O Conceito de Guerra Híbrida: Origem, Aplicação e Limitação

O termo ‘guerra híbrida’ se tornou onipresente no discurso político contemporâneo. Tudo é guerra híbrida e tudo é interpretado como guerra híbrida. Mas qual é a delimitação conceitual correta da “guerra híbrida”? Em que ela consiste, de fato? Analisa-se aqui as origens, aplicabilidade e limitações do conceito.

Para uma compreensão competente das ações dos EUA e da OTAN e o desenvolvimento de respostas estratégicas apropriadas, é necessário esclarecer o conceito de guerra híbrida e rastrear sua evolução.

Nos últimos anos, a estrutura conceitual no campo dos conflitos modernos passou por mudanças significativas. Novos conceitos e doutrinas estão surgindo. No entanto, algumas delas são transformadas de formas bastante singulares. Em particular, isto se aplica a conceitos como “guerra híbrida”.

Este termo na Rússia pode frequentemente ser ouvido na televisão ou visto em jornais ou publicações científicas. Normalmente soa como “os EUA ou a OTAN estão travando uma guerra híbrida contra a Rússia”. Entretanto, nos EUA, nos países da OTAN e em seus clientes, incluindo a Ucrânia, diz-se que “a Rússia está travando uma guerra híbrida” e que, portanto, é necessário lidar com as crescentes “ameaças híbridas”.

Obviamente, estamos falando de uma forma específica de ações indiretas que representam uma ameaça tanto para nós quanto para o outro lado, e a expressão “guerra híbrida” tornou-se uma lembrança conveniente para expressar esta realidade. Mas se, durante a era da Guerra Fria do mundo bipolar, a dissuasão nuclear representava um esforço assimétrico de dois lados, pode ser colocado um sinal igual entre a oposição de hoje?

Claramente não. Pois, por um lado, existe um Estado com capacidades limitadas na arena internacional, ou seja, a Rússia, e por outro lado, um grande grupo de países e uma aliança político-militar. Ao mesmo tempo, várias potências deste grupo são bastante sofisticadas em todos os tipos de operações subversivas da mais ampla gama, definidas como guerra política, operações de contra-insurgência, operações especiais, etc.

Pode-se também observar que recentemente a menção de “guerra híbrida” começou a ser usada por esses países como uma espécie de estratégia guarda-chuva que tem um caráter político abrangente. Isto se tornou especialmente perceptível depois que representantes dos países da OTAN e seus parceiros começaram a acusar a Rússia após 2014 de “agressão” e “ações maliciosas”, quase sempre sem nenhuma prova.

Assim, vemos uma clara militarização dos processos políticos e da diplomacia, o que causa sérios danos às relações internacionais e diretamente às relações bilaterais entre países, onde vários Estados são deliberadamente rotulados como sujeitos de uma guerra híbrida, contra a qual é necessário tomar certas medidas preventivas para proteger e repelir possíveis ações provocatórias.

Para não cair em uma armadilha lógica e pensar de acordo com clichês ocidentais, é necessário esclarecer o conceito de guerra híbrida e traçar sua evolução.

Sabe-se que este termo foi usado e desenvolvido pela primeira vez por oficiais do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA.

Robert Walker definiu a guerra híbrida desta forma:

“A guerra híbrida é o que está entre a guerra especial e a guerra convencional. Este tipo de guerra tem as características de cenários especiais e convencionais e requer extrema flexibilidade para se fazer uma transição operacional e tática entre cenários especiais e convencionais”. [1]

O Coronel Bill Nemeth, do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, em seu trabalho de 2002, utiliza este conceito para analisar o conflito checheno na Rússia. [2]

O conceito de guerra híbrida foi posteriormente exposto em um artigo conjunto de James Mattis e Frank Hoffman, publicado em novembro de 2005. [3] Ambos os autores eram oficiais profissionais do Corpo de Fuzileiros Navais, e James Mattis tornou-se mais tarde Secretário de Defesa dos EUA. Era um texto curto, de algumas páginas sobre a experiência de combate no Afeganistão no Iraque, onde as forças dos EUA haviam conduzido a invasão alguns anos antes.

A narrativa principal tratava de métodos irregulares: terrorismo, insurgência, guerra sem restrições, guerrilha ou coerção por grupos criminosos de drogas explorando a perda de controle de um Estado falido. Os autores relataram que estes métodos estão se tornando cada vez mais difundidos e sofisticados, e irão desafiar os interesses de segurança dos EUA em todo o mundo no futuro próximo.

Frank Hoffman desenvolveu mais tarde este conceito em seu ensaio Conflito no Século XXI: O Surgimento das Guerras Híbridas, publicado em 2007. [4] A ideia principal do autor era que ao invés de adversários separados com abordagens fundamentalmente diferentes (convencionais, irregulares ou terroristas), existem adversários definidos que utilizarão todas as formas e táticas de guerra, possivelmente simultaneamente.

Os documentos e estratégias militares oficiais dos EUA utilizados nesta obra referem-se ao termo “híbrido” como uma combinação de táticas tradicionais e não convencionais, juntamente com tecnologias simples e complexas.

Frank Hoffman argumentou que as ameaças híbridas incluem a gama completa de diferentes métodos de guerra, incluindo meios convencionais, táticas e formações irregulares, ataques terroristas envolvendo violência e coerção indiscriminadas, e motins criminosos. As guerras híbridas podem ser travadas tanto por Estados como por uma variedade de atores não estatais.

Dois anos depois, em Guerra Híbrida e seus Desafios, Hoffman observou que “o conflito futuro será multimodal ou multivariado, e não simplesmente uma característica em preto-e-branco de uma forma de guerra”. [5]

Ele argumentou que a “guerra híbrida”, na qual o adversário provavelmente apresentará ameaças combinadas ou híbridas únicas, visa especificamente as vulnerabilidades dos EUA. As ameaças híbridas incluem toda a gama de métodos de guerra, incluindo meios convencionais, táticas e formações irregulares, ataques terroristas que consistem em violência e coerção indiscriminadas, e agitação criminosa.

Essas atividades multimodais podem ser conduzidas por unidades separadas ou mesmo pela mesma unidade, mas geralmente são dirigidas e coordenadas operacional e taticamente dentro do espaço de batalha primário para alcançar um efeito sinérgico sobre as dimensões físicas e psicológicas do conflito. O efeito pode ser alcançado em todos os níveis de guerra.

O mais importante é que se trata de guerra. Assim, a identificação precoce de ameaças híbridas está associada ao espaço de batalha, bem como a métodos e meios militares.

O Comando Conjunto das Forças dos EUA adotou o conceito de ameaça híbrida em 2009 e enfatizou que ele inclui qualquer adversário que, simultânea e adaptativamente, utilize uma combinação especialmente selecionada de meios ou ações convencionais, irregulares, terroristas e criminosas em um espaço de batalha operacional. Em vez de um único ator, uma ameaça ou adversário híbrido pode ser composto de uma combinação de atores estatais e não estatais. [6]

Mais tarde em 2014, após o retorno da Crimea à Rússia, Hoffman escreveu que “qualquer adversário que simultaneamente utilize uma combinação especialmente projetada de armas convencionais, táticas irregulares, terrorismo e comportamento criminoso ao mesmo tempo e no mesmo espaço de batalha para atingir seus objetivos políticos” constitui uma ameaça híbrida, e observou que as ameaças híbridas são um projeto desenvolvido pelo Corpo de Fuzileiros Navais há uma década. [7]

Outros geoestrategistas contemporâneos como Colin Gray, Max Booth e John MCain se alinham com a formulação de Hoffman de que o conflito futuro será mais diversificado ou multivariado do que o tipo padrão de guerra convencional. [8]

Em 2015, o Exército dos EUA publicou a Orientação da Estrutura da Força de Ameaça Híbrida. Este documento se enquadra na categoria de manuais de campo. [9]

Ela fornece uma definição clara das ameaças híbridas e de como percebê-las. Ao mesmo tempo, menciona a agressão russo-georgiana em 2008, onde é dada uma interpretação específica dos fatos. Ela afirma que:

“Uma ameaça híbrida é uma combinação diversificada e dinâmica de forças regulares, forças irregulares e/ou elementos criminosos combinados para alcançar resultados mutuamente benéficos.

As ameaças híbridas são inovadoras, adaptáveis, conectadas globalmente, conectadas em rede e embutidas em desordens locais. Elas podem possuir uma ampla gama de tecnologias antigas, adaptadas e avançadas, incluindo a capacidade de criar armas de destruição em massa.

Elas podem operar de forma condicional e não convencional, empregando combinações adaptativas e assimétricas de táticas tradicionais, irregulares e criminosas e explorando as capacidades militares tradicionais de maneiras antigas e novas.

As ameaças híbridas procuram saturar todo o ambiente operacional com efeitos que apoiam seu curso de ação e forçam seus adversários a responder em múltiplas linhas. Um simples ataque militar pode não ser suficientemente complexo para esticar os recursos, reduzir a inteligência e limitar a liberdade de manobras.

Em contraste, as ameaças híbridas podem simultaneamente criar instabilidade econômica, contribuir para a falta de confiança na governança existente, atacar as redes de informação, fornecer uma mensagem convincente consistente com seus objetivos, desencadear crises humanitárias não naturais e ameaçar fisicamente os adversários. Ações sincronizadas e sinérgicas de ameaças híbridas podem ter lugar nos domínios informativo, social, político, de infraestrutura, econômico e militar”.

Outro documento doutrinário, o TRADOC G-2 define a guerra híbrida como “o uso de meios políticos, sociais, criminosos e outros meios não cinéticos usados para superar as restrições militares”. [10]

Ambiente de Operação Conjunta 2035. Força Conjunta em um Mundo Disputado e Desorganizado, publicado em 2016, usa o termo “estratagemas híbridos de governança”.

Ele afirma que “vários Estados revisionistas usarão uma série de medidas coercitivas para avançar seus interesses nacionais através de uma combinação de abordagens diretas e indiretas destinadas a retardar, desviar e embotar as respostas dos Estados-alvo. Esses estratagemas híbridos terão como objetivo semear a confusão e o caos, evitando ao mesmo tempo a atribuição e a potencial retaliação” [11]

Diz-se que “uma mistura híbrida de dissuasão convencional e guerra por procuração testará a capacidade das forças combinadas de intervir com sucesso em apoio aos aliados e parceiros a que se opõem as potências revisionistas vizinhas. Os principais atributos dos estratagemas híbridos estatais serão ‘…caracterizados pela convergência física e psicológica, cinética e não cinética, de combatentes e não combatentes…’ e a fusão operacional de abordagens convencionais e irregulares.

É provável que a Rússia continue a usar a ameaça do poder militar para proteger os interesses regionais e promover a ideia de que ela continua sendo uma grande potência. O Irã continuará a desenvolver e usar proxies e parceiros regionais. Entretanto, é provável que a China desenvolva uma estratégia marítima mais dinâmica e adaptável, numa tentativa de impor consequências irreversíveis nas disputas insulares nos mares do Leste e do Sul da China”.

Assim, estamos assistindo à globalização da guerra híbrida, cujos atributos são automaticamente atribuídos aos Estados que são identificados nos documentos de estratégia dos EUA como ameaças. Mas a Rússia figura de forma particularmente proeminente nos documentos de análise e na retórica política dos representantes dos países da OTAN.

Em uma monografia publicada pela RAND Corporation em 2017 sobre o tema da guerra híbrida na região do Báltico, a ênfase foi colocada nas ações atuais e possíveis da Rússia. Ela observou que:

“O termo ‘guerra híbrida’ não tem uma definição consistente, mas geralmente se refere a ações negativas e encobertas apoiadas pela ameaça ou uso de forças convencionais e/ou nucleares para influenciar as políticas internas dos países visados. A agressão híbrida potencial da Rússia no Báltico pode ser dividida em três categorias: subversão não violenta, violência encoberta e guerra convencional apoiada pela subversão.

Dado o aumento do padrão de vida e a crescente integração de muitos falantes de russo nos Estados bálticos, é provável que a Rússia tenha dificuldade em utilizar táticas não violentas para desestabilizar esses países. A violência encoberta russa, por si só, também tem poucas probabilidades de sucesso, dado o treinamento das forças de segurança estonianas e letãs.

Portanto, a principal vulnerabilidade dos Estados bálticos reside na superioridade local tradicional da Rússia: uma invasão total dos Estados bálticos por russos comuns, legitimados e apoiados pela subversão política, rapidamente esmagará as forças da OTAN atualmente na região”. [12]

Em outras palavras, os autores ocidentais estão tentando passar rótulos na Rússia, como é óbvio. Há também uma tentativa nos círculos político-militares ocidentais de avaliar a guerra híbrida em coordenadas geopolíticas, muitas vezes com referência a outros conceitos.

Amos Fox observa que “a guerra híbrida tem uma perna no passado, com sua capacidade de travar uma guerra convencional, e tem uma perna no futuro. A guerra híbrida é uma abordagem nacional da guerra que procura integrar todos os instrumentos do poder nacional através de campanhas nas quais a distância entre os níveis estratégico e tático da guerra é reduzida a tal ponto que o nível operacional da guerra se torna muito tênue”. [13]

Entretanto, em 2017, o termo “guerra híbrida” ainda não estava totalmente estabelecido, nem a atribuição do uso de métodos de guerra híbridos à Rússia. A este respeito, o debate no Subcomitê de Ameaças e Oportunidades Emergentes do Comitê de Armas da Câmara dos EUA é indicativo. Em 15 de março de 2017, o congressista Trent Franks do Arizona fez a pergunta:

“Será que uma frota de brigada blindada tática na Europa Oriental será suficiente para combater a guerra híbrida russa sem aumentar nossas capacidades de ciberespaço e reforçar nossos recursos espaciais para conter a Rússia, ou devemos espelhar todas as ações para poder engajá-los – e engajá-los em cada etapa de sua guerra híbrida?”

Thomas Timothy, um analista sênior da Divisão de Pesquisa Militar Estrangeira do Departamento de Defesa dos EUA, respondeu: “Congressista, antes de mais nada, esta é apenas minha opinião pessoal. Não creio que a Rússia esteja travando uma guerra híbrida. Embora eu saiba que muita gente pensa que ela está conduzindo uma”. [14]

Ele continuou explicando que a Rússia estava aumentando sua força militar porque eles sentiam uma ameaça existencial dos EUA e da OTAN, a mesma que os Estados bálticos provavelmente sentiram da Rússia quando viram uma reorganização militar em suas fronteiras.

Consideramos esta avaliação bastante apropriada, mas infelizmente estas conclusões não são de forma alguma comuns a todos os tomadores de decisão militares e políticos dos EUA.

Entretanto, vemos então uma reavaliação do conceito e sua aplicação no nível das relações internacionais. E a Rússia está começando a figurar com mais frequência como um sujeito permanente de guerra híbrida.

Em fevereiro de 2018, o Senador Reed, falando perante o Congresso dos EUA, disse que “o uso pelo Kremlin de alavancagem financeira maliciosa é sensível e faz parte de uma operação mais ampla e coordenada da agressão híbrida do Kremlin que utiliza a ampla gama de ferramentas militares e não militares à sua disposição. A Rússia reconhece que suas capacidades militares são atualmente limitadas em comparação com as dos EUA e da OTAN, e procurará evitar conflitos militares diretos com o Ocidente. Em vez disso, a Rússia está empregando táticas que jogam com seus pontos fortes e visam nossas vulnerabilidades sistemáticas”. [15]

A OTAN também se concentrou em ameaças híbridas. O conceito Capstone, que data de 2010, foi utilizado pela OTAN em seu experimento Contra a Ameaça Híbrida. Neste documento, as ameaças híbridas são definidas como ameaças “emanadas de adversários capazes de usar simultaneamente meios convencionais e não tradicionais para atingir seus objetivos”. [16]

A OTAN começou a utilizar formalmente a definição de “guerra híbrida” contra a Rússia após o golpe de Estado na Ucrânia em 2014. Um artigo de revisão da OTAN afirma que “conflitos híbridos envolvem esforços em várias camadas com o objetivo de desestabilizar um Estado em funcionamento e polarizar sua sociedade”. [17]

Uma publicação da Assembléia Parlamentar da OTAN de 2015 definiu as ameaças híbridas como “o uso de táticas assimétricas para identificar e explorar fraquezas internas por meios não militares, apoiadas pela ameaça dos meios militares convencionais”. [18]

Em dezembro de 2015, a OTAN adotou a Estratégia de Guerra Híbrida, que define como eles irão lidar com as ameaças híbridas. Em abril de 2017, vários aliados europeus da OTAN concordaram formalmente em estabelecer um Centro Europeu de Excelência para o Combate às Ameaças Híbridas em Helsinque.

Patrick Cullen, em um artigo publicado por este centro, observou que “as ameaças híbridas são projetadas para embaçar a distinção entre paz e guerra e para complicar e reduzir os limiares de detecção de alvo e de resposta. Consequentemente, os sérios desafios colocados pelas ameaças híbridas exigem novas soluções de alerta precoce”. [19]

O Centro Híbrido de Excelência de Helsinki descreve uma ameaça híbrida como “uma ação coordenada e sincronizada que visa deliberadamente as vulnerabilidades sistêmicas das democracias e instituições através de uma ampla gama de meios (políticos, econômicos, militares, civis e informacionais). A atividade utiliza os limiares de detecção e alocação e a fronteira entre guerra e paz. O objetivo é influenciar diversas formas de tomada de decisão em nível local (regional), estatal ou institucional, em benefício e/ou para a realização dos objetivos estratégicos dos atores, minando e/ou prejudicando o alvo”. [20]

No início de 2017, a OTAN criou uma nova Divisão Conjunta de Informações e Segurança (JISD). A publicação da OTAN observou que esta foi “a reforma mais significativa na história da inteligência aliada”. Em resposta ao complexo ambiente de ameaça representado por uma Rússia assertiva e o aumento do terrorismo e da instabilidade no Sul, os Aliados estão mudando fundamentalmente a forma como se organizam e analisam a inteligência. [21] A nova estrutura inclui 270 funcionários de vários países da OTAN.

Em julho de 2017, uma nova divisão de análise híbrida foi criada dentro da JISD. Seu mandato é analisar o espectro completo de ações híbridas baseadas em fontes militares e civis, classificadas e abertas. A OTAN tem procurado desenvolver uma abordagem holística, incluindo a segurança cibernética.

Representantes da nova estrutura observaram que “modelada nos Grupos Consultivos de Proteção ou Resiliência de Infraestrutura Crítica existentes, uma Equipe de Apoio a Situações Híbridas (CHST) pode ser destacada na primeira oportunidade possível por um aliado solicitando o apoio da OTAN, seja em uma crise ou para ajudar a desenvolver capacidades nacionais para lidar com situações híbridas. Essas equipes são compostas por peritos civis provenientes do pool de peritos da OTAN, bem como por peritos designados pelos Aliados”. [22]

Em novembro de 2019, o primeiro CHST foi implantado em Montenegro. Mediante solicitação, os Grupos Consultivos Militares também podem se juntar ao CHST, proporcionando uma consulta aprofundada entre os civis e os militares. Estas etapas demonstram que a OTAN está desenvolvendo opções de resposta abaixo do limiar do Artigo 5º (Defesa Coletiva) do Tratado de Washington.

Até agora, a questão das ameaças híbridas tem estado no topo da agenda da OTAN. Por exemplo, entre as seis questões-chave preparadas para a cúpula da OTAN em junho de 2021, duas delas estavam relacionadas com a questão das ameaças híbridas:

“Conter a agressão russa na Europa, incluindo o uso pela Rússia de táticas de guerra híbridas e cibernéticas. Aumentar a resiliência dos Estados membros para responder a ameaças e crises não militares de segurança, incluindo ameaças híbridas e cibernéticas, pandemias e mudanças climáticas”. [23]

Pode-se dizer que existe agora uma forte convicção no Ocidente de que a Rússia está tentando por todos os meios prejudicar a comunidade euro-atlântica como um todo e individualmente, e que é necessário resistir em uma variedade de áreas e situações.

Tais ações, quando especialistas civis e militares nos países da OTAN concebem fantasmas fictícios e criam algumas medidas de influência para si mesmos, são um sinal claro de paranoia política, semelhante à dos Estados Unidos nos anos 1950-80 sobre a propagação do comunismo. A oposição declarada nada mais é do que uma cobertura para a manipulação da opinião pública e da própria atividade agressiva, que muitas vezes viola as normas do direito internacional.

A palavra “híbrido” é usada para qualquer atividade na Rússia ou de campanhas russas. Por exemplo, a interação da Rosatom com parceiros estrangeiros nada mais é do que “atividade híbrida” para eles. [24] Existem problemas na política interna da Geórgia: isso significa que “a Rússia está usando esta política externa e de segurança esporádica e ingovernável para travar uma guerra híbrida e aumentar sua influência na Geórgia”. [25]

Mesmo a antiga provocação da liderança estoniana com a demolição do monumento ao Soldado Desconhecido em Tallinn já é apresentada por autores ocidentais como um método de conflitos híbridos, por trás do qual está a Rússia. [26]

Mas o problema é que qualquer ação da Rússia, seja ela um fortalecimento das capacidades de defesa, a adoção de algumas leis internas ou o apoio aos compatriotas no exterior e à atividade econômica internacional, será percebida e anunciada como uma ameaça híbrida ou atividade correspondente.

A crise de confiança pública em sua própria elite governante também leva o Ocidente a usar o espantalho das guerras híbridas para desviar a atenção de numerosos problemas internos para um inimigo externo designado e para excluir qualquer cenário alternativo de desenvolvimento econômico e político em sua sociedade.

Como a Rússia deve agir neste caso? Devemos usar os mesmos instrumentos que os EUA e a OTAN contra a Rússia, classificando as numerosas provocações e tentativas de pressão como sinais de guerra híbrida?

Naturalmente, a posição oficial da Rússia não concorda com tentativas de nos rotular como um ator de guerra híbrida sob nenhum pretexto. Aqui vale a pena lembrar o aparecimento no Ocidente da chamada “Doutrina Gerasimov”, embora na realidade ela não exista. Este conceito foi deliberadamente inventado por especialistas da OTAN, com base na análise das publicações do Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas russas, a fim de assustar seus cidadãos e com isso justificar a continuação da implementação de seus planos. O mesmo é válido para a guerra híbrida.

Há muitas ameaças complexas no mundo que podem ser chamadas de híbridas, e o Estado e a sociedade russa sofrem com elas. Mas apesar das propostas dos líderes russos para lutar juntos contra essas ameaças, os países da OTAN preferem criar seus próprios mitos e agir dentro do espírito da Guerra Fria.

Quanto a possíveis respostas a estas provocações, antes de tudo, deve-se entender que qualquer ação dura provocará uma reação apropriada e dará ao Ocidente motivos para outras acusações. No mínimo, isto desencadeará uma espiral de escalada.

Para evitar confusão, é até desejável introduzir uma classificação diferente dos métodos ocidentais, por exemplo, a “guerra por outros meios”. Além disso, os próprios políticos e especialistas ocidentais há muito utilizam este termo em conexão com sua própria estratégia geopolítica. [27]

Em segundo lugar, deve-se tentar penetrar na consciência do inimigo para compreender o curso de seu pensamento, encontrar suas fraquezas e contradições e, após analisá-lo minuciosamente, apresentá-lo ao público em geral no exterior. Em terceiro lugar, fortalecer ainda mais sua soberania e eficácia política, mostrando aos parceiros e aliados (assim como aos países neutros) as vantagens de interagir com a Rússia.

Em quarto lugar, os esforços conjuntos na linha da CSTO, SCO e EEU devem levar em conta as realidades do confronto com o Ocidente, não apenas na linha do confronto político-militar, mas também no quadro mais amplo dos processos geopolíticos, do comércio e atividades econômicas à pesquisa científica e ao nível das narrativas. É desejável criar e apoiar centros independentes e analíticos apropriados que lidem com esta questão, o intercâmbio de experiências e o monitoramento constante das atividades dos oponentes ocidentais.

Quinto, de forma alguma ceder e comprometer-se com o Ocidente em questões de princípio, incluindo valores e interesses nacionais. Esta posição se reflete tanto nos documentos estratégicos atuais da Rússia quanto na última mensagem do Presidente Vladimir Putin.

Notas

[i] Walker, Robert G. Spec Fi: The United States Marines Corps and Special Operations, Master’s Thesis, Monterey, CA, Naval Post Graduate School, December 1998, p.4-5.
[ii] Nemeth, W. Future war and Chechnya: a case for hybrid warfare, Naval Postgraduate School, Monterey, Master Thesis, 2002
[iii] Mattis, James N., Hoffman, Frank. Future Warfare: The Rise of Hybrid Wars // Proceedings Magazine, November 2005 Vol. 132/11/1, p. 233.
[iv] Hoffman, Frank G. Conflict in the 21st century: The rise of hybrid wars. Arlington, VA: Potomac Institute for Policy Studies, 2007.
[v] Hoffman, Frank G. Hybrid Warfare and Challenges // JFQ, issue 52, 1st quarter 2009. p. 35.
[vi] Russell W. Glenn, Evolution and Conflict: Summary of the 2008 Israel Defense Forces-US Joint Forces Command “Hybrid Threat Seminar War Game,” Santa Monica, CA: RAND, 2009.
[vii] Hoffman, Frank. On Not-So-New Warfare: Political Warfare vs. Hybrid Threats // War on the Rocks, July 28, 2014.
[viii] Savin L.V. Network threats to national and international security: strategy, tactics, hybrid actors and technologies // Economic strategies No. 2, 2014. http://www.inesnet.ru/article/setevye-ugrozy-nacionalnoj-i-mezhdunarodnoj-bezopasnosti-strategiya- taktika-gibridnye-aktory-i-tex …
[ix] Hybrid Threat Force Structure Organization Guide. FM 7-100.4. Headquarters Department of the Army Washington, DC, 4 June 2015.
[x] TRADOC G-2, Threat Tactics Report Compendium: ISIL, North Korea, Russia, and China (Fort Leavenworth, KS: TRADOC G-2 ACE Threat Integration, 2015), 94.
[xi] Joint Operating Environment 2035. The Joint Force in a Contested and Disordered World. 14 July 2016. P.6. https://fas.org/man/eprint/joe2035.pdf
[xii] Andrew Radin. Hybrid Warfare in the Baltics. Threats and Potential Responses, RAND Corporation, Santa Monica, 2017.
[xiii] Amos C. Fox. Hybrid Warfare: The 21st Century Russian Way of Warfare. School of Advanced Military Studies, United States Army Command and General Staff College. Fort Leavenworth, Kansas. 2017. P. 5.
[xiv] Crafting an Information Warfare and Counter-Propaganda Strategy for the Emerging Security Enviroment. Hearing before the Subcommittee on Emerging Threats and Capabilities of the Committee on Armed Service House of Representatives One Hundred Fifteenth Congress Firts Session. March 15, 2017. P. 20.https: //fas.org/irp/congress/2017_hr/counter-prop.pdf
[xv] Congressional Record Volume 164, Number 36 (Wednesday, February 28, 2018) https://fas.org/irp/congress/2018_cr/022818-reed.html
[xvi] NATO – Supreme Allied Commander Transformation Headquarters, ‘Military Contribution to Countering Hybrid Threats Capstone Concept’.
[xvii] Pindjak, Peter. Deterring Hybrid Warfare: A Chance for NATO and the EU to Work Together? // NATO Review, 2014.
[xviii] NATO Parliamentary Assembly Defense and Security Committee, “Hybrid Warfare: NATO’s NewStrategic Challenge?” Draft Report, April 7, 2015. p. 3.
[xix] Cullen, Patrick. Hybrid threats as a new ‘wicked problem’ for early warning. Strategic Analysis, May 2018. https://www.hybridcoe.fi/wp-content/uploads/2018/06/Strategic-Analysis-2018-5-Cullen.pdf
[xx] https://www.hybridcoe.fi/hybrid-threats/
[xxi] Arndt Freytag von Loringhoven. Adapting NATO intelligence in support of “One NATO”. 08 September 2017.
https://www.nato.int/docu/review/articles/2017/09/08/adapting-nato-intelligence-in-support-of-one-nato/index.html
[xxii] Michael Ruhle, Clare Roberts. Enlarging NATO’s toolbox to counter hybrid threats. 19 March 2021. https://www.nato.int/docu/review/articles/2021/03/19/enlarging-natos-toolbox-to-counter-hybrid-threats/index.html
[xxiii] NATO: Key Issues for the 117th Congress. Congressional Research Service. March 3, 2021.
[xxiv] Hybrid Atoms: Rosatom in Europe and Nuclear Energy in Belarus. March 11, 2021.
[xxv] Shota Gvineria. Russia Wages Hybrid Warfare and Increases Its Influence in Polarized Georgia. FEBRUARY 22, 2021
[xxvi] Juurvee, Ivo, and Mariita Mattiisen. The Bronze Soldier Crisis of 2007: Revisiting an Early Case of Hybrid Conflict. Tallinn: International Center for Defense and Security, August 2020.
[xxvii] For example, see Blackville R., Harris J. War by Other Means. Geoeconomics and the art of government. M .: AST, 2017.

Fonte: Russtrat

Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *