Trump foi Engolido pelo Pântano porque foi Incapaz de Drená-lo

Quando chegou ao poder Trump prometeu a sua base que “drenaria o pântano”, ou seja, que limparia o governo estadunidense dos lacaios do “Deep State”. Isso não só aconteceu como, no final das contas, Trump foi engolido pelo “pântano”. Como e por que isso aconteceu?

Trump pensou sinceramente que ele poderia efetuar mudanças significativas a longo prazo na maneira como a América é administrada “drenando o pântano” que todos os seus apoiadores tão profundamente desprezam, mas acabou faltando a ele a força para dar os passos decisivos necessários para executar esta grande visão estratégica, devido a várias razões importantes que merecem ser discutidas em profundidade.

O Comandante-em-Chefe Capitula

A Era Trump acabou depois que o titular anunciou no dia seguinte à invasão de quarta-feira ao Capitólio dos EUA que “Meu foco agora é garantir uma transição de poder suave, ordenada e sem problemas”, o que foi amplamente interpretado por amigos e inimigos como a concessão tácita que ele havia prometido jamais fornecer um pouco mais de 24 horas antes durante seu discurso na Manifestação Salve a América. Naquele evento, ele disse literalmente que “Nunca desistiremos. Nunca vamos nos render, isso não acontece. Você não cede quando há roubo envolvido”, mas mudou completamente de tom após os tumultuosos acontecimentos do dia e depois de misteriosamente “sumir” por mais de 24 horas, durante as quais alguns especulam que ele foi forçado por seus inimigos nas burocracias militares, de inteligência e diplomáticas permanentes (“O Estado Profundo“) a desistir da luta.

Traindo sua Base

Isto devastou totalmente seus apoiadores que o elegeram principalmente com o propósito de executar sua promessa principal de “drenar o pântano”, que todos eles desprezam tão profundamente. Eles realmente acreditavam que ele poderia efetuar mudanças significativas a longo prazo na maneira como a América é governada, algo que o próprio Trump também pensava sinceramente que poderia fazer, mas no final, faltava a ele a força necessária para dar os passos decisivos que eram necessários para fazê-lo. Assim, ele acabou sendo engolido pelo mesmo “pântano” que ele tentou drenar, que está lambendo seus lábios depois de se banquetear com a carcaça política que ele se tornou desde então como resultado de sua capitulação. Por mais esperança que ele tenha inspirado em seus apoiadores e o respeito que muitos deles ainda têm por ele, a maioria deles está profundamente desapontada por ele ter desistido e não ter ido à luta.

Isso não quer dizer que a grande maioria deles esperava que ele resistisse com força à iminente posse de Biden, mas apenas que eles nunca pensaram ver o dia em que ele capitulasse publicamente depois de cultivar cuidadosamente uma reputação tão convincente entre eles como um lutador que literalmente disse pouco mais de 24 horas antes que “Nunca desistiremos. Nunca cederemos, isso simplesmente não acontece”. Isto desencadeou um processo contínuo de exame de consciência entre os mais sóbrios entre eles que não foram doutrinados pelas afirmações da seita QAnon de que Trump ainda possui um “plano mestre” que ele está prestes a implementar após esta última jogada de “Xadrez 5D”. Acabou, a Era Trump terminou, e o movimento “Make America Great Again” (MAGA) que ele inspirou corre agora o risco de ser declarado uma organização “terrorista doméstica” no futuro próximo.

O Erro de Cálculo Político Mais Fatal de Trump

A América de Biden seria um Inferno Distópico“, como o autor previu há alguns meses, e todos os apoiadores de Trump sabem disso. Alguns já haviam se resignado a sua aparente inevitabilidade após seus esforços para reverter legalmente os resultados contestados das últimas eleições falharam por uma variedade de razões que a maioria deles atribui à corrupção do “pântano”, mas mesmo assim permaneceram tão positivos quanto possível depois de terem acreditado que seu herói iria cair com eles até o fim. Ninguém jamais pensou duas vezes sobre sua promessa de “nunca desistir, nunca ceder”, e eles até esperavam que ele tivesse que ser escoltado para fora da Casa Branca no dia 20 de janeiro, mas sua concessão tácita está forçando muitos deles a reavaliarem seus pontos de vista sobre ele em retrospectiva. Ele não só está saindo com um gemido nos termos do “Estado Profundo”, mas ele nunca “drenou o pântano”.

O erro político mais fatal de Trump é que ele pensou que poderia mudar o sistema de “de dentro para fora” depois de simbolicamente – mas não substancialmente – assumir o controle do sistema como o primeiro presidente “outsider” dos Estados Unidos nos dias de hoje. Ele mudou imediatamente de um “outsider” para um “insider” logo após sua posse, capitulando às exigências do “Estado Profundo” de que ele despedisse o ex-conselheiro de segurança nacional Flynn, que foi seu “pecado original” que abriu o caminho para tudo o que viria depois. Trump o auto-intitulado “negociador” pensou que poderia fazer um “acordo” com seus inimigos por estes meios, mas tudo o que ele fez foi encorajá-los a intensificar seus esforços de expulsá-lo e de continuar sabotando-o a partir de dentro, através de muitas das mesmas criaturas “pantanosas” com as quais ele ingenuamente continuou a se cercar.

Republicanos de Fachada + Mídia de Massa = Derrota de Trump

Os mais odiados entre eles aos olhos de sua base é “Javanka”, o popular portmanteau do genro de Trump, Jared Kushner, e sua filha Ivanka. Ele continuou dando ouvidos a esses “Republicanos Somente em Nome”, ou RINOs, como muitos membros do MAGA os descrevem, assim como muitos outros, como aqueles que ainda estão no Congresso, mas fingiram ser seus amigos apenas para ganhar a reeleição. Além disso, a influência que sua antiga carreira televisiva teve sobre ele resultou em Trump permanecendo obcecado com como seus inimigos poderiam difamá-lo na mídia de massa (MSM) por quaisquer movimentos decisivos que ele tomasse para esmagar o “Estado Profundo”. Esta fraqueza de caráter provou ser sua maior falha pessoal, pois ele deveria ter seguido seus instintos ao invés de se submeter ao desejo egoísta de ser “apreciado” por seus inimigos.

Ele foi tão influenciado pela mídia de massa que seus inimigos foram capazes de empregar os truques mais básicos de “psicologia reversa” para manipulá-lo a jogar um jogo de cartas marcadas em sua luta contra o “Estado Profundo”. Eles temiam desde antes mesmo de ele entrar no cargo que ele se tornasse um suposto “ditador”, mas ele nunca contemplou seriamente nenhum movimento autoritário nessa direção, apesar de sempre ter tido a possibilidade de utilizar os imensos poderes conferidos a ele pela Constituição para fazê-lo, se ele sinceramente quisesse. Seus apoiadores do MAGA alegaram apaixonadamente que ele deveria ter se transformado no pior pesadelo de seus inimigos, declarando pelo menos uma lei marcial limitada em resposta às décadas de Guerra Híbrida de Terror na América que finalmente se tornaram cinéticas no verão passado, depois que a Antifa e o “Black Lives Matter” (BLM) orquestraram tumultos em todo o país para destituí-lo.

Os Três Principais Fracassos de Trump

Desnorteando sua base, Trump também deixou revogar o Artigo 230, apesar dos temores agora comprovados de que ele daria poder à Big Tech para censurá-lo e a seus apoiadores, nem frustrou os esquemas de votação por correspondência e Dominion dos democratas, que, dizem, finalmente permitiu que eles roubassem a eleição. O mesmo se diga de sua decisão de não impedir os governadores democratas de trancafiar suas populações por razões políticas sob o pretexto conveniente da COVID-19. O autor abordou todas estas questões em sua análise publicada logo após a eleição sobre “Entendendo a Sequência de Eventos da Mudança de Regime Anti-Trump“. Trump poderia ter exercido legalmente poderes quase “ditatoriais” para evitar tudo isso e assim salvar os Estados Unidos tal como seus partidários os vêem, mas, uma e outra vez, ele não conseguiu reunir a força necessária para fazê-lo devido a suas profundas falhas pessoais.

A Guerra Híbrida na América Acabou

Enquanto Trump foi inquestionavelmente vitimado pelo “Estado Profundo” durante todo o seu mandato, ele não é mais tão mártir como costumava ser depois de subitamente desistir da luta após o assalto de quarta-feira ao Capitólio dos EUA. Ele se rendeu ao choque de sua base, foi posteriormente engolido pelo “pântano”, e agora está sendo impiedosamente destruído em um sinal sinistro do que espera o resto do movimento MAGA na era Biden-Kamala. Se ele tivesse caído lutando até o fim e “nunca tivesse desistido” como prometeu, então seria uma história totalmente diferente, mas em vez disso, seus tão badalados instintos de “fazer acordos” tomaram conta dele no último minuto e ele insensatamente pensou que poderia se salvar, capitulando às exigências deles. O “Estado Profundo” está agora mostrando seus “agradecimentos”, censurando-o das mídias sociais e pressionando por seu impeachment.

O movimento MAGA sempre acreditou que o país já estava em “guerra” há anos, embora a maioria não conseguisse articular a natureza híbrida dele, como o autor fez em sua peça no verão passado sobre como “A Guerra Híbrida de Terror na América tem sido preparada há décadas“. Eles realmente sentiram que Trump compartilhava sua avaliação da ameaça depois que ele foi atacado ferozmente pelo “Estado Profundo” desde o segundo em que ele pisou na trilha da campanha, mas acabou subestimando a ameaça mesmo que seus inimigos nunca o tenham feito. Para o “Estado Profundo” e seus procuradores públicos democratas, esta foi sempre uma “guerra” à sua própria maneira, que eles nunca se afastaram de expressar. A suprema ironia é que, enquanto Trump criticou os “fracos republicanos” em seu discurso na Manifestação Salve a América, ele mesmo, no final, incorporou essa mesma fraqueza ao se render mais tarde.

O “Estado Profundo” Venceu

Seus oponentes não conhecem limites e acreditam na moda maquiavélica clássica de que “os fins justificam os meios”, enquanto ele pensava que podia jogar pelas regras – e nem mesmo todas elas, como foi explicado desde cedo, apontando sua recusa em empregar os poderes quase “ditatoriais” a ele conferidos pela Constituição – e ainda assim sair por cima. Sua ingenuidade ficará para a história, pois é a responsável mais direta por ele não reconhecer plenamente a seriedade da guerra sem barreiras do “Estado Profundo” contra ele e o resto da América. Como um nova-iorquino nascido e criado, Trump aperfeiçoou a arte da fala mansa, tanto que ele até mesmo conseguiu enganar sua base para que ela acreditasse que ele compartilhava a sua avaliação sobre as décadas de Guerra Híbrida de Terror na América. Eles caíram nessa charada porque queriam desesperadamente acreditar que ainda havia alguma esperança.

Mas não há, já que a guerra acabou e o “Estado Profundo” venceu de uma vez por todas. O “Grande Reset“/”Quarta Revolução Industrial” provocada pela Guerra Mundial C está avançando a toda velocidade, e praticamente todas as realizações domésticas que Trump tem em seu nome provavelmente serão revertidas por Biden-Kamala durante seu primeiro ano de mandato, especialmente desde que os procuradores democratas do “Estado Profundo” controlam todos os ramos do governo agora (lembrando que a suposta “supermaioridade conservadora” da Suprema Corte realmente consiste apenas em “Republicanos de Fachado”, como foi provado pela sua recusa em ouvir as convincentes acusações de fraude eleitoral). Após “Analisando o Fracasso da Segurança Democrática do Movimento MAGA” na quarta-feira, fica claro que qualquer “plano mestre” que ele e/ou o movimento MAGA possa ter tido saiu pela culatra e foi realmente explorado por seus oponentes.

O Verdadeiro “Plano Mestre”

Na verdade, o único “plano mestre” real era o do “Estado Profundo”, que efetivamente frustrou cada um dos movimentos de Trump e finalmente transformou o “último hurrah” de seus apoiadores de um comício majoritariamente pacífico em um prego que agora será martelado no caixão do movimento MAGA. É extremamente suspeito que o Capitólio dos EUA tenha sido tão mal defendido apesar de haver uma sessão contínua do Congresso em um dia tão histórico e após semanas de preparação para garantir a segurança do local antes da tão planejada marcha Salve a Amárica. É ainda mais desconcertante que alguns policiais tenham removido as barricadas e até mesmo aberto as portas para alguns dos manifestantes, o que em retrospectiva sugere que o “Estado Profundo” queria tentar os mais “apaixonados” entre eles (para não dizer os suspeitos de provocadores) a invadir o local como pretexto para o que se seguiu.

O objetivo de facilitar passivamente este cenário através da exploração magistral da psicologia da multidão era lançar a base para uma repressão abrangente em todo o país contra o movimento MAGA, com o argumento de que agora está “provado” que é um grupo “terrorista doméstico”. Isso explica o empurrão por trás do impeachment Trump menos de duas semanas antes que ele mesmo reconhecesse, ainda no outro dia, que deixaria o cargo depois de assegurar a “transição de poder”. Se ele não tivesse se rendido, provavelmente ainda seria um mártir para a maioria do movimento MAGA, mas agora ele é apenas um refém do palácio esperando sua execução política altamente divulgada como a salva de abertura das represálias do “Estado Profundo” democrata contra seus partidários em nome da “defesa contra o terrorismo doméstico”. Isso, não o que Q-Anon imagina, é o verdadeiro “plano mestre”, e foi bem sucedido.

Pensamentos Finais

Trump foi engolido pelo “pântano” porque lhe faltava a força para drená-lo. Cada membro do MAGA precisa aceitar esta dura verdade por mais dolorosa que ela possa ser. Uma e outra vez, ele falhou em reunir a força necessária para cumprir de forma significativa o que muitos sinceramente acreditavam ser seu destino. Isto foi devido a seu fatal erro de cálculo político de se transformar de “outsider” em “insider” em uma tentativa condenada ao fracasso de mudar o sistema de dentro para fora. Ele continuou confiando nos Republicanos de Fachada, apesar de sua comprovada falta de confiabilidade. A obsessão de Trump com a forma como seus inimigos o retratavam na mídia de massa também o levou a nunca considerar seriamente o uso dos poderes quase “ditatoriais” a ele conferidos pela Constituição para salvar a América. Ele se rendeu pateticamente depois que o “plano mestre” do “Estado Profundo” teve sucesso, e agora ele não pode nem entrar para a história como um mártir.

Fonte: One World

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro <em>"Guerras Híbridas"</em>.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *