O Confinamento e Seu Impacto Psicológico: Nossa Humanidade em Jogo

Para além do colapso econômico, a principal consequência negativa do confinamento perpétuo a que os países ocidentais impuseram suas populações é o colapso psicológico. Aumento no consumo de drogas, tanto legais como ilegais, aumento nos comportamentos viciantes e patológicos, aumento nos índices de depressão e ansiedade, para não falar em uma epidemia de suicídios.

Não apenas consequências econômicas

As consequências do confinamento na economia real são graves: redução dos recursos domésticos, perda de emprego, falências, às vezes levando a resultados dramáticos, como o suicídio do trabalhador. Tais cenários sugerem que a degradação não é apenas material; a prisão domiciliar tem sido acompanhada por um notório sofrimento psicológico que tem favorecido o surgimento de distúrbios psiquiátricos entre a população. O isolamento social, de fato, tem incentivado o desenvolvimento de síndromes depressivas e de ansiedade, particularmente entre amplos estratos sociais, enfraquecido pelas numerosas restrições sanitárias e pelo discurso provocador de ansiedade que se segue.

De acordo com pesquisas recentes realizadas pela Sanité Publique France sobre a saúde mental dos franceses, 20% deles sofrem de depressão (10 pontos acima da norma não epidêmica) e 21% dos franceses são vítimas de ansiedade (um aumento de 7,5 pontos em comparação com o nível habitual). O estudo também revela um forte aumento dos distúrbios do sono, assim como um aumento dos pensamentos suicidas, e conclui que houve uma deterioração geral da saúde mental da população, em particular com “pessoas em situações precárias (emprego, finanças, moradia), pessoas com histórico de distúrbios psicológicos e jovens (18-24 anos de idade)”. Os dados mostram que os estratos mais precários da população, que se declaram em uma situação financeira muito difícil, são obviamente os mais afetados por desordens depressivas.

Estes resultados confirmam que as medidas governamentais, além de seu impacto deletério, reforçam as disparidades existentes: os mais vulneráveis cumprem e sofrem as consequências, enquanto a elite continua a desfrutar de seu estilo de vida. Neste sentido, a controvérsia sobre os jantares clandestinos prova que o topo da pirâmide duvida da eficácia das restrições impostas ao povo e, a fortiori, da pandemia…

No extremo oposto do espectro, os mais jovens são duramente atingidos por restrições arbitrárias. Vários pedopsiquiatras, psicólogos e assistentes sociais estão alertando sobre o aumento de distúrbios psiquiátricos entre crianças e adolescentes. As ideias e atos suicidas estão aumentando significativamente, a ponto de alguns serviços psiquiátricos infantis, como em Estrasburgo, estarem atingindo o ponto de saturação. O cuidado é dificultado pelo fato de que os profissionais também estão sujeitos a fortes restrições, tanto legais quanto psicológicas. A crise de saúde não só afetou as personalidades dos profissionais, que têm que lidar com um surto de casos psiquiátricos e uma atmosfera mortificante com o consequente aumento da carga mental, mas também suas práticas profissionais. As consultas são realizadas com mascaramento obrigatório, o que reduz o vínculo terapêutico com os pacientes, uma parte significativa do qual é possível não apenas pela fala, mas também pelo acesso visual ao rosto do outro. Antes da pandemia, o profissional apertava a mão da pessoa que ia receber e fazia o mesmo quando a consulta terminava; agora isto é formalmente proibido, proscrevendo assim este gesto que parece tão inofensivo mas que é socialmente estruturante e, especialmente para as pessoas mais frágeis e socialmente isoladas, fundamental. As atividades em grupo (grupos de apoio, atividades ao ar livre, oficinas terapêuticas, etc.) são severamente limitadas ou mesmo canceladas. Para muitas pessoas que recebem este tipo de apoio, o grupo terapêutico era quase a única oportunidade de socializar e sair de casa, dando sentido à sua semana. Felizmente, a Netflix e as redes sociais estão lá para suprir essa falta de contato humano!

Este estado de coisas leva alguns serviços a “resolver” as situações que eles consideram “prioritárias” e aquelas que eles pensam que podem “segurar” por mais algumas semanas, até que um lugar se torne disponível. Isto é um desastre quando percebemos que às vezes temos que esperar várias semanas para hospitalizar um adolescente ou um alcoólatra que embarcou em um curso de tratamento e está esperando para se desmamar.

Netflix, drogas e ansiolíticos

E se o Netflix (+22% dos assinantes em 2020 em comparação com 2019) e as técnicas de relaxamento não forem suficientes? É quando entra a droga psicotrópica, aquela caricatura da hóstia pós-moderna que os ocidentais, ansiosos para criar um mundo livre de todos os males da alma, tanto gostam. Não será surpresa então que, entre março e setembro de 2020, as prescrições para ansiolíticos aumentaram em mais de um milhão em relação ao que se esperava, o que representa um aumento de +5% em relação ao ano anterior no mesmo período. Enquanto os antidepressivos e a distribuição de drogas de substituição para opiáceo e dependência de álcool permaneceram estáveis em geral, os comprimidos para dormir também aumentaram, com +480.000 prescrições ao longo dos seis meses.

Os indicadores também estão disponíveis para o consumo de tabaco, drogas e álcool. Se durante o primeiro confinamento, e também graças ao efeito surpresa e a quase impossibilidade, por parte dos traficantes de drogas, de comprar produtos ilícitos novamente, o consumo não tinha aumentado, isto mudou consideravelmente desde o segundo semestre de 2020. Um relatório da Addictions France apontou que um em cada três usuários aumentou seu consumo; em outras palavras, dos usuários habituais, um terço aumentou seu consumo. A conclusão deste estudo não poderia ser mais clara: “Este estudo revela que a crise sanitária e os confinamentos associados favorecem o comportamento viciante, particularmente entre as populações mais frágeis”.

Alguns dos números devem nos fazer pensar. Por exemplo, saber que 58% das pessoas que já foram monitoradas por um problema de dependência aumentaram seu consumo de ansiolíticos (contra 33% em média), e que 3 em cada 4 estudantes aumentaram a quantidade de tempo gasto na frente de uma tela, fora de seus estudos. Este vício em telas parece ter sido induzido por cursos à distância, que acontecem exclusivamente pelo computador. Além disso, a OMS, que havia reconhecido oficialmente o distúrbio do vício em videogames em maio de 2019, havia recomendado, por ocasião do primeiro confinamento, o uso de videogames para combater o estresse e promover novas medidas de distanciamento social.

O isolamento, o ensino à distância, a ausência de um ambiente escolar e das atividades sociais complicam estes períodos cruciais de desenvolvimento pessoal. Alguns especialistas falam da chegada de uma “geração nebulosa”, com uma perda de pontos de referência, imersa em angústias existenciais e na falta de perspectivas futuras. Muitos jovens falam sobre a perda de sentido na obtenção do bacharelado em 2020, e os problemas de iniciar os estudos universitários. A recente resposta do governo para aumentar o apoio psicológico aos estudantes universitários aflitos os faz rir, porque não é de ajuda psicológica que eles sentem que precisam, mas sim de um retorno às aulas e ao encontro de novos amigos.

Na idade da emancipação e da autonomia, esta juventude sacrificada sente-se compartimentada, infantilizada: como se condenada a vagar na ausência de visibilidade sobre seu futuro, ela é afetada pela perda de sentido, cataclísmica em termos de bem-estar mental, já em ação em nossas sociedades modernas.

Rumo a um colapso da cidade?

Tais consequências psíquicas são um lembrete de que as relações sociais são constitutivas de nossa natureza. Por natureza, e como Aristóteles claramente identificou, o homem é um animal político, um ser de vínculos com seus semelhantes. É também por esta razão que o objetivo da cidade, a comunidade mais elevada, é a boa vida em conjunto, a vida boa e feliz: “Uma comunidade política é a comunidade de famílias e vilas em uma vida perfeita, segundo nós, em viver de acordo com a felicidade e a virtude. Devemos, portanto, postular que a comunidade política existe para a realização do bem, não apenas para a própria convivência social”.

O mal-estar galopante lança assim luz sobre o fracasso da governança de nossa cidade, se ela alguma vez teve a felicidade de seus membros em sua mira. No entanto, é do interesse geral que o governo nos peça que obedeçamos, mas, se examinarmos mais de perto, a imposição antidemocrática de privações de liberdade e contato social por razões sanitárias só pode ser justificada reduzindo a vida a um fato biológico. As repercussões sobre a qualidade de vida são de fato imensas. A sacralidade da vida, protegida do risco de morte, parece estar no centro do discurso dominante; mas esta é uma vida mecânica, técnica, liquidada do que a torna humana. O confisco de liberdades, da sociabilidade e das relações, decretada em nome da proteção da vida, é exatamente o que a desumaniza. Estas medidas são uma perda de humanidade que não podemos aceitar, e contra a qual devemos lutar sem reservas. É portanto imperativo reintegrar o risco de morte como um corolário da vida, mas de uma vida verdadeiramente humana, emancipadora. Do capitalismo ao pretexto do vírus, contra todas as tentativas de reificar nossa condição como ferramentas subjugadas e atomizadas, vamos nos unir e reafirmar nosso poder de viver: juntos e livres!

Fonte: Rébellion

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *