A Conquista do Afeganistão pelo Talibã é o Maior Fracasso na História da Inteligência Americana

Como que a CIA, a ANS e outros órgãos de inteligência dos EUA não conseguiram prever que o Talibã tomaria o Afeganistão assim que os EUA começassem a se retirar? A realidade é que os EUA estão tão acostumados com desdobrar mentiras para a opinião pública, que seus especialistas e burocratas começaram a também acreditar nelas.

A história testemunhará que nunca houve uma falha maior de inteligência para os EUA do que a tomada do poder pelo Talibã no Afeganistão. Vozes contrárias podem trazer Pearl Harbor ou o 11 de setembro, mas desde então foi descoberto que alguns nos EUA estavam pelo menos um pouco conscientes desses dois ataques antes do tempo, mesmo que nenhuma ação tenha sido tomada de forma preventiva para frustrá-los por qualquer razão que se queira especular. Quanto à Guerra no Iraque que alguns também poderiam trazer à tona, isso não conta neste contexto, pois a inteligência em que supostamente se confiava foi fabricada e apenas compartilhada com o público para moldar as percepções internacionais em apoio a essa campanha pré-planejada. A tomada do Afeganistão pelo Talibã é totalmente diferente desses três exemplos, uma vez que a Comunidade de Inteligência dos Estados Unidos falhou totalmente em prever esse cenário.

É verdade que alguns na CIA e no Departamento de Estado advertiram sobre isso durante o verão, mas era tarde demais para que mudassem qualquer coisa depois que a máquina militar maciça dos EUA já colocava em movimento sua retirada. Isto é totalmente inaceitável do ponto de vista profissional porque já era conhecido há bastante tempo pelos membros das próprias burocracias militares, de inteligência e diplomáticas (“Estado Profundo”) dos EUA que seu país estava perdendo a guerra. Prova disso é o Diário da Guerra Afegã do Wikileaks que cobre a fase 2004-2010 do conflito e os Documentos do Afeganistão que o Washington Post obteve em 2019 após um pedido de Lei de Liberdade de Informação. Ambos mostraram que o “Estado Profundo” estava mentindo sobre a guerra, profundamente consciente da corrupção, e pessimista sobre as perspectivas do conflito.

Essas observações internas não significavam automaticamente que o Talibã assumiria o Afeganistão mesmo antes dos EUA completarem sua retirada, mas sugeriram com muita veemência que ele poderia fazê-lo inevitavelmente com o tempo. Este cenário dramático foi ignorado pelo “Estado Profundo”, porque seus membros acreditavam em suas próprias mentiras egoístas e convenientes sobre a guerra que eles desdobravam público. Depois de um tempo, eles não conseguiam identificar objetivamente a verdade entre as falsidades. Eles sabiam que o Exército Nacional Afegão (ANA) era incorrigivelmente corrupto e mal treinado, mas não tinham avaliado corretamente o quão desmoralizado ele sempre foi, muito menos depois que o Presidente dos EUA Joe Biden se comprometeu a completar a retirada planejada de seu antecessor, embora com uma linha de tempo prolongada.

Outro fator importante que lhes escapou foi o apelo genuinamente popular e de rápido crescimento do Talibã entre os afegãos médios, especialmente os que servem no Exército. O grupo se rebatizou com sucesso como um movimento de libertação nacional, apesar de ainda ser designado como terrorista pela Rússia e pelo resto da comunidade internacional. Eles foram capazes de se apresentar de forma convincente como o chamado “mal menor” depois que os EUA e seus aliados do Exército Nacional Afegão mataram inúmeros civis como os chamados “danos colaterais” durante suas quase duas décadas de supostas operações anti-Talibã. O Talibã também tomou uma forte posição contra a corrupção, incorporou mais minorias em suas fileiras (incluindo as de liderança), e assim foi capaz de infiltrar-se ideologicamente em grande parte do Exército.

Este resultado acima mencionado resultou no treinamento inconsciente pelos EUA de simpatizantes do Talibã sobre como operar o equipamento militar de última geração no valor de 85 bilhões de dólares que deixaram para trás para lutar contra aquele grupo. É por isso que muitos deles se renderam em massa quando o Talibã chegou às portas de suas cidades, especialmente depois que algumas das fortalezas mais estáveis se desmoralizaram completamente depois que seu patrono estrangeiro cortou seu apoio aéreo. O governo de Ghani foi, portanto, quase efêmero e nunca existiu verdadeiramente na prática em nenhum lugar fora de Cabul e talvez em alguns cantos de algumas outras grandes cidades. Falando do ex-presidente, ele desafiou seus patrões recusando-se a se demitir para facilitar o governo de transição que os Estados Unidos esperavam criar antes de sua retirada para reter alguma influência.

Os Estados Unidos pensavam que Ghani era seu fantoche, e embora ele fosse, em grande parte, seu ego era muito grande para permitir que ele se demitisse assim, especialmente depois de ter falado tão duramente sobre resistir até o final. Mas ele acabou fugindo quando percebeu que não podia confiar em seus próprios homens, muitos dos quais secretamente simpatizavam com o Talibã e não queriam arriscar suas vidas agarrando-se a Cabul por causa dele. A arrogância de Ghani o cegou para esta realidade, assim como a arrogância hegemônica dos próprios EUA os cegaram para a recusa de princípio de renunciar, apesar de ser seu fantoche. Como foi escrito anteriormente, cada um acreditava em suas próprias mentiras por conveniência profissional ou pessoal e, portanto, não tinha a vontade de avaliar objetivamente a situação. O resultado final é que o Talibã assumiu não apenas o Afeganistão, mas também capturou todo o seu equipamento militar fornecido pelos EUA.

Em retrospectiva, provavelmente se concluirá que isto foi o resultado de vários fatores convergentes. Primeiro, o “Estado Profundo” não podia admitir que não estava ganhando a guerra por nenhuma métrica convencional, nem que tais métricas eram irrelevantes para o conflito que eles estavam lutando. Isto levou ao segundo fator deles mentirem para o público e até mesmo para seus próprios colegas sobre tudo, o que, em terceiro lugar, criou a realidade alternativa pela qual eles acreditavam em suas próprias mentiras e se divorciaram demais da realidade objetiva. Uma inteligência humana confiável poderia ter ajudado a contrariar estas tendências, mas isso estava ausente. De fato, o Talibã provavelmente tinha inúmeros agentes duplos trabalhando para eles e alimentando os EUA com mais informações para reforçar suas ilusões a fim de influenciá-los a continuar com seus cursos de ação contraproducentes.

O grupo foi capaz de fazer isso porque os EUA não tinham outras formas significativas de obter informações sobre o assunto. O Talibã não confia na moderna tecnologia de comunicação da informação como a maioria dos outros alvos da inteligência em todo o mundo fazem. Suas mensagens, portanto, não podiam ser interceptadas e analisadas pela ANS, o que resultou na desproporcional dependência dos EUA em relação às fontes humanas de inteligência, a maioria dos quais eram provavelmente simpatizantes do Talibã (seja o tempo todo ou eventualmente), se não membros secretos do grupo. Durante todo esse tempo, o Talibã girou os EUA em seus dedos, enviando-o em perseguições infrutíferas e enganando-os deliberadamente sobre a verdadeira extensão de seu apelo popular em toda a sociedade afegã, o que acabou fazendo de sua campanha de libertação historicamente sem precedentes e quase sem derramamento de sangue de duas semanas um sucesso tão suave.

A chave é que a superioridade tecnológica dos EUA foi irrelevante durante sua guerra contra o Afeganistão e que suas fontes humanas eram muito pouco confiáveis. O “Estado Profundo” acabou acreditando em suas próprias mentiras, que assim perpetuaram um ciclo autossustentável que contribuiu para a formulação de políticas ainda mais contraproducentes, e poucos tinham a vontade de avaliar objetivamente tudo o que estava bem diante de seus olhos durante todo este tempo. Pode-se dizer, portanto, que a ideologia foi a mais importante determinante neste conflito: a ideologia do Talibã atraiu afegãos suficientes para suas fileiras para que ele alcançasse superioridade de inteligência com o tempo, enquanto a ideologia liberal-democrática dos EUA convenceu-o de que não havia maneira de que sua missão de construção da nação pudesse fracassar verdadeiramente. Se a América tivesse lidado adequadamente com estes dois fatores, então o resultado da guerra poderia ter sido diferente.

Fonte: Oriental Review

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro <em>"Guerras Híbridas"</em>.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *