima do resto, o Secretário Geral do Hezbollah (mas aparentemente não os outros líderes de seu partido) está tentando salvar seu país. Hassan Nasrallah tem comprado petróleo iraniano, apesar das sanções dos EUA, para que seus concidadãos possam abastecer seus carros, aquecer suas casas e trabalhar. 82% dos libaneses vivem agora abaixo da linha de pobreza de acordo com as Nações Unidas, enquanto no passado seu país era tão rico que foi apelidado de “Suíça do Oriente Médio”. Protesto imediato das outras 16 comunidades que não receberão os subornos exigidos pelo sistema.

Dois petroleiros iranianos estão atualmente no Mediterrâneo. Os Estados Unidos não os apreenderam, nem os afundaram, como costuma fazer sem que ninguém proteste nem contra o ato de guerra nem contra suas consequências ambientais. Uma delegação de senadores americanos que visitou o Líbano na semana passada condenou levemente esta violação do embargo dos EUA e elogiou a iniciativa do embaixador dos EUA. Ele propôs a importação de gás egípcio. Uma delegação de ministros libaneses visitou Damasco, a primeira desde o início da guerra em 2011. Eles discutiram este projeto na medida em que o gás egípcio deveria transitar pela Síria. Ela também discutiu um projeto para comprar eletricidade da Jordânia, novamente via Síria. E talvez, mas não deve ser dito, o desembarque de petroleiros iranianos no porto de Banias em vez de no Líbano.

Na realidade, não é possível reformar o funcionamento do Líbano enquanto cada comunidade viver na memória da guerra civil e do medo de ser massacrada. A única solução é garantir a paz civil e depois mudar todo o sistema de uma só vez. Esta pode ser a ambição da França, mas não será possível por causa de seu passado. Outra solução seria organizar um regime militar, já que o exército é a única instituição que todos os libaneses apreciam. No entanto, o exército está no fundo da escada social, ainda mais baixo do que os trabalhadores domésticos imigrantes. Os soldados recebem 60 dólares por mês em comparação com os 200 dólares das mulheres que são forçadas a trabalhar. Em qualquer caso, seu líder, o General Joseph Aoun (sem relação com o Presidente) foi treinado nos EUA. Ele está preparado.

Fonte: Oriental Review

Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da <em>Rede Voltaire</em> e da conferência <em>Axis for Peace</em>, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *