Aleksandr Dugin – “Todo identitário negro é um aliado e todo branco liberal é um inimigo”

Para mim, todo identitário negro é um aliado e todo branco liberal é um inimigo. O mesmo vale para o negro liberal (inimigo) e para o branco identitário (aliado). A guerra racial é deles, não nossa: uma guerra imposta pelos liberais, que buscam evitar ser o alvo principal do nosso ódio (plenamente justificado). Essa não é nossa guerra. Aqui, nós somos pela paz. No entanto, os liberais, sejam eles brancos ou negros, gays ou heterossexuais, são o mal absoluto. E a guerra contra eles é uma guerra santa, a nossa guerra. Aqui, nós somos pela guerra. Charlottesville é o começo da guerra.  Que seja nossa guerra: não racial, mas uma guerra de brancos e negros unidos contra os globalistas liberais, contra o Pântano, contra o exército de marionetes de [George] Soros. Estou dizendo aquilo que o Sr. Trump quis dizer: vamos fazer os povos brancos e negros grandes outra vez!

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 52

4 comentários

  1. […] Em “Internacional”Além disso, estacionado por agora a quinta fase da implantação do Euro, assistimos a algumas declarações surpreendentes do ministro das Relações Exteriores britânico Philip Hammond, recolhidas pelo jornal “The Telegraph”, em que afirma que “Londres pode hospedar mísseis nucleares norte-americanos em solo britânico em meio a tensões com a Rússia”, que poderia ser visto como um retorno a uma corrida armamentista e mantido durante a Guerra Fria com a URSS (revivendo o projeto de parceria entre os EUA e Europa para fornecer ao Reino Unido mísseis polares, de julho de 1962) e ter como efeito colateral uma possível divisão dentro da OTAN. Assim, poderíamos assistir a excisão e liquidação final da atual OTAN, da qual surgiria uma nova estrutura militar, que incluiria os EUA, Canadá, Grã-Bretanha, os países bálticos, a Polónia, Hungria, Bulgária, Eslováquia, República Checa, Roménia, Espanha, Itália, Portugal, Malta, Chipre, Grécia e Turquia, com o objetivo inequívoco de ser um bloco de contenção dos “ideais expansionistas de Putin”. Por outro lado, vamos testemunhar o fortalecimento do eixo Berlim-Paris, liderados pela França e Alemanha, que resultaria na Agência Europeia de Defesa e que terá gravitando em sua órbita de influência países da sua área de influência primordial (Holanda, Dinamarca, Noruega, Bélgica, Luxemburgo e Áustria), o resultado da correção das soberanias nacionais francesas e alemãs como uma estratégia defensiva ante a deriva do antigo “parceiro americano” (revivendo o Tratado do Eliseu entre de Gaulle e Adenauer (1963).Nova guerra no Oriente Médio? O Plano Biden-Gelb, aprovado pelo Senado dos EUA em 2007 e rejeitado por Condoleezza Rice, secretária de Estado de George W. Bush, previa o estabelecimento no Iraque de um sistema federal para evitar o colapso do país após a retirada das tropas dos EUA e a proposta de separar o Iraque em entidades curdas, xiitas e sunitas, sob um governo federal em Bagdá encarregado dos serviços de fronteira e administração das receitas do petróleo. Assim, testemunharemos o surgimento do Curdistão livre presidido por Masoud Barzani com capital em Kirkust e que incluirá áreas anexadas aproveitando o vácuo de poder deixado pelo Exército iraquiano como Sinkar ou Rabia na província de Ninive, Kirkuk e Diyala, bem como todas as cidades curdo-étnicas da Síria (exceto Hasaka e Qamishli) ocupados pela insurgência curda do BDP. O novo Curdistão terá as bênçãos dos EUA e terá autonomia financeira ao possuir 20% das participações na exploração do petróleo iraquiano com a “conditio sine qua non” de abastecer a Turquia, Israel e Europa Oriental de petróleo curdo através do oleoduto de Kirkust que deságua no porto turco de Ceyhan. Além disso, o Sunistão com capital em Mosul e que incluiria cidades sunitas de Ramadi, Falluja, Mosul, Tal Afar e Baquba (triângulo sunita), com fortes ligações com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos e referem-se mais tarde a um movimento pan-islâmico radical que usará a arma do petróleo para estrangular as economias ocidentais no horizonte dos próximos cinco anos. Finalmente, como a terceira perna do tripé, teríamos o Iraque xiita com capital em Bagdá que atuará como um contrapeso ao wahabismo saudita e que gravitará na órbita de influência do Irã, o que tornará o Irã uma potência regional em claro conflito com a Arábia Saudita e Israel. No entanto, após a aprovação pelo Congresso dos EUA e do Senado de uma declaração preparada pelo senador republicano Lindsey Graham e pelo democrata Robert Menendez, que afirma categoricamente que “se Israel for forçado a se defender e agir (contra o Irã), os EUA estarão ao seu lado para apoiá-lo militar e diplomaticamente “, vamos testemunhar o aumento da pressão do lobby pró-israelense dos EUA (AIPAC) para proceder à desestabilização do Irã por métodos expeditos. Esta guerra será um novo episódio local que seria enquadrado em um retorno ao endemismo da Guerra Fria russo-americana recorrentes e irá envolver duas superpotências tendo como colaboradores necessários poderes regionais (Israel, Egito, Arábia Saudita e Irã), abrangendo o espaço geográfico que se estende do arco do Mediterrâneo (Líbia, Síria e Líbano) ao Iêmen e Somália e tendo o Iraque como epicentro (recordando a Guerra do Vietnã com Lindon B. Johnson (1963-1969). Relacionado Aleksandr Dugin – “Todo identitário negro é um aliado e todo branco liberal é um inim… […]

Deixe um comentário para falandonalata1Cancelar resposta