Dissuasão Americana e Armamentismo Espacial

O projeto “Guerra nas Estrelas” de Ronald Reagan não foi engavetado, ao contrário. Perdendo terreno e recuando no Leste Europeu, na Ásia e no Oriente Médio, os EUA olham para outro terreno no qual eles possuem possibilidade de alcançar supremacia: o espaço. Com investimentos imensos a caminho, os EUA pretendem militarizar o espaço e hegemonizar esse novo possível campo de batalha, impedindo que Rússia e China se engajem em projetos semelhantes.

De 21 a 26 de agosto, foi realizado o 36º Simpósio Espacial em Colorado Springs, EUA, que mostrou uma clara tendência por parte de Washington de militarizar o espaço. Durante quase uma semana, senadores, altos funcionários militares, cientistas, representantes do complexo militar e industrial do país e convidados estrangeiros discutiram vários aspectos da exploração do espaço, mas, a julgar pelos discursos de abertura e subsequentes discussões na mídia, o interesse se limitou principalmente às questões militares.

O General James Dickinson, Comandante do Comando Espacial dos EUA, prometeu que em breve será revelada uma nova estratégia de Comando Espacial que definirá uma “força militar no espaço”. Ela será baseada em um manifesto publicado em janeiro de 2021, mas terá uma agenda mais substantiva. “O Comando Espacial dos EUA alcançará e manterá a superioridade espacial, quando, onde e por quanto tempo precisarmos dela”, disse o general. “Ele estabelecerá como realizaremos o que é necessário para que a superioridade espacial inclua esforços para combater a influência da concorrência, construir e manter vantagens competitivas, fortalecer nossas relações críticas e atrair novos parceiros”.

Muitos líderes militares e da indústria espacial dos EUA também acreditam que a Força Espacial dos EUA e o Comando Espacial dos EUA “devem demonstrar publicamente a Moscou e Pequim não apenas a capacidade de derrubar quaisquer sistemas contra-espaciais baseados no espaço que possam estar desenvolvendo ou implantando, mas também de atacar os satélites nos quais eles, como os EUA, dependem para comunicações, posicionamento, navegação e cronometragem (PNT), e inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR)”.

Além disso, os militares americanos estão fazendo declarações inflamadas de que a China e a Rússia já começaram uma corrida espacial (o que é falso) e citam planos conjuntos para explorar a Lua como um exemplo.

Nos últimos meses, tem havido debates e audiências em vários locais sobre as novas capacidades dos Estados Unidos no espaço. Em julho, a Diretora do Escritório da Secure World Foundation em Washington, Victoria Samson, e o Diretor de Planejamento de Programas, Brian Weeden, participaram de um briefing fechado para o Comitê de Seleção Permanente de Inteligência da Câmara dos Deputados dos EUA. Eles forneceram uma breve visão geral do relatório de Capacidades Contra-Espaciais Globais da SWF e sua avaliação da situação geral atual da segurança espacial e das soluções potenciais. No briefing participaram especialistas do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (Washington) e a secretária da Força Aérea dos EUA de 2017 a 2019, Heather Wilson.

Também nos últimos meses, o Pentágono tem estado ocupado com a desclassificação de um grande número de documentos relacionados a programas de armamento no espaço. Estes documentos foram provavelmente desclassificados na véspera do simpósio, mas o tema do Afeganistão era mais urgente e a atenção total das agências de inteligência e analistas dos EUA foi voltada nessa direção. Os meios de comunicação especializados notaram que os esforços do Pentágono têm muito provavelmente a ver com o chamado Programa de Acesso Especial, um sistema que tem estado envolto em segredo por muito tempo e é conhecido apenas por muito poucos, muito elevados líderes do governo dos EUA.

De acordo com os informantes, a desclassificação incluirá muito provavelmente uma demonstração da capacidade de defesa ativa para derrubar ou destruir um satélite e/ou nave espacial alvo.

As especulações dos especialistas vão desde um laser móvel terrestre usado para cegar satélites de reconhecimento adversários ou a bordo, bloqueadores de radiofrequência acionados por proximidade em certos satélites militares até um sistema de microondas de alta potência que poderiam danificar equipamentos eletrônicos transportado em satélites guarda-costas manobráveis. Desde que as capacidades de um interceptor cinético terrestre já foram demonstradas na derrubada do satélite Burnt Frost 2008, não houve nenhuma menção a este tipo de arma.

Ao mesmo tempo, o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional está publicando documentos sobre OVNIs que entram no espaço aéreo dos EUA. Não visitantes de outros mundos, é claro, mas sim vários veículos aéreos que não foram identificados. Isto parece andar de mãos dadas com o tema das armas secretas.

As questões de desclassificação não foram levantadas por acaso, mas quando os EUA começaram a pensar em uma nova estratégia de dissuasão em relação ao espaço sideral. E como os inimigos não podem ser influenciados sem um argumento convincente na forma de alguma arma poderosa (como foi o caso das bombas nucleares lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki para todo o mundo ver), estas capacidades precisam ser demonstradas abertamente no mundo real.

Aqui, vale a pena notar um relatório especial da Corporação RAND sobre a dissuasão da China no espaço. O estudo foi encomendado pelo Escritório do Secretário da Defesa, o Estado-Maior Conjunto, os Comandos Combatentes Unificados, a Marinha, o Corpo de Fuzileiros Navais, as agências de defesa e as empresas de inteligência de defesa. O principal objetivo do estudo era identificar formas potenciais pelas quais os EUA e seus aliados poderiam efetivamente deter a China no espaço. O relatório aponta que, de acordo com a Estratégia Espacial de Defesa Nacional dos EUA 2020, “o espaço é agora um domínio distinto de combate de guerra, exigindo mudanças em toda o empreendimento nas políticas, estratégias, operações, investimentos, capacidades e perícia para um novo ambiente estratégico”. E o atual desenvolvimento das capacidades chinesas no espaço está sendo considerado pelos EUA como um desafio que, de uma forma ou de outra, afetará a atividade na órbita da Terra.

O relatório define a dissuasão espacial como “a dissuasão de interferência com quaisquer sistemas que operem no espaço ou apóiem a operação de sistemas espaciais a partir do solo. Esta interferência poderia tomar a forma de ações contra os próprios ativos espaciais, desde ofuscar a ótica de um satélite ou bloquear downlinks até o uso de armas cinéticas contra estes satélites, ou poderia tomar a forma de ações contra ativos terrestres que suportem capacidades espaciais”.

Deve-se notar que, no que diz respeito aos militares e políticos dos EUA, a dissuasão clássica também inclui punições, ou seja, eles dependem de uma clara oportunidade de retaliar imediatamente após um ataque. Muitas vezes, tal abordagem não depende do poder militar relativo do lado adversário, mas de sua intenção de responder ao desafio. E, a este respeito, é necessário enviar sinais claros. Os pesquisadores da RAND acreditam que “[a] estratégia de dissuasão espacial, portanto, precisa construir credibilidade e legitimidade das respostas de domínio cruzado, explicar as vulnerabilidades assimétricas e comunicar capacidades de atribuição e intenção. As mensagens e normas são uma ferramenta importante para uma estratégia de dissuasão no espaço, mas o sucesso desta abordagem depende muito do alvo destas mensagens. Por esta razão, é especialmente importante adaptar uma estratégia de dissuasão a um determinado adversário”.

Portanto, enquanto a estratégia de dissuasão para a China seria um conjunto especial de procedimentos, os EUA teriam medidas ligeiramente diferentes para a Rússia. O relatório afirma que a China considera o espaço como uma vulnerabilidade crítica dos EUA, e Pequim tem armas antissatélite capazes de visar quase todos os ativos espaciais dos EUA. Washington também acredita que o objetivo da China é alcançar a supremacia espacial, ou seja, ter liberdade de ação, mantendo seus adversários de fora. É por isso que os EUA temem a possível implantação pela China de qualquer tipo de sistema de armas no espaço. Entretanto, para sua estratégia de dissuasão contra a China, os Estados Unidos também dependem de seus aliados – principalmente Japão, mas a Coréia do Sul, Taiwan e Índia também são mencionados.

A propósito, a Austrália sucumbiu recentemente ao mau exemplo dos Estados Unidos e seu ministério da defesa está agora prestes a estabelecer um comando espacial, tratando o espaço como um potencial espaço de batalha, assim como terra, mar e ar.

Portanto, trata-se de um círculo vicioso. Os EUA dizem que não querem uma corrida espacial, mas que têm que seguir uma estratégia de dissuasão contra a China e a Rússia (e depois provavelmente também contra o Irã e a Coréia do Norte). Uma estratégia de dissuasão exige uma demonstração de capacidade militar no espaço que supere os recursos disponíveis de um oponente. Portanto, seguindo a lógica desta estratégia de dissuasão, Washington está iniciando tanto uma corrida armamentista quanto a militarização do espaço.

Fonte: Oriental Review

Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *