A Medicina Ideológica está comprometendo a confiança

O jornalista e escritor Rod Dreher faz um duplo alerta acerca de um mesmo problema, tanto para aqueles que creem inquestionavelmente na autoridade da comunidade científica e médica de nossa era, quanto para a própria comunidade científica em si. Embora em primeira vista pareça se limitar a uma crítica às ideologias de gênero, aborda uma camada ainda mais profunda – o estado de confusão e de desconfiança causados pela ideologia liberal.

Eu estava na gravação do próximo episódio para o podcast General Electric, que Kale Zelden e eu fazemos, e mencionei a entrevista de sucesso de Abigail Shrier com dois importantes cuidadores médicos que atendem pacientes transgêneros (ambos – um cirurgião e um psicólogo clínico – que também são pessoas trans, no caso, homens que viraram mulheres). Na entrevista, os dois médicos disseram que a área médica está indo longe demais na maneira como cuida de jovens com disforia de gênero (por exemplo, eles disseram que os bloqueadores da puberdade são prescritos com muita frequência).

“Definitivamente, há pessoas que estão tentando impedir a entrada de qualquer pessoa que não acredite totalmente na linha do partido de que tudo deveria ser afirmativo e que não há espaço para divergências”, disse o cirurgião Marci Bowers. “Acho isso um erro.”

Você poderia pensar que algo assim seria digno de chegar ao noticiário nacional, isto é – quando dois dos principais médicos transgênero soam o alarme sobre os padrões de atendimento. Porém não foi o caso. Mas se você ler o artigo, não ficará surpreso. Do relatório de Shrier:

“No início deste mês, a psicóloga clínica Erica Anderson me disse que enviou um artigo em coautoria para o The New York Times, alertando que muitos profissionais da saúde dos transgêneros estavam tratando crianças de forma imprudente. O Times não aprovou, explicando que estava “fora de nossas prioridades de cobertura no momento”.

Existe apenas uma perspectiva sobre o transgenerismo permitida na medicina, e apenas uma permitida na grande mídia. Depois que o artigo apareceu, as duas grandes associações de saúde de transgêneros lançaram a seguinte carta:

Carta Conjunta da USPATH e da WPATH

A Associação Profissional dos Estados Unidos para a Saúde de Transgêneros (USPATH) e a Associação Profissional Mundial para a Saúde de Transgêneros (WPATH) defendem os cuidados adequados para os jovens transgêneros e de gêneros diversos, o que inclui, quando indicado, o uso de “bloqueadores da puberdade”, como a gonadotrofina, liberação de medicamentos análogos aos hormônios e outros medicamentos para retardar a puberdade e, quando indicado, o uso de hormônios para afirmar o novo gênero, como estrogênio ou testosterona. Diretrizes para a avaliação de jovens transgêneros e de gêneros diversos, bem como para o uso de medicamentos para atrasar a puberdade e hormônios de afirmação do gênero novo, foram publicadas por órgãos profissionais de renome, incluindo a Endocrine Society, a World Professional Association for Transgender Health e a American Psychiatric Association. A USPATH e a WPATH apoiam discussões científicas sobre o uso de medicamentos que atrasam a puberdade e sobre a terapia hormonal para jovens transgêneros e demais gêneros diversos. Acreditamos que tais discussões devam ocorrer entre especialistas e partes interessadas nesta área, com base em evidências científicas, e em fóruns como jornais revisados por pares ou conferências científicas, e entre colegas e especialistas para a avaliação e cuidado aos jovens transgêneros e demais gêneros diversos. A USPATH e a WPATH se opõem ao uso da imprensa leiga, seja imparcial ou de qualquer viés ou ponto de vista político, sem um fórum para o debate científico dessas questões, ou a politização dessas questões de qualquer forma. Além disso, as decisões individuais sobre intervenções e tratamentos para a afirmação de gênero entre os jovens transgêneros e demais gêneros diversos, devem ser tomadas apenas entre o paciente, seus pais ou responsáveis, seu (s) provedor (es) de saúde mental e seu médico, e qualquer outro relacionado às partes interessadas, caso a caso, e se opõe a qualquer tentativa de ditar ou restringir, por estatuto, pelo judiciário ou de outra forma, o acesso a tal tratamento quando recomendado de acordo com padrões e diretrizes aceitos.

Conseguem perceber? Não se fala sobre tais coisas na “imprensa leiga”, dizem eles. Confie nos especialistas!

Não confio nos especialistas médicos em transgenerismo e não confio na mídia para nos contar toda a história sobre as questões trans. Eles não estão atrás da verdade; eles querem apoiar uma narrativa. Do Live Not By Lies:

“Um médico norte-americano nascido na União Soviética me disse – depois que concordei em não usar seu nome – que ele nunca posta nada remotamente controverso nas redes sociais, porque ele sabe que o departamento de recursos humanos de seu hospital monitora contas de funcionários em busca de evidências de deslealdade para com os progressistas Credo de “diversidade e inclusão”. Esse mesmo médico revelou que a ideologia da justiça social está forçando médicos como ele a ignorar sua formação e julgamento médico quando se trata de saúde transgênero. Ele disse que não é permitido dentro de sua instituição aconselhar pacientes com disfórica de gênero contra os tratamentos que desejam, mesmo quando um médico acredita que não seja nesse interesse particular de saúde do paciente.”

Vê? Esse médico não pode se permitir comentar assuntos de saúde que possam ser polêmicos, por medo de violar inadvertidamente a narrativa. E ele definitivamente não pode usar seu melhor julgamento médico em relação ao transgenerismo. Esse direito foi retirado de todos os médicos de seu grande hospital urbano, pela administração do hospital.

Não se trata de ciência médica. Se trata de ideologia.

O que me ocorreu hoje, pensando nas constantes mentiras sobre a questão do transgenerismo praticado pela área médica e pela mídia, foi o seguinte: Se eles estão dispostos a mentir pelo bem da narrativa sobre o transgenerismo e suprimir a dissidência, por que devo acreditar que eles não estão fazendo isso em torno da narrativa da vacina para o Covid? Como vocês leitores sabem, sou vacinado e, geralmente, sou pró-vacinação. Mas, devo dizer, observar os mentirosos com motivação ideológica em torno dos cuidados com os transgêneros (em especial com a juventude), é algo que está dissolvendo a minha confiança nas autoridades médicas em geral, ao menos quando questões médicas são tocadas por esta ideologia. Sempre que as pessoas dizem para você “confiar na ciência”, é melhor você deixar seu detector de mentiras ligado! Vivemos sob um regime que não tem restrições quanto a mentir para proteger e promover sua narrativa.

Conteúdo original publicado no The American Conservative.

Rod Dreher

Rod Dreher é editor sênior do The American Conservative. Um veterano de três décadas de jornalismo de revistas e jornais, ele também escreveu três best-sellers para o New York Times – “<em>Live Not By Lies</em>”, “<em>The Benedict Option</em>” e “<em>The Little Way of Ruthie Leming</em>” - bem como <em>Crunchy Cons</em> e <em>How Dante Can Save Your Life</em>. Dreher mora em Baton Rouge, Louisiana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *